Dodge, ao atacar STF, expõe golpe de Moro contra Lula

Resultado de imagem para DODGE, LULA E TOFFOLIA grande conspiração

Que escândalo, PQP!
Dodge, a poderosa PGR, saiu em defesa da sua turma, na base do corporativismo. Chamou o STF  de tribunal de exceção. Se Lula fosse tratado por ela, como ela está tratando seu pessoal, o ex-presidente, certamente, não estaria na cadeia, mas no Planalto, eleito pelo voto popular.
Ela, pressionada pela Associação Nacional dos Procuradores da República(ANPR), condena decisão do presidente do STF, Dias Toffoli, de atuar como investigador e julgador, ao proteger seus pares, acusados por procuradores de estarem enrolados em maracutaias fiscais.
Toffoli não aceita que ministros do STF sejam alvo de investigações.
132 cidadãos e cidadãs, entre eles, sua mulher e o colega ministro Gilmar Mendes, suspeitos de fraudes fiscais, alvos da Receita Federal, poderiam ir em cana.

Contradição explícita

Mas, minha nossa senhora do céu!
Não é, justamente, o que Moro, em parceria com Dallagnol, fez, para pegar Lula, como denuncia o Intercept Brasil?
Sem provas para incriminar o ex-presidente, que fez Moro?
Atuou como Toffoli, agora, pelas mãos do carequinha, ministro Alexandre Morais!
Moro vestiu-se de investigador e julgador, ao mesmo tempo, para forjar, com Dallagnol, a malandragem jurídica que colocou Lula cadeia, inviabilizando sua candidatura, favorita nas pesquisas eleitorais.
Dogde denuncia Toffoli de fazer o mesmo que Moro fez, rompendo com a Constituição, segundo entende maioria dos juízes brasileiros.
800 magistrados pedem, nesse momento, o afastamento de Moro do Ministério por fazer o que Toffoli acaba de praticar!
O embate Dogde-Toffoli é a comprovação de que a justiça apodreceu.
O STF, pelas mãos do seu titular, virou uma zona.

Avalista do golpe

Vai sendo explicado, por aí, por essa atitude inominável, escrota, o papel vagabundo do STF, desde o golpe neoliberal de 2016.
Esteve e está a serviço das forças reacionárias, com apoio americano, o poder oculto atrás da Operação Lavajato, para liquidar o patrimônio nacional.
Comprova isso recente decisão de suas excelências em permitir venda de subsidiárias estatais, sem licitação, sem transparência, como aconteceu com doação da BR Distribuidora, preço abaixo do faturamento líquido anual.
O STF passou a representar maior atentado à soberania nacional, plenamente, a serviço dos abutres, na tarefa de destruir empresas estatais de energia, de modo a paralisar a economia, para facilitar o sucateamento econômico geral.
A justiça, como demonstra a reação corporativa de Dodge, ao defender procuradores contra o STF, interessado em bloquear a ação constitucional da PGR, para proteger, em causa própria, suas excelências, entrou em colapso.

Verdadeira corrupção

A corrupção está dentro dela, sendo, descaradamente, praticada pelos seus membros, como nunca se viu.
O judiciário brasileiro renunciou-se como poder da República para fazer parte da grande conspiração contra a democracia, depois da derrota da oposição, pela quarta vez consecutiva, na eleição de 2014.
Os golpistas, com Aécio Neves, derrotado, à frente, desistiram da disputa democrática, para, como disse o ex-senador Romero Jucá, do PMDB, promover o grande golpe, com mídia, empresários, parlamento, STF, com tudo.
No poder, os golpistas enquadraram, ainda mais, a Suprema corte, pressionando-a recusar demandas da defesa de Lula por habeas corpus.
Argumentaram, safadamente, que a liberdade dele representaria ameaça às instituições.
As instituições, por suposto,, são eles.
O vice presidente, general Mourão, antes da vitória fraudulenta, conduzida por fake news, com assentimento do TSE, chegou a alertar para o tal do autogolpe.
Lula livre, para os militares golpistas, significaria anarquia, a senha para melar o jogo democrático.
Em duas ocasiões, o STF foi constrangido, pelo então comandante do exército, general Villas Boas, a não conceder habeas corpus a ele.
Na verdade, praticou-se crime contra democracia.
O comportamento de Toffoli, nesse momento, confrontado por Dodge, representa o inconsciente culpado de uma instituição que teme ser julgada, tomando-se de pavor pela justiça, a qual tem por obrigação preservar, segundo a Constituição.

https://www1.folha.uol.com.br/…/dodge-compara-stf-a-tribuna…