Plano Pró Brasil aproxima militares da esquerda nacionalista

Sem Guedes, governo lança programa para retomada econômica

Resgate do nacionalismo militar

Com o colapso neoliberal, acelerado pela crise do novo coronavírus, tornou-se necessária intervenção estatal, para conduzir os investimentos públicos em linha nacionalista, capaz de reverter o curso dos acontecimentos, que vinha produzindo sucateamento total do Estado nacional e de seus braços desenvolvimentistas, as empresas estatais. O setor privado, diante da crise mostra-se incapaz de resolver e atender as demandas sociais, especialmente, por mais gastos públicos em saúde, exposta à exploração privada, que visa, tão somente, o lucro e não a pessoa humana, como pressuposto básica. Com intervenção estatal, o SUS se transforma em prioridade essencial, que a visão neoliberal privatista deseja destruir. O Plano Pro Brasil, anunciado pelo general Braga Neto, ministro da Casa Civil, que visa criar, com retomada dos investimentos, 1 milhão de novos empregos, inaugura nova etapa do governo, jogando para segundo ou terceiro plano projetos neoliberias, dessintonizados do interesse nacional, ocupados, apenas, na desnacionalização acelerada do país.

PLANO BRAGA NETO PRÓ BRASIL APROXIMA MILITARES DA ESQUERDA NACIONALISTAAs linhas gerais do Pro Brasil, lançado pelo…

Posted by Cesar Fonseca on Friday, April 24, 2020

Brasil brasileiro

Incerteza militar segura Mandetta

Como 14 chefes de Estado têm lidado com o coronavírus em todo o ...

Poder invisível

O ditador invisível e letal novo coronavírus deixa o poder militar impotente na disputa entre o presidente Bolsonaro e o ministro Mandetta. Não pode mandá-lo passear, embora tenha rompido com o que de mais caro os militares prezam, a hierarquia. Entrariam pelo cano, se as previsões de Bolsonaro de que o corona é uma gripezinha falhassem. Seriam desmoralizados por apoiarem presidente genocida. São, por isso, obrigados a esperarem pelos acontecimentos, sem poder fazer muita coisa. Mandetta está no fio da navalha, mas seu poder está não na força do governo, mas, justamente, na fraqueza, de não poder agir com independência diante do inimigo oculto.

INCERTEZA MILITAR SEGURA MANDETTA Para decidir o futuro de Mandetta, não adianta a força militar nessa hora frente às…

Posted by Cesar Fonseca on Tuesday, April 14, 2020

Grande Moreira!

Coronavírus esvazia Estado e fortalece BCs rumo ao governo mundial para contrapor-se ao avanço comunista chinês

Resultado de imagem para coronavírus

Nova etapa da guerra China x EUA

A situação absolutamente nova para o capitalismo, dada pela emergência do coronavírus, que retrai o consumidor, em escala global, colocando os mercados em polvorosa, deixa os governos completamente impotentes e abre espaço para ação mais decisiva dos bancos centrais num ensaio geral de governo mundial, para coordenar expectativas, no tremor ambiental da globalização econômica e financeira.

A teleconferência dos ministros das Finanças e líderes dos bancos centrais do G-7, liderada, hoje, pelo Secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, e pelo presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Jerome Powell, reunindo seus pares no Japão, Alemanha, Reino Unido e França, mostra a preocupação geral dos capitalistas financeiros, diante da possibilidade de desarranjo econômico global, a partir da redução do nível de atividade na China, locomotiva econômica mundial.

Ganha, portanto, impulso o que os bancos centrais, por meio do BIS, banco central dos bancos centrais, dominados por banqueiros privados, vêm tentando implementar, nos últimos anos, com resistências de crescentes de correntes nacionalistas nos países capitalistas do ocidente.

Prioridade neoliberal no Legislativo

No Brasil, por exemplo, a prioridade na pauta do Congresso, tanto na Câmara, como no Senado, é acelerar aprovação de projeto de lei que estabelece independência do Banco Central diante do governo federal; a autoridade monetária, comandada pelos banqueiros privados, ganharia autonomia e liberdade total para tocar a economia, configurando financeirização total do sistema capitalista nacional.

O BC de cada país, como projeto do G-7,  se transformaria, com a independência de ação, no ambiente econômico, em variável econômica independente, acima do próprio Estado nacional; sequer os banqueiros, comandantes do BC independente, estariam submetidos à prioridade econômica e financeira maior do governo, que é fixar teto de gastos sociais, em nome do ajuste fiscal neoliberal; a variável econômica independente do poder civil, militar e jurídico, passa ser a independência dos BC de aumentar ou diminuir a oferta de dinheiro na circulação capitalista.

Tal tarefa deixa de ser atributo político do Estado, no comando do tesouro e do ministério da Fazenda; também, deixa de ser independente o próprio Congresso, a se submeter às razões financeiras estabelecidas pelo BC; nesse sentido, este vira o poder real, livre, inclusive, das determinações da política macroeconômica, submetida ao controle de gastos não financeiros, para assegurar gastos financeiros com a dívida pública; o BC independente se torna, portanto, senhor comandante da dívida pública, para além do Estado e sua organização institucional.

Reação ao PC chinês

Na prática, a iniciativa dos BCs, hoje, coordenadas pelo FED americano, entidade comandada pelos bancos privados, é não apenas ensaio de governo mundial, para o ocidente capitalista, mas, principalmente, resposta à estratégia do partido comunista da China, cuja máxima é a de o Estado controlar o BC chinês, impedindo que tal tarefa seja coordenada pelo setor privado.

Recentemente, o secretario de Estado americano, Mike Pompeo, destacou que o verdadeiro inimigo do ocidente é o partido comunista chinês, que, no comando do Estado, determina as coordenadas econômicas e financeiras da nova potência global; a luta, portanto, é política e ideológica, no momento em que o capitalismo se encontra ameaçado pelo coronavírus, cujas consequências tendem a desorganizar, completamente, a economia mundial.

Os interesses privados, à frente da coordenação do interesse público ocidental, no campo da oferta da quantidade de moeda na circulação capitalista, entram, pela ação do FED, em confronto com o poder comunista chinês, que dá as coordenadas políticas e econômicas, na China.

Nesse sentido, o governo chinês segue o que recomenda Marx e Engels, no Manifesto Comunista, ou seja, que o governo centralize a oferta de dinheiro na economia, ao mesmo tempo em que promova distribuição melhor da renda, elevando impostos sobre heranças e fortunas, como estratégia de controle econômico e social, de modo a contornar anarquia produtiva capitalista.

Com medo do avanço comunista chinês, que comanda o Banco Central da China, os banqueiros privados ocidentais, que dominam os bancos centrais, tentam, por meio da independência dos BCs em mãos privadas, sobrepor-se ao próprio governo e sua tendência à defesa do interesse coletivo, quanto mais se aprofunda a democracia.

 

https://valor.globo.com/financas/noticia/2020/03/03/investidores-operam-sob-expectativa-de-acao-do-g-7-contra-impacto-do-coronavirus.ghtml

Congresso submete Bolsonaro ao neoparlamentarismo

Resultado de imagem para maia, alcolumbr e bolsonaro

Meia volta, volver!

Mudou a qualidade do poder. Aparentemente, quem dá as cartas é o presidente Bolsonaro, com toda a sua carga autoritária; essencialmente, porém, a realidade é outra; o Congresso é o verdadeiro poder republicano, depois que lá se aprovou o orçamento impositivo; os congressistas votam o que terão direito a retirar do orçamento da União, para atender suas bases; ao executivo, resta cumprir ordens do legislativo; vigora-se, efetivamente, o parlamentarismo; Bolsonaro, incomodado, tenta vetar o que os parlamentares determinam; mas o veto dele não tem força para ficar em pé; são as novas regras políticas republicanas, no momento em que Bolsonaro tenta militarizar geral o governo; ao contrário do que aconteceu depois do golpe de 1964, hoje, 2020, não é o Congresso que se submete ao Executivo; os generais, no Planalto, tem que cumprir as ordens legislativas.

 

PODER MILITAR DECORATIVO NO NOVO CENÁRIO POLÍTICO REPUBLICANO PARLAMENTARISTAO presidente capitão Bolsonaro está com…

Posted by Cesar Fonseca on Tuesday, February 11, 2020

 

Olha o buraco quente!