Novo oxigênio da cadeia produtiva

Com os cartões de crédito de consumo, os pobres, antes impossibilitados de consumirem, foram aos supermercados; os supermercados, diante do aumento da demanda, dirigiram-se às indústrias para renovar estoques; as indústrias, por sua vez, recorreram à agricultura; esta, na sequência, gastou em máquinas, equipamentos e insumos, impulsionando cadeia produtiva, alavancando serviços etc.

Expandiram-se os investimentos e seu corolário foi a dinamização da política de crédito. Hoje, graças a tal estratégia, o crédito direto ao consumidor atinge R$ 240 bilhões, beneficiando 80 milhões de novos consumidores, cujo destino financeiro é uma incognita. Dependem do comportamento da inflação, detonada, agora, pelo dólar sobredesvalorizado, no plano global, responsável pela instabilidade bancária e explosão do terceiro choque de preços do petróleo.

Enquanto o desastre não vem – se é que virá – , o consumo interno segue aquecido. Cadeias de supermercados populares se instalaram no Nordeste, palco maior da miséria histórica nacional. Da mesma forma, bancos ampliaram agências na região. O consumo interno elevado dispensou os empresários de buscarem, nos governos, o socorro das políticas cambiais inflacionárias.

A inflação – “unidade das soluções”, segundo Keynes – vinha em forma de desvalorização da moeda. Agora, sem precisar desvalorizá-la, como antes, amenizaram-se, graças às políticas sociais, as pressões inflacionárias. Emergiu, por isso, o contrário da desvalorização, isto é, a valorização monetária, transformando-se em fonte de combate à inflação.

Caso não houvesse fortalecimento dos programas sociais, na linha seguida por Ruth Cardoso e continuada por Lula, certamente, o país estaria em situação muito pior, possivelmente, diante de hiperinflações selvagens, no momento em que o dólar entra em parafuso global. .

A prova de que Lula segue a lição de Ruth foi dada na semana em que ela se foi, lançando sentimento de tristeza sobre a alma nacional: mandou reajustar em 8% o orçamento do Programa Bolsa Família, como forma de compensar a queda do poder de compra dos miseráveis, afetado pela desvalorização da moeda de Tio Sam, detonadora da inflação global.

Se não fizesse isso, sua popularidade começaria a declinar. As crises subconsumistas anteriores poderiam renascer com muito maior força destrutiva.