LÓGICA DA DEPENDÊNCIA COLONIAL IMPERIALISTA

Resultado de imagem para fotos do desastre ambiental de brumadinho

EXPLORAÇÃO COLONIAL

Desastre empresarial ambiental exige mais exploração
para favorecer acionistas em Nova York.
Eles, evidentemente, não estão nem aí para os mortos em Brumadinho.
Estão, sim, de olho, na desvalorização das ações da Vale.
A empresa perdeu valor de mercado gigante, cerca de 70 bilhões de dólares.
Entrarão menos dividendos nos bolsos deles.
Por isso, correm atrás dos prejuízos.
Os mais importantes escritórios de advocacia americanos já foram acionados.
Os prejuízos para a empresa deverão ultrapassar 2 bilhões de dólares.
O mesmo ocorreu com a Petrobrás, sangrada, em Nova York, pelos acionistas, em quase 3 bilhões de dólares, após acionada pela Operação Lavajato.

DOAÇÃO TUCANA

Depois que a Vale foi privatizada, na Era FHC, por 3 bilhões de dólares, quitados em moedas podres, valor que pode ser inferior à multa que agora levará no lombo, deixou de ter qualquer função social, a exemplo do que exercia, como estatal, desde que foi fundada, em 1942, por Getúlio Vargas.
Tinha por objetivo ser agente do desenvolvimento econômico, fazer o país crescer para dentro, por meio de cadeias produtivas, relacionadas à agregação de valor ao produto primário, tornando-o secundário e terciário.
Essa é a forma clássica capitalista de gerar produtividade/competitividade, por meio da qualificação crescente do trabalho, verdadeiro gerador de valor.
Por meio das cadeias produtivas, o preço do aço é formado internamente, pelos interesses nacionais, soberanamente.

AGENTE ESPECULATIVO ANTINACIONAL

Como empresa meramente extrativa e exportadora de minérios, torna-se um ativo, puramente, especulativo, cujos preços são dados pela bolsa de Chicago.
Não há um átimo de interesse social, na negociação do preço do minério por Vale privatizada.
Depois do desastre de Mariana, há 3 anos, o valor de mercado da Vale aumentou mais de 260%.
Os desastres não seriam provocados para elevar cotação do produto e o valor da empresa?

DESINDUSTRIALIZAÇÃO

Além do mais tem desoneração do ICMS nas exportações do produto, para elevar lucratividade da empresa controlada, na prática, pelos acionistas privados.
Sem receita tributária, alvo de renúncia, imposta pela imperialista Lei Kandir, estados e municípios ficam sem recursos para fazer desenvolvimento sustentável, industrial.
Acumulam dívidas e déficits incontroláveis há 23 anos, idade dessa legislação imposta, em 1996, ao país, pelo Consenso de Washington.
Estados e municípios jamais receberam compensação pela renúncia fiscal, que soma, segundo BC, Confaz e Ministério da Fazenda, R$ 490 bilhões.

LEI IMPERIALISTA

Se tivessem à mão essa receita, não seriam, hoje, acusados de bombear déficit fiscal.
Seriam unidades econômicas sustentáveis, esteios da autonomia federativa, esvaziada pela Lei Kandir.
O sistema federativo está, completamente, falido, é mera representação vazia.
A Vale é expressão da colonização que o modelo de desenvolvimento primário exportador, necessariamente, impõe à população, empobrecendo-a aceleradamente.
Trata-se de mais um capítulo sangrento que escreve diariamente a destruição das veias abertas da América Latina.
As ações que passam a rolar em Nova York exigirão mais exploração colonial.
A empresa terá que correr atrás do prejuízo intensificando a extração mineral, que, necessariamente, aprofunda destruição do ambiental.

Uma resposta para “LÓGICA DA DEPENDÊNCIA COLONIAL IMPERIALISTA”

  1. SOMENTE COM A UNIÃO DAS FORÇAS NACIONALISTAS E PATRIÓTICAS DESTE PAÍS TEREMOS CONDIÇÕES DE LIBERTÁ-LO DAS GARRAS DAS NAÇÕES COLONIALISTAS/IMPERIALISTAS SOB A BATUTA DE UNCLE SAM – “Tio Sam” (EUA).

    E quando falo em forças patrióticas me refiro ao povo consciente, destemido, pronto para defender a Pátria dos Joaquins Silvérios dos Reis.

Os comentários estão desativados.