FHC deixa de confiar na própria cabeça

FHC, discípulo de Tio Sam, confessou ao papa Moro, a propósito de testemunhar-se sobre Lula, que nada tem a reformar, salvo sua própria cabeça.

O que ele quis dizer com isso?

Pode haver várias interpretações.

Seria confissão de que não usou bem a cabeça, politicamente, nos últimos tempos, por exemplo?

Apoiou, ao lado do PMDB, o golpe de 2016 e agora seu partido está, eleitoralmente, inviável, para viabilizar a Ponte para o Futuro que virou fiasco do passado.

FHC mudaria a cabeça se pudesse voltar atrás?

Claro, principalmente, se tal mudança viabilizasse, politicamente, candidatos do seu partido golpista, a serviço do Consenso de Washington, que levou o país á recessão e ao desemprego, com congelamento econômico neoliberal, eleitoralmente, desastroso.

É o que mostra o andar da carruagem política para os lados do tucanato.

O ex-presidente se desencantou com o tucano Alckmim, que, ao aproximar-se demais de Temer, se inviabilizou.

Também, ficar perto de quem tem, apenas, 3% de apoio popular, queria o que?

FHC, agora, sai doido atrás de Marina, tentando enche-la de ar, para viabilizá-la.

Antes, tentou encher a bola de Huck.

Achou que o melhor para o país seria um astro do show business.

Não deu certo.

A eleição está chegando e o tucanato não tem nenhum candidato viável para levar adiante.

Deu com os burros nágua a estratégia que abraçou, cujo resultado, prático, foi a greve dos caminhoneiros, que jogou o governo no chão, tocando política econômica tucana, orientada para o mercado, não para a população.

O PSDB é a voz de Washington, no Brasil, e FHC se revelou um títere de Tio Sam, durante seus dois mandatos, cujas consequências foram inviabilidade eleitoral pelos anos seguintes.

Os tucanos dançaram em quatro eleições.

Na quarta, deu o golpe contra Dilma.

Na quinta, contra Lula, luta para mantê-lo preso, fazendo de tudo, nos bastidores de golpe jurídico, para inviabilizar candidatura dele.

Talvez, no seu depoimento a Moro, tenha decidido misturar sinceridade com gozação.

Disse que ele como presidente tem obrigação de conversar com todo mundo, inclusive, com malandros.

Pensou em Sérgio Malandro ao falar com Sérgio Moro?

Ou se postou diante do papa, como se Moro fosse chefe do Vaticano, ao qual confessaria o que acabou confessando, que não tem que reformar nada, salvo sua própria cabeça?

Decididamente, FHC mostrou não estar de cabeça feita.

Talvez tenha puxado uma palhoça, ao falar com papa de Curitiba.

 

 

Uma resposta para “FHC deixa de confiar na própria cabeça”

  1. “FARINHA DO MESMO SACO”, VOCÊS
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2018/06/13/farinha-do-mesmo-saco-voces/

    … …Vocês são cúmplices, e se mantêm cumplices, do juíz e da Justiça que mantém preso um cidadão sobre o qual foram imputados crimes inexistentes, como sistematicamente vem sendo provado. Vocês são cúmplices da Justiça institucionalizada que se mostra cega e impotente diante de crimes consagrados com provas daqueles que vocês escolheram com seu apoio e com suas panelas assumir o poder sobre toda a nação brasileira.

    Vocês são cúmplices, falsos patriotas traidores. Vocês são cúmplices quando não são coautores e partícipes de toda a sacanagem deste bordel Brazil. Não. Não está errado. É mesmo com “z”, tendo uma bandeira que agora sim é vermelha: vermelha, azul e branca. … …

    gustavohorta.wordpress.com

    #LULALIVRE
    #LULA2018

Os comentários estão desativados.