Derivodólar ameaça Meirelles

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, pode dançar no último baile da Ilha Fiscal global. A bancarrota financeira neoliberal representaria seria ameaça a ele.

A política de juros altos, que foi favorável, num primeiro momento, para a economia, tende a se transformar em pesadelo, se os juros brasileiros, os mais altos do mundo, atrairem, irresistivelmente, os dólares derivativos apodrecidos na praça global. Aprodeceria a economia. 

O mundo, depois de viver a pujança e a decadência do dólar, do eudólar, do petrodólar e do nipodólar, vive, agora, os fantasmas da destruição do dólar derivativo, o derivodólar, gerado na bancarrota do setor imobiliário que produz crise bancária aguda.

Os investidores especulativos estão em polvorosa. Nos Estados Unidos, perderam a teta estatal para mamar. Na Europa, idem, apesar de, tanto americanos como europeus e japoneses estarem jogando dinheiro na circulação, nesses dias, para evitar o empoçamento de capital no sistema, perigando falir geral.

Sem chances de reproduzirem nas praças ricas onde se realiza a eutanásia do rentista, com juro baixo para evitar recessão, quem vai perder um negoção chamado juros brasileiros?

Fantástica lucratividade: trocar moeda que está apodrecendo o sistema financeiro internacional por títulos da dívida pública brasileira, cujo lastro é a riqueza do petróleo, dos minérios, dos alimentos, da biodiversidade, da condições naturais – terra, água e sol, que possibilitam até três safras anuais etc.

Nacionalismo ou entreguismo?

Se houver uma corrida de investidores para o Brasil nas próximas semanas, sem dúvida, o dólar, em vez de valorizar-se, seria brutalmente desvalorizado. O presidente do Banco Central tremeria na cadeira. Aumentariam vozes no Congresso pedindo sua cabeça.

Pode ser que tal pedida seja feita pela oposição, sem arma política para combater Lula.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, está colhendo  vitória em cima do discurso jurista neoliberal de Meirelles, no auge da crise financeira.

Como, criticamente, apostou no desenvolvimentista redistributivo- social-nacionalista-getulista-lulista, pregador de juros mais baixos, como faz, também, o vice-presidente José Alencar Gomes da Silva, Guido Mantega vê o chão abrir sob os pés de Meirelles.

Poderia ser tragado pela areia movediça neoliberal em crise de forma acentuada, se houver uma corrida bancária, por esses dias – hoje, ou amanhá, quem sabe? – ou por horas contra eventual enxurrada de moeda podre atraída pelo juro alto. Parece Boró, aquele bichinho que gosta de tudo que é podre, papel, pau etc.

 

Lenin cantou a bola

Em tal ambiente, nada  tão favorável paras as causas socialistas, como destacou Lênin, do que as desorganizações monetárias, que mexem com a segurança íntima do ser humano, já que os movimentos do dinheiro levam a um estresse total, predispondo-o, preocupado, às osciliações politicamente radicais.

O relógio da história está virando contra Meirelles, simplesmente, porque, se o juro alto, até agora, foi solução, daqui para a frente, pode virar problema., causando incertezas generalizadas. O que é positivo numa hora, é negativo em outra, contraditoriamente, dialeticamente.

Para piorar a situação conjuntural, emergente, Meirelles errou fragorosamente na última reunião do Copom, na semana passada. Em vez de conduzir a discordia interna dentro da diretoria do BC para um consenso, jogando , policamente, quis dar uma de machão. Fez política econômica em vez de economia política.

Estrepou-se ao optar por mais uma torcida forte no parafuso dos juros. Pegou mal. O momento pedia ponderação. A coragem para atender os interesses dos especuladores, sob o disfarce de combater a inflação, excedeu-se. Foi mais realista que o rei.

Rendeu-se ao mecanicismo, dançou na dialética.

Resultado: os preços do petróleo cairam fortemente; idem os preços das commodities etc. Pode pintar, em vez inflação, deflação.

Haveria deterioração acentuada nos termos de troca em favor de quem dispõe de matéria prima, América do Sul, relativamente, a quem precisa delas para industrializar, Europa, Estados Unidos, Japão, China etc.

Os preços dos produtos primários, escassos, sobem, enquanto os preços dos industrializados, graças ao aumento da concorrência, caem.

Haveria acirramento violento da competição no comércio mundial, carente de regulações, por causa do fracasso da Rodada de Doha.

Pode vir por aí uma sangria dos preços. A solução meirelliana pode estar deixando de ser útil.

 

Imperfeição é fundamental 

Não está pintando clima para compatibilizar-se com as decisões do BC,  que, visando a meta de 4,5% para a inflação para 2009, estaria arrochando, desde já, o custo do dinheiro.

Necessário? Desnecessário? Inconveniente? Imprudente? Prudente? Estados Unidos, Europa, Japão, Chile, que estão reduzindo os juros, estariam errados? 

Ou Meirelles acredita que elevando ainda mais os juros nas alturas estratosféricas continuará distribuindo renda a partir de bônus para os especuladores da classe média com os títulos da dívida pública que geram consumo bem à moda de um keynesianismo financeiro cuja fonte de renda é a própria moeda em circulação, agitando o consumo popular?

A qualidade do momento econômico internacional mudou para pior. A sinalização é de aumento da concorrencia global, que leva às desvalorizações, mediante políticas monetárias e fiscais altamente competivas.

As praticadas no Brasil, como mostram os resultados da balança comercial, não são. E o mais dramático, ainda: o que era bom, tende a ficar ruim, com muito dólar circulando para fugir do juro baixo, isto é, da morte-eutanásia.

Na Europa, nos Estados Unidos, na China, no Japão, no Chile, etc, os juros caem. Já, no Brasil, graças à estratégia meirelliana….

Não seria melhor jogar as reservas cambiais em maciços investimentos públicos do que ficar com elas num contexto altamente volátil?

Meirelles, em entrevista a Willian Waack, disse que não está afastada essa possibilidade. Talvez seja a sua salvação politica.

O giro dos acontecimentos está sendo veloz, criando situações inesperadas, surpreendentes, incontroláveis, desestabilizadoras.

Bastou poucas horas para o Lehman Broths, de 158 anos de idade, ir para o espaço, como fumaça. 

Não dá para não citar Fernando Pessoa diante da bancarrota do pensmento econômico neoliberal que pensava portar verdade única do pensamento perfeito:

“O perfeito é o desumano, porque o humano é imperfeito.”

Show de Bachelet: UNASUL desbanca OEA

Show político de Michelle Bachelet, presidente do Chile e pro-tempore da União das Nações Sul Americanas – Unasul. No sábado, 12.08, convocou, emergencialmente, reunião da entidade política, no auge da crise boliviana, afetada pelo terrorismo fascista, disposto a destronar o presidente Evo Morales, dado o temor radical pela democracia direta em curso sob poder político socialista indigenista.

Competente, ela utilizou o instrumento político da UNASUL, para executar a tarefa. Desencadeou, com essa jogada política genial não apenas a aposentadoria da Organização dos Estados Americanos(OEA), tardia e morosa em suas ações, ao mesmo tempo que causou confusão geral entre os presidentes sul-americanos. Estes se confundiram na imediata interpretação da estrategia politica micheletiana e da convenIência do encontro, visto de óticas individuais. Foram dominados pelo pensamento individualista, enquanto Bachelet jogou com a totalidade, pensando na América do Sul.

A confusão foi geral. Lula ficou na dúvida; Cristina Kirchner fechou na hora; Alan  Garcia se machucou, não comparecendo, porque viu equivocadamente articulação chavista no ar; Álvaro Urite titubeou, temeroso de radicalismos vindos do presidente Chavez; e Morales, quase nas cordas, diante dos ataques fascistas, temerosos da democracia direta, jogou com competente realismo.

O presidente boliviano viu o lance político genial de Bachelet e disse que foi iniciativa para discutir assuntos sul-americanos comuns. Avanço em relação à histórica prática da OEA de tormar partido sempre dos governantes norte-americanos, que impuseram na marra a expulsão de Cuba do organismo.

Agora, depois do histórico lance político Bachelet, inguém mais vai querer ficar na organização. Fossilizou, graças à astúcia política da chilena socialista.

Morales viu a luz brilhar. Não tinha outra saída, senão ser socorrido pelos colegas sul-americanos na Unasul, criada em junho em Brasília. Soprou vento politicamente forte dado por uma líder sul-americana. O jogo Bachelet rompeu impasses e impôs novo paradigma politico sul-americano.

Passadas as incompreensões políticas múltiplas, dadas pelo individualismo de cada presidente e o aspecto cioso que procuram manter, para tentar ser, cada qual, o líder maior, todos chegaram ao consenso. Simples, Bachellet bombou políticamente no cenário sul-americano.

Aproveitou as incompreensões dos seus colegas, de não buscarem superar, logo, as idiossincrasias individuais, e viu o coletivo. Estadista.

As mulheres ganharam, com Bachelet, agora, grande espaço político no contexto da Unasul.

 

Parlamento sul-americano

A Unasul, sob Bachelet, ao jogar no armário de antiguidades latino-americanas a OEA, dá, na prática, passo fundamental para inaugurar o parlamento sul americano. Desbanca o pensamento neoliberal americano sob a instituição, detonando-a, colocando em seu lugar uma tentativa de pensar a Unasul com pensamento sul-americano. Onde melhor exercitar isso, senão no parlamento sul-americano? Bachelet faz história.

Dominada, historicamente, pelos poderosos interesses dos Estados Unidos, na América do Sul, a OEA, quase, sempre, nas crises sul-americanas jogou com interesses americanos que contribuiram para a divisão política sul-americana. Não havia a voz nítida da América do Sul. Era um ruído, filtrado pelos interesses que se impopularizaram porque foram financiadores de ditaduras sanguinárias e não de líderes democráticos, como Allende, vítima das conspirações que tentam destruir Evo Morales.

Morales, político brilhante, viu, no primeiro lance,  o que nem Lula nem Chavez viram, ou seja, que a Unasul, sob Bachelet, colocava em cena o pensamento sul-americano em informal parlamento sul-americano, expresso na Unasul. Chavez saiu dando tiro, Lula sacando nota diplomática chinfrim, Uribe ouriçou, enquanto Cristina não vacilou diante da genialidade política da colega chilena.

Teria pintado inveja de homem?

Diante dessas incompetências que surgem quando interesses pessoais predominam, a presidente do Chile sublimou politicamente com grande talento. Sua performance no recibmento dos convidados espraiava áurea espetacular de auto-confiança infinita na sua jogada. Viu o todo. Transcendeu às partes.

Resultado: é a nova líder sul-americana.

Põe em funcionamento a Unasul, cujas propostas estão inseridas no parágrafo único do art quarto da Constituição brasileira de 1988, que prioriza “a integração política, econômica, social e cultural dos povos da América latina, visando uma comunidade latino-americana de nações”. Simplesmente, Unasul.

Bachelet, como verdadeira líder, tira do papel e lança ao ar uma conquista política sul-americana, no sentido de dominar sua própria voz, para buscar solução para as crises políticas na América do Sul. A OEA não fez o dever de casa, que seria condenar o terrorismo e afirmar-se contra a negação, pelos fascistas, da democracia boliviana.

 

Lição sul-americana-chilena

Curiosamente, vence, no plano ideológico, a astúcia política chilena, sob comando de uma líder provada na vida dura de filha de mártir da liberdade, assassinado pela ditadura Pinochet. Bachelet, seguramente, depois que sair da presidência é nome sul-americano para a ONU.

Enquanto isso, está mostrando sua habilidade, que não é dada nem pela excessiva indefinição de Lula no trato da questão boliviana, nem pelo excessivo açodamento adotado por Hugo Chavez.

Caminhou exuberantemente com a experiência chilena. É isso a conquista política socialista chilena, com discurso ajustado pela mistura adequada do pensamento socialista com pensamento capitalista, não à moda chinesa, que padece de democracia, mas dentro dos pressupostos democráticos.

Estes, sob o pensamento socialista chileno, está, com Bachelet, caminhando mediante compromissos maiores do capital para com o social, via política fiscal, a fim de fortalecer o mercado interno nacional.

Em outros modos, a mesma coisa é tentada, no Brasil, com Lula; na Venezuela, com Chavez; na Argentina, com Cristina; na Bolívia, com Morales; no Paraguai, com Lugo; no Equador, com Correia; no Uruguai, com o politicamente apagado ex-guerrilheiro, Tabaré Vasquez; e no Peru, com Garcia, que, lamentavelmente, fez um papelão ao não ter ido a Santiago.

Violenta mancada diplomática. Ficou na rabeira do campeonato de liderança política sul-americana. Coisa boa.

Bachelet coloca dentro da Unasul a discussão que é de todos os presidentes sul-americanos, independente das variantes políticas idiossincráticas existentes no plano da aparência: maior investimento no social para equilibrar o desequilíbrio provocado pelo capital oligopolista em expansão. Este destrói a concorrência e faz emergir o seu oposto, em movimento dialético, isto é, o oligopólio estatal, em nome do interesse público, como previu Jack London, em Tacão de Ferro, prefácio de Trotski.

Lula está nesse jogo, dividindo prioridades entre o social e o capital, bancando juros altos para atrair dólares que estão apodrecendo na crise bancária global, empobrecendo Estados Unidos e Europa e lançando raízes de desastres monetários e políticos. O fascismo alimenta-se disso.

 

O jogo econômico nacionalista sul-americano

O presidente brasileiro deu aos empresários o que eles não tinham: consumo interno. Antes, quando os estoques encalhavam, vinha sobredesvalorização. Com consumo interno emergiu sobrevalorização. Ele jogou na circulação capitalista 50 milhões de consumidores, colocando dinheiro estatal keynesiano – sempre Keynes! – para garantir poder de compra dos miseráveis que viviam sob o subconsumismo econômico histórico nacional, bombador de crises políticas sul-americanas.

Na circulação, como destaca Marx, é que o capital se reproduz. O bolsa família, apesar de o valor destinado a dar aval a 12 milhões de cartões de crédito contra a fome, corresponda a pouco mais de 1% do PIB, a circulação multiplicou, triplicou, o capital e o governo arrecadou mais. Caminhão novo para transportar 40 milhões de quilos de comida por dia, correspondente ao programa Bolsa Família, somente com sete meses de espera.

Na circulação, o capital multiplica não apenas para si, mas, também, para o governo, que é o maior beneficiado pela circulação das mercadorias. A arrecadação bate seguidos recordes.

Sem o consumo dos miseráveis, os cofres estariam vazios. O país estaria vulnerável à bancarrota financeira global. O ministro Guido Mantega para que está até gozando com a situação. Se o governo não tivesse aumentado os gastos mais que o crescimento do PIB, solução manteguiana-nacionalista, a tempestade estaria aí, rebentando tudo. Os neoliberais são suicidas. Teriam que ler Sócrates e Marx que consideram entesourar empobrecer. Não é mecanicismo, é dialética.

O milagre da circulação popularizou Lula, Chavez, Bachelet, Cristina, Correia, Morales e, agora, Lugo, mediante políticas nacionalistas destinadas a fortalecer o poder de consumo nacional. É um novo tempo de emergência dos movimentos sociais em toda a América do Sul, cuja exigência é por maior distribuição da renda nacional.

 

Sócrates entra em ação

Por isso, como é de urgência, a democracia direta vai se transformando em imperativo categórico, como diria Kant. Instrumento político de transformação das massas.

Como a democracia representantiva foi corrompida pelo capital e se encontra, minoritária, contra a sociedade, pois abandonou a política pelas medidas provisórias, a democracia direta, nos contextos onde as contradições econômicas, políticas e sociais, historicamente, estão mais radicalizadas, como na Bolívia, a maioria no poder impõe o jogo, sob os pressupostos democráticos.

As bombas contra Morales representam bombas na democracia direta, que acelera a distribuição da renda e forma nova correlação de forças políticas dada pelo aumento das conquistas e direitos da maioria, antes marginalizada, politicamente. Revolução democrática.

Não dá, dessa forma,  para engolir o comentário de William Waack de que o Brasil de Lula está sendo conivente com a Bolívia por não endurecer o discurso contra Morales. E a história, Waack, não vale nada? Francamente, pobre.

Felizmente, pintou quem seguisse o conselho de Sócrates na República de Platão: sabedoria, ousadia e ponderação. Nem Chavez nem Lula foram tão brilhantes, pois se comportaram como se estivesse em jogo a capacidade de um dos dois de resolver a questão, já que são os mais ricos, os donos do petróleo. Resquícios do machismo sul-americano. 

Bachelet, craque, deu o chapeu e completou de primeira. Destronou a OEA e pode ganhar a ONU. Emerge irrestivelmente como voz sul americana de coragem, de ousadia e de ponderação. Socrática.

Moeda sul-americana já

EDITORIAL – A pauta principal da União Sul Americana, UNASUL, hoje, em Santiago, sob presidência de Michelle Bachelet, certamente, é a crise boliviana, que ameaça emergência de separatismo na América do Sul.

Trata-se, claro, de algo que interessa às forças desintegradoras internacionais, dominantes no cenário global. Estas, que enfrentam, nesse instante, a derrocada geral do dólar, no contexto da crise bancária, com efeito dominó sobre as grandes instituições financeiras internacionais, não gostariam que ocorresse a união da América do Sul, que, com suas riquezas reais sobrevalorizadas em face do dólar sobredesvalorizado,  virando papel de parede no compasso do século 21, aponta para influente poder futuro no cenário global.

Assim, a UNASUL, além da pauta boliviana, precisa, urgentemente, debater a grande crise, o tsunami financeiro que está varrendo os Estados Unidos e a Europa. Os ricos estão ficando pobres, por conta da desvalorização da moeda de referência internacional, bancada pelo sopro do Estado nacional americano, abalado pelos deficits insuportáveis, incapazes de dar tranquilidade ao mercado, para enxugar a liquidez e evitar inflação exponencial.

Por isso, faz necessário e urgente, a moeda sul-americana, já.

Tal realidade, se fixada, faria emergir nova potência global. Por isso, a clássica lição imperialista, de dividir para governar, continua sendo o objetivo principal das grandes potências, que agem, coordenadamente, no G7.

Ocorre que essa força internacional poderosa está atordoada pela bancarrota financeira neoliberal, cuja responsabilidade cabe exclusivamente, a ela. A sobreacumulação de capital nos países ricos, por conta da desatada especulação financeira com o dólar derivativo, que passou a ser a forma adequada de reprodução ampliada do capital – já que não consegue fazê-lo mais na produção, prejudicada pelas contradições do próprio capital – , deixa os poderosos sem o que fazer, de forma efetiva, senão torcer para que o maremoto não leve tudo de roldão.

Chegou, portanto, a hora da UNASUL aproveitar o embalo para criar não apenas a moeda sul-americana, mas, também, o banco central sul-americano, o parlamento sul-americano, a segurança sul-americana. O lastro que a America do Sul possui é poderoso.

Qual? A riqueza do petróleo, das matérias primas, dos alimentos, do sol, da terra, da água – que garantem até três safras anuais – , ativos reais abundantes em solo sul-americano. Não é ficção, como a moeda referência, que vai sendo corroída pela bancarrota.

Trata-se de superar, rapidamente, as divisões internas sul-americanas e partir para essa unidade, tendo como ponto de encontro a moeda, ancorada em riqueza real, não fictícia.

Chegou a hora da política sobrepor-se à economia.

Esse é o momento da afirmação continental sul-americana, na linha proposta pelos libertadores do continente, como, por exemplo, Vargas, Tiradentes, Tancredo Neves, Marti, Bolivar, Peron, Fidel, Guevara etc.

Mãos à obra UNASUL.

Lula ganha de Chavez espaço na crise boliviana

O presidente Lula ganhou importante espaço político no contexto da crise boliviana, para tentar coordenar a conciliação entre governo e oposição. Está deslocando, com discurso conciliador, o presidente Hugo Chavez, que optou pelo discurso incendiário.

O presidente Evo Morales, contatado pelo titular do Planalto, na semana passada, para ajudar nos entendimentos, recusou apoio, num primeiro momento. A oposição, diante do vácuo, entrou pedindo o passe de Lula para ser agente da solução de consenso entre as duas partes em confronto.

Morales, sob pressão violenta dos adversários, ao dispensar a oferta lulista, deu a entender dispor de cacife suficiente. Não emplacou. A oposição mostrou força. Morales, então, foi ao contra-ataque, para expulsar o embaixador americano, considerando-o fomentador dos conflitos no país, articulado com a força reacionária, contrária ao avanço da democracia direta por meio de referendo. 

A próxima batalha, nesse sentido, deverá ser em 7 de dezembro, quando haverá ou não ratificação, pela população, da nova Constituição, que faz avançar o poder popular, hoje, em mãos dos indígenas, cujo líder maior é o presidente Morales.

Nessa Constituição, tirada de Assembléia Constituinte revolucionária, os estados mais ricos poderão perder autonomia e riqueza. Neles, estão as grandes fontes de petróleo e gás, sobre as quais Morales quer ampliar cobrança de impostos, para bancar programas sociais. Deseja fazer reformas do capitalismo boliviano, semelhantes às em curso, no Brasil, como forma de estabilizar crescimento e inflação, via melhor distribuição da renda nacional.

 

Precipitação chavista

Nesse contexto, em meio à reação diplomática radical de Morales, o presidente da Venezuela, Hugo Chavez, apostando no acirramento diplomático, agiu de forma semelhante, expulsando, no mesmo dia, em solidariedade ao colega boliviano, o embaixador americano no país, enquanto destaca, simultaneamente, que estava desarmando complô golpista contra seu governo.

A corda esticou, puxada pelos dois presidentes, Evo e Hugo, contra Washington, considerada por eles culpada pelo acirramento da crise. Evidenciou, então, para os adversários de Morales que seria impossível contornar a crise boliviana, mediante solidariedade de Chavez a Evo, que dispensara ajuda brasileira ofertada por Lula.

As tensões internas explodiram em dois dias, com 30 mortos e outro tanto de feridos, especialmente, em Pando, para onde tropas governistasse se descolocaram. Evidenciou-se o que os analistas já estavam prevendo: nem a oposição, sozinha, tem condições de vencer a parada, assim como o governo, também, dificilmente, sairia vencedor contra as forças dos oligopólios que dominam a economia nacional, tendo a oposição radicalizada como cabeça de ponte.

Com ambos os lados exaustos, falou alto a defesa feita por Lula pelo entendimento. Só que o apelo para a participação do presidente brasileiro como conciliador não partiu, dessa vez, do presidente Morales, mas dos líderes da oposição.

Ou seja, atenderá o apelo direto dos que são contra Morales, aliado a Chavez, que perdeu, pelo açodamento, condições de liderar, na Bolívia, um consenso, pois radicalizou demais antes da hora.

O que Morales e Chavez deveriam fazer, desde o primeiro momento dos ataques terroristas e fascistas da oposição contra o governo, seria a cobrança ao inimigo deles, o presidente W. Bush, de apoio às forças políticas constitucionais, pois, afinal, os Estados Unidos mantêm cruzada permanente contra os terroristas.

No dia 11 de setembro, teria sido o momento ideal, pois representava data dos atentados terroristas em Nova York, há sete anos. W. Bush, com essa cobrança, ficaria no curé.

Em vez disso, Morales expulsou o embaixador, seguido, no gesto por Hugo Chavez. Deu motivo para Bush ficar na dele, parcial, no ataque, contra as forças democráticas bolivianas, expressas por manobras realizadas pelo seu representante no país, com conhecimento pleno dos seus chefes em Washington, claro.

 

Teste para liderança chilena

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nessa segunda feira, os desobramentos da crise rolam em Santiago, Chile, com reunião da União das Nações Sul Almericanas – UNASUL -, sob presidência da presidente Michelle Bachelet, que a convocou para discutir a crise boliviana.

Será o primeiro teste barra pesa da nova organização continental, nascida para promover as demandas por integração econômica e política da América do Sul.

Lula chega lá polarizando com Chavez, no plano diplomático, fortalecido por ter se tornado elemento que poderá gerar consenso entre as partes em conflito, sabendo que o Brasil é o mais interessado no processo de paz, já que depende do gás boliviano para abastecer as indústrias em estados fortes como São Paulo e Rio de Janeiro.

Pode ser a hora do presidente brasileiro destacar-se no plano diplomático sul-americano, com ênfase, dadas as condições favoráveis que dispõe, tanto no plano político, por estar bombando nas pesquisas de opinião, diante da economia nacional em crescimento, enquanto a economia mundial mantém expectativas pessimistas, mas, também, porque o Brasil, com as descobertas trilhonárias de petróleo, na camada pré-sal, passou a ser respeitado no plano continental e global.

Obtém cacife extraordinário, para ser voz de comando no contexto da união sul-americana, pregando moeda sul-americana, banco central sul-americano, segurança sul-americana, tribunal sul-americano e parlamento sul-americano.

As riquezas sul-americanas sobrevalorizadas no ambiente em que as relações de trocas internacionais vivem incertezas diante da sobredesvalorização do dólar, moeda referencia global, podem ser o lastro da união, com o Brasil despontando-se com maior expressão nessa nova conjuntura. 

Ou a riqueza, em vez de união, geraria discórdia?

Imperialismo sanguinário


O que está ocorrendo na Bolívia ocorreu no Brasil, em 1964; no Chile, em 1973; na Argentina, em 1976, e quase ocorreu na Venezuela, em 2002. Tudo começou com a usurpação de 1.300 mil km² do território do México, na guerra movida pelo presidente Polk (1846/1848). E em 1856, o mercenário ianque William Walker se declarou presidente da Nicarágua. Podemos deixar de lado o caso bem conhecido da intervenção em Cuba, desde sua “independência” até a Revolução de 1959.

No início do século 20, para construir o canal, os americanos promoveram o movimento separatista do Panamá – que pertencia à Colômbia – e obtiveram, da constituição que eles mesmos redigiram, o direito de intervir no país quando necessário. Entre 1926 e 1933, a Nicarágua viveu a extraordinária gesta de Sandino – em seu tempo, mito maior do que o de Guevara. Ele enfrentou vitoriosamente os marines, foi traído e assassinado por Somoza, em encontro marcado para a conciliação nacional. Como prêmio, o democrata Roosevelt fez do assassino o ditador da Nicarágua, que legou o país a seu filho, até a vitória dos sandinistas em 1979, quando os EUA armaram os contra-revolucionários. Em El Salvador o terrorismo norte-americano matou dezenas de milhares de pessoas, entre elas o bispo dom Oscar Romero, junto ao altar.

Em 1964, os norte-americanos estimularam e orientaram, mediante seus diplomatas e agentes, o golpe contra o governo constituído de Jango. Como hoje na Bolívia, houve a orquestração da imprensa, o incentivo aos baderneiros, a mobilização da extrema direita. Em 1973 foi a vez do Chile. Repetiu-se o mesmo modelo, com o envolvimento das forças armadas, o uso de vultosos recursos financeiros, a cooptação remunerada dos serviços de informação, os atos de sabotagem, o lock-out dos empresários e o estímulo a agentes provocadores. O golpe contra Allende só foi consumado com a morte do grande presidente. O envolvimento dos Estados Unidos no episódio é registrado em documentos oficiais de Washington.

Jogo da brutalidade

A Venezuela, mesmo depois de o presidente constitucional Hugo Chávez ter sido seqüestrado, conseguiu impedir o golpe de abril de 2002, patrocinado pelos Estados Unidos, pelas multinacionais, empresários locais e os meios de comunicação. No fim da última semana, era denunciada nova articulação golpista. Com a experiência que temos do passado, é quase certo que Washington se encontre por detrás da conspiração. Chávez, diante dos fatos na Bolívia, teve a coragem de expulsar o embaixador dos Estados Unidos. Morales também havia decidido declarar persona non grata o embaixador norte-americano em La Paz, e com razões públicas e objetivas: o diplomata estava se reunindo com os governadores da oposição que pregam a independência de suas regiões.

A Bolívia não se encontra nas antípodas. Está ali, ao lado. A nossa posição, no episódio, deve ser orientada pela velha afirmação do princípio de não intervenção. Fez bem o Brasil em acatar a decisão de Evo Morales de declinar do oferecimento dos vizinhos para buscar a conciliação. Morales preferiu convidar o prefeito de Tarija, a fim de conversar. O problema maior é o grande latifúndio: 860 proprietários controlam 46% das terras da planície (quatro deles com glebas de mais de 50 mil hectares cada um), enquanto 54 mil empresários médios só possuem 7,3% da área. Os índios foram despojados de suas terras, e o agronegócio (movido por croatas, sírio-libaneses, norte-americanos e brasileiros) está por detrás das agitações. É ainda mais grave saber que a razão invocada pelos baderneiros é a de que Morales vai usar os recursos do gás para socorrer os bolivianos idosos e pobres.

Não é provável uma saída rápida para a crise. Ainda que se chegue a um acordo entre o presidente e os governadores da região oriental, o problema continuará latente. O caso da Bolívia é também uma advertência para a nossa política fundiária na Amazônia. Estamos permitindo a aquisição de glebas na região por estrangeiros e por grandes fundos de investimentos (que são apátridas, como o Opportunity), o que trará grande risco em futuro próximo.

Aos Estados Unidos não interessa a estabilidade de nenhum país do continente. É evidente que tanto na Venezuela, quanto na Bolívia, seus agentes, oficiais e embuçados, incentivam os inimigos de Morales e de Chávez. Diante da situação, os demais países sul-americanos devem unir-se diplomaticamente e impedir o pior.

 

Coisas da Política(JB)