Lula livra classe média do leão

JOGADA POLÍTICA GENIAL
Aliviar a classe média da crise fiscal e jogar mais dinheiro na circulação capitalista para retomar desenvolvimento é o jogo econômico antineoliberal que Lula propõe à discussão no momento em que os golpistas se desesperam com as pesquisas dando o candidato do PT hegemonia absoluta perante os demais candidatos, todos, perto dele, anões, por enquanto. Bombando a classe média, Lula conquista os capitalistas da produção que padecem de escassez de consumo para lutar contra os capitalistas da especulação que mantêm congelamento fiscal para parar o Brasil, a fim de entrega-lo barato aos abutres internacionais e os nacionais a eles associados.

Eleição invade economia

Lula lança mão da economia política para ganhar classe média e uni-la aos trabalhadores contra o golpe e fortalecer-se para 2018.

A chamada de capital lulista para encher o bolso da classe média é a isenção de imposto de renda, que promete realizar.

Proposta política e econômica bombástica: dar ao empresário o consumidor e ter de volta imposto em caixa do tesouro, para bancar os investimentos em infraestrutura nacional.

Se os empresários e banqueiros tiveram isenção de tributos para crescer ao longo dos últimos trinta anos de Nova República, sempre em crise econômica, por falta de consumo consistente, por que os assalariados também não podem ser subsidiados?

O problema agora é subsidiar o consumo para salvar o capitalismo que parou de crescer, porque acostumou a ser subsidiado pelo estado nacional em vez de ganhar no mercado sua taxa de lucro.

O BNDES, desde seu nascimento, é combustível financeiro para o capitalismo nacional, que, com ele, internacionalizou-se.

Grandes obras internacionais são realizadas pela engenharia nacional, financiadas pelo Estado, alavancador de investimentos, arma de todo país capitalista desenvolvido, nacionalista.

O problema é que alavancou-se o capital, mas não o trabalho, de maneira proporcional, equilibrada.

Por isso, como diria Marx, o capitalismo tunipiquim padece de crônica insuficiência de demanda, o mal do processo de acumulação capitalista.

Concentração excessiva, de um lado, e escassez excessiva, de outro, sinalizam tendência à queda histórica da taxa de lucro, diz ele.

A crise, de tempos em tempos, ocorre não por falta de investimentos, mas por escassez de consumo.

Congelado, imobilizado, eis o capitalismo brasileiro, no momento.

Bolsa Classe Média

Não adianta o BC de Ilan, do Itaú, diminuir juro, se o governo está sob congelamento glacial neoliberal.

Quem vai comprar máquinas novas, para colocar no lugar das que já estão paradas?

Se só se subsidia o capital, concentrando mais e mais, mas não se cuida de quem vai consumir a produção, o resultado é crise de realização do capital produtivo, que se descola para a especulação, a fim de manter constante a taxa de lucro.

Acumula-se insuficiência de consumo em escala destrutiva para o capitalista da produção.

Lula, esperto, com a experiência do bolsa família, programa econômico e social, quer, agora, subsidiar, via isenção de IR,  classe média para manter constante sua taxa de consumo para garantir taxa de lucro dos empresários, sufocados pela especulação.

Isentar de imposto de renda quem ganha até 5 salários mínimos é bomba consumidora.

É uma bolsa classe média, que girará o consumo e a produção, sem os quais não há arrecadação, nem investimentos.

Tiro no coração

A estratégia lulista destrói a estratégia neoliberal de Temer/Meireles/Wall Street, que quer reduzir os gastos do governo, em dez anos, de 25% para 14% do PIB, conforme determina a malfadada PEC do teto.

20 anos na geladeira.

Os gastos sociais, renda disponível para o consumo, estão completamente massacrados no orçamento da União 2018, conforme denunciaram associações de direitos humanos, na Câmara, essa semana.

Instabilidade econômica crescente e crescente empobrecimento da classe média, no ritmo da insuficiência de consumo a ser imposta pelo congelamento econômico glacial neoliberal.

Se classe média for aliviada em suas finanças por eventual governo Lula, como foram aliviados empresários e banqueiros, sempre que choram dificuldades em Brasilia, a economia ganha novo rumo, abrem-se novas expectativas etc.

Mata-se o congelamento com tiro no coração.

Ponto de equilíbrio lulista

A classe média é o ponto de equilíbrio que Lula busca conquistar, para fortalecer proposta de união nacional contra o entreguismo do país aos abutres internacionais.

Por que o privilégio para a Shell ter isenção de impostos que se somarão 1 trilhão de dólares em 20 anos, na área do pré sal?

Não seria, também, direito dos trabalhadores terem sua renda subsidiada para poder consumir.

Claro, renda subsidiada é igual a aumento de salário indireto, mas o resultado final será dinamismo da produção, sem o qual não há arrecadação nem investimento público.

Enquanto isso, pregam que a Previdência é o mal maior da economia, justamente, a renda disponível para o consumo, sem a qual a economia caminha para deflação.

Os golpistas evitam que isso aconteça, nesse momento, subindo o preço da gasolina, do gás e do diesel, em meio à recessão e desemprego.

Ficaria, com a deflação, comprovado o fracasso do congelamento econômico neoliberal antinacional.

Porque hoje é sábado