Calote americano valoriza dólar

É incrível, mas os fatos demonstram ser verdade, pelo menos, hoje, já que tudo está mudando, velozmente. O dólar está se fortalecendo na crise global, quando as avaliações, baseadas nas leis da economia, dizem o contrário, relativamente, ao movimento das mercadorias com oscilações dos seus respectivos preços no jogo da oferta e da procura. O excesso de dólares, no mundo, ampliado pela derivação especulativa com a moeda americana, cujos efeitos espalharam, quebrando geral, bancos, empresas, seguradoras etc, em vez de desvalorizá-los, está produzindo o oposto, sua valorização.

Por que?

Para o economista Eduardo Starosta , da Estplan, tal força decorre do calote que o governo americano deu e continua dando na praça global. A moeda derivativa e os títulos da dívida pública americana estão nas mãos dos chineses, dos europeus e dos americanos, condenados a valorizarem o dólar, para não entrarem, totalmente, num monumental cano. A valorização do dólar seria antídoto a um calote ainda mais fantástico. Entrega-se o anel, para não perder os dedos.

O prejuízo dos aliados europeus e asiáticos, detentores das moedas pobres, jogadas na circulação capitalista global, somente, pode ser evitado, se o dólar se valorizar. Dá a sensação que eles, os aliados entubados com a moeda americana, estão relativamente saudáveis, mesmo com o cofre cheio de moeda podre. Jogo político estratégico dos endividados e dos credores, para manter as aparências.

Relaxam e gozam, como disse Marta Suplicy, que pode dançar, no domingo, em São Paulo, por acercar-se, espetacularmente, de grandes marketeiros homofóbicos.

Se o dólar for para o sal, vão, com ele, os aliados. Salvar o dólar representa salvação dos aliados. Jogo de duas mãos, que interessa a ambas, pois, caso contrário, correm perigo de decapitação.

O calote dado nos aliados é uma manobra política pensada pelos Estados Unidos, não de agora?

Os deficits gêmeos americanos vêm subindo extraordináriamente desde o fim da segunda guerra mundial, que representou o inicio da guerra fria entre ocidente capitalista e oriente socialista. Houve muito tempo para pensar estrategicamente ou a coisa emergiu de supetão?

O avanço dos deficits sinalizou fragilidade estrutural da economia americana e consequentemente debacle monetária, isto é, fim do poder do dólar, nos moldese estabelecidos desde Bretton Woods.

Acossado, o governo americano, acostumado às artimanhas das guerras, que precisam sempre ser provocadas para criar mercado capaz de sustentar o estado industrial militar americano, assim considerado por Eisenhower, em 1960, armou arapuca para seus credores, enquanto ficava mandando os países endividados pagarem em dia seus papagaios aos bancos.

Armação geoestratégica caloteira

A armação estratégica americana do pós guerra colocou os Estados Unidos no pólo do consumo mundial e os aliados no polo da produção.

Produção destinada ao consumo, na terra de Tio Sam, que pagaria as mercadorias com o dólar, ancorado, inicialmente, a partir de 1944, no ouro.

Essa ancoragem, em 1974, foi para o espaço, porque o mercado desconfiando da saúde financeira americana, sob a guerra do Vietnan. em 1973, provocou, a partir da Alemanha, corrida contra o ouro, depositado nos Estados Unidos.

Na hora, o governo Nixon deu o calote na praça. Desvinculou o dólar do ouro e a moeda flutuou espetacularmente. Beiço geral no mercado. Quem devida em dólar, na ocasião, se deu bem. De lá para cá, a financeirização especulativa inundou a praça, sem lastro monetário algum para o dólar desvinculado do ouro.

As engenharias e arquiteturas financeiras foram imaginadas abstratamente para reproduzir o dólar deslastreado em montanhas de derivativos criativos inovadores multiplicadores de riqueza via bolhas especulativas globais. Binga bang em 2008.

Quem segurou o poder do dólar, nesse período?

O grande mercado consumidor americano e , principalmente, poder bélico militar e espacial, mantido mediante endividamento expresso em títulos do tesouro dos Estados Unidos adquiridos pelos aliados, concordes em ter a América vitoriosa no pós-guerra como gendarme do mundo, destinada a preservar o capitalismo, como barreira ao avanço do socialismo e do comunismo.

A dívida americana, portanto, no pós-guerra é , sobretudo, uma dívida politicamente negociada, porque o credor é devedor e o devedor, credor, emissor do poder monetário que , como diz Keynes, estabelece deterioração nos termos de troca em favor da moeda mais forte, que fixa as regras.

O excesso de endividamento americano estaria, num jogo de cena fantástico, sendo combatido, portanto, no plano político, porque se a China, o Japão e a Europa discordarem de dar sustentação à moeda americana, suas reservas em títulos da dívida do tesouro dos Estados Unidos, vindo o dólar a dançar, dançariam, também. 

 

Dólar forte sinaliza protecionismo à vista

É plausível imaginar que esse calote tenha sido programado e acionado para dar um choque mundial no capitalismo, como um jogo de guerra, promovido pelos altos estrategistas americanos, como arma para manter a sustentação da América no comando mundial mediante revalorização do dólar por meio do simples beiço na praça?

Verdade ou não, o fato está aí. O calote, se for levado em conta os números, já foi dado e a moeda americana segue se valorizando.

Basta citar uma informação, diz Starosta. O nível de alavancagem das dívidas dos governos ultrapassou em quatro vezes os limites fixados pelo acordo de Basíléia, para o comportamento das políticas fiscais públicas, no plano da ação dos bancos centrais.

No início dos anos 2000, cada unidade monetária, seja dólar, seja euro, seja real, seja peso etc, poderia , noâmbito orçamentário dos governos, alavancar 11 vezes. No auge da crise atual, do subprime, essa alavancagem é de 40 vezes.

Os governos europeus e asiáticos se entupiram de títulos americanos e de derivativos, ou seja, moedas podres, candidatas ao calote em curso. 

Na prática,  o calote, que se expresssa na sustentação do dólar pelos governos aliados, cheios de papagaios americanos, representa enxugamento de liquidez na praça global, enxarcada de numerário dolarizado. cujo resultado é a valorização monetária cambial.

As consequências dessa redução da oferta de dólares, valorizando-os, são, na sua opinião, emergência de um neo-protecionismo generalizado.

Nesse contexto, a tendência, prevê, é fechamento de mercado e apostas internas, para salvar a demanda e sustentar a dinâmica das empresas. Essa é a saída para os governos. Caso contrário, enfrentarão quedas violentas de arrecadação e carências de investimentos. Paralisia geral, crise política e consequente vitória da oposição em pleitos presidenciais.

O fortalecimento do dólar frente ao real pode levar ao pior, ou seja, a uma corrida contra a moeda nacional, fragilizando-a, fato que, na sua opinião, poderia induzir o país a buscar um empréstimo ponte no FMI ou no governo americano.

Talvez, aposta,  seja essa a estratégia de aproximação de Lula com Washington, para ter que se socorrer, caso continue forte o sangramento cambial em curso.

 

Estratégia de rendição aos EUA

Como se daria essa aproximação? Com relativa rendição, expressa em aumento de compra de moeda americana com reais, como forma de irrigar a praça.

De um lado, fortaleceria o comércio exterior, interrompido pela falta de crédito. De outro, representaria entrada do governo brasileiro na fila da China, da Europa e do Japão, com disposição de gastar moeda nacional, para estabilizar a moeda americana.

Assim como os chineses , europeus e japonês entubaram uma montanha de dívida americana, tomando calote, como forma de concordãncia necessária à preservação dos seus próprios interesses, nas relações dialéticas com os Estados Unidos, o BC brasileiro agiria no mesmo sentido.

Compraria ativos financeiros americanos para valorizar o cacife do dólar, atraído pelo juro alto brasileiro, irrigando a praça que está monetariamente seca, inviabilizando a vida das empresas.

O BC, sob Meirelles, vai operando no sentido de ficar mais perto possível dos Estados Unidos, para tentar solucionar os problemas internos brasileiros agudizados em decorrência da acelerada desvalorização do real frente ao dólar.

Chegar mais perto dos americanos, com o dólar que se valoriza com o calote de Tio Sam na praça global, é a palavra de ordem do império aos súditos.

Terá força o dólar para tanto, dessa vez?

Pelo sim, pelo não, relativamente, ao Brasil, orientado por Meirelles, o avanço do dólar, em relação ao real, é concreto e real.

Eventual empréstimo-ponte, garantido pelas reservas de 200 bilhões de dólares em caixa, funcionaria como azeitamento de relações estratégicas entre Brasília e Washington.

Em troca, o BC lançaria mão da poupança popular, isto é, o dinheiro dos depósitos compulsórios, em torno de R$ 160 bilhões, para comprar dólares e euros?

Enquanto o dólar se valoriza, sinalizando que Tio Sam caminha para relativa recuperação, os americanos, certamente, apostarão na sua grande especialidade, isto é, eterna valorização do produto americano, seja real ou abstrato.

Até quando, só Deus sabe.

Banco do Sul, urgente

Na próxima segunda-feira, como informa o repórter Sérgio Leo, do Valor Econômico, nessa quinta feira, os ministros da Fazenda e presidentes dos bancos centrais sul-americanos estarão em Brasília, para tratar da crise mundial que afeta, fortemente, a América do Sul.

Terá o continente, como nas crises monetárias anteriores, que pagar a conta da sobreacumulação de capital, no império capitalista especulador, que produziu uma montanha monumental de moeda podre, que coloca os países ricos na eminência de se empobrecerem, portanto, interessados em passar esse prejuízos para frente, como sempre aconteceu?

Chegou a hora de priorizar os instrumentos financeiros sul-americanos em favor dos sul-americanos, pois o continente dispõe de matérias primas fundamentais para a manufatura mundial , ao mesmo tempo que possui, também, base industrial avançada. Trata-se, já, de acumular valores agregados, para que a América do Sul possa dar a volta por cima, histórica, econômica, política e socialmente, em termos de correlações políticas globais, no instante em que o capitalismo ultra-especulador bate o pino.

Nada mais necessário do que essa reunião, que, em seguida, deverá ser acompanhada de encontro dos presidentes sul-americanos, para bater, rapidamente, o martelo, pela criação do Banco do Sul, que se transformaria no instrumento capital para coordenar fundos de investimentos capazes de impulsionar, politicamente, obras fundamentais para a infra-estrutura sul-americana.

Também, deve, nesse encontro ser lançada as bases da moeda sul-americana, pois, isoladamente, como se percebe, no auge da crise global, cada país, com sua moeda, não resolverá a parada. Como diz o ditado, uma andorinha só, não faz verão. É hora da America do Sul.

Há um novo mapa político na América Latina. E sobre ele uma crise no coração financeiro do imperialismo já que seus métodos para uma acumulação de capital especulativo sobre capital especulativo começam a desmororar, revelando a fraude na elaboração das políticas econômicas  sempre impostas pelas mesmas instituições hoje desacreditadas  –  o FMI é uma delas, cuja extinção foi reivindicada pelo presidente Hugo Chávez  –  e que fabricaram o desastre social da era neoliberal na América Latina.

Fundamental que não seja esquecido: a moeda dos ricos está podre, sem nenhum lastro. Já a moeda da América do Sul é riqueza real – petróleo, alimentos, metais, terras, água, base industrial forte, recursos humanos qualificados etc -, capaz de dar lastro seguro à moeda sul-americana, para participar do novo concerto monetário internacional, que nasce da bancarrota financeira americana e européia.

 

Movimentos sociais, nova força sul-americana

A resistência da luta das massas latino-americanas às políticas neoliberais forjaram rebeliões e rebeliões. Foi com muitas vidas que se pagou o criminoso preço social para resistir e fazer recuar estas políticas. Na Guerra do Gás e na Guerra da Água na Bolívia, quantos jovens, estudantes, trabalhadores e campesinos pagaram com a própria vida para derrubar governos neoliberais e construir a caminhada de Evo Morales até o Palácio de Quemados? Quantos governos oligárquicos e imperialistas foram derrubados no Equador até que se abrisse caminho, com o sangue derramado, para que Rafael Correa chegasse à presidência e para que os equatorianos tivessem uma nova constituição, aprovada em Referendo? Quantas vidas foram devoradas pela criminalidade social generalizada da Venezuela sob a era da oligarquia petroleira até que a consciência revolucionária bolivariana germinasse e se organizasse a partir das fileiras militares e convocasse o povo da terra de Miranda para colocar um mestiço negro e índio no poder?
 
Seguiríamos a trilha enumerando o custo social de uma resistência à ditadura de abutres na Argentina e no Chile, ou no Brasil, cuja caminhada de Lula até o Palácio do Planalto cobrou enorme quantidade de sangue jovem, sobretudo de pobres, predominantemente de negros,  e também de camponeses eternamente rebelados enquanto a terra for proibida. Quanto custou em vidas para que o Paraguay acordasse de sua noite mais longa nas décadas de governos assassinos e corruptos até que um bispo de coração popular e coragem de trabalhador servisse de bandeira para reunir o sentimento de mudança e abrir as portas de uma nova etapa na história guarani?
 
Muito se pagou. Não semeamos esta terra com o sangue de muitos lutadores para que agora, diante da crise lá no coração do cassino que chamam de centro financeiro imperial, os que receitaram o desastre de décadas tenham novamente a acintosa pretensão de querer recomendar políticas econômicas que preservem uma vez mais os privilégios da oligarquia financeira, internacional e nacional!
 

Lideranças nacionalistas são o norte sul-americano

O caminho tem que ser outro. Quando o presidente Lula fala em enfrentar a crise financeira com mais produção e mais mercado interno acerta, mas também revela a necessidade de medidas mais concretas. Se alega que temos condições para resistir, vale ressaltar que isto se deve em grande parte porque a era da privataria, a da demolição da Era Vargas , não conseguiu destruir tudo. Ainda temos instrumentos e ferramentas. Ainda temos um banco estatal de fomento como o BNDES, criado por Vargas; ainda temos instituições financeiras estatais. Ainda temos uma Petrobrás  – que deve ser totalmente renacionalizada, como se faz na Bolívia, na Venezuela e no Equador  – muito embora não se deva deixar de responsabilizar os que pretenderam cometer o crime de lesa pátria transformando Petobrás em PetrobraX, desnacionalizando parcelas de suas ações após desvalorizações programadíssimas…. Quanto o país perdeu neste período de privataria? Uma auditoria deve ser feita, esta conta tem que ser cobrada!
 
Uma maior presença estado no controle das ferramentas fundamentais de desenvolvimento deve ser a resposta a ser apresentada pelos movimentos sociais, agora com muito mais força e com a razão demonstrada pela crise das políticas do fundamentalismo mercadológico. Diante da catástrofe que nos ameaça é preciso reivindicar a adoção de medidas mais que conjunturais. A nacionalização do sistema financeiro  –    que não implica expropriar um centavo dos  correntistas  –   traz o controle necessário e indispensável do estado sobre o centro nevrálgico da economia, os bancos, hoje totalmente interligados ao setor produtivo, seja de alimentos, de remédios, da construção civil ou de bens de consumo, e também ligados ao setor de comércio, de serviços da sociedade. A experiência nefasta da desregulamentação e da falta de controle sobre as finanças nos EUA deve ser uma lição a ser aprendida com verdade e coragem. 
 
Também se faz necessária a revisão da lei sancionada em fevereiro deste ano quebrando o monopólio estatal dos seguros e resseguros. Criado por Vargas em 1938, seguindo orientação do nacionalista Barbosa Lima Sobrinho, tratou-se de medida preventiva diante das incertezas de um mundo sob os solavancos de uma guerra, protegia da economia nacional  das ondas de instabilidade na economia internacional. Por que não retomar agora mesmo o monopólio estatal de seguros já que nos meses que se seguiram à sua quebra algumas das poucas empresas transnacionais que penetraram no mercado brasileiro são exatamente aquelas envolvidas da falência de bancos e instituições financeiras norte-americanas? 

 

Estatizar bancos e seguros: estabilidade social na crise

O que justifica desguarnecer a economia brasileira e permitir o controle de um setor tão sensível por empresas que estão sendo responsabilizadas pela crise norte-americana?  Uma delas, a Merry Linch, à qual está ligado o ex-ministro da Fazenda, Marcílio Marques Moreira,  foi nada mais nada menos a que conduziu o processo de privatização, internacionalização  e doação da Vale do Rio Doce, com gigantestos prejuízos para o povo brasileiro, rigorosamente lesado, já que a criação desta estatal, na Era Vargas, em 1938,  se deu através de decisão soberana, com recursos do Tesouro, ou seja, com a  poupança do nosso povo.

Finalmente,  o que justifica manter o depósito das reservas nacionais em bancos que estão marcados pela instabilidade, pela falta de transparência, pela sustentação de políticas que já provocaram enorme rapina na poupança dos contribuintes norte-americano? Por que não dar ouvidos agora exatamente aos que são os mais demonizados pela mídia do capital e suas instituições? Por que não ouvir os reiterados clamores do presidente Hugo Chávez que vem propondo acelerar a instalação do Banco do Sul, finalmente criado, para que as reservas dos países do Sul tenham porto seguro onde aportar e este porto, como demonstram sobejamente os fatos, não encontra-se em Wall Street?  Até mesmo o presidente do Irâ já anunciou disposição para depositar as reservas da nação persa no Banco do Sul, já que ela é vítima de sabotagem e agressões do imperialismo, cujos alcances podem ser sinistros…. 

 
Que esperam os mandatários da Unasul para uma reunião de emergência, antes que a crise nos atropele a todos, destinada a discutir com soberania e altivez a preservação dos interesses destes países ?  A começar por não deixar que volumosas reservas, hoje depositadas em bancos abalados por uma crise que chega até mesmo à própria confiabilidade da moeda   –  o dólar emitido sem lastro  – corram o risco de serem derretidas na irresponsabilidade e na prática contumaz de rapina da oligarquia imperial.
 
Sim, há um novo mapa político na América Latina, mas a crise que nos ameaça deve conduzir à abertura de novos caminhos. É hora de coragem e determinação para que a crise seja aproveitada como oportunidade histórica que nos fortaleça, como na crise de 29, e não como armadilha que nos devore.

Peru de natal na bandeja dos banqueiros

Os grandes bancos já estão jogando contra Lula. É o peru que está sendo preparado para ser destrinchado na ceia do Natal. Não interessa mais a sua estratégia política para a bancocracia.

Primeiro, não atenderam o pedido do governo para salvarem os bancos pequenos, com recursos repassados pelo próprio governo, seja dos compulsórios, seja das reservas bancárias.

Segundo, resistem à utilização dos depósitos compulsórios para irrigar os setores produtivos, que correm perigo de falência, dada a escassez de dinheiro na circulação.

Obrigaram as autoridades a partirem para estatização via Banco do Brasil ou Caixa Econômica Federal dos pequenos bancos. Caso contrário, estouraria crise bancária nacional, contaminando a economia, com corrida aos caixas bancários etc. 

Nasce, nesse contexto, tremenda intriga contra o ministro Guido Mantega, da Fazenda, com discurso desenvolvimentista. O alvo, claro, não é ele, é o presidente. Tenta deslocar Mantega, para impor impor o poder do jurista-mor, ministro Henrique Meirelles, presidente do Banco Central, fortalecido pela medida provisória 442, que coloca na mão do técnico o comando do político.

O Congresso engolirá a jogada bancocrática que está por trás da MP?  

Do que os bancos não estão gostando? Ora, da orientação cada vez mais intervencionista do Palácio do Planalto em mandar o Banco Central direcionar o crédito dos depósitos compulsórios para os setores produtivos específicos, evitando especulação com o dinheiro do contribuinte. Estão sob fiscalização e cobrança de resultados, sob ameaças. Detestam.

Faltaria,  apenas, o presidente determinar o nível máximo de juros a ser praticado, como existia na Constituição, fixando 12% ao ano, para evitar que o custo do crédito atual, no calor dessa crise, mate as empresas de uma vez.

Por que não seguir o exemplo sensato dos governos europeus e americano diante dos bancos que se mostraram, como os daqui, excessivamente, gananciosos?

Como manter o juro mais baixo nesse ambiente de balburdia em que o custo do dinheiro tende a ficar cada vez mais alto como prêmio pelo risco geral que aumenta em todas as direções?

O juro sempre sobe na crise, nos países ricos. Mas, nessa, não, em termos relativos. Por que? Porque o governo interveio. Se é ele que emite dinheiro, por que não determina a sua distribuição, conforme o interesse público, se o momento de gravidade – e o momento é grave – exige?

Questão de poder político.

O governo tem que usar o recurso do contribuinte, como os depósitos compulsórios, para participar, com ele, do capital dos bancos, sinalizando o custo do dinheiro, compatível com as necessidades competitivas do setor produtivo nacional.

Afinal, a crise abre, também, grandes oportunidades, para quem tem matéria prima e base produtiva forte, como nós, grandes vendedores de máterias primas e grandes importadores para uma forte base industrial.

Os bancos privados, com responsabilidade de realizar  a tarefa de equalizar o crédito, dentro de uma estratégia desenvolvimentista, trariam como resultado juro mais baixo ou, ao contrário, muito mais alto?

A razão fundamental para a necessidade da intervenção direta do governo no processo é porque no ambiente extraordinariamente tenso em curso, onde a confiança foi eliminada, o agente da transformação não pode ser privado, mas público.

Interesse privado restabeleceria confiança pública?

 

 

O agente público, atuando em nome do interesse público, é o único que pode restabelecer a confiança. O governo americano, através do secretário Henry Paulson, tentou privatizar a distribuição do recurso público aprovado pelo Congresso. Não conseguiu. A Europa interveio. A China faz o mesmo. Em condições extraordinárias, somente providências extraordinárias resolvem impasses.

Por que teria de ser diferente no Brasil?

O que está em risco total é a estrutura produtiva e ocupacional brasileira. Custou muito esforço e sacrifício, para construí-la, desde Getúlio Vargas até agora. Tal estrutura está ameaçada pela ganância bancária.

Onde já se viu o governo liberar compulsório a custo zero para os bancos privados emprestarem a 6% ao mês! Na Índia, é 8%… ao ano. Na China, excluída a inflação, zero. Nos Estados Unidos e Europa, idem. Descontada a inflação, o juro está negativo, para combater o perigo recessivo global previsível.

Evidentemente, o governo tem que direcionar e comandar a execução do dinheiro do compulsório, de forma altiva, fundamental, para dar rumo político de salvação da nossa base produtiva.

Caso contrário, vem aí tremenda desnacionalização.

Enfraquecidas, porque foram pegas na especulação com o dólar barato no futuro, para ganharem juros especulativo no presente; estouradas na dívida, porque não conseguem ter rentabilidade suficiente para reproduzir o capital, devido à sangria dos juros e dos impostos, e, ainda por cima, ter que, fragilizadas, enfrentar a concorrência violenta da China, no auge da crise bancária, as empresas, com as pernas bambas, poderão dançar.

O setor produtivo nacional dispõe nesse momento de todas as nossas vantagens comparativas: somos francamente vendedores de matérias primas e fracamente consumidores delas para dar valor agregado ao produto nacional.

Os bancos teriam suficiente discernimento político para ver que o que o país precisa, agora, que é de mais produção, para aproveitar as oportunidades que a crise nos está oferecendo, ou matarão as galinhas dos ovos de ouro? 

 

Discurso de Alencar deve tomar o poder

O presidente dispõe de grande popularidade, mas fez um discurso bancocrático, até agora, penalizando as empresas. Como a crise fez emergir novo cenário, que destruiu possibilidades de ganhos especulativos, para compensar baixa rentabilidade produtiva, faz-se necessário novo discurso. Este já está dado. É o do vice-presidente José Alencar Gomes da Silva.

É com ele que as empresas terão salvação. Elas, sem ele, podem ficar fracas. As empresas são o coração nacional. Se pararem, pára o corpo, morre o paciente.

O exemplo está vindo dos países, que eram desenvolvidos, mas que passaram a sofrer a ameaça do empobrecimento, sob coordenação estatal estratégica e geopolítica, como antídoto à desmoralização das suas moedas na especulação, caso explícito do dólar.

Trata-se de salvação, tanto do setor produtivo, como do governo, pois ambos são unha e carne. O dinheiro tem que ficar mais barato para aumentar a produção e a circulação, que eleva a arrecadação do governo.

A intervenção estatal no comando do dinheiro do compulsório, de forma, determinada, politicamente, tendo em vista preservação da saúde do setor produtivo nacional, representa garantia para o próprio governo de manter a circulação dos negócios. Na circulação, a arrecadação se amplia e garante os recursos públicos para os investimentos.

Como aumentar a circulação dos negócios, se os juros e a carga tributária são proibitivos e a escapatória da especulação, como complementação da taxa de lucro empresarial, não existe mais?

Evidentemente, a disposição governamental, necessária, em hora grave, incomoda, de forma extraordinária, quem, como os banqueiros brasileiros, escraviza a sociedade brasileira, especialmente, a classe média e os mais pobres. No crédito direto ao consumidor, são sangrados em mais de 200% ao ano. A escravidão do capital é total.

Como eliminá-la, deixando a discussão para o plano técnico? 

Gordon Brown, primeiro ministro inglês, levantou sua popularidade, que estava baixa, suscitando sua queda, na crise, na Inglaterrra, com discurso nacionalista, interventor na atividade bancária, para restabelecer a confiança perdida no endividualismo ganancioso.

 

Saúde das empresas está em risco

 

Cuidar do setor produtivo tem que ser a prioridade total, para que o governo disponha de volume suficiente de arrecadação, capaz de sustentar programas sociais que, por sua vez, garantem expansão do mercado interno.

É bom para as empresas e sobretudo para os bancos. Lamentavelmente, o governo Lula, embora tenha fortalecido os programas sociais, não fez nada para as empresas, porque as prioridades foram para o pagamento dos juros e aumento de impostos.

Como sustentar o PAC nesse contexto de arrecadação que pode ficar cadente, se as empresas cairem mortamente doentes?

O compulsório e as reservas cambiais são as poupanças públicas acumuladas para enfrentar a crise com custo barato do dinheiro, mesmo , porque maior oferta de recursos joga o preço para baixo.

O presidente não deve ficar dando muito ouvido aos conselheiros assustados.

Se tivesse dado atenção a eles quando ficaram criticando o Programa Bolsa Família, onde estaria a inflação, sem consumo, que levaria às desvalorizações monetárias, para aumentar exportação?

O programa Bolsa Família valorizou o real, evitou a hiperinflação e criou a base sobre a qual devemos apoiar e fortalecê-la, pois o capital se faz é em cima do nosso consumo, e não em cima de dinheiro emprestado dos outros. Chega.

A hora é de jogar o compulsório e as reservas  na agricultura, na indústria, no comércio e na infra-estrutura. Portos modernos, para abrigar grande silagem, de modo a que o país disponha de mercadorias nos portos, para vender ao preço do dia para o mundo, e, ao mesmo tempo, dispor de estratégia produtiva que se transformaria em antídoto contra inflação. Como fazer isso, se as estradas estão uma porcaria?

Cuidado, presidente, sua cabeça está a premio. A sua e a da ministra Dilma Roussef.

Democracia participativa avança na Bolívia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O presidente Evo Morales , da Bolívia, está se revelando estadista, na condução da Assembléia Constituinte, que determina nova Constituição com perfil do poder popular indigenista que o elegeu.

Primeiro, defendeu os princípios básicos de um novo paradigma político que promove inclusão equitativa do poder indígena no contexto do poder nacional. Saiu vitorioso com esse discurso histórico.

Segundo, no poder, exercitou a defesa intransigente do interesse nacional, ou seja, não apenas do poder indígena, mas de todos os bolivianos, estilo nacionalista, no ambiente de uma nova relação de troca entre a Bolívia e o mundo. A nacionalização do poder energético boliviano foi jogada getulista, traduzida em nacionalização do petróleo brasileiro e criação da Petrobrás.

Terceiro, diante de emergência de antagonismos internos fortes relativamente ao aprofundamento da democracia direta participativa no contexto constitucional na Bolívia, Morales revela-se magnânimo: fecha acordo com os oposicionistas, no qual ficam mantidas avançadas conquistas democráticas, e aceita limitar o poder do presidente no formato popular de nova democracia boliviana.

Acertaram-se governo e oposição data de 29 de janeiro para o referendo sobre a nova Constituição e eleição presidencial em 6 dezembro de 2009, descartada  reeleição em 2014.

Despreendimento político total.

Evo Morales, sob aplausos da massa com a qual marchou durante oito horas antes do acordo, para mostrar aos constituintes a poderosa força política do MAS – Movimento ao Socialismo – diante dos oposicionistas, agregados em torno do Poder Democrático Social(Podemos), da Unidade Nacional(UN) e do Movimento Nacionalista Revolucionário(MNR), nessa segunda, 20, priorizou a causa, ou seja, as bases de neo-democracia participativa popular, em vez de a consequência, isto é, repeteco dos vícios do poder democrático cupulista, meramente, representativo, golpista, elitista, historicamente, anti-popular.

O poder pessoal, consequência da causa; vale dizer, a vontade presidencial preponderante não se verificou como pretensão inegociável do titular boliviano. Pelo contrário, exercitou a flexibilidade, para conquistar o substantivo e não, apenas, o adjetivo.

Sua postura demonstra não só despreendimento político, mas consciência da necessidade de o poder girar democraticamente em renovadas bases de sustentação, onde preponderaria correlação de forças políticas diferenciadas qualitativamente em relação ao status quo anterior à chegada do poder indigenista no comando da nação boliviana pela força dos movimentos sociais.

 

Movimentos sociais criam nova correlação de forças

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na prática, Morales fortalece corrente política boliviana sul-americana a partir da força orgânica dos movimentos sociais, que guardam raízes históricas no desenvolvimento do pensamento político indigenista boliviano. Sedimenta-se no poder político nova força consciente dos seus direitos via democracia direta participativa.

Morales está provando que o que importa são os termos da nova democracia boliviana, escrita pelos movimentos sociais na Constituição nacional. Ou seja, o permanente: novos direitos para o poder indígena, especialmente, os que poderão ser expressados pela participação e não apenas pela representação. A representação passa a ser essencialmente participativa.

Os oposicionistas estavam jogando com a possibilidade de Evo Morales demonstrar pretensões continuistas no poder, como manifesta, abertamente, o presidente Hugo Chavez, da Venezuela, por julgar sua presença, sob apoio popular, imprescindível por tempo indeterminado como condição para instalar a experiência socialista do século 21.

Tal pressuposto, embora legítimo, desde que assegurado, constitucionalmente, demonstra, no entanto, ser plataforma de lançamento de intensos antagonismos cujo potencial de explosão produz, quase sempre, impasses. O presidente boliviano, pragmaticamene,  fugiu dos impasses.

Evidenciou-se que Morales não pensa pela cabeça de Chavez, como insinuaram os oposicionistas separatistas-terroristas bolivianos e a grande mídia sul-americana. Pensa por si mesmo, em obediência à conjuntura concreta boliviana, traduzida, no momento, em tensões políticas separatistas, terroristas, perigosas.

O jogo de Morales de nem tão ao mar nem tanto à terra, jogando para aprofundar conquistas populares, historicamente, reivindicadas pelo poder indígena, enquanto flexibiliza discussão relativa a tempo de mandato , privilegia o substantivo, o poder popular, em vez de o adjetivo, a aparência da representação política.

Se o poder, o substantivo, é popular, a representação, o adjetivo, faltamente será popular, seja Morales ou outro representante do poder indígena, como ocorre na África do Sul, depois de Mandela. Os brancos, minoria, dificilmente, ou jamais, terão a representação, porque o poder político se transferiu, da minoria, branca, para a maioria, negra.

Assim, os brancos somente chegarão ao comando tendo como representação um negro. Pode pintar isso na Bolívia, visto que a maioria esmagadora do país é indígena, consciente, agora, do poder que alcançou pela organização dos movimentos sociais, dos quais foi protagonista política primordial. A elite branca teria que exercitar nova flexibilidade política.

 

Depois de Bachelet, Morales 

Evo Morales mostrou visão larga. Percebeu o lance histórico expresso pela ação da União das Nações Sul Americanas – Unasul – de iniciar construção de um pensamento sul-americano próprio, desbancando a OEA, ao sair em defesa da democracia boliviana ameaçada pelos golpistas separatistas-fascistas. Condenou a divisão nacional, forma de manutenção do poder pelas minorias de sempre, abrindo, consequentemente, legitimidade para o poder da maioria eleita democraticamente.

Depois de Bachelet, na presidência pro-tempore da União das Nações Sul Americanas, o melhor candidato é Morales, depois da sua tacada políica genial no processo constituinte boliviano em meio ao conflito separatista, desarmando-o, democraticamente.

Lance de estadista que cria espaço de convivência entre governo e oposição, até a algumas semanas, super-tensa, por conta das pregações e terrorismos separatistas, incentivados pela embaixada americana na Bolívia, na tentativa de isolar La Paz e o oeste do lado leste rico em petróleo e energia.

Esse poder econômico histórico boliviano, o do lado leste, a chamada Meia Lua, rica em petróleo e gás, em mãos dos detentores eternos do poder boliviano, ancorado em interesses externos, anti-populares, vem desde a chegada dos espanhois.

A democracia direta, participativa,  prevista na nova Constituição, extraída de Assembléia Nacional Constituinte politicamente revolucionária, criou resistências dentro desse histórico poder conservador, essencialmente, golpista, que pareciam impossíveis de ser removidas.

A democracia direta aprofundaria, aos olhos dos conservadores, conquistas populares, sociais, econômicas e políticas que, automaticamente, deslocariam  poderes de uma classe social, tradicionalmente, dominante, para outras classes sociais emergentes. Sendo estas maioria, a democracia direta implicaria aceleração de transferência de poderes de uma classe para outra, democraticamente.

A disposição dos estados mais ricos de irem à guerra interna parecia irremovível. Os conservadores, além da resistência de entregar a rapadura, tinha como certo possível intransigência de o presidente se dispor a continuar por tempo indeterminado.

Morales pode até ter tido tentação nesse sentido. Mas, a correlação de forças, dada pela explosão política interna, sinalizou que se ele insistisse nessa linha, criaria antagonismos insolúveis.

Racionalizou politicamente e fortaleceu a democracia direta sem precisar de guerra, apenas se dispondo a fixar tempo para sua permanência no poder, que se limita, então, até a 2014.

Preservou o essencial e dispensou o assessório. Histórico. Exemplo para grandes debates no parlamento sul-americano, exercido, antecipadamente, pelo plenário da Unasul.

Brasília fatura festival de Trieste

 

É muito difícil entender as razões dos outros, se permanecemos no ponto de vista individual. O individualismo, não raro, coloca o indíviduo, com seu narcisismo, no exterior da realidade. Os outros são o inferno dele, como disse Sartre. O ser humano detesta o sucesso do outro. Não se perdoa um grande favor etc e tal. No individualismo, no egoísmo, próprio do sistema capitalista, egocentrista, o outro é um estorvo. Faz sombra. Dessa visão unilateral, culturalmente desenvolvida, para dispersar o homem de seu próprio ambiente, seu próprio eu, constroi-se consciência derrotada pela impossibilidade de ver o todo, pois o que lhe interessa não é o todo, mas o seu. Assim, querer entender a vida do outro, somente se for possível penetrar na consciência do outro.

Esse é um dos méritos mais importantes do filme do jornalista, fotógrafo e documentarista, Armando Lacerda, autor de “Jururã, o espírito da floresta”, com competente montagem de Liloye Boubli, que faturou nesse final de semana o Festival Latino Americano de Trieste, Itália, organizado pela União Latina, com sede em Paris, depois de ter sido elogiado no festival de Veneza e no do Rio de Janeiro, enquanto foi olimpicamente desdenhado pelo Festival de Brasília, mesmo sendo um filme financiado pelo Pólo de Cinema do Distrito Federal. Incrível a incompetência da Secretaria de Cultura e da organização do festival. Agora, certamente, terão que correr atrás do prejuízo.

O olhar do índio é o comandante do ponto de vista indígena sobre sua própria experiência diante do massacre sofrido pela civilização em busca da expansão dos seus negócios em escala crescente no contexto da globalização dos mercados. Essa é síntese fílmica de um trabalho cultural que insere Brasília no cenário da cultura internacional.

É um jogo que massacra o índio desde os descobrimentos. Uma alma massacrada, atemorizada, aterrorizada, sob constante perigo de morte a cada passo. A voz deles é a voz dos outros sobre eles. Os índios vivem tão atormentados, ou mais, que os judeus, assassinados por Hitler.

O ódio hitlerista à competência judaica de acumular riqueza e dominar políticamente o meio ambiente social-democrata ganhou ares de rascismo. Como os judeus, os índios são vítimas do mais cruel racismo, pois sua proposta de vida, a solidariedade, choca, frontalmente, com o seu oposto, a ganância. Pior do que os judeus: são tutelados. Não possuem sequer identidade como categoria social, para se disporem do direito positivo nascido dos romanos e aperfeiçoado pelo código napoleônico, erigindo o poder burguês, no século 18.

Os personagens do documentário de Armando Lacerda são heróis permanentes, que lutam, bravamente, contra o perigo, constanre, de extinção da raça, patrocinada pela civilização que alcançou os mais altos graus de aperfeiçoamento civilizatório dado pela superestrutura jurídica do estado capitalista. Diante dos índios, tal superestrutura simplesmente é colocada a serviço do lucro como deus da salvação.

O resultado, para o lado oposto dessa extroversão do poder legal, é uma tragédia exposta aos interesses que manipulam a legalidade constituída. Os alimentos faltam, a água está sendo contaminada, as reservas invadidas, saqueadas, as mandiocas comidas pelo gado dos invasores, a fome ronda… O suícido indígena aumenta diante da sua própria impotência. O Estado nacional, a propósito de tutelar o índio, confere autotutela aos que invadem as terras indígenas, destruindo-as, brutalmente.

O Estado nacional visto pelo olhar do índio é o Estado anti-nacional que não garante a sobrevivência indígena de maneira dígna. É como o jurista especulador que esfola o lombo do povo com os juros compostos. Uma farsa de civilização escravocrata como proposta de modelo de vida, totalmente, inviável, para a saúde da natureza.

 

Uma história de destruição e morte

 

O panorama é tétrico, para as comunidades indígenas, principalmente, depois dos anos de 1940, quando o Estado nacional getulista amplia as fronteiras nacionais, para interiorizar o capitalismo nacionalista , que alcançaria sua gloria com JK, em Brasília. O espirito nacionalista fascista-getulista, diante da guerra, ganha dimensão política extraordinária no sentido de fortalecer o estado, para preservar o território nacional de interesses externos que se digladiavam no conflito bélico e ideológico.

Com JK, a expansão continuou eufórica, à custa de endividamento externo, que traria desenvolvimentismo, mas, também, colonialismo financeiro via juros altos. O país foi cortado de norte a sul e de leste a oeste pelas rodovias , a fim de criar o mercado consumidor para os automóveis de luxo fabricados pelas indústrias importadas que haviam entrado em decadência na crise de 1929.

Enquanto nos Estados Unidos, os gastos do governo em guerra, produtos bélicos e espaciais, puxavam o capitalismo, com a moeda estatal inconversível, na periferia capitalista era imposta a proposta industrial baseada na indústria de bens duráveis, que já haviam entrado em crise desde início dos anos de 1930.

Essa indústria impunha uma exigência: precisa de estradas em todo o território nacional. O modelo de desenvolvimento, baseado na fabricação de produtos de luxo, que requeria concentração de renda numa classe média capaz de consumi-los, seria, historicamente, o inferno astral para a vida das comunidades indígenas brasileiras.

Aonde chegou o consumismo dos bens duráveis, dinamizadores do capitalismo concentrador de renda, chegou a destruição dos índios. Sucumbiram-se à violência civilizatória, pois a civilização não tinha a proposta de negociação política com os índios, que já estavam há séculos em suas propriedades. A propriedade é dada pelo trabalho, suor do rosto, de acordo com a visão indígena. Confronto total, pois a visão do branco é oposto, ou seja, a propriedade é um roubo.

O discurso do branco foi a bala dos armados com armas de fogo contra os armados com armas da floresta, arco e flexa. Massacre.

A febre juscelinista de interiorização do país ampliou as fronteiras e mexeu com o estômago nacional. Os militares, como destaca Alisson Paulinelli, ministro da Agricultura do presidente Geisel, perceberam que era preciso aumentar a oferta de alimentos para garantir a base alimentar nacional ampliada pelo espírito investidor de JK que se espalhou pelo Brasil afora.

Tal expansão bateria de frente com os índios. Ela se daria com a ampliação das fronteiras nacionais do Centro-Oeste, utilização dos cerrados para plantar soja, desenvolvida pela tecnologia revolucionária da Embrapa etc. Os índios, que estavam na frente dessa armação política militar de ocupação das terras produtivas pelo setor privado, dançaram no jogo da civilização ocupacionista. 

Consciência internacional se rende ao líder xavante

A temática do filme de Armando Lacerda situa esse momento histórico no qual nascerá o cacique Mario Juruna, que terá vida de resistência à invasão do branco sobre as terras do índio, até se transformar em celebridade política nacional e internacional, depois que é descoberto pela grande mídia, em reportagens de Memélia Moreira, Eliane Lucena, Chico Dias e Marcio Braga, repórteres, respectivamente, da Folha de São Paulo, Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Jornal do Brasil.

 A história do branco é a epopéia da conquista do território dos índios, cuja alma se expõe no filme com uma dor amarga, mas, igualmente, expressando uma tenacidade incrível de uma civilização que se mostra não apenas disposta a resistir, bravamente, mas, também, negociar, porque sua índole não é a guerra, mas a paz.

Mas será possível a paz com as palavras do branco? Como diz o sábio Aniceto Suzavera, “o branco conta histórias, usa as palavras, que não têm ‘práticas’ nenhuma”. Por trás da representação, do aparente, está o latente, isto é, a destruição, a voz da destruição.

E a voz dos destruídos, quem contará? Qual a sua versão?

“Jururã, o espírito da floresta” abre espaço para o universo mental dos índios, a sua cabeça, a sua inteligência – sua bordina – , a sua racionalidade, sua paciência e sua explosão calculada enquanto busca socorro no próprio humanismo desenvolvido pela civilização que causa a destruição.

Teria sido inevitável a destruição dos indíos , como se dá na história brasileira, ainda, agora, quando as tensões guerreiras se apresentam no contexto das demarcações das terras indígenas?

O raciocínio do branco é unilateral. Jamais cogitou de negociar com o índio, de forma diplomática, respeitando o outro, sua civilização, seus costumes, sua lógica, sua visão prática. Primeiro, as balas, depois da escravidão.

O governo brasileiro, dos anos de 1950 em diante, incentivou a ampliação das fronteiras nacionais, no rastro das rodovias que rasgaram as terras indígenas, mas não cuidou de apreciar, valorizar e intercambiar com o pensamento político indígena, que obedece, racionalmente, a leis naturais. Precisaria ter ocorrido a destruição violenta de seres humanos indefesos?

Disse: “Por que brigar. Tem terra para todos. Tem terra para índio, para posseiro, para fazendeiro, para agricultor, até para multinacional. Falta organizar e planejar, para que todos possam trabalhar”.

Lamentou não participar da Assembléia Nacional Constituinte. Não fora reeleito para novo mandato depois do período que frequentou a tribuna como o primeiro índio brasieleiro a chegar pelo voto ao parlamento, entre 1983 e 1987. Sua missão disse, seria levar adiante os trabalhos da comissão do índio. Seria a base da conscientização política sobre a nessidade de consolidar partidariamente o pensamento indígena nacional.

 

O pensamento político indígena é riqueza sul-americana

 

A voz política indígena é ancestral e nos Andes é forte, tanto que está no poder, na Bolívia, chegou, agora, ao poder no Paraguai e tem participação forte, igualmente, no Peru, na Colômbia e na Venezuela. Juruna via longe, pois sua meta era a supressão da tutela constitucional sobre o índio. Sua cabeça não cabia nesse molde escravocrata,nem a dos seus parentes, pois têm consciencia de que constituem uma nacionalidade.

Os depoimentos de  cacique Salvador, de Vitória Pedzerone, Aniceto Suzavera, Diogo Amho, José Maria Paratsé, cacique Damião , Juliano Xavante entre outros são o olhar e o ponto de vista político do índio, em um documentário que expõe plasticamente com vigor a beleza da vida natural e singeleza de um pensamento simples, sábio e consciente.

A passagem de Juruna pelo Congresso é a passagem de um grande estadista, que impressiona pela sua exuberante racionalidade dada pela vivência prática de um povo sofrido pela desvastação capitalista especulativa que domina a história nacional.

Darci Ribeiro sacou a genialidade de Juruna e abriu espaço para ele na política, idéia acatada por Brizola, que, merecidamente, representou primeira consciência político partidária nacional a reconhecer direitos políticos dos índios.

O Congresso devia alto tributo ao cacique Mário Juruna – Jururã entre seus pares – , porque traiu a causa indígena. Não respeitou a vontade nacional que levou o índio ao parlamento cuja missão, a de criar espaço político para os índios, nos partidos, como representatividade efetiva, merece o desprezo das cúpulas partidárias nacionais, adversárias arrogantes do pensamento indígena que reivindica maioridade política.

Juruna mostrou inteligência poderosa que incomodou os poderosos. Falou como representante de uma nacionalidade para outra nacionalidade. Comportamento altivo, dado pela consciência dessa nacionalidade e da necessidade de preservá-la.

Naturalmente, em defesa da sua nacionalidade, incomodou. Peitou de frente os militares, abrindo discussão internacional da causa maior indigena, isto é, a defesa da demarcação das terras.

 

O Congresso traiu a causa indígena até agora

 

No Tribunal Bertran Russel, na Holanda, em 1983, chegou como ídolo de povo resistente à ditadura militar. O governo não conseguiu evitar sua viagem, dadas as pressões de organismos políticos europeus e americanos, dispostos e ouvir do líder discurso autêntico, socialista, humanista, espiritualista.

O filme de Armando Lacerda mostra, sobretudo, o humanismo indígena e a contribuição política que ele pode dar ao progresso do pensamento político humanista nacional. Da extrema exploração, da extrema pobreza, nascem os pensamentos mais nobres e gerais que abrem luz à humanidade.

A voz experiente e lúcida de Aniceto Suzavera, que veio, com Juruna, à pé da sua aldeia, São Marcos, até Goiânia, para chegar a Brasília, a fim de iniciar, nos anos de 1970,  a epopéia de Juruna, no cenário político nacional, a partir das denúncias dos massacres contra os índios,  é um caminho seguro para construção de diálogo político capaz de construir sociedade mais solidária.

O filme impõe uma necessidade, a de que haja reativação e fortalecimento do pensamento indígena no cenário político nacional, especialmente, no momento em que a humanidade vive os estertores de um modelo de vida ocidental que está falindo, por destruir a natureza, graças ao predomínio do egoísmo e do individualismo exacerbado.

A vida de luta, nobre e dura, dos índios, que os leva, no cotidiano, a um comportamento social solidário, oposto ao individualismo incontrolávelmente egoista, coloca em cena uma proposta racional que deve ser mesclada à irracionalidade civilizatória, para dar uma demão na razão e no bom senso.

A visão indígena, pelos personagens do filme, apresentando em cores vivas por uma comidade confiante na conquista da sua felicidade, é contribuição cultural indispensável à construção da própria nacionalidade.

Como disse, orgulhosamente, Juruna em discurso antológico: “Se o Brasil tivesse mais de 50 Juruna, já teria mudado há muito tempo”. O documentário é o resgate para a história de um líder político nacional de primeira linha a ser cultuado como herói.