O REI ESTÁ NU

Imagem relacionada

SÃO OS JUROS, ESTÚPIDO

Depois que um dos papas do Plano Real, André Lara Resende, denunciou, no Valor Econômico, que a taxa de juros, fixada pelo Banco Central acima do crescimento da economia, é a grande causa da inflação e, portanto, do desajuste das contas públicas, caiu por terra o argumento segundo o qual esse desajuste é produzido por gastos sociais; não é não; mea culpa tucana; os juros sobre juros impactam a dívida, na prática do anatocismo criminoso, reconhecido pelo STF; os gastos financeiros são incomensuravelmente maior que os gastos não-financeiros; a disparidade é gritante.

 

MASSACRE CONTRA POVO

Vejamos o orçamento federal executado(pago) em 2018 = R$ 2,621 trilhões, elaborado pela Auditoria Cidadã da Divida, comandada por Maria Lúcia Fattorelli; desse total, R$ 1,065 trilhão decorrem de gastos com juros e amortizações, 40,66%; olha a Previdência: 24,48%; transferências aos estados e municípios, 9,82%, e por aí vai, como demonstram os dados abaixo, numa escalada descendente de despesas não-financeiras em comparação às financeiras; com um detalhe:os 40,66% que a bancocracia especulativa abocanha, não produzem nenhuma contrapartida em matéria de desenvolvimento, emprego, renda, consumo, produção, arrecadação e investimento; é grana que escorre pelo ralo e não volta mais, para a circulação capitalista; sai do circuito da produção e fica na pura especulação.

INVERSÃO DE PRIORIDADES

Já os restantes R$ 1,56 trilhão servem para atender todos os demais setores produtivos e sociais; trata-se de renda disponível para o consumo, que puxa a demanda global; a distorção é visível e monstruosa; desde o Plano Real, a taxa de juros vem comendo as pernas do povo brasileiro, deixando a economia cada vez mais improdutiva, agora, com 13,1 milhões de desempregados; 30 milhões de desocupados; 60 milhões de inadimplentes; esses 60 milhões, claro, estão comprando tudo à vista, porque está com crédito cortado; é essa gente que sustenta o colosso Brasil.

FUGINDO DO ASSUNTO

Desmontar a Previdência, ancorada no pacto social de gerações, estado, capital e trabalho, produzindo solidariedade e social democracia, gerada a partir da Constituição de 1988, para dar lugar ao regime de capitalização é fuga da realidade; é crime de lesa pátria; depois de descapitalizar a sociedade, pela prática de juros fixados acima do crescimento da economia, há 35 anos, os credores da dívida, que dominam o Banco Central e ditam essa política monetária antinacionalista, entreguista, querem dar o bote no que resta: a seguridade social – assistência, saúde e previdência, modelo exemplar de distribuição de renda, que segura a economia; sem ela, virá a desorganização social, o caos; afinal, pelo regime de capitalização, o estado deixa de contribuir, no ambiente da dieta desestatizante neoliberal; do mesmo modo, os empresários, também, ficam livre da contribuição; receberão, de mão beijada, 20 anos de isenção, em nome da redução dos custos de contratação de mão de obra, ao lado do que já está impondo a contrarreforma trabalhista, que determina o negociado sobre o legislado.

PAREDON

O capital entra com a faca afiada e o trabalhador com o pescoço liso, tendo o estado como assistente do massacre; está mais do que claro que a política monetária fixada pelo BC, comandado pelos banqueiros, é a grande algoz do povo; os governos endividados dos países capitalistas desenvolvidos, depois da crise do crash de 2008, jogaram na lata de lixo a teoria econômica neoliberal, segundo a qual a inflação decorre de excesso de demanda; praticam o contrário: ampliam a oferta de dinheiro na circulação capitalista e deixa o juro cair a zero ou negativo; do contrário, o endividamento público implode; não ocorreu o que os teóricos neoliberais alertaram; estouro inflacionário, se mais dinheiro encharcasse o meio circulante; por isso, Lara Resende está dizendo que o juro é o grande culpado; qualquer empresário já sabe disso há muito tempo; apenas, os economistas regiamente pagos pelos bancos, para mentir ao povo, inventa coisas; os BCs, em geral, estão em outra, conscientes de que juro positivo, no ambiente de superendividamento estatal, detona sistema capitalista; no Brasil, porém, vigora a jabuticaba tupiniquim, para servir de paraíso especulativo a uma elite financeira parasita; se vier uma revolução para valer, vai para o paredon.

Facebook
Google+
http://independenciasulamericana.com.br/2019/04/o-rei-esta-nu">
Twitter