EUA vendem UE e compram BRICs

 

A primeira grande crise monetária do século 21 coloca os BRICs – Brasil, Rússia, Índia e China – como principais alvos de desejo do neo-semi-falido Tio Sam, que abandona a neo-semi-falida Europa às traças financeiras destrutivas.

Numa nova concertação monetária poderia pintar a moeda BRICs, sigla inventada pelo banco Goldman Sachs, no estudo “Dreaming with BRICs: the path of 2050”, em que prevê, nos próximos 40 anos, a predominância desse novo grupo no cenário global, deslocando os outrora poderosos absolutos, Estados Unidos e Europa?

O Grupo dos 7 mais ricos(EUA, Inglaterra, França, Alemanha, Itália, Japão e Canadá), que se reuniu, na sexta e no sábado, em Washington, mostrou o óbvio: os ricos europeus não sacariam parte de suas reservas para salvar os Estados Unidos, baleados, na crise, fazendo dobradinha entre o Banco Central Europeu(BCE) e o Banco Central Americano(BCA), para resgatar títulos podres dos bancos falidos.

Resultado: fracasso da reuniâo. O Grupo dos 7 – são eles os patronos do unilateralismo e, não apenas, os americanos – esfarelou-se.

A Europa se recolhe para lamber feridas abertas

 

Os europeus, largados por Tio Sam, voltaram, correndo, para casa, partindo para ação emergencial conjunta – arrumar algo em torno de 2,3 trilhões de dólares(1 trilhão de euros), para irrigar o sistema financeiro europeu em bancarrota – , para não entrarem em crise política aguda.

Se estavam, inicialmente, tendentes a cada um ir para o seu canto, dentro da comunidade européia, depois do fracassado encontro de Washington, na tentativa de coordenação entre os ricos, para agirem conjuntamente, alarmaram-se diante da possibilidade de ficarem sós. No calor da crise, os líderes europeus sentiram a barra. Não haverá saída para eles, senão agirem, conjuntamente, CQC, custe o que custar.

Como, isoladamente, faliram, restaram-lhes, financeiramente, ampliar a união europeia, mesmo que a institucionalidade política do continente não tenha ainda vigando inteiramente. Ela se tornou imperativo categórico.

Do contrário, poderão pintar, nos países europeus, individualmente, tendências políticas nacionalistas variadas em seu conteúdo ideológico, como resposta radical da ira popular contra os governos irresponsáveis que levaram a economia ao desespero especulativo, suspendendo regras e regulamentações, cujo efeito é pobreza reltiva emergente.

Hitler surgiu depois da crise monetária de 1931, na Europa, começando pela Austria, espalhando, em seguida, por todo o continente, gerando tendências fascistas e nazistas irresistíveis.

Repetiriam os líderes europeus a dose hitlerista, como reação ao avanço do pensamento socialista, sintonizado com a pregação de Lenin de que as crises monetárias são parteiras do socialismo?

Se a União Europeia fracassasse, agora, novos hitleres poderiam botar a cabeça de fora. A Europa unida poderia impedir avanço do nazismo. Favoreceria o socialismo, de forma controlada, numa nova versão avançada da social-democracia, em versão avançada relativamente à moda chinesa?

 

W. Bush jogou os europeus a sua própria sorte

 

O presidente W. Bush, parece, jogou calculado. O que teria a ganhar, entrando no barco furado europeu, a menos que a Europa colocasse grana na praça americana, para ajudar Washington a pagar os pepinos da bancarrota do dólar derivativo?

O que tem a Europa a oferecer, se não tem mais grana? Petróleo? Alimentos? Metais? Só teria tecnologia e cultura. Esta, rica, única; aquela, avançada, porém, democratizada, patrimônio de todos, não apenas europeu.

Como o titular da Casa Branca percebeu que não tiraria mais carne do osso, correu, então, para os braços do Grupo dos 20. O semi-falido esfarrapado Tio Sam, no sábado, à noite, no meio dos emergentes foi histórico. Ficou entre os quatro mais ricos em ascensão, os BRICs – Brasil, Rússia, Índia e China. Somados, correspondem a quase 25% do PIB mundial. Tio Sam detesta pobre e adora rico.

Aos europeus, neo-semi-pobres, tchau; aos emergentes, neo-ricos, olá, gente!

W. Bush pontificou ao lado dos ministros dos países em desenvolvimento demonstrando que são eles a companhia que, realmente, interessa ser cultivada pelos Estados Unidos. O ministro Guido Mantega, da Fazenda, colocará o retrato na parede. Como presidente pró-tempore do G 20 ficou de peito cheio ao lado do falido Tio Sam. História.

A Europa ficou para trás. Perdeu serventia para os americanos. Afinal, os europeus não podem mais continuar bancando o financiamento de parte importante do deficit americano de 6% do PIB dos Estados Unidos, algo em torno de 800 bilhões de dólares de um total de 13 trilhões de dólares. Esse jogo foi possível de ser jogado desde Bretton Woods, em 1944, quando Washington, com o dólar todo podereso estabeleceu a nova divisão internacional do trabalho. O dólar de hoje é uma sombra daquele passado glorioso.

Se os governantes europeus, no contexto da destruição monetária, continuassem bancando o jogo de sustentar parte dos deficits americanos, adquirindo títulos da dívida pública lançados pelo tesouro dos Estados Unidos, tendo como lastro o dólar deslastreado, fictício, provocariam crises políticas agudas, dada a consciência política desenvolvida européia. Por que salvar os americanos, se os europeus estão em processo de autodestruição?

Por outro lado, para os europeus, não teria sentido continuarem financiando os déficits americanos, se não haverá possibilidade de a economia européia prosseguir acumulando superavits comerciais na praça americana, em processo de esfriamento no compasso da grande crise monetária.

Se o que está pela frente é a recessão, o mercado americano não absorverá as mercadorias européias na escala necessária para permitir que a Europa continue, como vinha fazendo desde o pós-guerra, financiando Washington.

Neo-divisão internacional do trabalho à vista

Os Estados Unidos, no pós-guerra, com o dólar forte, promoveram divisão internacional do trabalho cuja configuração ficou clara: a moeda americana passaria a ser o equivalente universal nas relações de troca, impondo deterioração nos termos destas em favor dos EUA.

A economia americana seria francamente importadora do mundo, gerando superavit comercial na Europa e na Ásia, para salvar o capitalismo europeu e asiático das garras do comunismo. O Plano Marshall foi isso.

O preço a pagar pelos aliados seria o financiamento dos déficits americanos com o dinheiro adquirido com os superavits comerciais europeus e asiáticos. Jogo de duas mãos.

Tal preço representava a garantia de o capitalismo, super-armado com bombas atômicas e nucleares, ganhar a parada política, econômica e militar da URSS, enquanto era sustetanda a guerra fria e as demais guerras que viriam pela frente como a do Vietnam etc.

Quando os americanos, em 1979, diante a moeda ameaçada pela inflação decorrente do excesso dólares, eurodólares, nipodólares e petrodólares, petrodóalres, nipodóares, na praça global, subiram a taxa de juros de 5% para 17%, quebrando a periferia capitalista, para dar sustentação e confiança à moeda equivalente geral nas trocas comerciais globais, o ex-ministro Delfim Netto, no governo Figueiredo, entendeu o jogo: “É o preço que os Estados Unidos cobram para sustentar a democracia representativa e a segurança do mundo contra os comunistas”.

E agora?

A nova ordem relativa do poder estabelecido

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A bancarrota financeira global atual mostra quadro inverso. Os Estados Unidos, exaustos de tantos déficits gêmeos, como custo de sustentação do capitalismo global, gastando em consumo e armamentos, à moda keynesiana, abriram o bico.

Não têm mais gás para bancar, com rítmo acelerado, a economia de guerra.

Se a Casa Branca está gastando o que não pode para comprar títulos podres na praça americana, a fim de evitar quebradeira geral não apenas dos bancos, mas dos contribuintes, como continuar financiando guerras caras, como a do Iraque, que já consumiu mais de 2 trilhões de dólares, como destacou Josef Stiglitz, premio nobel de economia? 

Por não poder mais suportar elevados deficits, na escala necessária, capaz de puxar a demanda global, a partir da economia de guerra keynesiana, é de se prever que uma nova geopolítica-estratégica econômica e militar emerja no Oriente Médio, com o Iraque, fragilizado, sendo atraído para o Irã, enquanto Israel terá dificuldades de continuar se financiando no tesouro americano, preocupado com a guerra maior, interna, desatada pela bancarrota financeira. 

Sairia mais facilmente o Estado palestino? Tudo está virando de ponta cabeça.  

A Europa e a Ásia –  Japão, antes, e China, depois – poderão dizer não à continuidade do processo do pós-guerra. Ganharão o que, se o mercado americano vai dar uma esfriada legal?

Teriam que retirar das suas reservas acumuladas para financiar o tesouro americano. Sem capital de giro, enfiarão a mão no bolso?

As posições, de lado a lado, dos Estados Unidos e da Europa, ficaram rígidas. Os europeus, entregues à sua falta de segurança na ausência do mercado americano, em baixa, e resistentes a sacarem suas poupanças, que viraram pó, na crise, perceberam a necessidade de correrem do jogo proposto por Washington.

 

Chavez pode ir à Casa Branca baleada pela crise

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Casa Branca lavou as mãos e correu para conquistar os novos aliados, emergentes, que serão, também, alvos do interesse europeu. Os BRICs e a América do Sul têm muito mais a oferecer a eles do que eles aos BRICs e aos sul-americanos.

Surgem nova correlação de forças políticas e econômicas no cenário das trocas comerciais.

Os preços das matérias primas, das quais toda a manufatura global depende, tendem a aumentar, por serem, relativamente, escassos. Já os preços das manufaturas, por serem fartas, dado o aumento exponencial da produtividade, impulsionada pela ciência e tecnologia, colocadas a serviço da produção, tenderão a cair, relativamente.

Ou seja, os pesos relativos das matérias primas, de um lado, e os preços relativos das manufaturas, de outro, serão alterados em favor dos primeiros e em prejuízos dos segundos, como destacou o ex-presidente FHC em recente reunião com os tucanos em Brasília.

Nesse ambiente, os Estados Unidos se interessarão por uma nova ALCA, não com a cara que antes pretendia imprimir, ou seja, preponderância do discurso de Tio Sam sobre o quintal de sua suposta propriedade, a América do Sul, historicamente,  mas com a fisionomia nova, que os neo-aliados emergentes estabelecerem, na base do consenso.

A ira de Hugo Chavez contra Tio Sam pode dar lugar a uma flexibilidade na era pós-Bush. Da mesma forma, Tio Sam não terá mais vigor para impor a Cuba eterna discriminação, porque os aliados de Cuba, no continente, colocarão, na mesa, a exigência de supressão do bloqueio comercial contra a resitente e brava Ilha caribenha socialista fidelista.

América do Sul e Caribe, cujos ministros da economia, recentemente, se reuniram pela primeira vez, na história – conforme disse o ministro Celso Amorim ao repórter Roberto D’Avila – estão diante de novas possibilidades, prontas a sairam da condição de subordinação para a de coordenação dos seus interesses, fora das influências externas, a partir de um conjunto de interesses convergentes sul-americano-caribenho?

Nova configuração geoestratégica, portanto, coloca os Estados Unidos, não mais como aqueles que vê a América do Sul, a Ásia e a África, como dependentes de Washingotn, aliados menores, mas, maiores, isto é, caminhando para serem independentes de Tio Sam.

Tempo de subordinação abre para o de coordenação

A Casa Branca, como demonstrou W. Bush, na reunião do G20, quer ficar perto dos que têm a oferecer vantagens. Que vantagens a Europa oferece ao capitalismo americano? Os bancos europeus faliram. O mercado consumidor da Europa, para as mercadorias americanas, é insuficiente. Insumos básicos, nada. Enfim, mala sem alça. Igualmente, Tio Sam, para os europeus, virou  avião jumbo sem asas.

Otelo destesta Iago e Iago não tolera Otelo.

Já a America do Sul possui tudo o que os americanos desejam. O que vai ser mais vantajoso, de agora em diante, para a economia americana? A aproximação com quem tem bala ou a com quem está desarmado e falido, querendo comprar fiado?

Como vão precisar de energia em escala crescente, a fim de se livrarem da dependência do petróleo, que exige guerras, cujos custos não podem pagar, na escala em que sustentaram até agora, os Estados Unidos, como alternativa, ampliarão suas alianças com a America do Sul. Os BRICs são sua salvação.

Pode pintar, inclusive, como destacou Delfim Netto ao jornalista William Waack, a necessidade de o governo brasileiro impor uma tarifa de exportação sobre o álcool para evitar que toda a produção, nos próximos tempos, se destine ao mercado americano, colocando pressões inflacionárias sobre o mercado brasileiro de etanol.

A América do Sul estará preparada para viver novos contextos políticos altamente transformadores da mentalidade subordinativa histórica que as liderança sul-americanas, ancoradas nos velhos coroneis e em políticas industriais semi-integradas, dependentes, para incorporar-se do oposto, isto é, de mentalidade coordenativa, em torno da União das Nações Sul-Americanas?

Nova lider sul-americana diante de grandes desafios

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por que Michelle Bachelet, presidente do Chile e pró-tempore da Unasul, ainda não reuniu os líderes sul-americanos, para esse debate, depois de três semanas de terremotos financeiros globais, lançando novas sementes da ordem internacional?

A Unasul, que mostrou sua efetividade na superação parcial da crise boliviana, evitando destruição fascita do governo de Evo Morales, por uma oposição separatista disposta a ir ao extremo da radicalidade, terá pela frente a tarefa de coordenar a América do Sul no novo cenário global.

Trata-se de alcançar os propósitos sul-americanos maiores:  moeda sul-americana, banco sul-americano, segurança sul-americana, tribunal su-americano, parlamento sul-americano, que originarão pensamento sul-americano.

 Qual o lastro real sul-americano, no compasso da crise? A riqueza real sul-americana: biodiversidade infinita, petroleo – renovável e não-renovável – , metais, alimentos, terra, água e sol que garantem até três safra anuais etc. Ou seja, moeda que se sobrevaloriza diante da moeda equivalente internacional, o apodrecido dólar derivativo, que se sobredesvaloriza, pois seu lastro é, tão somente, ficção.

Crise abala Lula e fortalece Serra

O presidente Lula e o governador José Serra emergiram como polos opostos na crise bancária mundial que ameaça a economia brasileira. Depois de a bancarrota financeira global detonar os pequenos e médios bancos, está levando para o abismo, também, as grandes e médias empresas, que estavam alavancadas na especulação.

Só não correm perigo, por enquanto, os grandes bancos, que estão sendo abastecidos pelos depósitos compulsórios, que utilizam, não para emprestar ao público, mas para comprar títulos do governo, sem contribuir para a formação da riqueza social.

Os tremendos tombos nos lucros especulativos dos empresários podem criar pânico no mercado brasileiro, se a situação internacional deterior-se, fortemente, como tudo indica que isso venha a acontecer, no compasso da primeira grande crise monetária do século 21, anunciando tempestades econômicas e políticas.

Nesse contexto, o governador de São Paulo, José Serra, sobressaiu atacando os juros altos e colocando-os em campanha eleitoral, enquanto o presidente ficou calado sobre o assunto, até agora, porque se tornou prisioneiro do custo elevado do dinheiro. 

Bancarrota empresarial e financeira à vista tenderia a abalar o presidente Lula, como está abalando os presidentes em geral, no espaço global. Já, Serra, livre atirador contra os juros altos, faturaria no cenário em que se instaurou o “Chaos”, rítmo jazzístico frenético de Wayner Shorter.

Grandes empresas como Sadia, Votorantim, Perdigão, Aracruz Celulose, na qual a Votorantim tem muitas ações, e muitas outras de expressão e peso na economia, com grande influência na saúde ou na doença da bolsa de Valores de São Paulo, concentrada numa totalidade não superior a 200 ações negociadas, certamente, nos próximos meses, baterão à porta do governo, pedindo socorro. Os clamores já estão percorrendo os corredores das federações de indústrias.

 

O hospital das grandes empresas nacionais entra em ação

 

 

O BNDES, velho hospital de empresas falidas, será chamado a exercer o seu eterno papel, de emprestar e perdoar, ao longo do capitalismo nacional, tocado pela concentração da renda, de forma abusiva, desde o desenvolvimentismo keynesiano-jusceliniano dos anos de 1950, seguindo com os militares, de 1964 até 1984, e paralisado, daí, em diante, durante a Nova República, detonada pelos efeitos da crise monetária dos anos de 1980, que instaurou o neoliberalismo jurista estagnante.

As empresas caíram na armadilha dos juros altos. Aplicavam uma parte dos seus resultados na especulação, para obter alta lucratividade, como forma de compensar a baixa lucratividade relativa na produção, afetada pelo jruo composto extorsivo.

Os lucros especulativos complementam os insuficientes lucros produtivos. Estes não sobrevivem sem aqueles.

Conseguiram as empresas, dessa forma, sustentar a taxa de lucro média em ascensão. Caso contrário, se ficassem só na produção, suportando no lombo o prolongado sacrifício, teriam sucumbido à concorrência internacional.

Como suportar tal competição, se na Europa, Ásia e Estados Unidos os juros estão caminhando para serem negativos, descontada a inflação?

 

Desequilíbro se instala na economia especulativa

O jogo de equilíbrio das empresas entre especulação e produção foi para o espaço com a emergência da crise bancária. 

Enquanto nas atividades produtivas, no ambiente da concorrência, a margem de lucro nunca supera a casa dos 10%, ficando na média de 7,5%, e olhe lá, nas atividades especulativas, o lucro se situa(va) no  invejável dos 25% ao 30%. Na média, entre especulação e produção, as empresas lucravam 15% a 20%.

Sem os lucros especulativos, poderão perder tudo.

O jogo da especulação foi, brutalmente, interrompido. Os empresários e os especuladores jogavam no dólar futuro para fazer lucro no presente, em real, multiplicado nos juros altos internos.

Estavam comprados no dólar barato que subiu violentamente de preço. Ficaram como o turista que se encheu de dívida no cartão de crédio no exterior com o dólar barato, que vira dólar caro com a desvalorização da moeda nacional repentina. Facada.

O grupo Votorantim, do grande empresário Antônio Ermírio de Moraes, histórico investidor na produção, não titubeou diante do jogo especulativo no tempo das vacas gordas. Abriu seu próprio banco. Foi participar do jogo do crediário em todas as direções, nos investimentos especulativos e no crédito direto ao consumidor. Alanvacou com Arquimedes, o grego. Os lucros bancários passaram a ganhar dimensão equivalente aos lucros obtidos pelo grupo na produção e comercialização oligopolizada do cimento.

Assim, como o grupo Votorantim, outras grandes empresas desenvolveram a bissexualidade empresarial brasileira: faturar prá frente, na especulação, e prá trás, na produção. E vice-versa. Uma equilibrando a outra.

O desastre financeiro global americano e europeu, que puxa o mundo para baixo, colocando os demais continentes em situação de total instabilidade, pegou os empresários comprados no futuro com expectativas de explosões financeiras iminentes no presente.

O exemplo da Sadia é sintomático. Desesperada diante dos prejuízos, a direção da empresa, que estava atuando de forma concessionária pelo presidente que havia se afastado, teve que apelar para a  volta imediata do verdadeiro chefe. O ex-ministro Luis Fernando Furlan, proprietário da empresa, foi obrigado a assumir seu próprio negócio, que estava sob comando de empregados. O olho do dono estava ausente?

Furlan pode já estar batendo às portas do BNDES.

 

Os próximos momentos são de angústia

Nas próximas semanas, com os possíveis agravamentos e rescaldos da grande crise monetária global, cujos prejuízos são calculados, até agora, em 14 trilhões de dólares, cinco brasis, a onda de desastres financeiros pode avançar em meio ao discurso desenvolvimentista do presidente Lula como arma para manter o otimismo nacional.

Os governos nacionais foram ultrapassados num mundo onde a economia passou a ser dominada pelos grandes oligopólios cujo poder impõe vontade aos próprios governos. O grupo dos sete grandes, convocados às pressas por W. Bush, nesse final de semana, em Washington, resolverá a parada? Difícil.  Com a crise, tanto os governos, como as grandes empresas, todos balançam e revelam suas fragilidades.

A balburdia estará instalada nesse sábado e domingo na capital americana, pois, junto com o grupo dos sete, estará, também, o grupo dos vinte. Certamente, pintarão propostas de todos os naipes, como, por exemplo, a de realizar, já, uma nova coordenação monetária global, porque o dólar teria sido ultrapassado em seu papel de equivalente monetário global por falta de gás financeiro do governo americano.

Essa situação, coloca o governo do presidente Lula diante da possibilidade de ser obrigado a salvar tanto os bancos como empresários, emergindo como super-empresário estatal no contexto desenvolvimentista nacional, dado pela crise bancária.

Os bancos privados grandes fugiram do compromisso de salvarem os bancos privados pequenos, mesmo com dinheiro subsidiado do governo. O impulso nacionalista governista vai se tornando irresistível, no rastro do processo de bancarrota privada.

O governo está tendo que assumir as contas do desastre, claro, com dinheiro do consumidor, jogando as reservas cambiais no fogo. Os repórteres de O Valor, Cristiano Romero e Cláudia Safatle, informam que serão sacados pelo menos 20 bilhões do total de 207 bilhões de dólares acumulados, para salvar bancos, empresas e garantir investimentos em infra-estrutura.

O perigo de o dinheiro ser torrado pode ser grande, principalmente, se a onda especulativa com o dólar , no país, onde seu valor sobe, proporcionalmente, mais do que em outras praças, se os juros internos continuarem elevados, estimulando novas ondas especulativas com a moeda nacional, num segundo momento da crise.

teve que assumir pepino, emitindo medida provisória salvacionista, que poderá ser ampliada. Não seria, apenas, suficiente salvar os bancos pequenos. Os representantes dos setores produtivos, também, são candidatos ao socorro governamental.

Os efeitos da grande crise tenderão a desatar consequências cujos elos se estendem em todas as direções do sistema econômico. Nesse contexto, ganha dimensão politica a discussão sobre a taxa de juros brasileira, a mais alta do país.

 

José Serra-José Alencar, novo fato político

 

Nesse sentido, saiu na frente o governador José Serra, de São Paulo. Na quarta, 09, depois de encontrar-se com o presidente Lula e a ministra Dilma Roussef, da Casa Civil, preferida pelo titular do Planalto para sucedê-lo, conforme disse o ministro da Justiça, Tarso Genro, ele abriu fogo contra a política monetária comandada pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

Politizou o assunto, para ajudar, não apenas a campanha eleitoral do prefeito Gilberto Kassab, do Democrata, 17 pontos à frente de Marta Suplicy, do PT, no DataFolha. Sobretudo, com o discurso de tiro ao juro, Serra alavanca sua própria candidatura presidencial para 2010, pelo PSDB.

O governador paulista fechou sua posição com o discurso do vice-presidente da República, José Alencar Gomes da Silva. Racha, dessa maneira, o próprio governo.

Qual o novo discurso de Marta Suplicy e de Dilma Roussef diante do de José Serra? Falarão a favor dos juros altos, quando trabalhadores e empresários buscam, justamente, o contrário, para sobreviver?

Os juros altos, no estouro da crise bancária, que destroi riquezas especulativas, deixaram de ser solução para os especuladores, para se transforarem em problemas altamente explosivos. Não trabalham mais para produzir riqueza especulativa, mas para produzir destruição de riqueza na especulação.

O PMDB, maior vencedor das eleições municipais, comprará o discurso do juro alto ou do juro baixo proposto pelo governador de São Paulo, como alternativa para a sobrevivência da economia, que detonou, na crise, o esquema de reprodução do capital na especulação?

Serra assumiu a vanguarda do novo discurso, com o qual pode atrair aliados à direta, à esquerda e ao centro.

O presidente Lula, que estava com o tempo trabalhando a favor dele, está sendo obrigado, agora, a correr contra o tempo. Sem outra alternativa, teve que assumir o pepino neoliberal com dinheiro do contribuinte.

Se não salvasse os pequenos bancos e se não salvar grandes, médias e pequenas empresas, certamente, a Era Lula estará encerrada, politicamente.

José Serra colocou o presidente da República em uma armadilha. Por ter tocado na ferida, o titular do Palácio dos Bandeirantes deixou o titular do Planalto entre apoiar os juros altos e perder prestígio ou conter os juros altos e seguir a orientação do próprio Serra.

Estrategicamente, Serra passaria a ser o mentor de nova política econômica em que a intervenção do Estado na taxa de juro se faz necessária para evitar que tanto o capital como o trabalho sejam destruídos.

Show de incompetência sul-americana

 

Os líderes sul-americanos estão perdendo tempo precioso.

Em vez de se unirem em torno da União das Nações Sul-Americanas, Unasul, para debater a grande crise monetária, urgentemente, perdem-se em suas idiossincrasis pessoais, dando espaço às intrigas internas, esquecendo o essencial.

As ações dos líderes europeus, americanos, japoneses e asiáticos demonstram que a política sobrepujou a economia. Não há mais política econômica, mas, sim, economia política. A realidade capitalista está sendo rasgada, com tintas de sangue espalhando-se por todo o lado, com o sistema pedindo socorro, depois dos desastres decorrentes das especulações exageradas.

A Europa, que, em torno da União Européia, com seu euro, relativamente, forte, se mostra apavorada, concluiu que, isoladamente, nenhum país conseguirá superar suas dificuldades. Coordenam os líderes europeus fundos de investimentos comuns, para atacar os problemas gigantescos que emergem incontrolavelmente. Os asiáticos, igualmente, buscam formar seus fundos financeiros, com o mesmo objetivo.

O banco central americano e o banco central europeu, depois de hesitações maiores, pois não sabiam o tamanho real do incêndio monetário, buscavam ações isoladas. Os europeus, num primeiro momento, pensaram poder, cada um por si, dar conta do recado. Debalde. O governo americano, idem. W. Bush, nas cordas, jogou a toalha. A crise é maior que os Estados Unidos. Estes não conseguirão sair do buraco sem a ajuda dos demais aliados.

Tremendo contraste com a posição americana arrogante até há pouco tempo, que pensava ser onipotente. A invasão do Iraque em 2002 foi feita por Tio Sam à revelia da ONU, que condenou a ação. Agora, quando a guerra interna, econômica, assola a economia americana, deixando as famílias desesperadas, o líder americano, fracassado, pede água.

 

O povo nas ruas, tensão ideológica à vista

 

O desespero deixou os asiaticos com os nervos à flor da pele, todos indo para as ruas, algo que apavora o sistema democrático, diante da turba revoltadaO grande perigo é o povão ir para a rua, pedir seu dinheiro de volta. Os asiáticos de Hong Kong já fazem isso com grande alarde. Dançaram os correntistas com sua grana depositada em bancos que estão indo para o espaço, incapazes de serem salvos por si mesmo.

A mobiliação popular, caso se globalize, na Europa, Estados Unidos, América do Sul, fará emergir processo político que tenderia a levar de roldão as social-democracias estabelecidas. Abriria espaço para outras alternativas, cujas consequências poderiam rebentar com a democracia.

Nesse ambiente, em que os líderes na Europa, nos Estados Unidos e na Ásia se descabelam, correm para um lado e outro, onde ficam os líderes sul-americanos?

Eles, há pouco, criaram a União das Nações Sul-Americanas, a Unasul. O objetivo da instituição, como destacam, é o de unir o continente em torno de um parlamento, de uma moeda, de um banco central, de uma segurança, de um tribunal sul-americanos. 

A eficácia dessa proposta mostrou ser possível, recentemente, quando a presidente pro-tempore da Unasul, a líder do Chile, presidente Michele Bachelet, diante da crise boliviana, ameaçadora em rachar o país ideologicamente, convocou os líderes e amainou as tensões. Mostrou eficiência. Por que, até agora, ela e seus pares não se reuniram, em caráter emergencial, para discutir a grande crise monetária, que pode ser ameaça a todos eles.

 

Desentendimento Brasil e Equador divide America do Sul

 

Ao contrário, os presidentes sul-americanos, arrogantes, acham que podem tocar, cada qual seu país, sem ver o todo da crise. O presidente Lula, numa demonstração de falsa força, cuja materialidade tende a ser negada, demonstrando ser mera impulsividade, fala em sustentar o surto consumista, enquanto o momento sugere cautela. 

Na Argentina, da mesma forma, passadas duas semanas do tumulto monetário, somente, na terça, a presidente Cristina Kirchner resolveu criar um conselho de emergência. O país está caindo pelas tabelas, endividado e pressionado pela inflação. Não dá para sair do buraco sozinho. Na Venezuela, idem, o presidente Hugo Chavez, arroga-se, com sua presunção, em ação isolada.

No Equador, o presidente Rafael Correia, vitorioso em recente eleição, que elegeu nova constituição altamente democrática para o país, consolidando mentalidade socialista sobre o pensamento neoliberal falido pela grande crise, como Lula e Chavez, não falou em uma ação coordenada. Igualmente, o presidente Evo Morales, diante de um país dividido, à beira da revolução separatista, não apelou para a união continental.

Os três, Lula, Chavez, Correia e Morales, reuniram-se em Manaus, há poucos dias, e cada um saiu para o seu lado. Não tiraram uma nota conjunta, sequer convocaram a Unasul, para debater os problemas emergenciais, que superam as questões nacionais. Se os europeus, muito mais ricos que os sul-americanos, concluiram que, isoladamente, não são ninguém, sendo necessária ação conjunta indispensável e rápida, para salvar o continente do incêndio monetário, por que a América do Sul, empobrecida e sucateada pelo neoliberalismo, ao longo dos últimos vinte anos, não requereria ação política semelhante?

Encontro continental está previsto para dezembro! A OEA, que faliu, porque não cuidou da essência fundamental da união e integração latino-americana, tem programada reunião naquele mês, que está anos luz da crise atual, tamanha a velocidade dos acontecimentos. Tremenda incompetência sul-americana.

Está pintando, portanto, trementa incompetência política entre os líderes. Essa seria a hora de lançar o Banco do Sul, para formar um grande fundo sul-americano, ancorado em riquezas reais sul-americanas, que fortaleceriam a moeda sul-americana, capaz de credenciá-la na nova arquitetura monetária global, que nascerá do caos em que mergulhou o dólar.

Até quando ficarão parados, com a boca aberta, cheia de dentes, esperando a morte chegar, como destacou o poeta Raul Seixas?

Pânico nacionalista testa união européia

Os desentendimentos iniciais entre os líderes europeus relativamente a um consenso capaz de levá-los a tomarem medidas conjuntas para evitar que os países se afundem no vendaval da bancarrota financeira representam perigo para a União Européia.

Podem ativar neonacionalismos cujos conteúdos políticos descabem para fechamentos internos, protecionistas, salvacionistas, incapazes de contribuir para uma visão do todo destinada à ação conjunta no continente.

A arquitetura da união da Europa correria perigo, diante da corrida dos governos, como aconteceu com o da Irlanda, de garantir 100% dos depósitos aos correntistas. Atraiu, dessa forma, dinheiro de outros bancos, em diversos países, que não poderiam ter esse privilégio por parte dos governos. Haveria, consequentemente, uma competição doida entre as entidades bancárias, cujo resultado poderia ser o imponderável.

Num primeiro momento, os principais líderes europeus, da França, Alemanha, Itália e Inglaterra, pisaram no tomate. Acharam que falariam pelo resto da comunidade. Dançaram. As notícias da volatilidade bancária, decorrente da corrida dos correntistas para tirarem dinheiro depositados, fizeram-nos voltarem, correndo, atrás, apavorados. A crise demonstrou ser maior que os quatro poderosos países.

Tiveram os líderes, então, que convocar os 27 países integrantes da comunidade européia. Tal reunião teve como resultado algo mais racional, em termos de proteção da garantia dos depositantes, na medida em que nota conjunta dos governantes assegurou que não haverá quebra de bancos. É uma aposta.

Os poderes públicos, como destacaram os líderes, salvarão as instituições, estatizando-as, se necessário, para, em seguida, vendê-las, se for o caso. Não há segurança de nada.

Essa decisão conjunta das lideranças européias alivou a ação deletéria, unilateral, do governo da Irlanda, que, ao garantir 100% dos depósitos dos correntistas, dividiriam os interesses europeus, de forma perigosíssima.

A situação ficou contornada, aparentemente, pois as tensões explodiram com a desesperada decisão do governo da Islândia de entrar firme para salvar o maior banco do país, afetado por corrida bancária.

Tudo está extremamente volátil e inseguro, mas a postura política das lideranças européias tenta construir um paredão contra o tsunami monetário, que se expressaria numa desperada debandada pelo dinheiro depositado pelos correntistas.

Somente os próximos dias mostrarão se estará sendo eficaz e efetiva a ação conjunta.

A comunidade européia carece de maior efetividade e eficácia, porque a União Europeia ainda não está políticamente consolidada.

Cada país, dispondo de suas instituições e controles nacionalistas, que, na presente crise, se afirmam autonomamente, na base do pensamento protecionista, mostra-se, contraditoriamente, impotente. Ainda bem.

A velocidade dos acontecimentos vai impondo sua própria lógica: não é mais possível ações individualizadas.

O Banco Central Europeu, que tem por objetivo, dar crediblidade à moeda europeia, o euro, coordenado política monetária capaz de assegurar o poder de compra dele, combinando ações estratégicas pautadas pelo Tratado de Maastrich, que fixa limites para a expansão orçamentária, tenta dar conta do recado, mesmo sem haver, ainda, historicamente, a união política no continente.

Nesse sentido, a decisão dos líderes, de garantir a sobrevivência dos bancos, levando o BCE a interferir, sempre que for necessário, dá novo caráter proativo à União Européia.

Os acontecimentos dramáticos forçam, em meio às novas circunstâncias, instâncias mais fortes de ação política sobre a realidade em convulsão econômico-financeira.

O velho nacionalismo europeu, que não morreu de todo com a emergência da União Europeia, tentou, na crise presente, colocar a cabeça para fora, em termos de ação unilateral. Não vingou, por enquanto.

O pânico ameaçou – e continua ameaçando – ações protecionistas, que, ainda, não são possíveis de serem removidas, mas a sabedoria européia, dada pela conquista história da sua própria unidade, está sendo aperfeiçoada na ação política como antídoto à crise econômica.

A economia política supera a política econômica.

Caso contrário, soluções radicais emergiriam, levando ao desconhecido em comparação ao vigente, ou seja, o regime social-democrata.

A unidade da União Européia representaria possibilidade de se caminhar para uma instância econômica mais ampla, já que os continentes, isoladamente, não dariam conta de conter a onda braba detonada pela bancarrota financeira americana?

 

Incertezas podem detonar radicalismos políticos 

A insegurança econômica generalizada traz perigos: detona radicalismos políticos, quanto mais o contribuinte percebe redução viva do poder de compra da moeda nacional, algo que representa, objetivamente, empobrecimento crescente e incontrolável. Lenin, diante das instabilidades monetárias européias no pós-guerra, cujos efeitos políticos representaram foralecimento dos nacionaismos fascistas e nazistas, destacou que tal ambiente significa propaganda efetiva para desenvolver o pensamento socialista internacional.

A social-democracia européia, diante da crise bancária, pode balançar ideologicamente. A onda nacionalista, protecionista, tende a produzir pensamentos ideológicos autoritários, como resposta à irritação social diante de perdas no poder de compra das moedas, empobrecedoras da comunidade. Não é à toa que volta a ser notícia, na Europa, os fatores que levaram Hitler ao poder. Tudo pode precipitar quando se percebe, por exemplo, manobras como a do secretário de Tesouro americano, Henry Paulson, que escolhe duas ou três corretores privadas de Wall Street, para gerenciar a distribuição dos recursos do grande pacote salvacionista do sistema frente à bancarrota. Revolta social a tamanho descaramento não estaria descartada.

Pintaria uma onda socialista, que tenderia a expandir, no rastro da decadência possível da social democracia em meio à bancarrota financeira?

Sobretudo, a grande questão que vai se levantando, forte, é: terão os estados nacionais, isoladamente, força para conter a onda destruidora de riquezas, com suas respectivas moedas, ou o estado nacional será ultrapassado pela necessidade de união de regiões que guardam interesses comuns, no cenário global, buscarem saídas solidárias e não individualizadas?

Interatividade no contexto globalizado

A quimera de uma solução mundial, coordenada, no contexto em que amplia o pensamento nacionalista, fruto do medo da crise, estaria descartada? Talvez o caos seja inevitável, para que da lama saia alguma coisa.

Nesse momento em que o vendaval das compras e vendas de dólares, para liquidar posições, servem para valorizar a moeda americana, especialmente, na periferia capitalista, dada sua condição de equivalente geral nas relações de troca – até quando ninguém sabe – , o panorama pode superdimensionar a aparência e obscurecer a essência. Depois que as posiçõese estiverem liquidadas, para frente e para trás, no mercado, presente e futuro, chegará a hora da onça beber água, relativamente à capacidade da moeda americana de continuar sendo o equivalente monetário global.

Os dólares derivativos disponíveis, depois das liquidações de posições na louca corrida dos agentes econômicos nesse momento, irão para onde, se correrão o perigo de virarem papel de parede, caso continuem empoçados pela paralisia do crédito internacional?

O potencial de insegurança política que tal situação provoca na alma popular dos povos europeus que já viveram destruições de riquezas semelhantes, no rastro das quais surgiram ditadores e regimes de força, poderá ser o rescaldo forte dos tempos presentes nas próximas eleições européias. Imagine se Ângela Merkel deixa a peteca cair, agora. Seria excomungada. Abriria espaço para os socialistas e comunistas, já que a pregação do fortalecimento do estado, num ambiente de fragilidade total do pensamento e práticas neoliberais, ganharia corações e mentes mediante discursos inflamados para aplacar desesperos populares.

Lideranças sul-americanas dormem no ponto

 

A América do Sul, nesse contexto, está andando devagar.  Tentarão enfrentar a crise, isoladamente, com base nas moedas nacionais, que, no momento da grande crise, deixa de ser representativas?

O teste sobre a união européia é sintoma de que o destino da América do Sul está em jogo. Se as incertezas rondam os países que se uniram em passado recente, imagine-se as que tomam conta dos países mais pobres sul-americanos.

Cada um pode estar potencialmente sob riscos muito mais sérios do que os países ricos, porque o estado nacional, em face da nova conjuntura, tem poder limitado. O exemplo patente é a reação americana.

O governo agiu descordenadamente no plano internacional, pensando que a Casa Branca e o Congresso, isoladamente, poderiam resolver a parada, e o resultado, nessa semana, demonstra o oposto. A ação congressual americana, sem coordenação com os demais países ricos, tornou-se inútil diante da voracidade do terremoto financeiro global.

Os líderes sul-americanos, em torno da União das Nações Sul-Americanas, Unasul, estão diante de grandes desafios. Por que atrasar a discussão da criação do Banco Sul Americano que teria papel coordenador do poder monetário sul-americano, mediante moeda sul-americana, no cenário internacional, que se prepara para uma nova arquitetura monetária, dada a impossibilidade de a moeda americana continuar dando conta do recado.

Os presidentes Lula, do Brasil, Rafael Correia, do Equador, Hugo Chavez, da Venezuela, e Evo Morales, da Bolívia, se reuniram na semana passada, em Manaus, mas esqueceram o principal.

No auge da crise global, em vez de lançarem uma nota conjunta sul-americana, de união do continente como pressuposto básico para enfrentar os problemas que emergem, deram enfase às suas respectivas ações isoladas. Ficaram sem conteúdo. Até quando?

Estagnação capitalista favorece planeta terra

A situação do capitalismo está chegando a tal ponto que a estagnação ou semi-estagnação econômica temporária – não se sabe por quanto tempo – pode ser uma boa para ele.

Seria mais vantajosa do que a alternativa oposta à vista, a destruição, caso não haja um esforço global comum para evitar a bancarrota financeira, expressa na supressão/empoçamento do crédito em mar monetário que deixa de azeitar as relações econômicas globais.

Entre destruição e estagnação não há discussão. Vencerá o utilitarismo.

A natureza, por sua vez,  deve estar achando excelente essa possível paralisação ou semi-paralisação da economia americana, com reflexos globais.

No ritmo do super-consumismo ultra-exacerbado americano, que se espalha para China, Japão, Europa, Africa e América do Sul, uniformizando comportamentos culturais suicidas, rola, perigosamente, tremenda destruição ambiental.

Com a bancarrota financeira, entra em xeque tal modelo de vida, que ameaça a humanidade.

Se os Estados Unidos, punidos pela lógica da irracionalidade, que levou a nação ao buraco negro monetário, serão obrigados a viver possivelmente fase recessiva dura, significa que haverá menos demanda sobre o planeta, cujo resultado tem sido, claramente, crescente desequilíbrio do meio ambiente.

Desde 1987, os cientistas, preocupados com o avanço da irracionalidade capitalista, que avança destruindo a natureza, alertaram sobre o impasse decorrente das excessivas emissões dos gases C02, gás carbônico, e CH4, metano, responsáveis pelo aquecimento terrestre. 

Em 1997, foi assinado o Protocolo de Kyoto, em que os signatários se comprometeram a reduzir suas emissões de CO2 em 5% quando comparados aos níveis resgistrados em 1990. O acordo estipulava que ele só se tornaria efetivo quando fosse ratificado por, pelo menos, 55% dos países signatários e que somassem 55% das emissões.

 

Unilateralismo faliu. Multilateralismo ocupará o vácuo

 

Os Estados Unidos, maior economia poluidora do meio ambiente, responsável por 25% do total das emissões de gases de efeito-estufa, não assinaram o protocolo. Frustração mundial.

A contaminação do ar, das águas e do solo, seja pela queimadas das florestas, pela emissão dos gases tóxicos das indústrias químicas e de beneficiamento de minerais, ou pelas toxinas geradas na decomposição do lixo urbano, seguiu em frente, destruindo as forças naturais.

Cenário apocalipto, apresentado pelo Painel Internacional de Mudança Climática(IPCC), descortinou-se forte:o efeito estufa estaria estreitamente ligado ao aumento da ocorrência e intensidade de inundações e secas, amboas resultando em redução das reservas de água potável. Além disso, aquecimento da atmosfera aumenta mortalidade de velhos, crianças, graças a expansão de casos de doenças pulmonares e do aparelho digestivo.

O aquecimento global mudou características fundamentais do clima europeu, proporcionando elevação de temperaturas em continente onde o frio predomina, impondo temperaturas superiores a 40%. No Brasil, o aquecimento se expandiu com a destruição das florestas em escala irracional, estimulando ampliação da produção e exportação de soja, carne, milho, algodão e, sobretudo, madeira. 

A lista do desastre é interminável, no compasso do ritmo da destruição ambiental imposta pela busca insaciável do lucro, que não visa o interesse do contribuinte.

A natureza pede, desesperadamente, um tempo, racionalidade ao estouro consumista. Nada. Os interesses individualistas, preponderantes, relativamente, aos interesses coletivos, continuaram e continuam a destruição.

A bancarrota financeira, enfim, pode dar uma parada técnica na loucura, impondo a necessidade do interesse coletivo, socialista, impor-se, politicamente, sobre o individualista, capitalista, abrindo espaço a uma maior cooperação internacional, algo que os Estados Unidos se negaram a pratica, até agora, recusando assinar o Protocolo de Kyoto.

 

Chegou a hora de uma parada na busca louca do lucro

 

A crise bancária, que destroi riquezas puramente fictícias, sinalizando redução do nível de atividade geral, a partir dos Estados Unidos, conspira a favor dos interesses da natureza. Poderá arrefecer a destruição ambiental e dar uma orientação racional à irracionalidade anárquica capitalista.

A desaceleração econômica nos Estados Unidos, cujo consumo sustenta, organicamente, a economia mundial, dados os fios do tecido econômico traçados por ele, impõe novo rítmo aos parceiros comerciais, detonando lógica desacelarativa nos elos gerais do capitalismo global, em termos proporcionais.

Gigantes parceiros comerciais dos Estados Unidos, como China, Japão e Europa, que sofrerão sérias consequências decorrentes da derrocada financeira americana, terão novos comportamentos diantes dos demais elos mais fracos da cadeia econômica capitalista global? Ou será preciso chegar mesmo ao caos total, para surgir nova Arca de Noé?

Não estaria descartada possibilidade de acontecer com os Estados Unidos o que aconteceu, na década de 1990, com o Japão. Depois de viver, nos anos de 1970 e 1980, a farra dos nipodólares, expressos na euforia das exportações de produtos tecnológicos avançados, os japoneses se transtornaram nas angústias do empoçamento excessivo de dinheiro, que levou à deflação. O nacionalismo japonês, feito em casa, como está ocorrendo, com a China, trouxe, como resultado, paralisia. O capitalismo ficou parado, juro zero, deflação na porta, só jogando na exportação, com moeda desvalorizada.

Seria esse o futuro do nacionalismo chinês que abarrota o mundo de mercadorias de toda a natureza, sustentando o mercado de matérias primas global?

 

A terra se agita contra a expoliação destruidora do capital

 

A bancarrota americana pode servir de ponto de inflexão à lógica anteriormente desenhada pela exacerbação egoística capitalista global tocada por moeda podre especulativa implodida no excesso de dólares derivativos.

Viria por aí um relativo repouso econômico global determinado pelo estresse de Tio Sam? A natureza começaria a sorrir.

O perigo maior para os Estados Unidos é o excesso de moeda podre – fala-se em 60 trilhões de dólares derivativos, coisa de doido –  e a consequente desmoralização monetária que dificultaria a saúde do governo americano de continuar enxugando a base monetária global para evitar inflação exponencial.

O fato novo, portanto, é a crise do keynesianismo americano e não do liberalismo, que já havia entrado em colapso na crise de 1929.

O próximo presidente americano adotará as medidas neoliberais que a Casa Branca sempre pregou para a periferia capitalista, a fim de enxugar o excesso de gordura podre?

A natureza baterá palmas, porque o protocolo de Kyoto vai sair. Haveria parada obrigatória no gigante consumista , guerreiro devastador, impulsionador da economia de guerra, bancada por moeda estatal fictícia sem lastro.

A ordem unilateral está se rompendo, para dar lugar ao seu oposto, o multilateralismo. A tese produz a antítese. Qual será a síntese?

A primeira grande crise monetária do século 21 pode ser uma boa. Negação da negação. O keynesianismo negou o neoliberalismo e agora se vê negado.

Representaria freio ao capitalismo devastador e a imposição de uma nova ordem dada pelo excesso do próprio homem, que, de agressor, passou a ser agredido e condicionado pelas forças naturais racionais em substituição às forças humanas irracionais?

Estagnar, nesse contexto,  tornou-se útil.

Consumir menos significaria prejuízo ou avanço?

O que o crash financeiro pode conseguir, ou seja, menor demanda destrutiva econômica sobre a terra, minimizando desproporção incompatível com a sustentabilidade ecológica, representaria na prática, por outras vias, nova conjuntura que leva a humanidade a outros questionamentos.

Novas possibilidades, novas culturas comportamentais transformadoras, nova economia, nova ética?

Se não foi possível, enquanto o unilateralismo político-militar americano predominou, à custa de moeda sem lastro, com a destruição financeira, que coloca Tio Sam desmoralizado, pode ser que surjam as condições reparadoras, naturais, que impõem suas vontades supremas. Bloqueariam, consequentemente, o avanço da economia de guerra.

Pintaria a economia da paz, no rastro da falência keynesiana guerreira?

 

Explosão da falsa consciência consumista empobrecedora.

 

O modelo de desenvolvimento econômico apoiado na escala super-consumista, que desequilibra o meio ambiente, tornando-o irrespirável, tenderia a sofrer abalos.

Qual seria o perfil da economia, combinando forças produtivas compatíveis com a sustentabilidade ambiental?

Essa pode ser a grande promessa do século 21, sinalizando mudanças quantitativas e qualitativas, no compasso da desaceleração capitalista destrutiva?

O debate está aberto.

Haveria espaço para ampliação do individualismo, que levou à loucura, na medida em que se julgou absoluto, como forma de vida, ou o coletivismo ganharia nova dimensão, como forma equilibradora, capaz de mudar paradigmas culturais e psicológicos?

O socialismo real soviético, que levou a ideologia coletivista ao paroxismo, bloqueando potencialidades individuais de se afirmarem em sua plenitude, teve como antítese o capitalismo ultra-individualista e egoísta, depois da queda do muro de Berlim, em 1989.

Resultado prático: explosão das bases de sustentação humana na terra. O capitalismo, como já disse Marx, não pode desenvolver exponencialmente as forças produtivas, porque, na busca prioritária dolucro, explode a si mesmo. Atual.

Assim, entre as radicalidades de um e outro, de um lado, o coletivismo, de outro, o individualismo, qual seria a saída?

Individualismo mais coletivismo divididos por dois? Se o unitaleralismo explodiu na crise do subprime, o pluripartidarismo emerge como natural candidato a ocupar o vácuo político.

Por enquanto , as respostas emergentes são nacionalismos. Seriam suficientes, sabendo aonde desemboca o nacionalismo capitalista japonês, na deflação, caminho que pode, ser, também, o do nacionalismo chinês, como está sendo o nacionalismo americano guerreiro destruidor da natureza?

Nova era está se iniciando, no sentido de relativizar individualismo e coletivismo em nome de um acordo para permitir sustentabilidade ambiental terrestre.