Temer repete Dutra: torra reservas de Dilma e Lula para dolarizar mercado e gerar caos

Sucesso econômico petista

O papo econômico e financeiro do presidente do Banco Central, Ilan Goldfanj, para não aumentar juros, mas, sim, utilizar as reservas cambiais, para evitar disparada do dólar, é provoca concreta do sucesso da política econômica de Lula e Dilma.
Apostaram no mercado interno, no crescimento, acumularam reservas e estabilizaram o cambio.
Ilan é racionalizante, mas enganador.

Engana a população que os preços caíram porque houve competente administração da política monetária.

Mentira.

Na verdade, o que ocorreu foi o seguinte.

O governo congelou os gastos públicos, que geram renda disponível para o consumo.

Destruiu consumidores e, igualmente, arrecadação e investimentos.

O PIB, por isso, despencou em 2016 e 2017 e continua despencando em 2018.

Como, por ordem de Washington, os gastos foram congelados(Pec do Teto), por vente anos, e passaram a ser reajustados pela inflação do ano anterior, sendo ela cadente, em economia congelada, sinaliza-se, consequentemente, PIBs descendentes, nos anos seguintes, expectativas negativas aos investidores.

Quem vai produzir para não vender?

Estocar mercadoria é prejuízo.

A tendência deflacionária sinalizou que juro mais alto é caixão e vela preta para qualquer investidor.

Incompetência macroeconômica

Piora a situação das empresas e dos consumidores.

Com a economia fraca, o câmbio, que reage à estabilidade dos preços, ficou desfavorável.

Salário mais baixo compra menos mercadorias, informa aos agentes econômicos que é perda de tempo aumentar produção, se não haverá consumidor.

Juro mais alto nessa situação, apenas, piorará a dívida, tanto dos consumidores, como do governo, que, com arrecadação cadente, não pode liquidar seus papagaios.

Aí veio a política monetária de Donaldo Trump, de elevar juro, para enxugar liquidez de dólar, em escala global, e ajudou a afundar o barco tupiniquim.

Sinuca de bico.

Se subir juro no Brasil, para evitar fuga para os títulos americanos, a economia, já tatibitate, entra em parafuso total.

Que fazer?

Os neoliberais, prisioneiros das ordens de Washington, sem poder mexer no teto de gastos, para sobrar dinheiro aos especuladores da dívida, pegam, agora, as reservas de 380 bilhões de dólares que Lula e Dilma acumularam, com o desenvolvimentismo petista, para gastá-los em importações de quinquilharias.

Vão torrar tudo, em vez de jogar essa poupança do povo no desenvolvimento e tirar ele da miséria que se aprofunda, com recessão e desemprego.

Temer segue o mesmo roteiro de Dutra, que queimou reservas acumuladas por Getúlio Vargas, afundando a economia, que vinha crescendo sem dívidas e perfeitamente estável, depois que fora feita a auditoria da dívida, logo depois da revolução de 1930, abrindo espaço ao desenvolvimento nacional.

Temer, novo Dutra, dilapidador das reservas acumuladas pelo desenvolvimento petista registrado entre 2003 a 2014.

Dolarização em marcha

Por que não jogar as reservas na produção e no consumo, para fortalecer mercado interno e estabilizar a moeda, por meio da valorização do poder de compra dos salários, como fez Lula, depois do crash de 2008?

Os golpistas de 2016 visaram dois objetivos:

1 – roubar o petróleo do pré sal e

2 – dolarizar a economia por meio da fragilização do mercado consumidor.

Agora, lançam mão das reservas acumuladas para engordar, ainda mais, os sanguessugas das riquezas brasileiras, desde sempre, com aplauso dos trouxas vira latas que engole pelo valor de face as teorias econômicas furadas construídas em laboratório, no exterior da realidade, sem poder determina-las.

Dizem que gastando reservas sem produzir paga dívidas e equilibra endividamento e PIB, que permitiria, com juros baixos, retomada da economia, sem pressão inflacionáira.

Papo furado: quebraram a economia e lança mão da reservas para fechar o buraco, enquanto o desemprego e a recessão avançam, sinalizado PIB inferior de 1%, caminhando para zero ou negativo.

O resultado dessa queimação de reservas, será, evidentemente, dolarização da economia, defendida por muitos vendilhões da pátria.

Sabujismo econômico tupiniquim, obediente às ordens de Tio Sam.

 

2 respostas para “Temer repete Dutra: torra reservas de Dilma e Lula para dolarizar mercado e gerar caos”

  1. Muito bem, caro César. Há que ter coragem, como a sua, de olhar de frente o que estão preparando para nós, neste retorno à situação de periferia colonizada e subserviente. Havemos de nos revoltar, estou certa.

  2. Raquel Sousa e Carlos Cleto: Desembargadores do TRF-5 desnudam as ilegalidades das “vendas” de Pedro Parente e Ivan Monteiro
    > https://www.viomundo.com.br/denuncias/raquel-sousa-e-carlos-cleto-desembargadores-do-trf-5-desnudam-as-ilegalidades-das-vendas-de-pedro-parente-e-ivan-monteiro.html

    PUTA QUE O PARIU!
    ATÉ QUANDO VAMOS FICAR DE QUATRO NESTE BORDEL A TOMAR NO CU PASSIVAMENTE?
    ATÉ QUANDO? SERÁ QUE ESTAMOS GOSTANDO?

    PUTA QUE O PARIU!
    O pior de tudo, companheiros, é que eles os fazem as coisas à luz do dia, sem qualquer escrúpulo ou receio, com a certeza da impunidade.

    Para esclarecimentos da jogatina e ilegalidades que a quadrilha de plantão desse governo está disposta a fazer para dilapidar o patrimônio nacional.

    Por 2 a 1, a 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 barrou nessa terça-feira (05/06) a venda da TAG – Transportadora Associada de Gás –, subsidiária da Petrobrás.

    A TAG controla a maior malha de dutos de gás e óleo do Brasil.

    Ela estava sendo vendida sem licitação por Pedro Parente e Ivan Monteiro para a empresa francesa Engie.

    O preço do negócio é um acinte: US$ 8 bilhões, para uma empresa que, em 2016, deu lucro líquido de R$ 7 bilhões.

    Ou seja, o ex e o atual presidente da Petrobrás (era o diretor financeiro) queriam vender a TAG por um valor inferior a quatro anos do seu lucro.

    *Pior era a parte oculta da negociata: a Petrobrás, após vender a TAG para a Engie, ia ter de alugar da Engie os mesmos dutos que vendeu, para transportar sua produção*.

    Tinha ainda que assinar uma cláusula de “ship-or-pay”.

    Ou seja, a Petrobrás teria que pagar para Engie o valor referente à máxima utilização dos dutos, mesmo quando não utilizasse toda a capacidade deles.

    Conclusão: uma negociata predatória que causaria a Petrobrás um prejuízo bilionário, que excederia tudo o que foi apurado na Operação Lava-Jato.

    *Outro aspecto terrível: deixaria todo o abastecimento do Norte e Nordeste do Brasil nas mãos de uma empresa privada*, que teria controle total da movimentação do gás natural utilizado nessas regiões.

    Felizmente, os votos dos desembargadores Edílson Nobre e Rubens de Mendonça Canuto restabeleceram o império da lei e barraram esse crime contra o Brasil.

    A venda está suspensa até que seja julgado o mérito.

Os comentários estão desativados.