Vai o artista, fica a arte

O profissional que amava sua arte e que deu tudo de si para engrandecê-la deixa todos nós tremendamente órfãos

Tive o prazer de trabalhar, nos anos 1970-1980, com meu amigo Jamil Bittar(1950-2009), no Jornal de Brasilia, com uma turma muito boa, inesquecível, e no José – Jornal da Semana Inteira, ambos, ao seu tempo,  editados por Luiz Gutemberg , que  lançou, como marca registrada no José, a fórmula FPA – Fato, Pesquisa e Análise – , a notícia em três tempos, para contextualizá-la em nome da inteligência e respeito aos leitores/ras. Correspondia ele, magicamente, com essa dinâmica jornalística, encaixando suas fotos com o pensamento no editor, furando a página com seu trabalho brilhante, dando sincronia ao movimento da notícia. Prendia o editor ao seu próprio ângulo artístico. Como os grandes artistas, buscava, sempre, a síntese. Pontificou sua competência em O Globo, Jornal do Brasil, Correio Braziliense e agência Reuters.  Guerreiro sensacional. Orgulha Ângela, Rodrigo, Bruno, Rafael e todos nós seus  fãs cheios de saudade, desde a última quarta feira, 26. Beijo, mano.

 

 

Os grandes lances, a beleza da alma, a sutileza artística, tudo juntava no craque do clic

Paixão nacional 

 

correspondente internacional, brindava os leitores, sempre, com o melhor, porque essa era a exigência do seu espírito

Uma parceria de 509 anos

 

A preocupação com os detalhes marca a busca incessante da perfeição

Ironia, gozação, bronca, confissão, júbilo?

 

 

O tempo, o vento , a ilusão

 

 

Fotógrafo da história, Jamil ilustrou a República em seus momentos dramáticos

Ditadura em glória sombria

 

O mistério e as motivações humanas buscado como inquietação permanente do grande profissional

Olhar frontal ou lateral? 

 

jamil-7

Falta muito ou pouco, mnistra?

 

 

Farsa , máscara e representação

 

No lance da história

Democracia disfarçada de guerra

 

As palavras ganham o gesto no aprisionamento do olhar

Me espere, Goiás

 

A beleza é fundamental, e o artista não a deixava escapar

Fraternidade em crise global 

 

 

Conhecimento, história e dor

 

 

A busca do detalha para dramatizar o fato

Abismo inexplicável

 

 Enquanto a festa segue, o trabalhar sua para extrair o melhor dela

Esperança em meio à desordem

 

A luta pela vitória era saudada pela melhor oferta fotográfica

Eternidade de um instante 

 

 

Humanismo, força e realização

 

 

Uma pintura!

Eterno e  moderno

 

Amante da arte, do movimento e da alegria

O baile da bola

 

Ele satisfazia todas as suas curiosidades e, claro, dos seus admiradores

Paixão nacional 

 

 

Atração, repulsão, conexão 

 

 

O jogo do poder era a sua paixão expressa em imagem

Colapso da mentira

 

Os impasses das negociações e a força dos embates saiam das suas fotos com a força dos próprios fatos

Caminhos cruzados da parceria sul-americana

 

O trajeto da história na trajetória dos personagens que inundam a capital

Tombos, glória, tombos, glória, tombos…

 

Um olhar, uma eternidade de beleza

Preço da paz: eterna vigilância

 

Poucos escaparam do espírito investigativo dele na perseguição às motivação maiores do poder que envolve a natureza humana

A arte de derrubar aliados

 

 

Roda da alegria efêmera

 

 

A roda viva da política era o palco onde ele brilhou

O circo em êxtase 

 

A transformação do momento em eternidade

Arte foge como sombra 

 

 jamil-95

Lula, Lula, Lula, Lula…  

 

BRAZIL/

Moldura de mármore e sol

 

 

jamil-107

Cultura contra a força

 

 

 

Impulso do poeta

 

jamil-94

Seu clic era suave como poema de Quintana…

 

jamil-652

gozador como papel que aceita mentiras…

 

jamil-671

doce como o colo do amor… 

 

jamil-682

carinhoso como os braços do populismo….

 

 O amor na hora da maior alegria recebe o toque de arte

espontâneo como a beleza da vida….

 

jamil-691

enigmático como as frases calculadas… 

 

jamil-701

furioso como a energia quente….

 

 

Tempo de turbulências

 

 

jamil-711

Papa bate na cabeça do prego

 

BRAZIL PROTEST

Revoada que muda opiniões 

 

jamil-72

Decadência burguesa européia atrás de lucro

Os personagens chegam e saem na roda viva do poder enquanto a arte jamiliana vai explicando o movimento artístico pelo gesto

Personagens que chegam e vão da capital

 

jamil-741

Eternos humanos direitos 

 

jamil-761

Consciência em expansão

 

jamil-77

Ímpeto para matar ou dramaturgia? 

jamil-78

Causas eternamente perdidas 

 

jamil-801

Último recurso da cidadania

 

Trabalho, beleza e suor

 

Portugal New Year

Deslumbramento com fogo consumista 

 

jamil-831

Fantasmas da Casa Branca

 

jamil-84

Samba tangado ou Tango sambado?

 

jamil-851

Floresta no parlamento

 

jamil-861

Mitologia narcotraficante

 

jamil-871

Civilização ou barbárie?

 

 

Balacobaco tropical

 

 

jamil-881

O petróleo é nosso 

 

jamil-891

A rua é do conflito, do tumulto e da violência

 

jamil-901

República das Alagoas em transe

 

jamil-912

Sorriso da impunidade 

 

jamil-924

Artista se rende à arte

 

jamil-991

Duro exercício da popularidade

 

manchetes-politica-defesatroca-pol

Sintonia total 

 

Pensar, falar, agir

 

 

jamil-100

Arte em três tempos: arquitetura, política e cultura 

 

jamil-1011

Parece que tudo começou ontem

 

jamil-1041

Casa sul-americana 

 

jamil-108

Discurso da imagem

 

jamil-54

Premonição presidencial jamiliana?

 

O fim é o começo

Fantástico conto sul-americano 

TV Câmara põe distribuição da renda nacional na sucessão presidencial

Temer marcou importante tento político ao transformar o plenário e as galerias cheias de empresários, trabalhadores e parlamentares para discutirem a redução da jornada de trabalho, dando inicio à valorização do Legislativo por meio da tevê câmara

Foi um belo espetáculo democrático muito pouco valorizado pela grande mídia que não gosta de ouvir falar em distribuição da renda nacional para não ferir os interesses dos seus anunciantes poderosos que vivem da sobreacumulação de capital. De um lado, os empresários; de outro, os trabalhadores debateram, abertamente, o projeto de lei que reduz a jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais. O presidente da Câmara, deputado Michel Temer(PMDB-SP) marcou tento político significativo em comparação ao deboche em que virou o Senado sob presidência do senador José Sarney, ao transformar o plenário em palco do grande debate sobre a distribuição da renda que enfim sintetiza a proposta do projeto de lei. Os apupos ocorreram de lado a lado e os excessos foram democraticamente contidos pelo senso de humor fino de Temer que parece fazer papel de esfinge.

Para quem está acostumado a ver o ambiente parlamentar nos últimos tempos em que a ausência de participação social tornou-se a tônica, no Legislativo, dominado pela governabilidade eternamente provisória,  o que ocorreu, na terça feira, 25,  pode ser considerado um renascimento do debate parlamentar público com a novidade transformadora de ser ao vivo para todo  Brasil, via TV Câmara. A moda, certamente, vai pegar. Não poderia ser mais apropriada a iniciativa política do deputado paulista, cotado para ser candidato a vice-presidente de Dilma Rousseff, se houver acordo político.

O Congresso, que está rendido à governabilidade à base de medidas provisórias, cuja essência prescinde da participação popular, conferindo ao Legislativo adjetivo de casa sem sabor de povo, recebeu uma lufada forte de vento democrático, com plenário e galerias da Cãmara cheias para mostrar a novidade política, que pode marcar o novo cenário. O circo romano político-simbólico televisado pode sinalizar tendência nas sessões no Legislativo brasileiro, caso sejam repetidas as cenas e debates polêmicos polarizados desencadeados por Michel Temer  como fato político mais relevante do ano. Certamente, Sarney, presidindo Senado, sob galerias e plenário lotados, para audiência popular, poderia, no calor das acusações de que é alvo, sofrer apupos insuportáveis.

O antagonismo capital-trabalho veio ao ar com toda a energia e colocou o assunto na pauta do Congresso como condição para a sua propria afirmação popular, sob perigo de desmoralizar-se, se não houver procedimento compatível com o anseio popular por total abertura e transparência.

Marcou a sessão a emergência de força política que coloca em xeque a forma de governar da Nova República, pautada pelas MPs, como foram pautados os governos militares pelos decreto-leis ditatoriais. O jogo micheltemeriano é de alta voltagem política , se for levado adiante, como estratégia de inserção do Legislativo no ambiente popular, tendo como porta estandarte a TV Câmara. O canal público colocou no ar a novidade política que tende a ganhar platéria:  a disputa pela renda nacional por meio de sessão concressual televisionada. A distribuição da renda entra, assim, na campanha eleitoral.

 

Beneficiários do trabalho não pago

 

os beneficiários do trabalho não pago como reprodução da renda do capital querem impedir a redução da jornada de trabalho que significa aumento da renda do trabalho disponível para o consumo

Os empresários brasileiros, capitaneados pelo presidente da Confederação Nacional da Indústria(CNI), deputado Armando Monteiro Neto(PTB-PE), abriram suas baterias contra a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais, da mesma forma que estão berrando, também, contra a redução da sua influência nos destinos do BNDES, que passou a exercitar ação financeira tanto para a promoção do econômico como do social, quando, antes, cuidava, tão somente, do econômico, enquanto o social era decoração.

Na prática, a redução de quatro horas representa ganho do trabalhador que passa a valorizar mais seu salário por hora trabalhada. Se , antes, ele gastava 44 horas para produzir x, gastará 40 para produzir o mesmo x. Toma consciência de que as quatro horas a mais que trabalhava significavam trabalho não pago.

 A teoria do valor trabalho, embora os neoliberais tentem desacreditá-la, é a principal conquista alcançada pelos trabalhadores inglêses, no século 18, como destaca Adam Smith. Por ela, a força de trabalho é medida e remunerada e a sua venda é executada de forma calculada, de modo que o valor correspondente ao salário seja sempre menor do que o valor correspondente à mercadoria que o trabalho produz. O gap – distância entre o valor-salário, menor, e o valor-mercadoria, maior – é o trabalho não pago, que Smith – e não Marx – , chamou de mais valia.

A renda da terra, o lucro do capital , os juros compostos sobre o capital sobreacumulado etc  não seriam, pela lei do valor, desenvolvida por Ricardo e abraçada pelos trabalhadores inglêses como grande conquista, nada mais, nada menos que trabalho não pago. O tempo de trabalho executado pela força de trabalho que gera trabalho não pago, mais valia,  torna-se operação simples que, simplesmente, faz a cabeça do trabalhador.

Dessa forma, a luta dos trabalhadores ingleses, que ditaram as coordenadas para os trabalhadores dos demais países capitalistas europeus, no século 19, e aos dos países da periferia capitalista, no século 20, seguiu sempre a palavra de ordem de redução da jornada de trabalho como forma de aumento de salário e redução de lucros e de sustentação da produção.

Os trabalhadores sabiam , perfeitamente, que o que produziam em 14 horas de trabalho diárias poderiam produzir em 12 e o que produziam em 12 poderiam produzir em 8 e o que produzem em 8 poderiam produzir em 4, no compasso da elevação da produtividade, sem redução da produção. Pelo contrário. Se produzem em 4 o que produziriam em 14 horas, passam a ganhar o correspondente a 10 horas de trabalho que não eram remuneradas, enquanto os empresários perderiam as mesmas 10 horas em forma de lucro não absorvido.

Tal consciência laboral , evidentemente, sinaliza ao empresário que ele ganhará menos por dispor de menos trabalho não pago como lucro, na medida em que haja a redução da jornada. Jornada longa, lucros máximos acumulados; jornalda curta, lucros máximos melhor distribuidos.

 

Conflito capital-trabalho aprofunda 

 

deputado paulo pereira da silva, paulinho da força, sabe que o trabalho não pago reverte em trabalho pago quando a jornada de trabalho é reduzida, o que eleva a taxa de consumo mediante renda a mais disponível para tanto

A redução do trabalho não pago, que se transforma em trabalho pago, na medida em que a jornada de trabalho, em meio ao desenvolvimento científico e tecnológico colocada a serviço da produção avança, cria novo ambiente político no cenário capitalista nacional. Coloca em cena a disputa entre trabalho e capital pela renda nacional que o Estado, via governo democrático, é chamado a arbitrar, no Congresso.

Altera, substancialmente, nesse novo contexto as forças políticas ligadas à produção e ao consumo em busca dos recursos para a sua afirmação. O desenvolvimento das forças produtivas no Brasil desde o início da industrialização na Era Vargas se deu pelo privilégio concedido aos investimentos em nome da ideologia desenvolvimentista. Para esta, o investimento gera consumo correspondente. Historicamente, ocorreu a concentração da renda na produção , enquanto o consumo, por não ser prioritário, para o investidor, que se interessa, sim, pelo lucro, saiu, amplamente, prejudicado.

A tendência subconsumista tornou-se a regra geral no capitalismo da periferia capitalista, como se verifica, no Brasil, onde, ainda , hoje, 31 por cento da população se encontram excluídos do modelo de desenvolvimento econômico concentrador de renda e poupador de mão de obra. Os prejuízos decorrentes do subconsumismo, expressos em formação de estoques, que sinalizam deflação, sempre levaram os empresários, ou seja, os investidores a buscarem a saída na repetição do mesmo discurso, o de que a solução significa mais investimento, para puxar, correspondentemente, o consumo. Como isso é , apenas, discurso, o resultado foi a necessidade de desvalorizações da moeda nacional, para impulsionar as exportações, de modo a desovar estoques.

Toda a poupança interna disponível nos bancos oficiais foram carreadas para atender o discurso da produção como prioridade do capital. A história do BNDES é a comprovação da tese. Inicialmente, era BNDE. O S , de Social, veio depois, mas para fazer, somente, figuração.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico(BNDE) era sinônimo da prioridade concedida ao investidor sob amparo da ideologia desenvolvimentista subordinada à poupança externa. O BNDES nasceria depois, mas a predominância do S do BNDES continuou sendo colocado em segundo plano porque as forças políticas dentro do banco, para direcionar seus recursos eram majoritariamente alinhadas aos interesses do E, de econômico.

No contexto do BNDES, a recente disputa entre o E, de Econômico, capitaneado pelos empresários da indústria, do comércio, dos serviços e dos bancos, com o S , de Social, coordenado pelo Ministro do Trabalho,  Carlos Lupi, do PDT,  representante, ao lado das centrais sindicais laborais,  do trabalhismo-varguismo-brizolismo-petismo,  iniciou virada parcial do jogo, ao fazer preponderar dentro do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo do Trabalhador(Codefat) o ponto de vista do trabalho, para direcionar recursos do BNDES. Busca-se a equidade na relação entre os investimentos destinados ao social e aos à produção.

A redução da jornada de trabalho, como destaca o deputado trabalhista do PDT, Paulo Pereira da Silva, de São Paulo, denota mudança de conceito dos investimentos no sentido de fazer valer o princípio de que sem fortalecimento do consumo, do social, não será possível sair da crise de subconsumismo de que o capitalismo brasileiro padece, caso mantida prioridade aos investimentos , apenas, à produção, que não geram consumo correspondente. 

 

Arma da concentração da renda

 

ricardo, seguindo os passos de Adam Smith , teorizou a lei do valor trabalho que fez os trabalhadores ingleses visualizarem o trabalho não pago que se expressa na extensão máxima da jornada de trabalho como arma da acumulação da renda capitalista

A predominância histórica do ponto de vista da produção, apegado à Lei de Say, segundo a qual toda oferta gera demanda correspondente, começou a balançar sob os holofotes da TV Cãmara. Ao ser colocado tal ponto de vista em debate popular no plenário da Câmara pelo deputado Michel Temer, para ser confrontado com o ponto de vista oposto pelos trabalhadores, cria-se ambiente político cujo desfecho, em meio à sucessão presidencial em marcha, é incognita. Contudo, demonstra que o Legislativo se abriu para a polêmica em relação aos antagonismos sociais que estavam encobertos pela governabilidade provisória.

O debate essencial é esse: os investimentos dinamizam? Sim, sem dúvida. Mas, geram demanda correspondente? As sucessivas crises de realização do capital, expressas em desestruturações da produção, que deixa de se realizar no consumo , demonstram ao longo dos séculos 19 e 20, justamente, o oposto.

Não há correspondência entre o investimento, solução empresarial para as crises, e o consumo correspondente, simplesmente, porque a relação capital-trabalho,  resultando num montante de trabalho não pago, significa, dialeticamente, insuficiência de consumo. O capitalismo, como destaca Marx, sofre, desde o seu nascimento, de crônica insuficiência relativa de demanda global.

O fato novo, agora, na grande crise global, é que o processo econômico em bancarrota , na periferia capitalista, desperta reações políticas voltadas à busca de melhor condução, pelo Estado, da economia, como árbitro das classes sociais antagônicas na luta pela apropriação da renda nacional.

Os governos, que sempre socorreram os investidores, aliando-se a sua ideologia desenvolvimentista, chegaram a um ponto de saturação, no sentido de que, assim como o investimento não gera consumo correspondente, as políticas fiscais para salvar os desenvolvimentistas, via desonerações fiscais, igualmente, não geram arrecadações tributárias suficientes.

Como os governos, para se sustentarem, sob democracia, precisam investir em serviços públicos, e estes dependem de arrecadação, a opção governamental tende a ser favorável a quem proporciona maior benefício relativo aos cofres públicos, no processo em que, graças às crises  do capital sobreacumulado, a produção, em meio à crônica insuficiência relativa de demanda global característica do capitalismo, deixa de se realizar no consumo.

Por isso, fortalecer o consumo, via incentivo estatal, passou a ser , para os governos, mais negócio do que bombar a produção, que não gera consumo correspondente e, consequentemente, arrecadação suficiente.

Essa lógica leva o governo a optar pela redução da jornada de trabalho  porque ela sendo , para o trabalhar, recuperação do trabalho não pago, representa, também, renda disponível para o consumo, que se expressa em maior arrecadação. O processo histórico trabalha contra o ponto de vista da sobreacumulação que domina a mente empresarial conservadora brasileira, na etapa histórica atual.

Ataque fascista da Isto É a Beto Almeida

O jornalista nacionalista que coloca em discussão a soberania nacional fere interesses poderosos que tentam manter sua influência abalada pela grande crise mundial que detonou a reputação da moeda dominante, cujo valor cai em relação ao poder potencial sul-americano, necessário seja valorizado

Os presidentes sul-americanos, que, nos últimos dez anos, encetaram o discurso do fortalecimento do consumo interno em seus países, como alternativa nacionalista , para dinamizar a economia,  e se fortalecerem, como detentores de matérias primas indispensáveis à manufatura global, como  petróleo, minérios e alimentos em fartura, passaram a sofrer duras críticas dos governantes do primeiro mundo.

Na periferia capitalista, predomina, historicamente, o discurso promotor do investimento prioritário na produção e não no consumo, porque as elites a serviço do capital tentam fazer valer a tese de que o investimento gera demanda correspondente, como diz o jornal O Estado de São Paulo , em seu editorial , na terça 25, intitulado “O governo traiu lorde Keynes”.

São adeptos de Jean Baptiste Say, pai do neoliberalismo, que a história enterrou. Marx deu uma gozada na tese de Say de que toda oferta(investimento) gera demanda(consumo) correspondente, destacando que ele teria razão, se as mercadorias que os empresários levam ao mercado fossem vendidas sem lucro. Como  o lucro é a prioridade e não o consumo, o sistema, ao caminhar para a sobreacumulação de capital, como algo intrínseco a  sua natureza, produz crônica insuficiencia relativa de demanda global, como demonstrou, cabalmente, Marx. O assunto dá panos para manga, mas é , fundamentalmente, o fulcro da questão sul-americana, no momento histórico.

O equilibrismo fracassado de jean baptiste say ainda faz a cabeça da grande mídia alienada em seu discurso que confunde na tentativa de explicar o inexplicávelOs governos nacionalistas pregam, agora, mais prioridade ao consumo do que à produção e isso desloca interesses poderosos. Antes, os governos, em mãos das elites conservadoras, priorizavam a produção, dando incentivos e aliviando impostos, em nome da ideologia do investimento cujo incremento geraria consumo correspondente. Não gera nunca. Resultado: crises de subconsumo que levam os governos a redobrarem aposta nas elites que comandam a cena política enquanto as desonerações fiscias enriquecem os privilegiados nos paraísos fiscais.

A crise está demonstrando, principalmente, para os governantes do sudeste asiático, que penam com excesso de estoques de bens duráveis, que o negócio não é apostar na produção, porque já há capacidade instalada em excesso, mas no consumo. Quanto mais consumo, mais arrecadação. Quanto mais desoneração fiscal, menos arrecadação. Os governos democráticos caem ao deixarem de cumprir com suas obrigações em ofertar serviços públicos dignos à sociedade, algo somente possível mediante arrecadações crescentes. Tem que dar consumo para ter imposto. Eis a nova lógica capitalista na grande crise.

O Japão, por exemplo, está tendo recuperação das atividades mais rapidamente do que a Europa e os Estados Unidos, em termos relativos, porque o governo passou a distribuir dinheiro para o consumo popular de bens duráveis. Repete, filosoficamente, o bolsa família lulista, cuja função econômica salva as indútrias, embora os editorias da grande mídia tenham dificuldades em perceber a lógida do dar para arrecadar. Dá dinheiro para ganhar imposto. Tal jogada dos governos, de privilegiar o consumo, subsidiando, em vez de favorecer a produção, igualmente, subsidiando-a, incomoda, profundamente, as elites políticas e empresariais. Temem perder a teta estatal histórica.

Os governantes nacionalistas da América do Sul, ao engajarem na promoção do consumo, que significa aumentar a renda interna, melhor distribuindo-a, para dinamizar as atividades produtivas, movimentam forças sociais que incomodam o conservadorismo histórico das elites políticas sanguessugas do dinheiro público na América do Sul.

Marx demonstrou em sua grande reportagem sobre os agricultores alemães que a concentração de capital é o motor do capitalismo que gera, consequentemente, crônica insuficiencia de consumo que impede a realização da produção no consumo , de modo a sustentar equilibradamente o sistema essencialmente concentrador e socialmente excludenteFundamentalmente, a grande mídia sul-americana, de direita, conservadora, resiste a esse movimento democrático de mudanças em marcha, impulsionado pelas massas sociais em crescente agregação, embaladas por palavras de ordens que pregam distribuição da renda nacional e apossamento das riquezas sul-americanas, altamente, disputadas, porque estão sendo valorizadas em relação ao dólar, que se desvaloriza.

Os governos sul-americanos estão percebendo que farão mais negócio apoiando o consumo das massas do que os privilégios das minorias que comandam a produção, mediante desonerações fiscais que diminuem em vez de aumentarem as arrecadações tributárias. O jogo da concentração de renda nas elites deixou de ser útil aos governos, porque reduz os ingressos tributários de que necessitam para se sustentarem no poder por meio da oferta de serviços públicos e investimentos. Produção é consumo, consumo é produção(Marx). Sem consumo, não há arrecadação. Só incrementar a produção, como se ela puxasse consumo correspondente, como acredita, ingenuamente, o editorial do Estadão, não assegura acumulação capitalista, principalmente, depois que estourou a válvula acumuladora da especulação.

Engajar nessas forças de mudanças é pecato mortal para a grande mídia. O jornalista Beto Almeida, que é um desses engajados, animando o mais nacionalista dos programas televisivos do Brasil, na atualidade, o BRASIL-NAÇÃO, que vai ao ar aos domingos na tevê pública paranaense, no governo nacionalista de Roberto Requião(PMDB-PA), virou demônio para a grande mídia.

Por meio dos debates que Beto promove são questionados os valores tradicionais que ainda impedem que 31% da população saiam da miséria e se afirmem como seres humanos dignos e educados. Por identificar-se com as idéias sul-americanistas que ganham corações e mentes no compasso dos movimentos sociais, Beto está sendo taxado pela Isto É de chavista, lobista de Chavez, que o convidou, como jornalista, para participar do esforço midiático sul-americano de divulgação das idéias sul-americanas pela primeira vez na História da América do Sul.

 

Força que incomoda

 

 

A grande mídia , dependente do capital externo, trabalha o tempo todo para impedir o mandamento constitucional brasileiro que prega a integração econõmica, política e cultural latino-americana e considera terrorista quem trabalha por essa causa

O desejo nacional de crescer com independência, favorecido pela força das suas riquezas potenciais, é visto pelos que eternamente exploraram econômica e financeiramente a América Latrina, como algo perigoso. Orientar a população para tomar conta do seu próprio terreiro, da sua riqueza, a fim de colocar preço nela, em vez de tal preço ser colocado por jogo cambial determinado de fora para dentro, representa, para os governantes ricos, terrorismo político. O sul-americanismo  que Beto Almeida abraça, no programa BRASIL-NAÇÃO, divulgado pela TV Comunitária, é puro terrorismo, para o dedodurismo da Isto É.

A grande crise mundial está colocando ponto final na estratégia de dominação externa por meio dos financiamentos em moeda que deu as cartas no cenário monetário e cambial global, mas que, agora, afetada pelos deficits, perde credibilidade, a partir das desconfianças levantadas pelos próprios mercados nos quais a circulação dela como equivalente geral das trocas mundiais é questionada em sua continuidade, graças à insistente desvalorização, como é o caso do dólar americano. Alertar contra esse perigo , como faz o economista Adriano Benayon, em entrevista a Beto Almeida, é chavismo, é terrorismo.

FHC, que domina a dialética marxista, percebeu a virada da história antes da grande crise em reunião em brasilia com os tucanos que alertou para a inversão da deterioração dos termos nas relações de troca globaisA moeda americana se mostra frágil, na grande bancarrota financeira global, assim  como fragilizou, também, a libra esterlina inglesa, depois da primeira guerra mundial, deixando de ser o equivalente, da segunda grande guerra em diante. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em reunião do diretório nacional do PSDB, destacou que ocorre, na crise atual, uma inversão na deteriração dos termos de trocas globais.

As moedas dominantes, o dólar e o euro, disse, passam, com o perigo deflacionário, a valer relativamente menos que as mercadorias básicas, que valorizam mais que as manufaturas, candidatas a sofrerem redução de valor no cenário da deflação global. Inverte a história: nos anos de 1950, no desenvolvimentismo, as manufaturas impunham, graças ao preço ditado pelo câmbio da moeda dominante, deterioração nos termos de troca relativamente às matérias primas básicas. Na crise deflacinária global deixam de impor. Debater esse grande assunto para os que reinaram sob o dólar tatibitate é terrorismo. 

No ambiente deflacionário, como disse Marx, valor e preço se tornam proporcionais quando a taxa de lucro vai a zero, caso atual. A moeda sem garantia real perde valor relativamente às matérias primas que são garantias reais, cujos preços sobem. O real brasileiro, como disse o economista José Mendonça de Barros, à repórter Miriam Leitão, na GloboNews, virou atrativo para os portfólios internacionais. Reafirmar, politicamente, essa riqueza, mediante posição nacionalista, é terrorismo , e quem debate o assunto, como Beto Almeida, é terrorista, é chavista, precisa ser eliminado por meio da tentativa caricaturesca. Fascismo.

O aumento da produtividade capitalista sem limite diminui o preço relativo das manufaturas enquanto aumentou o preço relativo das matérias primas básicas. Essa é a nova realidade que incomoda as elites por causa de governos que tentam mudar os rumos da economia, a fim de sintoniza-la com as forças reais e as riquezas reais e não com as forças do atraso e as riquezas fictícias, que a grande crise expõe, cruamente.

A força da América do Sul é vista pelo capital externo, que não dispõe de oportunidade de investimentos nos países ricos, onde estava acumulando especulativamente,  com grande sofreguidão e cobiça. O pré-sal brasileiro ouriça geral os investidores em busca de excelentes negócios. Os governantes sul-americanos, por isso,  como o de Lula, buscam valorizar, do ponto de vista nacionalista,  sua riqueza. Esta, indubitavelmente, ganhou dimensão relativa maior do que a riqueza monetária. A sociedade merece saber disso ou não? Pela grande mídia, claro, não. Pela mídia nacionalista, evidentemente, é o prato do dia, o horror dos conservadores, que querem destruir Beto Almeida, à moda fascista.

Os fascistas têm medo da verdade. O déficit americano, que poderá até final do ano, alcançar 10 trilhões de dólares, sinaliza aos  consultores que não é bom negócio ficar com as verdinhas. Alertar para isso é terrorismo midiático. Por isso, Hugo Chavez, presidente da Venezuela, Evo Morales, da Bolívia, Rafael Correia, do Equador, etc, quando buscam valorizar suas mercadorias são terroristas populistas anti-democráticos. Lula, fortalecido pelo real, se acreditar que a moeda nacional vale mais que o dólar, viria, igualmente, terrorista.

Quem, como os governantes nacionalistas sul-americanos, defendem e valorizam suas  riquezas, no sentido de colocar melhores preços nelas em forma de organização política, que submete o poder monetário especulativo a regras mais restritas sob economia política, é, duramente, atacado. Como atacados, igualmente, são os jornalistas nacionalistas que se alinham com o pensamento sul-americano, favorável à valorização das mercadorias sul-americanas, como é caso de Beto Almeida.

A América do Sul é a nova rica do mundo e os repórteres nacionalistas, como Beto Almeida, que comandam, nas tevês públicas sul-americanas, programas que debatem propostas nacionalistas e sulamericanistas, viram alvo prioritário no conservadorismo midiático.

Glauber foi sacrificado pela grande mídia porque defendeu o nacionalismo de Geisel contra os direitos humanos de Carter, destacando ser a luta política essencialmente uma luta ideológicaA lula política, como disse Glauber Rocha, é  luta ideológica. O sulamericanismo, que se fortalece com a consciência política dos governantes sul-americanos, voltados a dar consistência política a Unasul – União dos Países Sul-Americanos – , pela pregação favorável à moeda sul-americana, ao  banco  sul-americano, ao parlamento sul-americano, à segurança sul-americana , ao tribunal sul-americano etc, é considerado , aleatoriamente, chavismo perigoso.

A mídia está com saudade do Consenso de Washington, que passou a ditar as ordens na América do Sul aos governos e a ela, grande mídia, a partir da década de 1980. Para salvar o dólar, afetado pelos deficits americanos, contraídos nos gastos com a guerra fria,  Tio Sam elevou os juros e quebrou a periferia capitalista. Com ela, quebrou, também, a mídia. que, desde, então, depende dos governos que não querem debater a questão nacional do ponto de vista social, mas, apenas, econômico.

Subordinados ao receituário econômico cuja prioridade principal ditada do credor para o devedor era pagar juros mediante formação de crescentes superavits primários, os governos neoliberais , por meio da grande mídia, exercitaram a ditadura do pensamento único neoliberal, mecanicista-positivista-equilibrista-esquizofrênico. Priorizaram o econômico e esqueceram o social, como se não fossem dialéticas as relações entre ambos.

 Quem, como os governantes nacionalistas, fogem desse receituário, como são os casos nacionalistas sul-americanos do momento, transformam-se aos olhos dos governantes ricos, que estão falidos, em agentes do mal. Saddam Husseim começou a cair quando quis cotar o petróleo em euro porque cotado em dólar dava prejuízo aos iraquianos, em forma de inflação. Importavam mercadorias cotadas na moeda européia com pagamento em dólar desvalorizado. Virou demônio.

Agora, quem anima as discussões sobre a criação do Banco do Sul, da moeda sul-americana, da segurança sul-americana, de modo a colocar preço valorizado nas mercadorias sul-americanas, sem submeter-se ao jogo cambial que impõe deterioração nos termos de troca, são, simplesmente, anti-democráticos, demônios perigosos. Por trabalhar com o ponto de vista sulamericanista, Beto Almeida, no comando do programa nacionalista BRASIL-NAÇÃO, virou tiro ao alvo dos fascista.

 

Caricaturização racista

 

A materia é puro dedurismo como se fosse pecado mortal um jornalista ser convidado para trabalhar suas ideias nacionistas por um presidente da República. E para trabalhar para o entreguismo nacional característico da grande mídia?

A matéria de Claudio Dantas Sequeira, na Isto é, intitulada “O lobista de Chávez”, destinada a destruir a reputação jornalística de Beto Almeida,  sugere conveniências subliminares. O negócio é disseminar na grande mídia sul-americana, eminentemente, conservadora, resistente às mudanças, amigas dos golpes de estado fascistas, como ocorre, no momento , em Honduras, que o pensamento sul-americano chavista é um mal terrorista a ser eliminado.

Não se discute a essência da proposta política que prega a mudança na correlação de forças políticas, virando o jogo das lideranças conservadoras, em favor das mudanças renovadoras.

Os movimentos sociais, que, na década de 1970,  Guevara previu seriam os instrumentos políticos a empurrarem governos sul-americanos a mudanças qualitativas e quantitavias, estão aí, demonstrando o movimento da história, da negatividade produzida pelo investimento que não produz consumo democrático, por isso, precisa estar sempre  socorrido pelos bancos oficiais, a teta estatal.

As elites têm medo das mudanças. Os pregadores das mudanças não são discutidos em seu conteúdo essencial, mas por meio da caricaturização racista da direita em relação ao biotipo sul-americano, mistura de negro, índio, branco, cafuzo, cabelo duro etc, que é, de fato, o que está rolando relativamente ao presidente Hugo Chavez, da Venezuela, Evo Morales, na Bolívia, Rafael Correia, no Equador, Cristina Kirchner, na Argentina etc. São os cucarachos, como se ouve nos bastidores racistas.

Como o discurso nacionalista chavista identifica opções políticas sul-americananas disseminadas, historicamente, em categorias sociais influentes em todos os países do continente, levantá-lo, como bandeira, passa a ser taxado de caricato.

getuliovargas foi atacado pela grande mídia brasileira como chavez é atacado pela grande mídia sulamericana, pelo mesmo motivo, defesa dos interesses nacionaisClaudio Dantas Sequeira não diz que Beto Almeida coloca em  cena o histórico sulamericanismo, mas o  chavismo, como se o chavismo fose o todo e não apenas parte do sulamericanismo em marcha. Sequeira, se tivesse estudado história, contextualizaria sua matéria dizendo que as idéias chavistas, evomoralistas, rafaelcorreistas, kirchenistas-peronistas, foram antecedidas, no Brasil, por Getúlio Vargas, nos anos de 1930. Com elas, Vargas e sua geração construiram o pensamento nacional, que levou a economia brasileira a ganhar maioridade no cenário global, preparando-se para ganhar predominância relativa no século 21.

A esquerda fascista brasileira matou Glauber Rocha porque ele defendeu o nacionalismo de Geisel, em 1976, contra o pacifismo de Jimmy Carter, presidente dos Estados Unidos. Geisel havia rompido o acordo militar com os norte-americanos e feito a opção pela tecnologia nuclear  alemã. Os americanos ficaram putos dentro das calças. Carter , que posava de pregador dos direitos humanos, mereceu da esquerda reverência, enquanto Geisel foi condenado em seu nacionalismo, como Chavez está sendo condenado pelas idéias nacionalistas-sulamericanistas que está propagando pela Telesur, a primeira tevê realmente sulamericana. Deu um show de cobertura no golpe terrorista em Honduras, contra o qual a grande mídia , praticamente, calou.

Num plano mais largo, o movimento político em marcha, na América do Sul, ancorado no avanço dos movimentos sociais, que tanto apavoram a grande mídia, guarda relação com a teorização política marxista-evolucionista-sulamericanista  de José Carlos Mariategui, peruano genial, que, nos anos de 1930, escreveu “Sete Ensaios da Realidade Peruana”, um clássico da economia política, tipo Caio Prado Junior, autor de “Formação do Brasil Contemporâneo”.

O espírito socialista indigenista estaria na base do pensamento mariateguiano, que evolui, em meio às contradições do capital, para buscar uma síntese política no socialismo sul-americano integracionista-continental.

geisel foi demon izado pela esquerda por ter adotado posição nacionalita de decidir soberanamente que tecnologia o país queria comprar para instalar equipamentos nucleares em territorio nacional, à revelia de Tio SamEssa evolução histórica causa pavor nos conservadores. Sendo jornalista, que não adota a falsidade midiática da neutralidade, Beto Almeida, em seu programa de difusão do debate nacional engajado, pregador do apossamento das riquezas nacionais pelo povo brasileiro, por meio do Congresso Nacional, não pode passar incólume sem ser caricaturizado por quem está rendido ao pensamento conservador mecanicista do jornalismo da Isto É, atado à subserviência do ponto de vista do capital financeiro, que, na crise atual, faliu.

Resta alardear, dedurar, ao lado da tentativa de caricaturização, para evitar que o debate sulamericanista ganhe as consciências para atuarem na grande mudança política.

Derrocada moral da tevê privada exige abertura total às tevês públicas e comunitárias

tv-globo-tv-record briga de gigantes com pés de barro, pois ambos dependem da mamata estatal para formar seus imperios ao longo dos ultimos anos, oligopolizando os interesses partiiculares sem oferecer nenhum serviço de utilidade pública realmente decente

O que de comum há entre o jogo de azar, a religião e a teta estatal? A briga entre as tevês Record e Globo em torno da acusação dos procuradores do Ministério Público de São Paulo de que o notório bispo Macedo usou a religião para lavar dinheiro e construir um império televisivo talvez possa explicar.

A Globo, que não pode fugir da sua história, de ter construído seu império , não por meio da religião, mas, das pressões políticas, ancoradas em capital estrangeiro – Time-Life – , que lhe abriram as portas do Ministério da Comunicação, para prevaricar, de modo a alterar o espírito da legislação , relativamente à política de radiodifusão, aproveitou o momento de fragilidade política do bispo para sentar-lhe a pua.

O imperío global, que está sendo minado em seu poder financeiro pela concorrência agressiva do bispo, arrebanhando bilhões de reais para a Igreja Universal do Reino de Deus, sem pagar imposto de renda, joga todas as suas fichas para fragilizar o concorrente. Tenta fortalecer corrente de opinião contrária a Macedo, para que emerja justificativa capaz de levar o governo a cassar  concessão pública à Record.

Tal justificativa seria a burla da lei, pois a isenção do imposto de renda não pode ser usufruída por quem usa os dízimos religiosos não para obras de caridade, mas para expansão da riqueza material, utilizando, para tanto, lavagem monetária nos paraísos fiscais, como destacam os procuradores paulistas.

Mas, a Globo teria moral para levantar o argumento legal, se ela, também, foi acusada de burlar a lei, rompendo com a Constituição, ao associar-se ao capital externo – Time Life – a partir de 1962, a fim de construir potência econômica-financeira-política global?

A arma que o poder global utiliza para tentar destruir a Record é a mesma que Carlos Lacerda, em 1966, utilizou para tentar destruir a Globo, ou seja, a acusação de prática ilegal em relação ao descumprimento do artio 160 da Constituição, que proibe participação do capital externo nas empresas brasileiras de comunicação.

Naquela ocasião, a Globo, por ter afrontado o texto constitucional,  enfrentava investigações comandadas pelo Ministério da Justiça e pelo Contel, no  governo Castelo Branco, e CPI no Congresso, onde Carlos Lacerda e João Calmon atuavam de maneira extraordinariamente agressiva contra Roberto Marinho, ainda não tão influente como viria a ser. A espada de Dâmocles pairava sobre a cabeça dele.

 

Ataque à ilegalidade

 

João Calmon arrolou detalhes dos documentos para cassar a Globo por desrespeitar a Constituição, mas a força do capital externo foi mais poderosa.Lacerda foi cassado porque quis cassar Marinho

 

 

 

 

 

 

 

 

Por estar violando a lei, emergiu, forte, pedido de cassação da Globo, tendo por trás o capital externo farto. De 1962, quando iniciaram as negociações Globo-Time Life, porta-voz da direita americana, a 1967, quando o general Costa e Silva aprovou, ditatorialmente, o negócio, os americanos haviam jogado na televisão de Roberto Marinho 8 bilhões de cruzeiros, como maturação de investimento do qual eram sócios – 45% no faturamento bruto e 3% sobre receita líquida, como relata Daniel Herzt no livro-reportagem  “A história secreta da Rede Globo”, 1987, editora Tchê.

Os concorrentes da Globo, com fartura de dólares, viram-se diante da debacle inevitável , impossibilitados de enfrentarem competição desleal, em um momento em que a economia nacional ia mal das pernas sob a sangria deputadora antiinflacionária do ministro Roberto Campos, do Planejamento, homem de confiança da Casa Branca.

O preço valorizado da Globo, segundo Lacerda, estaria no seu engajamento às forças internacionais que forçavam os militares a abrirem a economia para o capital externo no plano midiático. Por essa via, fariam a cabeça dos brasileiros. O dólar todo poderoso, erigido depois da segunda guerra mundial, transformando-se em árbrito de nova divisão internacional do trabalho sob acordo de Bretton Woods, atraiu, imediatamente, o faro do jornalista e empresário de sucesso.

Marinho fez suas apostas decisivas, sabendo que a força do dólar era o caminho a seguir para dominar o poder, sendo testa de ferro do capital estrangeiro, associado à Globo. Como a ditadura, que precisava da poupança externa, iria derrubar a Globo, na  justiça, como pregava Carlos Lacerda, se quem bombava o poder global era o mister dólar?

 O livro de Daniel Herzt dá um panorama genérico e específico da construção do poder global nos tempos da ditadura e nos tempos neoreplicanos neoliberaisAo peitar a Globo, ao lado dos Diários Associados, Lacerda comprou não a cassação da Globo, mas a sua própria cassassão. Inviabilizou sua candidatua à presidência da República. Lacerda, no fundo, foi tremendo ingênuo. Pregava a supremacia da liberdade privada, mas não contabilizou que o movimento da propriedade privada, como disse Marx, caminha para o monopólio e o oligopólio. Como oligopólio, Roberto Marinho vislumbrou o poder, ao lado do dólar americano, que rompeu as b arreiras da legislação sob tutela militar associada à acumulação capitalista americana no Brasil.

Não seria, portanto, apenas o bispo Macedo o violador da lei, atraindo a poupança dos fiéis, desvirtuando o direcionamento do espírito de caridade para o espírito de especulação. A lei foi rompida com a força militar para instalar-se no Brasil uma fonte informação segura para a difusão da ideologia do dólar que dominava a cena internacional, financiando a guerra fria e rompendo as fronteiras nacionalistas, de modo a ampliar a lucratividade capitalista global norte-americana.

Enquanto as manobras dentro do governo esquentavam para cassar a Globo, manobras mais altas ainda, formuladas pelas forças que, segundo Lacerda, deram o golpe dentro do golpe militar, eram realizadas para fortalecer Roberto Marinho. “Capital é poder sobre coisas e pessoas”(Marx). Deu a força do capital.

O grupo Time-Life, de acordo com os contratos geradores da associação internacional do capital da comunicação nacional com o capital da comunicação mundial, proibida pela Constituição, Art. 160, não perdeu tempo. Indicou Joe Wallace, para dar as cartas dentro do ainda incipiente poder global, que, na ditadura, viria a ser total. Os gerentes nacionais dentro da empresa foram, simplesmente, enxotados.

Ou seja, se a tevê Record é , agora, em 2009, acusada pelo Ministério Público de São Paulo, de violar da lei, tornando-se passível de cassação o canal televisivo de propriedade pública, da mesma forma, em 1966, tal perigo rondava a Globo, pelo mesmo motivo, colocando em antagonismo completo contra Marinho o empresariado nacional dos meios de comunicação.

O relatório da  CPI da Globo-Time Life, elaborado pelo deputado Djalma Marinho, acusou Roberto Marinho de violar a legislação brasileira, para construir seu império, ao arrepio da Constituição. Por isso, Carlos Lacerda, sob aplauso da CPI, pediu cassação do canal global.

O bispo atacou a bolsa dos fiéis. Ganhou, entre 2001-2008, 8 bilhões  de reais. Marinho, da mesma forma,  atacou, violando a lei, a bolsa externa. Faturou 8 bilhões de cruzeiros, entre 1962-67, e, mais tarde, atacaria, também, a bolsa interna, para fincar as bases de fortaleza da comunicação na América do Sul, aliado dos Estados Unidos.

Quem deve ser condenado ou absolvido, se ambos feriram a lei?

 

Política do trator de esteira

 

 

Sempre de  braços com os ditadores, Marinho desconheceu a lei, apoiadno no capital externoDeus não pega o dinheiro que ele joga para cima, por isso aplica todo ele nas obras faraônicas, dando uma de papa. Por que o papa não merece, também, a perseguição da Globo, se as igrejas católicas, também, a vançam sobre os fieis via televisão?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A história da tevê Globo durante os 20 anos de ditadura e dos 24 anos da Nova República é um corolário de rompimento com a Constituição e com o Código Brasileiro de Telecomunicações(lei 4.117, de 27 de agosto de 1962), como descreve, documentadamente, Daniel Herz .  Tremendo trator de esteira.

Com a Constituição, o titular global rompeu para abastardar o texto constitucional, durante a ditadura, sob aplauso de Castelo Branco e sua corte econômica, comandada por Roberto Campos, amplamente, favorável à abertura ao capital externo dos meios de comunicação; com o Código Brasileiro de Telecomunicações, ele, também, passou por cima,  desconhecendo sua finalidade básica. Esta, segundo o Código, visa , prioritariamente, a educação pública, não o lucro. E por não finalizar o lucro com objetivo , o espírito da lei condenava a difusão de rede privada de comunicação, para dar mais espaço à tevê público. Dançaram os ingênuos que acreditaram na Constituição e no Código. Deu o oposto.

Lucratividade máxima e educação mínima construiram rede oligopólica de tevê. Predominaram amplamente esses dois fatores na contramão da legislação, graças às decisões dos ministros das Comunicações, no tempo da ditadura e, depois, no tempo da abertura.

No governo Sarney, a tevê Globo comandava o poder pelo Jornal Nacional. O ministro das Comunicações,  Antônio Carlos Magalhães, destruiu o empresário Mário Garnero, da Brasilinvest, para permitir que Roberto Marinho comprasse a NEC, fornecedoras de equipamentos de comunicação para o governo. Um maná.

Garnero se associara à NEC japonesa e tornara-se poderoso empresário brasileiro internacional, despontando em área de tecnologia de ponta que viria a dar as cartas nos jogos de poder internacionais. Magalhães, depois que o ministro da Fazenda, Francisco Dornelles, destruiu Garnero, acusando-o de irregularidades, e cortando seu crédito nas vendas governamentais, partiu para o ataque na jugular, até eliminar o concorrente,  que passaria a NEC, com aplauso dos japoneses, para Roberto Marinho.

Como compensação, ACM receberia presente valioso de Iemanjá, por sua subordinação aos interesses de Marinho. O titular da Globo transferiu  da TV Aratu para a TV Bahia, de propriedade de Magalhães, o direito de  retransmissão do canal global. Espetacular negociata sul-americana, típica dos jogos dos coronéis do toma lá  dá cá incestuoso público-privado sob regência do capital externo. O bispo Macedo teria muita bala para lançar sobre a Globo, se os Marinho saírem com os pastores para uma luta em campo aberto. 

Bancarrota midiática

 

Sarney e ACM fizeram dobradinha para romper com as políticas públicas de comunicação previstas na Constituição e no Código Brasileiro de Radiofusão, para favorecer o principio do lucro contra a finalidade educativa, abrindo espaço para os oligopólios midiáticos privados, enquanto as tevês públicas ficaram como meras promessas

O poder global , sob benesses estatais, mesmo contrariando a legislação, reinou absoluto até que as políticas econômicas neorepublicanas neoliberais, amarradas, na década dos anos 80, pelo Consenso de Washington, começaram a fragilizar as empresas em geral.

Os Estados Unidos, aos quais as elites nacionais se renderam, haviam quebrado o Brasil e toda a periferia capitalista sul-americana em nome da salvação do dólar, na grande crise monetária dos anos de 1980. Diante dos devedores quebrados, ditaram regras draconianas para que pagassem os juros das dívidas sobreaculadas por políticas washingtonianas. Ditaram moeda sobrevalorizada para combater a inflação e juro alto como preço pela elevação do endividamento crescente. A grande mídia sangrou-se , embora apoiasse o neoliberalismo de Washington, dando uma de mulher de malandro, que gosta de apanhar. Atingidas pelo neoliberalismo, cobraram o preço de sempre, quando em dificuldades, ou seja, socorro estatal.

O baixo crescimento econômico interno, decorrente das medidas adotadas pelos credores, com aval constitucional(artigo 166, parágrafo terceiro, ítem II, letra b), colocou o poder midiático nacional sob total dependência do BNDES,  hospital estatal das empresas nacionais em crise. O neoliberalismo econômico tornara-se ameaça para a grande mídia, sinalizando fragilidade relativa crescente.

O bispo Macedo cresceu nesse vácuo, democratizando a pregação do evangelho.  Ao contrário da Igreja Católica, A Igreja Universal do Reino de Deus é uma jogada para levantar dinheiro dos incautos, a fim de formar imperio televisivo que impulsiona bancada parlamentar no Congresso cujos efeitos certamente serão levar os pastores um dia à presidência da Repúblicaliberou o celibato, bem como abriu o púlpito para as mulheres pregarem. Ganhou as multidões, que passaram a eleger pastores para o Congresso Nacional, de onde armam para chegar à presidência da República.

Em vez de ir tomar dinheiro a juro, tomou dos fiéis, sem juro nenhum. Com essa poupança, abriu espaço, ao arrepio da lei. A teta estatal da qual lançaram mão a Globo e as demais empresas de comunicação era substituida pela religião como bombadora de poupança para a Record. Se Roberto Marinho fosse dono da Igreja Católica, para utilizar os dízimos que os católicos doam, que faria com essa poupança , sobre a qual não se paga imposto de renda, desde que os recursos se destinem à caridade?

Macedo não precisou recorrer ao Time-Life para fazer capital de giro com poupança externa, interessada em dirigir os destinos da política econômica, como ocorreu quando o grupo americano aliou-se  à ditadura por intermédio de Marinho.

O titular da IURD  lançou mão de expediente mais prático. Jogou o dinheiro dos fiéis  para cima, para Deus pegar. “Como Deus não pegou”(Sebastião Gomes)…. os recursos foram para a TV Record.

O bispo, da mesma forma,  não precisou nem do capital externo, nem da teta estatal e muito menos dos jogos de azar, explorados na televisão, como aconteceu com a rede SBT do empresário e apresenador Sílvio Santos.

Seria possível a cassação do canal do bispo, que fere a lei, invertendo finalidades sociais em finalidades lucrativas, se não foi possível cassar a Globo por ter , igualmente, invertido prioridades educativas em prioridades lucrativas mediante força adquirida pelo, também, proibido recurso ao capital externo, a fim de ganhar conteúdo empresarial oligopolizado no campo das comunicações?

O recurso à têta estatal, legal, e à estrangeira, ilegal, por Marinho,  e à bolsa religiosa dos fiéis, por Macedo, se igualariam em sua substância e afinidade eletiva. Um lado não poderia falar mal do outro, pois Estado e Religião, nesse caso, expressariam uma só e mesma milagre, a grana.

 

Camelô de sucesso

 

O ex-camelô levou os jogos de azar para a tevê a fim de ficar riquíssimo com a ingenuidade alheia, demonstrando que o lucro é o objetivo final não fiscalizado das tevês privadas, em vez de seguir a finalidade legal que prevê o perfil educativo dos meios de comunicação, como interesse público fundamental

Silvio Santos, na briga Globo-Record, recusou, pois não é bobo, entrar em bola dividida para não se queimar, já que se ousasse colocar a cabeça de fora poderia ser, igualmente, alvo de pedidos de cassação de seu canal. Afinal, infringiu a  lei por prática de contravenção na televisão. Teria em seu encalço, novamente, os procuradores.

Macaco velho não bota a mão na cumbuca. Em 2000, o Tribunal Regional da 3.a Região, em São Paulo, a pedio do Ministério Público da União,  colocaria o homem do baú no curé, ao considerar nula, por ser ilegal, autorização da SUSEP – Superintendência de Seguros Privados do Banco Central- para o funcionamento da Tele-sena, a loteria eletrônica do Grupo Sílvio Santos. Sete anos antes, em 1993, o professor de economia da UnB, Lauro Campos, havia encaminhado solicitação aos procurados do MPU para investigar  o negócio. Em São Paulo, deputados petistas, sensíveis ao processo, levaram adiante a acusação e os procuradores foram atrás do todo poderoso camelô de sucesso.

Descreveu a petição de Lauro as manobras de mestre do jogo da contravenção praticadas em tevê pelo Senor Abravanel. Ele se tornara profissional dos jogos de azar, quando era, nas ruas do Rio de Janeiro, camelô, promotor dos jogos dos três copinhos. Levou a experiência para a televisão. Com ela, criou o Baú da Felicidade. Disfarçou jogo de azar por meio de premiação em mercadorias e de vendas de bilhetes cujos valores são implícitos nos preços das prestações, desvalorizadas pela inflação e parcialmente repostos pela entrega de mercadorias expostas nas Casas Camacavi.

Com o sucesso da contravenção penal por meio da tevê , deu o passo seguinte, lançando a Tele-sena, loteria privada com nome pomposo de título de capitaliação. Ousadia impressionante de quem desacredita da lei.

lauro-campos-foi-quem-primeiro-levantou-na-justica-como-advogado-e-professor-da-unb-proposta-para-processar-silvio-santos-por-jogo-de-contravencao-na-televisao-burlando-a-leiRompia com a legalidade ao descumprir o artigo 45 do decreto-lei 6259, de 10 de fevereiro de 1944, que no Art. 45 proibe extração de loteria privada. Invadia o terreno estatal, pois somente o Estado pode exercer tal função como serviço público exclusivo da União, executado pela Caixa Econômica Federal.

Para conferir ainda maior grau de ilegalidade ao negócio espúrio, Sílvio Santos fechou acordo com a Empresa de Correio e Telégrafo(ECT), para distribuir a jogatina. Dançou.

Dançou, mas ficou por isso mesmo, porque a pena que merecia ser aplicada, ou seja, a cassação do canal de TV do homem do baú, não aconteceu, assim como , do mesmo modo, não ocorreram as cassassões de Roberto Marinho , da Globo, e do bispo Macedo, da Record. A ilegalidade reina no cenário do poder midiático.

A religião, a teta estrangeira-estatal e os jogos de azar, livremente, exercitados , ilegalmente, na praça, pelas três grandes tevês abertas, em nome da acumulação capitalista, rompendo com as finalidades da política de comunicação, relacionadas à educação pública, fazem a cabeça dos brasileiros com as piores programações possíveis, especialmente, nos finais de semana. Um show de cultura vagabunda que alimenta ilusões de uma nação que, na crise, está sendo alvo preferencial dos investidores, temerosos de perderem seus dólares, candidatos à desvalorização global.  Antiética e ilegalidades conjugadas para dar aquele tempero na alienação pública.

Contra isso não há outra saída senão o fortalecimento do conceito de comunicação pública como prioridade total para o desenvolvimento nacional. Até agora o Código foi literalmente descumprido quanto a esse preceito básico, que visa democratizar a informação no país, rompendo com os oligopólios

É hora de dar um basta aos malandros que vivem da religião, dos jogos de azar e das tetas do capital estatal e internacional,  para conseguirem sobreviver com o dinheiro da comunidade sem oferecer dignos serviços comuniários. Abertura total às tevês públicas e comunitárias  para atuarem em canais abertos, URGENTE.

Lulismo vira peemedebismo

mercadante-marina , dois destinados amarrados à historia do petismo, abandonado por lula para render-se ao peemedebismo emnome da candidatura dilmar ousseff a qualquer preço

A mais violenta crise política do PT, detonada porque os petistas consideraram forte demais a dose político-eleitoral do presidente Lula favoravelmente à salvação do senador José Sarney(PMDB-AC), ao forçar a condução do partido de acordo com os interesses políticos sucessórios do Palácio do Planalto, colocou em cena a subordinação do lulismo ao peemedebismo e redução da influência do petismo, do qual Lula se libertou desde o primeiro mandato , 2003-2006.

O titular do Planalto se lixou para os argumentos petistas de que em suas bases eleitorais estão sendo fortemente cobrados, especialmente, nas regiões sudeste e sul, onde, historicamente, o PT se fortaleceu, por ser fruto do desenvolvimento industrial brasileiro nessas duas regiões, em que o grau de consciência social é o mais evoluído do país, como demonstrou a pesquisa DataFolha. Por ela, 74% dos eleitores reprovaram o presidente do Congresso. Ficou comprovado pelos petistas que o lulismo, independente do petismo, rendeu-se ao peemedebismo. A autonomia de Lula revelou-se relativa e não absoluta frente ao PMDB, maior partido da coalizão governamental.

No primeiro mandato, o presidente Lula construiu o lulismo. Pensou que ele poderia ampliar seu poder cesarista, pessoal, ao largo das conjunções político-partidárias, durante o segundo mandato. Caminhava, com o lulismo, embalado pelo crescimento econômico, para o mesmo caminho do getulismo popular que embalou o queremismo, queremos Getúlio em reeleições sucessivas.

Mas, aí, veio a grande crise financeira internacional, que bagunçou geral a economia, fazendo emergir o desemprego e as motivações concretas para o crescimento da oposição, em face da desestruturação da produção e do consumo, afetados pelos juros mais altos do mundo.

A fragilidade financeira estatal em meio ao desaquecimento econômico e à indisposição dos empresários de realizarem investimentos em face da capacidade instalada ociosa trabalhou contra a sustentação do lulismo. A crise jogou por terra o cenário brilhante que vinha prevalecendo até outubro de 2008, quando estourou a bancarrota financeira americana e européia.

O lulismo triunfava absoluto, na batida em que vinha a economia até às vespera da crise, com a economia sinalizando, para 2009 e 2010, crescimento de 6% a 7%, em meio à euforia especulativa. Mantida essa hipótese, o lulismo independeria de partido, tal seria o sucesso econômico, caminhando para relativo pleno emprego, ajudado pelos programas sociais, bombadores do consumo interno na Era Lula.

 

Bolha fragilizou Dilma

 

O lulismo perdeu gás com a crise global para o terceiro mandato epara eleger dilma sem o apoio do peemdebismo à custo dopetismo

 A bolha, para azar do lulismo, estourou. Inviabilizou o terceiro mandato e introduziu risco à candidatura Dilma. Em 2009, no primeiro semestre, a arrecadação despensou, o desemprego subiu, os investimentos cairam e o câmbio jogou as exportações no chão, gerando medo generalizado no empresário e gritaria a favor de taxação da entrada de dólar especulativo na circulação monetária, responsável por valorizar artificialmente a moeda nacional, tendo como resultado a desindustrialização.

As últimas estatísticas econômicas – emprego, empréstimos, produção e vendas – demonstram a vitalidade da economia, principalmente, no segundo trimestre. Sinalizam, agora, não redução, mas ampliação do nível de atividade, apontando, como destacaram os empresários, durante a semana, para crescimento de 3% no próximo ano.

Trata-se de panorama positivo, mas muito distante daquele que levou o lulismo a uma força máxima, nas águas de crescimento de 6% a 8% ao ano em 2009 e 2010, visto o mundo, pelo Palácio do Planalto, antes de outubro de 2008. Os números demonstram , segundo os especialistas, que a acumulação capitalista continuará mediocre em relação à existente no período anterior. Está ficando positivo o cenário, mas com redução dos salários e dos investimentos, como reconheceu a Confederação Nacional da Indústria(CNI), cuja preocupação é o câmbio, que pode quebrar muitas empresas.

Nesse ambiente , a euforia em torno do lulismo deixa de ser aquela brastemp. O presidente, baleado pela bancarrota financeira, não seria mais suficientemente forte para aguentar sozinho as pressões sociais que tenderiam a fragilizar o lulismo na sucessão presidencial.

Seria, por isso,  fundamental abrir mão do lulismo para atrair o peemedebismo, que domina Camara, Senado e maioria das prefeituras no país, com sólidos interesses em bases eleitorais abrangentes em sua interarticulação regional.

A renúncia de Lula ao lulismo todo poderoso, atingido pela crise mundial, representa puro pragmatismo. Busca ele adequar-se às mudanças impositivas de um novo contexto nacional e internacional. A relativa ambiguidade com que Lula tratou o PMDB deixou, no novo  cenário de total incerteza,  de existir, para se transformar em compromisso tipo o do presidente neoliberal argentino Menem com os Estados Unidos, ou seja, relações carnais.

A eleição do presidente Sarney para terceiro mandato do Senado inseriu-se nessa lógica palacina, de desconhecer o petismo, para privilegiar o peemdebismo. O PMB, na crise financeira que fragilizou o governo e o lulismo, subiu de preço, na cotação planaltina. Transformara-se, como o dólar, em moeda de especulação.

 

PMDB, moeda especulativa

 

collor-sarney-renan- o peemedebismo desesttabilizou o petismo e relativizou o lulismo

Sabendo do histórico peemedebista, de jogar em duas pontas, como os financiadores de campanha poderosos, que apostam no governismo e na oposição, ao mesmo tempo, o presidente Lula jogou todas as suas reservas nas ações do PMDB na bolsa eleitoral. Evitaria, dessa forma, perder o PMDB para os tucanos, ou pelo menos evitar defecções maiores do que a que ocorre em São Paulo, onde o governador José Serra atraiu o peemdebista ex-governador e ex-senador de São Paulo, Orestes Quércia, cujo currículo é um tremendo furta-cor. O perigo de que houvesse onda federativa  orestesquercista-defeccionista, puxando o tapete do Planalto, apressou ações lulistas para atrairem ondas de maiores agrupamentos peemdebistas.

O peemedebismo, reforçado por pesos pesados nordestinos do PTB, estava, inicialmente, apostando suas fichas no lulismo imperial, até o estouro monetário global.

Passou o peemedebismo a pregar, inclusive,  o terceiro mandado lulista. Percebendo que, com a crise, essa jogada , via plebiscito –  a mesma que, nesse momento, tenta o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, seguindo os passos de Hugo Chaves, da Venezuela – , seria complicada, num cenário de crise, porque o Senado , onde a oposição é forte, resistiria, o presidente Lula rendeu-se ao peemedebismo.

O PMDB sentiu , então, que chegara a sua hora. O lulismo, na crise, precisou de maior apoio do peemedebismo. O petismo reagiu contrariado diante de suas potencialidades atingidas.

Resultado: implosão do PT. O petismo tentou, sem sucesso,  resistir à aliança do lulismo com o peemedebismo, com exclusão petista. 

A saída de Marina Silva  e do senador Flávio Arns, bem como a implosão do senador Aloízio Mercadante, obrigado a render-se por razões emocionais ao pedido do presidente Lula para não deixar  a liderança do partido no Senado,  jogaram o PT no sumidouro político partidário.