EUA vendem UE e compram BRICs

 

A primeira grande crise monetária do século 21 coloca os BRICs – Brasil, Rússia, Índia e China – como principais alvos de desejo do neo-semi-falido Tio Sam, que abandona a neo-semi-falida Europa às traças financeiras destrutivas.

Numa nova concertação monetária poderia pintar a moeda BRICs, sigla inventada pelo banco Goldman Sachs, no estudo “Dreaming with BRICs: the path of 2050”, em que prevê, nos próximos 40 anos, a predominância desse novo grupo no cenário global, deslocando os outrora poderosos absolutos, Estados Unidos e Europa?

O Grupo dos 7 mais ricos(EUA, Inglaterra, França, Alemanha, Itália, Japão e Canadá), que se reuniu, na sexta e no sábado, em Washington, mostrou o óbvio: os ricos europeus não sacariam parte de suas reservas para salvar os Estados Unidos, baleados, na crise, fazendo dobradinha entre o Banco Central Europeu(BCE) e o Banco Central Americano(BCA), para resgatar títulos podres dos bancos falidos.

Resultado: fracasso da reuniâo. O Grupo dos 7 – são eles os patronos do unilateralismo e, não apenas, os americanos – esfarelou-se.

A Europa se recolhe para lamber feridas abertas

 

Os europeus, largados por Tio Sam, voltaram, correndo, para casa, partindo para ação emergencial conjunta – arrumar algo em torno de 2,3 trilhões de dólares(1 trilhão de euros), para irrigar o sistema financeiro europeu em bancarrota – , para não entrarem em crise política aguda.

Se estavam, inicialmente, tendentes a cada um ir para o seu canto, dentro da comunidade européia, depois do fracassado encontro de Washington, na tentativa de coordenação entre os ricos, para agirem conjuntamente, alarmaram-se diante da possibilidade de ficarem sós. No calor da crise, os líderes europeus sentiram a barra. Não haverá saída para eles, senão agirem, conjuntamente, CQC, custe o que custar.

Como, isoladamente, faliram, restaram-lhes, financeiramente, ampliar a união europeia, mesmo que a institucionalidade política do continente não tenha ainda vigando inteiramente. Ela se tornou imperativo categórico.

Do contrário, poderão pintar, nos países europeus, individualmente, tendências políticas nacionalistas variadas em seu conteúdo ideológico, como resposta radical da ira popular contra os governos irresponsáveis que levaram a economia ao desespero especulativo, suspendendo regras e regulamentações, cujo efeito é pobreza reltiva emergente.

Hitler surgiu depois da crise monetária de 1931, na Europa, começando pela Austria, espalhando, em seguida, por todo o continente, gerando tendências fascistas e nazistas irresistíveis.

Repetiriam os líderes europeus a dose hitlerista, como reação ao avanço do pensamento socialista, sintonizado com a pregação de Lenin de que as crises monetárias são parteiras do socialismo?

Se a União Europeia fracassasse, agora, novos hitleres poderiam botar a cabeça de fora. A Europa unida poderia impedir avanço do nazismo. Favoreceria o socialismo, de forma controlada, numa nova versão avançada da social-democracia, em versão avançada relativamente à moda chinesa?

 

W. Bush jogou os europeus a sua própria sorte

 

O presidente W. Bush, parece, jogou calculado. O que teria a ganhar, entrando no barco furado europeu, a menos que a Europa colocasse grana na praça americana, para ajudar Washington a pagar os pepinos da bancarrota do dólar derivativo?

O que tem a Europa a oferecer, se não tem mais grana? Petróleo? Alimentos? Metais? Só teria tecnologia e cultura. Esta, rica, única; aquela, avançada, porém, democratizada, patrimônio de todos, não apenas europeu.

Como o titular da Casa Branca percebeu que não tiraria mais carne do osso, correu, então, para os braços do Grupo dos 20. O semi-falido esfarrapado Tio Sam, no sábado, à noite, no meio dos emergentes foi histórico. Ficou entre os quatro mais ricos em ascensão, os BRICs – Brasil, Rússia, Índia e China. Somados, correspondem a quase 25% do PIB mundial. Tio Sam detesta pobre e adora rico.

Aos europeus, neo-semi-pobres, tchau; aos emergentes, neo-ricos, olá, gente!

W. Bush pontificou ao lado dos ministros dos países em desenvolvimento demonstrando que são eles a companhia que, realmente, interessa ser cultivada pelos Estados Unidos. O ministro Guido Mantega, da Fazenda, colocará o retrato na parede. Como presidente pró-tempore do G 20 ficou de peito cheio ao lado do falido Tio Sam. História.

A Europa ficou para trás. Perdeu serventia para os americanos. Afinal, os europeus não podem mais continuar bancando o financiamento de parte importante do deficit americano de 6% do PIB dos Estados Unidos, algo em torno de 800 bilhões de dólares de um total de 13 trilhões de dólares. Esse jogo foi possível de ser jogado desde Bretton Woods, em 1944, quando Washington, com o dólar todo podereso estabeleceu a nova divisão internacional do trabalho. O dólar de hoje é uma sombra daquele passado glorioso.

Se os governantes europeus, no contexto da destruição monetária, continuassem bancando o jogo de sustentar parte dos deficits americanos, adquirindo títulos da dívida pública lançados pelo tesouro dos Estados Unidos, tendo como lastro o dólar deslastreado, fictício, provocariam crises políticas agudas, dada a consciência política desenvolvida européia. Por que salvar os americanos, se os europeus estão em processo de autodestruição?

Por outro lado, para os europeus, não teria sentido continuarem financiando os déficits americanos, se não haverá possibilidade de a economia européia prosseguir acumulando superavits comerciais na praça americana, em processo de esfriamento no compasso da grande crise monetária.

Se o que está pela frente é a recessão, o mercado americano não absorverá as mercadorias européias na escala necessária para permitir que a Europa continue, como vinha fazendo desde o pós-guerra, financiando Washington.

Neo-divisão internacional do trabalho à vista

Os Estados Unidos, no pós-guerra, com o dólar forte, promoveram divisão internacional do trabalho cuja configuração ficou clara: a moeda americana passaria a ser o equivalente universal nas relações de troca, impondo deterioração nos termos destas em favor dos EUA.

A economia americana seria francamente importadora do mundo, gerando superavit comercial na Europa e na Ásia, para salvar o capitalismo europeu e asiático das garras do comunismo. O Plano Marshall foi isso.

O preço a pagar pelos aliados seria o financiamento dos déficits americanos com o dinheiro adquirido com os superavits comerciais europeus e asiáticos. Jogo de duas mãos.

Tal preço representava a garantia de o capitalismo, super-armado com bombas atômicas e nucleares, ganhar a parada política, econômica e militar da URSS, enquanto era sustetanda a guerra fria e as demais guerras que viriam pela frente como a do Vietnam etc.

Quando os americanos, em 1979, diante a moeda ameaçada pela inflação decorrente do excesso dólares, eurodólares, nipodólares e petrodólares, petrodóalres, nipodóares, na praça global, subiram a taxa de juros de 5% para 17%, quebrando a periferia capitalista, para dar sustentação e confiança à moeda equivalente geral nas trocas comerciais globais, o ex-ministro Delfim Netto, no governo Figueiredo, entendeu o jogo: “É o preço que os Estados Unidos cobram para sustentar a democracia representativa e a segurança do mundo contra os comunistas”.

E agora?

A nova ordem relativa do poder estabelecido

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A bancarrota financeira global atual mostra quadro inverso. Os Estados Unidos, exaustos de tantos déficits gêmeos, como custo de sustentação do capitalismo global, gastando em consumo e armamentos, à moda keynesiana, abriram o bico.

Não têm mais gás para bancar, com rítmo acelerado, a economia de guerra.

Se a Casa Branca está gastando o que não pode para comprar títulos podres na praça americana, a fim de evitar quebradeira geral não apenas dos bancos, mas dos contribuintes, como continuar financiando guerras caras, como a do Iraque, que já consumiu mais de 2 trilhões de dólares, como destacou Josef Stiglitz, premio nobel de economia? 

Por não poder mais suportar elevados deficits, na escala necessária, capaz de puxar a demanda global, a partir da economia de guerra keynesiana, é de se prever que uma nova geopolítica-estratégica econômica e militar emerja no Oriente Médio, com o Iraque, fragilizado, sendo atraído para o Irã, enquanto Israel terá dificuldades de continuar se financiando no tesouro americano, preocupado com a guerra maior, interna, desatada pela bancarrota financeira. 

Sairia mais facilmente o Estado palestino? Tudo está virando de ponta cabeça.  

A Europa e a Ásia –  Japão, antes, e China, depois – poderão dizer não à continuidade do processo do pós-guerra. Ganharão o que, se o mercado americano vai dar uma esfriada legal?

Teriam que retirar das suas reservas acumuladas para financiar o tesouro americano. Sem capital de giro, enfiarão a mão no bolso?

As posições, de lado a lado, dos Estados Unidos e da Europa, ficaram rígidas. Os europeus, entregues à sua falta de segurança na ausência do mercado americano, em baixa, e resistentes a sacarem suas poupanças, que viraram pó, na crise, perceberam a necessidade de correrem do jogo proposto por Washington.

 

Chavez pode ir à Casa Branca baleada pela crise

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Casa Branca lavou as mãos e correu para conquistar os novos aliados, emergentes, que serão, também, alvos do interesse europeu. Os BRICs e a América do Sul têm muito mais a oferecer a eles do que eles aos BRICs e aos sul-americanos.

Surgem nova correlação de forças políticas e econômicas no cenário das trocas comerciais.

Os preços das matérias primas, das quais toda a manufatura global depende, tendem a aumentar, por serem, relativamente, escassos. Já os preços das manufaturas, por serem fartas, dado o aumento exponencial da produtividade, impulsionada pela ciência e tecnologia, colocadas a serviço da produção, tenderão a cair, relativamente.

Ou seja, os pesos relativos das matérias primas, de um lado, e os preços relativos das manufaturas, de outro, serão alterados em favor dos primeiros e em prejuízos dos segundos, como destacou o ex-presidente FHC em recente reunião com os tucanos em Brasília.

Nesse ambiente, os Estados Unidos se interessarão por uma nova ALCA, não com a cara que antes pretendia imprimir, ou seja, preponderância do discurso de Tio Sam sobre o quintal de sua suposta propriedade, a América do Sul, historicamente,  mas com a fisionomia nova, que os neo-aliados emergentes estabelecerem, na base do consenso.

A ira de Hugo Chavez contra Tio Sam pode dar lugar a uma flexibilidade na era pós-Bush. Da mesma forma, Tio Sam não terá mais vigor para impor a Cuba eterna discriminação, porque os aliados de Cuba, no continente, colocarão, na mesa, a exigência de supressão do bloqueio comercial contra a resitente e brava Ilha caribenha socialista fidelista.

América do Sul e Caribe, cujos ministros da economia, recentemente, se reuniram pela primeira vez, na história – conforme disse o ministro Celso Amorim ao repórter Roberto D’Avila – estão diante de novas possibilidades, prontas a sairam da condição de subordinação para a de coordenação dos seus interesses, fora das influências externas, a partir de um conjunto de interesses convergentes sul-americano-caribenho?

Nova configuração geoestratégica, portanto, coloca os Estados Unidos, não mais como aqueles que vê a América do Sul, a Ásia e a África, como dependentes de Washingotn, aliados menores, mas, maiores, isto é, caminhando para serem independentes de Tio Sam.

Tempo de subordinação abre para o de coordenação

A Casa Branca, como demonstrou W. Bush, na reunião do G20, quer ficar perto dos que têm a oferecer vantagens. Que vantagens a Europa oferece ao capitalismo americano? Os bancos europeus faliram. O mercado consumidor da Europa, para as mercadorias americanas, é insuficiente. Insumos básicos, nada. Enfim, mala sem alça. Igualmente, Tio Sam, para os europeus, virou  avião jumbo sem asas.

Otelo destesta Iago e Iago não tolera Otelo.

Já a America do Sul possui tudo o que os americanos desejam. O que vai ser mais vantajoso, de agora em diante, para a economia americana? A aproximação com quem tem bala ou a com quem está desarmado e falido, querendo comprar fiado?

Como vão precisar de energia em escala crescente, a fim de se livrarem da dependência do petróleo, que exige guerras, cujos custos não podem pagar, na escala em que sustentaram até agora, os Estados Unidos, como alternativa, ampliarão suas alianças com a America do Sul. Os BRICs são sua salvação.

Pode pintar, inclusive, como destacou Delfim Netto ao jornalista William Waack, a necessidade de o governo brasileiro impor uma tarifa de exportação sobre o álcool para evitar que toda a produção, nos próximos tempos, se destine ao mercado americano, colocando pressões inflacionárias sobre o mercado brasileiro de etanol.

A América do Sul estará preparada para viver novos contextos políticos altamente transformadores da mentalidade subordinativa histórica que as liderança sul-americanas, ancoradas nos velhos coroneis e em políticas industriais semi-integradas, dependentes, para incorporar-se do oposto, isto é, de mentalidade coordenativa, em torno da União das Nações Sul-Americanas?

Nova lider sul-americana diante de grandes desafios

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por que Michelle Bachelet, presidente do Chile e pró-tempore da Unasul, ainda não reuniu os líderes sul-americanos, para esse debate, depois de três semanas de terremotos financeiros globais, lançando novas sementes da ordem internacional?

A Unasul, que mostrou sua efetividade na superação parcial da crise boliviana, evitando destruição fascita do governo de Evo Morales, por uma oposição separatista disposta a ir ao extremo da radicalidade, terá pela frente a tarefa de coordenar a América do Sul no novo cenário global.

Trata-se de alcançar os propósitos sul-americanos maiores:  moeda sul-americana, banco sul-americano, segurança sul-americana, tribunal su-americano, parlamento sul-americano, que originarão pensamento sul-americano.

 Qual o lastro real sul-americano, no compasso da crise? A riqueza real sul-americana: biodiversidade infinita, petroleo – renovável e não-renovável – , metais, alimentos, terra, água e sol que garantem até três safra anuais etc. Ou seja, moeda que se sobrevaloriza diante da moeda equivalente internacional, o apodrecido dólar derivativo, que se sobredesvaloriza, pois seu lastro é, tão somente, ficção.

Crash capitalista impõe consciência ecológica

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nos mesmos dias em que o mundo acompanhava, perplexo, o farto noticiário sobre as tentativas de conseguir no Congresso norte-americano a aprovação de um plano de US$ 700 bilhões para conter a crise financeira que já se espalhava por todos os continentes, a comunicação praticamente não deu nenhuma importância à notícia, divulgada pela ONG canadense Global Foot Print Network, de que no dia 23 de setembro a humanidade ultrapassara, este ano, o consumo de todos os recursos que o planeta pode produzir ao longo de 365 dias. A partir daí, ocorre um consumo de recursos e serviços naturais além do que a biosfera terrestre pode repor – um sobreconsumo que agravará a crise, pois aumentará a desertificação e a chamada crise da água, produzirá maior perda de florestas tropicais, gerará a emissão de mais poluentes que contribuirão para mudanças climáticas, etc.

 

Esse consumo excessivo, que começou a ser avaliado pela ONG em 1986, uma década mais tarde já superava em 15% a capacidade de reposição; em 2007, estava em torno de 25% e ocorreu a partir de 6 de outubro; este ano, a partir de 23 de setembro. É um sistema de avaliação semelhante ao utilizado no Relatório do Planeta Vivo, do WWF. Este, em 2006, já dizia que esse impacto – a “pegada ecológica da humanidade” – mais do que triplicara desde 1961 e já superava a capacidade de reposição em 25%.      

Certamente é uma crise mais grave ainda que a financeira, mas que continua a ser minimizada, quando não ignorada. Segue-se tratando da atual crise financeira apenas em termos de quanto afetará ou não o produto bruto mundial e o produto bruto de cada país, inclusive do Brasil, sem preocupação com o quadro de realidade concreta que nos cerca. Como se a crise se pudesse resolver apenas em termos de crescimento econômico. E vale a pena relembrar, nesse ponto, o pensamento, já mencionado neste espaço, do biólogo Edward Wilson, apontado como o cientista que mais entende de biodiversidade. Tenta-se, diz ele, acreditar que a solução para os dramas do mundo estará no crescimento econômico puro e simples. Então, pode-se partir da hipótese de que a economia mundial vá crescer 3,5% ao ano – um crescimento modesto, já que se almeja 5% ou 6%, até 10% ao ano, como na China. Se ela crescer 3,5% ao ano, partindo do atual produto global, superior a US$ 50 trilhões anuais, chegaria a 2050 perto de US$ 160 trilhões. Mas não chegará, porque não há recursos e serviços naturais capazes de suportar o aumento de consumo decorrente desse crescimento. Será preciso, adverte Wilson, encontrarmos formatos de viver e consumir compatíveis com as possibilidades físicas do planeta – até porque não há outro disponível (embora nosso ministro de Assuntos Estratégicos já ande acenando com essa possibilidade).

Faz falta, nessa hora, uma figura como o falecido José A. Lutzenberger, que foi secretário nacional de Meio Ambiente de 1990 a 1992. No seu livro Fim do Futuro, que é de 1980, ele já advertia que nos encontramos “num divisor de eras”: “A crise de energia e matérias-primas que hoje solapa os alicerces da sociedade industrial demonstra que os recursos desta nave espacial, o planeta Terra, são finitos. Esta crise refuta as premissas básicas da sociedade de consumo, com sua ideologia de expansão e esbanjamento ilimitados.” Lutzenberger sabia em que terrenos pisava: “Sempre nos acusaram e continuarão nos acusando de radicais, de líricos, quando não de apocalípticos. Apenas somos realistas. A realidade é grave” (foi exatamente como “apocalíptico” que uma revista de grande circulação o qualificou em título, ao anunciar sua ascensão à Secretaria Nacional do Meio Ambiente em 1990).

 

Mestre Lutzemberg previu o caos mas não foi escutado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pouco tempo depois, em 1981, ao dirigir-se a uma turma de universitários que o elegera paraninfo, ele insistia: “Nossa política desenvolvimentista, nossos modelos econômicos e tecnológicos são concebidos como se a natureza não existisse, ou apenas estorvasse, como se nós mesmos não fôssemos parte integrante dela, como se pudéssemos sobreviver à sua demolição.” Quem observa a atual crise financeira constata exatamente isso: seu descolamento da realidade física, a começar pelo mercado de hipotecas de imóveis nos EUA, cada uma delas negociada, renegociada muitas vezes, por valores que nada têm que ver com o concreto. Alavancado, como se diz no mercado. Se quiser, encontrará panorama semelhante nos mercados de commodities, nos quais a safra de um ano de determinado produto pode ser negociada e renegociada por muitas vezes seu valor real. E assim será em muitas áreas.

Lutzenberger seria utilíssimo também para nos ajudar a resolver o drama amazônico, que não sai das manchetes. Foi ele que acabou com os subsídios e incentivos fiscais que estimulavam a derrubada da floresta para plantar soja ou criar bois. Foi ele que mostrou a irracionalidade de inundar a floresta para gerar energia subsidiada destinada a produtos eletrointensivos que os países industrializados não querem fabricar, exatamente por causa do custo da energia. Foi ele que proibiu o Ibama de emitir guias que eram usadas muitas vezes cada uma, para transportar madeira extraída ilegalmente – e foi isso que lhe custou a saída da secretaria, em 1992, por pressão do lobby das madeireiras. Mas não é só. Lutzenberger também foi dos primeiros a fazer muitas contas que ficam escondidas até hoje debaixo dos tapetes (“temos de fazer contas de tudo”, dizia). Sobre as unidades de energia consumidas para produzir, por exemplo, carnes, e que são superiores às que estão no produto. Ou sobre a água consumida com a mesma finalidade.

São lições indispensáveis ainda hoje. Será inútil manter ilusões e retardar soluções verdadeiras. Teremos, a partir da crise financeira, de refazer as contas de tudo. Se não for assim, iremos de recaída em recaída. O que está em jogo são os formatos de viver. 

Artigo publicado em O Estado de São Paulo em 10.10.2008

Washington Novaes é jornalista
E-mail: wlrnovaes@uol.com.br

Bancarrota põe juros na campanha eleitoral

A economia brasileira, ameaçada pelo juro alto, entra de cabeça na política e na campanha eleitoral. A crise bancária internacional, que paralisará a economia mundial, pelo menos, nos próximos doze meses, ou mais, coloca em pauta, urgente, para a classe política e econômica, no Brasil, a questão da taxa de juro, a mais alta do planeta terra.

Ficou incompatível a situação brasileira. Aqui, vigoram os juros mais altos do mundo. Lá fora, coordenadamente, os governos cortam os juros para evitar a recessão. Por que? Manter os juros altos seria mais inteligente, ou o pessoal, nos países ricos, está errado?

Lula não deu um pio até agora sobre o problema candente da economia nacional. O governador de São Paulo, José Serra, percebeu o vácuo político dos juros e entrou de corpo inteiro na oportunidade eleitoral aberta por eles. Criticou a políica monetária praticada pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e ressaltou que ela é a responsável pelo desajuste da taxa de câmbio que bloqueia as exportações e aumenta, perigosamente, o deficit em contas correntes do balanço de pagamento, que fragiliza, adicionalmente, a moeda.

Não apenas a Fiesp, mas, também, os trabalhadores tenderiam a fechar com Serra nessa estratégia que lançou, depois de se encontrar, no Planalto, na quarta, 08, com o presidente Lula e sua possível candidata a sucessão presidencial, Dilma Roussef, da Casa Civil. Botou os juros na dança da campanha eleitoral. 

O titular dos Bandeirantes joga nesse rumo, não apenas para tentar levar à vitória seu candidato, prefeito Gilberto Kassab, poste serrista, bombado 17 pontos à frente da concorrente do PT, Marta Suplcy, segundo pesquisa DataFolha, mas, também, porque já se coloca como eventual candidato oposicionista à presidência da República em 2010.

Sua bandeira emergiu: tiro ao juro alto.

Que dirá Marta Suplicy, para responder ao ataque de Serra aos juros altos que faz avançar a candidatura de Kassab em cima da dela, tentativa petista de voltar ao poder na cidade mais poderosa da América do Sul?

Defenderá os juros altos, que, na crise desatada pela bancarrota financeira americana e européia,  ameaçam empresas e trabalhadores?

Dobradinha surpreendente: José Serra-José Alencar

Na prática, José Serra adota o discurso do vice-presidente da República, José Alencar Gomes da Silva, no momento, em que as tensões máximas nos agentes econômicos se voltam para os desastres financeiros que se agravam ainda mais diante de juros excessivamente altos, como o brasileiro.

Ou Lula, agora, adota o discurso do seu vice-presidente, sintonizado com as reivindicações urgentes dos setores produtivos, afetados pela conjugação de demanda cadente com juro ascendente, ou poderá trabalhar contra a candidatura de Marta Suplicy e de sua preferida, ministra Dilma Roussef, para 2010.

Sofreria revezes se a situação das empresas se deteriorarem, algo que a crise bancária abriu para importantes grupos econômicos nacionais, afetados pelo terremoto.

Pragamenticamente, José Serra abriu discussão relativamente à condução da política monetária pelo Banco Central, de complacência com os especuladores e de elevado perigo para a saúde da economia, exposta ao excessivo endividamento em clima de desaceleração da produção.

O monetarismo do Banco Central entra em choque com o discurso político de José Serra, que bombardeia a contradição petista: joga no social, mas privilegia a especulação.

Os tucanos adotam o discurso oposicionista econômico, invertendo sua posição. De privatistas, na Era FHC, poderão, com Serra, jogar como intervencionistas. O discurso de Serra é de intervenção. Tucanos, quem diria.

O Banco Central está, politicamente, na berlinda, quanto mais a crise leva Lula a abdicar-se do poder real, para ficar, apenas, com a figuração. Enquanto, na Europa, os governantes mandam os bancos centrais desarmarem os juros, no Brasil, o governo manda o BC continuar super-armado com os juros altos.

 

Ataque ao paraíso dos especuladores

 

Se por um lado melhoraram os controles e fiscalizações sobre regras bancárias, por outro lado, adotou-se política monetária que colocou a economia sob intensa especulação financeira em cima da dívida pública. Crítico dessa estratégia neoliberal desde quando participava do governo neoliberal de FHC, José Serra, na crise bancária, renova o seu ataque, com as condições históricas, agora, jogando a favor do seu discurso. Coloca Dilma Roussef na defensiva e toda a coligação governamental. O PMDB, que sai forte das eleições, jogaria contra a proposta de Serra?

Serra sintoniza seu discurso com a tendência mundial. Os bancos centrais, sob orientação dos governos, estão fazendo intervenções maciças na economia, para coordenar política monetária propício ao fortalecimento da produção.

Serra ataca, com seu discurso de campanha, o paraíso dos especuladores. A crise bancária coloca em xeque a continuidade desse processo, pois ela tenderia, ao rítmo atual, enforcar geral o setor produtivo, tanto as empresas, como os consumidores. Lula pode estar sendo obrigado a jogar contra o tempo, o mais rápido possível, porque a campanha eleitoral para 2010 entrou na rua com o discurso anti-juro alto de José Serra, com o bumbo tucano tocando atrás a música que em tempos passados era do PT.

A estratégia de Serra, no novo contexto, tenderia a ser bem absorvida pelo sentimento popular de pânico que a crise detonou nos países cêntricos enquanto nos países periféricos, como Brasil, o sentido de gravidade já se encontra em processo de expansão, invertendo expectativas. Os empresários já informam disposição para desacelerar investimentos, cujos efeitos são desemprego e redução da renda disponível para o consumo. Atrás disso, vem redução da arrecadação, crise na Previdência Social, agitação no Congresso etc e tal. 

O pavor dos juros altos joga a favor de Serra

Na desaceleração global, que afeta o Brasil, os consumidores, endividados, são candidatos a serem sacrificados no altar dos juros compostos. Alberto Einstein, indagado sobre o que seria mais veloz no movimento da natureza, não teve dúvida. Os juros compostos, respondeu. José Serra entra na lógica política-crítica einsteiniana, aberta pela primeira grande crise monetária do século 21. 

Os eleitores estão de cabelo em pé diante do que pode vir por ai. O medo, claro, não é da redução do consumo ou do aumento do endividamento com o juro alto, mas do desemprego. Serra absorve essa expectativa pessimista do eleitor e trabalha ela políticamente em forma de crítica aos juros compostos no rítmo frenético comandado pelo Banco Central.

O titular dos Bandeirantes politiza, dessa forma, o debate sobre os juros, seguindo a lógica desatacada pela crise bancária neoliberal que colocou em xeque a estratégia econômica que impõe juro alto, contra o qual todos buscam fugir, menos o governo brasileiro, escravo dos juros altos.

Com o discurso de José Alencar a tiracolo, que fortalece, no plano do poder federal, o vice e cria rachaduras dentro do poder da aliança governista, Serra entra em campanha contra a política monetarista, sintonizando-se com tendência nova no cenário econômico global, que impõe maior presença do Estado para organizar a economia, cuja condução, pelo mercado, levou à bancarrota financeira, que ameaça a todos.

 

O jogo da ambiguidade entrou em crise

Lula, como FHC, fez o jogo dos bancos o tempo inteiro, enquanto promoveu política social para alavancar mercado interno. Este, agora, diante da crise bancária, somente, terá fôlego, se o custo do dinheiro cair.

Perdeu utilidade política a ação governamental de patrocinar dobradinha financeira-social na economia. De um lado, privilégio excessivo para os bancos; de outro, politica social para dinamizar o mercado interno, enquanto sobra, para o setor produtivo juros altos e carga tributária extorsiva.

O contrapé desse processo não teve a fiscalização necessária do governo expressa em ação capaz de evitar a especulação jurista desenfreada. Serra bombardeia essa estratégia.

Dilma teria que sair a campo para fazer o contraponto. Seria a favor dos juros altos, com Lula e Meirelles, ou dos juros baixos, com Alencar e Serra?

Nos próximos meses, com redução da demanda interna, ampliação das dificuldades dos devedores em quitarem suas dívidas mediante o juro escravocrata, bancando crediário, agora, detonado, o discurso de José Serra ganharia espaço? Se Kassab continuar bombando significa que seu discurso estará batendo bem na mente popular.

José Serra pega o presidente Lula no contrapé da crise. O apelo popular que o discurso serrista alcançaria pode representar uma onda favorável a sua candidatura e a necessidade de o governo em precipitar medidas econômicas nacionalistas na linha proposta por Serra. Ou seja, Serra seria o protagonista de nova política econômica nacionalista, a partir da pregação do juro baixo.

Subprime no Brasil é especulação no mercado futuro

O discurso de José Serra pode detonar os mecanismos da especulação desenfreada que caracteriza a espécime de subprime brasileiro cujos efeitos, agora, na crise, são falências e expressivos prejuízos para grandes empresas.

Os empresários corriam – e ainda correm – para especular com o dólar futuro. Estavam trocando dólar barato por juro alto. Com a corrida bancária, o dólar encareceu e as empresas dançaram feio.

A Sadia, a Perdigão, a Votorantim, Vale do Rio Doce, os que mandam no mercado especulativo, incluindo Petrobrás, peixes grandões, estão amargando prejuízos imensos. Só eles? Pode ser um carrilhão de gente. Os balanços dirão, ou serão manipulados?

A aparência de normalidade da economia, do seu vigor, tenderia a esconder o seu oposto, a anormalidade perigosa, em forma de fragilidades, dadas as jogadas especulativas que explodiram em prejuízos para os empresários e especuladores, nacionais e internacionais, que transformaram o mercado futuro em fonte de renda para o presente, especulativamente. O subprime brasileiro baixou seu santo no mercado futuro, todo bichado, nesse momento.

José Serra, depois de visitar o presidente Lula e a ministra Dilma Roussef, criou o novo fato político no cenário econõmico nacional.

O discurso de Serra coloca o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, na zona de tiro dos oposicionistas. O governador paulista já começou a puxar o gatilho.

Os empresários e os devedores das prestações no crediário serão os avalistas do discurso serrista. As expectativas do alto endividamento das empresas e dos consumidores diante dos juros altos criam ambiente de tensão contra a política monetária que se transforma em objeto de ataque do tucanato.

Meirelles na mira do PT

O PT vai segurar Meirelles? Ou vai pedir ao presidente Lula providências, diante do perigo de os juros altos levar à falência significativa parte do sistema econômico?

Os grandes especuladores estão tombando. Quem são eles? Parte importante representa o próprio segmento empresarial. As empresas, diante dos juros altos, aplicavam uma parte na produção, outra nos juros. Como estes são extorsivos, maior parte do lucro empreserial advinha das jogadas financeiras. Só que estas se transformaram em desastres iminentes na emergência da crise bancária global.

A direção da Sadia trouxe de volta, aceleradamente, Luís Fernando Furlan, ex-ministro da Indústria e do Comércio Exterior, durante primeiro mandato do presidente Lula. Ao assumir, disse que a empresa está saudável, economicamente, mas financeiramente, baleada.

Ou seja, vítima da bancarrota financeira global. Se não houver um socorro, pode ir para o sal. Qual seria o papel de Furlan como ex-ministro, convocado às pressas pelo grupo empresarial, cuja influência levou o próprio Furlan a ser ministro? Muito, provavelmente, o de salvar a empresa da bancarrota.

O presidente Lula deixaria a grande empresa ir para o abismo ou vai salvá-la, se necessário for, diante de pedido de socorro de Furlan, repetindo esforço que os governos nos países ricos realizam, para salvar o sistema bancário e empresas  e empregos, todos ameaçados pelo terremoto financeiro global?

O jogo dos bancos centrais, sob orientações dos governos do capitalismo cêntrico, de optar pela inflação como solução para a grande crise deixa o governo Lula numa saia justa.

A ação coordenada dos governos centrais do capitalismo  para reduzir os juros representa relaxamento na política fiscal, a fim aumentar os gastos governamentais na infra-estrutura e retomar o crédito direto ao consumidor, de modo a permitir reativação econômica nos Estados Unidos, na Europa, na Ásia e, consequentemente, no resto do mundo.

Relaxar e gozar é a jogada dos governos .

Relaxar e gozar(com a inflação), máxima de Marta Suplicy, candidata do PT à prefeitura de São Paulo, pode estar ser o jogo determinante para evitar a recessão e a quebradeira.

Os governos centrais estão preocupados não apenas em restaurar confiança nos bancos, injetando recursos neles, mas, sobretudo, em criar espaço para ampliação do consumo, pois sem consumo não há produção, sem produção não há emprego, sem emprego, o sistema democrático desaba, para abrir espaço ao imponderável.

O governo eleva seus gastos e reduz, com o aumento da oferta de dinheiro, a taxa de juro, para dinamizar, à moda keynesiana, mesmo que o remédio de Keynes, ou seja, a estratégia econõmica de guerra americana, esteja batendo biela.

As empresas precisam, desesperadamente, não apenas de dinheiro mais barato para produzir, mas, igualmente, de consumidores, cujos financiamentos nos bancos foram suspensos. O governo estatiza os bancos para reduzir os juros, pois , na crise, os bancos, sob orientação privada, sobem, em vez de diminuir o custo do dinheiro.

A salvação do sistema depende da sobrevivência não apenas das empresas, mas dos consumidores. Por isso, os governos, coordenadamente, por meio dos bancos centrais cortaram os juros. Lula demorou, Serra emplacou.

Mais inflação à vista, que vai testar a capacidade de endividamento dos governos, abalados financeiramente. Até quando aguentarão bancar os créditos podres que a moeda estatal sem lastro produz, especulativamente?

Che, herói sul-americano atual

 

Há 41 anos, num 8 de outubro como hoje, a humanidade recebia a notícia da covarde execução de Ernesto Guevara por um agente da CIA na Bolívia, horas após ter sido aprisionado por uma patrulha do exército boliviano controlado pelo exército dos EUA. A troca rápida de telefonemas entre os comandos militares de La Paz e Washington deixou antever a pressa em eliminar a presa, antes que todo um mundo de manifestações gigantescas se levantassem mundo afora para exigir a libertação de Che. Já era prova do temor às suas idéias, ao seu exemplo, à sua função na história.

Hoje, toneladas de papel continuam sendo escritas sobre ele, o debate segue com vigor. O aparato ideológico capitalista é obrigado a dar continuidade ao trabalho de demolição da imagem histórica de Che, comprovando, contra a sua vontade, que seu exemplo e suas idéias seguem amedrontando os donos do capital e do poder. Os publicitários capitalistas apenas superam-se na capacidade de insultos e ofensas à personalidade do Che, revelando, involuntariamente, sua incapacidade de apagar da história este personagem, que, ao contrário, se agiganta.  Especialmente agora quando os fantasmas de uma nova crise do capitalismo especulativo  baseado em moeda falsa desequilibra a mais potente economia capitalista do mundo, ramificando a crise por todos os lados, dada a extraordinária dependência que a economia mundial construiu em torno de alguns destes pólos capitalistas, hoje em crise. O fantasma de Che tira o sono dos capitalistas, ele mesmo que deu continuidade à abordagem teórica de Marx e Lênin sobre a inevitabilidade da crise do sistema do capital, e, ao mesmo tempo, também desenvolveu importantes aspectos da crítica que Trotsky fazia à burocratização da União Soviética, que, tal como fanáticos religiosos, muitos partidos comunistas, entre eles um que traiu criminosamente ao Che, o boliviano, classificavam incorretamente como socialismo.

 A previsão de Trotsky, feita lá em 1936, de que a URSS se desmoronaria não pela invasão militar externa, mas pela não realização da revolução política interna que retomasse a democracia soviética vivida em plenitude nos sete primeiros anos revolucionários,  –    a única forma de democracia livre da tirania do capital   –    só veio a ser cumprida, dramaticamente, em 1990, com a sua dissolução. Quarenta anos depois, as críticas de Che àquela estrutura burocratizada, distante dos ideais socialistas, degenerada na sua forma de funcionamento interno, também adquirem vigor e atualidade, como a crítica de Trotsky;  para desespero dos catálogos publicitários a soldo do capital, como a Revista Veja aqui no Brasil. Estes, diante da monumental comprovação de toda uma análise histórica e um desenvolvimento teórico magistral rigorosamente confirmado pelos acontecimentos, contra-atacam apenas com falsificações históricas e insultos, chegando a ponto de usar como “argumento” contra Che……. “que ele cheirava mal”, numa confissão de sua desqualificada estatura intelectual.  Esta crítica de Che à economia soviética burocratizada ganhou ampla divulgação recentemente   –   40 anos depois de elaborada   –    por meio da publicação do indispensável livro “Apontamentos críticos à economia política”, infelizmente, ainda não publicado no Brasil até hoje, desafiando o mundo editorial e  em particular aos partidos de esquerda, inclusive alguns que elogiam religiosamente a Che, mas não o publicam. Por quê?

De sua personalidade enriquecida pela inteligência, pelo estudo persistente, pela bravura desprendida e infinita e pela ética revolucionária haveria muito sobre o que  escrever, estudar, aprender, desenvolver, e , sobretudo, aplicar dialeticamente para as contradições da luta de classes atual. Mas, num artigo limitado no espaço e no tempo, mencionemos apenas algumas destas características que confirmam aquela vigorosa atualidade reivindicada ao início: o Che comunicador revolucionário, o Che médico-revolucionário e o Che ministro-revolucionário.

 

A consciência da comunicação como arma da revolução

 

Uma das facetas desta extraordinária personalidade é o jornalista Che Guevara. Não é o caso de detalhar aqui sobre suas atividades como fotojornalista e seus escritos denunciando as injustiças das veias hemorragicamente abertas da América Latina antes mesmo de vincular-se ao movimento revolucionário cubano no México, após escapar da invasão ianque à Guatemala rebelde do coronel Jacob Arbenz;. Mas, o organizador revolucionário também na área da comunicação logo se expressou quando, ainda durante os combates em Sierra Maestra, Che organizou a  fundação de um periódico,  cuja impressão foi possível em gráfica montada com equipamentos levados a lombo de burro e em várias viagens clandestinas para o quartel-general da guerrilha comandada por Fidel. Logo depois, um passo ainda mais audaz: a fundação da Rádio Rebelde, também em território liberado de Sierra Maestra. Os transmissores foram igualmente para lá conduzidos em lombo de burro e as emissões puderam ser captadas por rádios venezuelanas que, por sua vez, retransmitiam muitas dessas alocuções de Fidel e de Che, possíveis de serem captadas por rádios da Argentina. A Revolução Cubana começava a construir seu sistema de comunicação social revolucionário.

A Rádio Rebelde desceu da Sierra Maestra na ponta do fuzil e existe atualmente, continua  coerentemente fazendo jornalismo revolucionário. Após a tomada do poder, Che continuou tomando iniciativas como comunicador, era extraordinariamente consciente da imperiosa necessidade de travar a batalha das idéias contra o dilúvio de manipulação e mentiras que até hoje se lançam contra Cuba Socialista.  Baseado numa iniciativa de um seu conterrâneo, o general Juan Domingos Perón, outro dirigente igualmente atento para a necessidade de enfrentar o sistema imperialista de desinformação, razão pela qual criou na Argentina uma Agência Latina de Notícias, Che Guevara  foi um dos principais responsáveis pela criação da Agência Prensa Latina, ainda hoje desempenhando imprescindível papel nesta luta de classes ideológica e informativa,  especialmente revelando as maquinações do terrorismo midiático incessante contra Cuba e contra todos os governos e povos que adotam posições de transformação social , soberania e independência ante o império.. Che, sempre organizador, foi ainda o criador da Verde Olivo, revista das Forças Armadas Revolucionárias de Cuba, no que se revela a importância da questão militar e da nova função revolucionária atribuída aos militares. Um detalhe: na sua primeira edição, a Verde Olivo trazia na capa o próprio Che. Informado, enfureceu-se, foi até a gráfica e determinou a inutilização de todas aquelas capas e a reimpressão de outra capa, sem qualquer possibilidade de que se alguém insinuasse culto à personalidade.

Hoje, seguindo o rastro de iniciativas organizativas revolucionárias de Che no campo da comunicação libertadora e confirmando a atualidade de seu pensamento em torno de uma informação anti-hegemônica temos a Telesur. A emissora televisiva multi-estatal demonstra a possibilidade de integração e cooperação em várias áreas, inclusive na informação e na cultura, e vai consolidando-se a passos largos permitindo que se tenha  nas telas o protagonismo dos povos do sul, divulgando amplamente o processo de transformação da Bolívia, no Equador, Nicarágua, Venezuela, nacionalizando suas riquezas, derrotando o analfabetismo, realizando a integração social e energética, comunicando aos quatro ventos que a ALBA é uma realidade. Nas telas de Telesur pela primeira vez se mostrou o bombardeio da direita contra a Casa Rosada em 1955, se contou a verdadeira história do que foi o processo de transformação social na era peronista, assim como se  contam histórias dos processos revolucionários dirigidos por Pancho Villa e Zapata, retira do ostracismo com toda força a personalidade de Eliecer Gaitan, se divulgam os filmes latino-americanos, inacessíveis nas telas gringas e colonizadas. Trata-se de vigorosa atualidade do pensamento de Che. Que deveria servir de reflexão e estímulo, por exemplo, ao PT que, até hoje, com vários anos de governo, ainda não tem imprensa própria de circulação nacional, embora prometida na última eleição de sua direção nacional

 

Timor mereceu a atenção do revolucionário sul-americano

 

            O Che médico já atendia aos camponeses nas zonas liberadas de Sierra Maestra. A consulta gratuita era acompanhada de fervorosa e apaixonada argumentação em defesa da revolução cubana, na qual, também se explicava o peso das condições sócio-econômicas na causa e determinação das enfermidades. A tal ponto que um menino camponês que observava atentamente as consultas de Che disse a sua mãe: não leve a sério este médico, ele diz para todos que a culpa dos problemas é do capitalismo….

            Seguindo aquele exemplo do médico revolucionário, milhares de médicos cubanos estão espalhados hoje  por 77 países dos vários continentes prestando serviço médico solidário, levando o exemplo revolucionário humanista do povo cubano, alcançando as zonas mais inóspitas, nas quais a medicina capitalista não chega, demonstrando assim todo o seu desprezo pelas camadas mais pobres da população.

            Para ilustrar a presença do exemplo do médico Che no profissionalismo solidário dos médicos de Cuba, conto que em visita recente ao Timor Leste,  rigorosamente do outro lado do mundo, deparei-me com a presença de 350 médicos cubanos. Inclusive, foram os médicos cubanos os que ofereceram os primeiros socorros ao presidente timorense Ramos-Horta, vítima de atentado terrorista em fevereiro deste ano, episódio ainda envolto em dramáticas interrogações, sobretudo a partir das inevitáveis ramificações que pode ter com a imensa e cobiçada riqueza petroleira que aquela jovem nação oceânica é possuidora. O presidente Ramos-Horta me contou que quando se anunciou a chegada dos 350 médicos cubanos àquela ilha, o embaixador dos EUA ali não teve vergonha em manifestar sua insatisfação, pressionando para que os cubanos não fossem aceitos. Em resposta, Ramos-Horta perguntou ao embaixador quando médicos dos EUA atuavam no Timor. Diante da resposta “nenhum”  –  reveladora do mais alto grau de desprezo social  –  Ramos-Horta lhe disse: Cuba nos oferece uma ajuda desinteressada, além de oferecer bolsas para 600 timorenses estudarem medicina na Escola Latino-Americana de Medicina. Gratuitamente., tal como estudam lá aproximadamente 500 jovens pobres norte-americanos, em sua maioria negros, oriundos dos bairros proletários do Harlem e do Brooklin. Um deles me contou que se tivesse ficado nos EUA jamais teria a possibilidade de tornar-se um médico, e que, muito provavelmente, estaria com vínculos ao tráfico de drogas, como muitos de seus amigos que lá ficaram….

            Esta vigorosa atualidade do pensamento de Che, encarnado em política do Estado Socialista de Cuba, é uma consciência que se espalha pelo mundo, fruto da generosidade de uma revolução que, apesar dos limitados recursos de que dispõe, faz da partilha de seus recursos humanos com outros povos uma razão de estado, uma ética de nação, transformando em realidade concreta um pensamento infinitas vezes repetido pelo próprio Guevara: tremeremos de indignação por qualquer ser humano oprimido, onde quer que ele esteja. Materializando este pensamento revolucionário, Cuba desenvolveu um método de alfabetização para indígenas da Nova Zelândia, e outro, para ser operado por meio do rádio, para alfabetizar em dialeto creolo, que nem escrita possui,  ponderáveis parcelas da população da Haiti. Isto desenvolvido por pedagogos de uma Ilha que já vendeu o analfabetismo há décadas !!!. Estão vivas ou não as idéias deChe?

 

A revolução na África teve em Che um aliado fundamental

 

            Os 350 mil homens e mulheres cubanos que foram a Angola para lutar em defesa do bravo povo de Agostinho Neto, agredido pelo exército nazista do apartheid sul-africano, era um prolongamento lógico e inevitável do pensamento internacionalista de Che Guevara, alma da consciência internacionalista proletário do povo cubano e uma decisão de estado, comandada diretamente por Fidel Castro. Como disse Mandela, foi na Batalha de Cuito Cuanavale, no sul de Angola, em 1988,  “o começo do fim do apartheid”, abrindo uma nova era para o sul do continente africano, cujo mapa político registra governos progressistas e antiimperialistas que desenvolvem a cooperação para enfrentar a herança nefasta do colonialismo. O  internacionalismo proletário, a solidariedade internacionalista, são políticas do estado socialista cubano, em cuja fase inicial tinha um Che como ministro, infatigável na luta contra a falta de especialistas, agravada pela fuga de cérebros, o terrorismo lançado contra Cuba, as limitações tecnológicas, a herança colonial e, a seguir, o bloqueio.  Ali estava um exemplo vivo de administrador socialista, sempre incorporando a participação coletiva, considerando respeitosamente a diferença de opiniões, mas, intransigente na defesa da estatização, do monopólio do comércio exterior, da planificação estatal. Não é que Che fosse um romântico que desprezasse o poder, ao contrário, desprezava sim o poder pessoal, era atento as perigos profissionais do poder, mas era, sobretudo, um intransigente construtor do poder proletário, lutou incansavelmente pela tomada do poder das mãos dos capitalistas, pela destruição de todo poder do capital.

Todos estes exemplos  estão  cada vez mais vivos na história revolucionária mundial e encontram  ressonância em muitos lados, como por exemplo nas  diretrizes adotadas pela Revolução Bolivariana , comandada por Chávez, uma delas na preocupação pela diversificação produtiva, pela industrialização, pela crescente intervenção do estado, pelo desenvolvimento de laços de cooperação estratégica com países que afirmem a integração latino-americana, com o sentido de reduzir a dependência da economia capitalista mundial, hoje afetada por uma crise ainda sem controle. Estes foram temas tratados à exaustão pelo Ministro da Indústria Che Guevara. E agora, diante desta crise financeira capitalista, da falência sucessiva de bancos, da nacionalização de bancos que se procedeu, por exemplo, na Inglaterra, não vemos mais do que outra vez confirmar a vigência das idéias de Che Guevara, intransigente defensor da estatização, da economia real produtiva, crítico severo e mordaz dos arranjos criados pelos países imperialistas para seguir com sua rapina e sua acumulação usurpadora, em nome de uma financeirização virtual e artificial, às custas da economia produtiva e dos que produzem, os trabalhadores, sempre atirados nos abismos mais profundos da miséria e da opressão.

O Che ministro era também exemplo de criatividade: fundou o Instituto de Investigações dos Derivados da Cana-de-açúcar, e , no discurso no dia inauguração fêz uma previsão visionária que além de indicar sua insaciável curiosidade científica e tecnológica,  encontra hoje ampla confirmação. Disse o Che: chegará o dia em que o açúcar será apenas um dos derivados da cana e não o mais importante. Atualmente, da cana já é possível produzir medicamentos, o etanol, a álcool-química , com seus plásticos biodegradáveis e fertilizantes orgânicos que tornarão possível a libertação da agrcultura de petro-dependência atual, cara, insustentável ambientalmente e também para a saúde dos povos. Relativizando a importância do açúcar ao longo do tempo, inclusive em razão de seus complexos vínculos com um sistema de comércio internacional no qual Cuba não tinha e ainda não tem controle dos preços, Che nada mais fêz que antecipar-se a uma situação que de fato tornou-se realidade. Hoje Cuba desmantelou praticamente metade de sua produção açucareira e, segundo informa o Granma, dá início à implantação de 11 centros de produção de etanol em território venezuelano, num projeto binacional que confirma, uma vez mais, a importância das iniciativas em curso para a integração latino-americana. Combinada com a cooperação agrícola em curso entre Brasil, Venezuela, e Cuba,  iniciativas como esta, impulsionadora do desenvolvimento de energia renovável num mundo com restrição de energia fóssil,  viabilizam  novas opções produtivas, colaborando com esforço já em curso para  a transformação da agricultura dos dois países, e, fundamentalmente, revelando , novamente, a vigorosa atualidade das idéias de Che Guevara.

Política se impõe à economia em bancarrota

Quarta-feira decisiva para a democracia ocidental. A euforia altista do mercado financeiro, na terça, 30, depois da depressão total, na segunda negra, num sintomático dia 29, assombrando os americanos com o fantasma de possível repeteco do crash de 1929, em doses ampliadas, mostrou que os fatores psicológicos passaram a comandar os fatores econômicos. O espírito(a política) sobrepõe à matéria(o econômico).

A prova disso foi a explicação geral no mercado de que a onda altista em seguida à onda baixista se apoia na crença dos especuladores na capacidade de ser alcançado acordo político no Congresso americano em torno da solução para o impasse detonado pela bancarrota financeira americana e européia. Esperança como arma estratégia. Funcionará?

O econômico deixou de confiar em si, apelando para a política. De repente, o econômico subordina-se totalmente ao político, visto que aquele deixou de ser solução, para se transformar em problema, no contexto de um capitalismo sem lei, sem regulamentação, sem freio, completamente louco.

Os economistas, simplesmente, faliram com suas teorias equilibristas, neoequilibristas, supostamente, autônomas, auto-ajustáveis, deixadas ao livre curso dos interesses egoístas, que representam o suprassumo do espírito investidor em busca do lucro máximo possível e imaginável, tendo como alvanca abstratas expectativas supostamente racionais. Mostrou-se o oposto, ou seja, falsamente racionais. O racional revelou-se irracional. Contra a irracionalidade econômica, a economia política.

A explosão do mercado imobiliário, regado por títulos financeiros podres, produtos de imaginações expressas em derivações financeiras destinadas a trazer para o presente lucros concebidos para o futuro e vice-versa, mostrou que os mecanismos matemáticos, dominados por técnicos competentes e imaginativosa serviço da reprodução ampliada do capital na especulação, levou a sociedade a uma esquizofrenia financeira que se autonomizou como algo exterior à própria realidade. Alienação total.

Simplesmente, o espírito de contestação diante dessa autonomização ancorada em regras pré-estabelecidas a partir de dado modelo experimental abstrato tornou-se incômodo para o status quo financeiro, que transcendeu ao mundo político e pensou eternizar na imaginação da autotutela. Loucura.

 

A liberdade está acuada pelo capital especulativo em crise

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O fracasso de tal empreitada, bastante vivo à vista de toda a humanidade, nesse momento, traz de volta a economia subordinada ao interesse público-político, fruto do antagonismo decorrente das categorias sociais divergentes no seio do próprio capitalismo que trafega no interior dos partidos na democracia.

Aí, o contraditório dialético é a lei e , naturalmente, não combina com o automatismo do pensamento único mecanicista neoliberal que eliminou a política do cálculo econômico, ou seja, da própria democracia. A ira dos congressistas contra os desmandos dos todos poderosos financistas de Wall Street demonstra o óbvio: o Congresso tornara-se marionete do mercado financeiro.

No entanto, o caos financeiro busca quem para ser solucionado? O Congresso. A crise bancária, cuja face é a escassez de dinheiro, para azeitar as relações econômicas gerais, em clima de relativa confiança, vê no Congresso, e não mais no mercado, sua própria salvação.

O mercado, nesse contexto, para o grosso da sociedade, apavorada pelo fato de ser chamada a arcar com grandes prejuízos, perdeu utilidade, na medida em que virou problema que deixou de ter solução por si mesmo, como apregoavam os seus oráculos.

A solução foi buscada no plano político legislativo, porque nem o Executivo se mostrou capaz de dar conta do recado, visto que sua responsabilidade na crise é total, em razão do relaxamento geral que promoveu com a desregulamentação das regras financeiras no mercado da reprodução ampliada do capital na super-especulação.

 

Capital escraviza e aflige a população

 

O Executivo corre o risco de desmoralização completa, e o Legislativo, diante do impasse, se vê entre dois fogos: ou se agiganta e honra a democracia ou sucumbe como mera casa de lobistas a serviço dos grandes interesses anti-populares de Wall Street e abre espaço espaço para sua própria superação dialética.

Ou ele salva o contribuinte dos prejuízos, relativamente, ou os contribuintes poderão buscar um novo salvador, para além do plano democrático.

As crises monetárias, por alterarem o poder de compra da moeda, deixa o contribuinte predisposto, psicologicamente, a alterações brusca de humor que se refletem em radicalismos políticos. Hitler, como dissemos em comentários anteriores, nasceu numa dessas.

A sutileza de Lenin, ressaltada por Keynes, em 1922, de que o líder soviético percebeu nas crises monetárias a alavanca do socialismo, é o alerta geral que apavora o partido republicano, nos Estados Unidos, temeroso do avanço do estado americano, sob orientação de Lenin, na economia no compasso da bancarrota financeira. 

Fazer o que? Deixar a vaca ir para o brejo?

O desafio dos congressistas americanos, portanto, é grande. A esperança alimentada pelo próprio Congresso de que pode ser o salvador da pátria coloca na mão da democracia americana novo caminho em que o Legislativo passa a comandar amplamente o Executivo, de joelhos, sob o fracassado W. Bush.

Como o mercado, o Executivo, também, faliu, com sua moeda estatal guerreira, predisposta, sempre, ao unilateralismo imperial. O fôlego para tanto, parece, chegou ao fim.

Ou pode vir por aí, como muitos temem, um último rugido do machismo imperialista, tentando criando um novo 11 de setembro, para gerar confusão geral na plataforma global em decomposição econômica debaixo da anarquia financeira?