Crash especulativo apavora banqueiros

Image result for bolha especulativa

Juro em queda vira terror

Os bancos estão que só pura ambiguidade, como revela presidente do banco Itaú, Cândido Bracher.
Reclamam que se os juros caírem demais, indo a zero ou negativo, excluindo inflação, haveria fuga para consumo de outros ativos que não a dívida pública; pintaria bolha especulativa, por exemplo, no mercado de terras, imóveis etc.
Será que apenas redução dos juros, sem que haja aumento de gastos do governo, para puxar a demanda global, levaria ao consumismo excessivo, com explosão do crediário? Juros mais baixos, por si sós, produziriam esse impacto pavoroso da bolha, que levaria tudo de roldão?
Juro é, enfim, variável econômica independente, para levar a economia a um aquecimento excessivo?
Não é o que Keynes, o papa da economia, diz; para ele, a única variável econômica verdadeiramente independente no capitalismo é a quantidade da oferta de moeda na circulação capitalista jogada pelo governo; quando ele faz isso, 1 – aumenta preços, 2 – reduz salários, 3 – diminui juros e 4 – perdoa dívida contratada a prazo, pelo governo, famílias e empresas.
A conjugação dessas quatro consequências, decorrentes da maior oferta de dinheiro no mercado, levaria o empresário aos investimentos; elas despertariam nele, segundo o autor de Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda, seu espírito animal diante da realização de lucro, que denominou eficiência marginal do capital; apenas, reduzir juro, não faria esse animal despertar; assim, não ocorreria o que os especuladores da banca temem, isto é, bolha imobiliária especulativa, para a qual já chamam atenção.

Retorno improvável

Ou estaria por trás desse alerta o que, realmente, eles temem: impossibilidade de se obter, na produção e no consumo, retorno lucrativo para a massa absurda de capital especulativo que gira na economia capitalista, tupiniquim e global?
Faz-se necessário, para que o lucro se realize em escala elevada, juro cada vez mais alto; se o juro despenca, como está ocorrendo nos países capitalistas desenvolvidos, os detentores de ativos, na especulação financeira, vão deslocar-se para imóveis, terras etc, como ocorreu no crash de 2008, implodindo bolha imobiliária.
Tem-se, então, aquele tal negócio: se ficar – na especulação, com juro alto –, o bicho pega, isto é, a dívida implode; se correr, por exemplo, para imóveis, o bicho come; haveria excessiva oferta no mercado imobiliário, derrubando preços e lucros.
O fato é que o presidente do Itaú quer juro mais alto, para continuar lucrando excessivamente na especulação financeira, embora saiba que isso produziria tempestade de papel bichado, levando para o buraco negro, até, o próprio sistema financeiro.

Dinheiro na mão é vendaval