Lula abala Centrão com Bolsonaro sem ação

Começa a campanha de Lula | Exame

Base bolsonarista em pânico

Lula, no seu discurso de 7 de setembro, deixou a base política de Bolsonaro excitada e confusa. Defendeu 3 pontos que batem direto na cabeça da população. Primeiro, quer continuidade do Auxílio Emergencial dos R$ 600, aprovados pelos congressistas; segundo, pregou supressão do teto de gastos, para investir mais na produção e no consumo, tirando país da recessão e da escalada do desemprego; terceiro: propôs Contrato Social. O Centrão da razão a Lula ou a Bolsonaro? Os capitalistas, que estão vendo seus negócios em bancarrota, apoiam as propostas de quem, nessa hora? Bolsonaro foi completamente evasivo. Deixou no ar reafirmação de compromisso com o austericídio fiscal, arrocho salarial e manutenção do teto de gasto, que é aposta em convulsão social que leva ao Estado policial. Lula mostrou em sua fala compromisso com a estabilidade social; Bolsonaro, com a sua falta de proposta, deixou no ar compromisso com a instabilidade, especialmente, se a pandemia perdurar por tempo indeterminado, como deixam entender os especialistas da OMC.

A volta da inflação coloca fato novo. Bolsonaro pede patriotismo aos capitalistas. Lula defende mais dinheiro em circulação para equilibrar produção e consumo, de modo a não afetar, ainda, mais negativamente o bolso dos trabalhadores, no ambiente de desemprego em alta. O presidente capitão foi evasivo em tudo, mas sabe que a inflação está lhe comendo pelas pernas, com alta dos preços dos alimentos da cesta básica. Com o salário em queda por conta do elevado desemprego, os trabalhadores serão ainda mais afetados em suas rendas. Consequentemente, seu consumo despencará.

A evasividade discursiva bolsonarista, que não aponta para saída alguma, salvo para a desesperança, foi contrastada pela consciência lulista de que o país está caminhando para caos, mantido o arrocho fiscal neoliberal, no qual ninguém no mundo acredita. O Contrato Social pregado por Lula deixa Bolsonaro na obrigação de colocar algo no lugar para superar o adversário. Lula bateu na veia. A economia só vai sair do marasmo com suspensão do teto de gasto. Sem dinheiro em circulação, não há produção, cai a oferta e os preços, consequentemente, sobem. A inflação está subindo com a restrição fiscal. O governo não irriga a circulação, por isso, dá curto circuito nos preços.