Políticos criam Frente Ampla DIRETA JÁ. Correm atrás da mobilização popular

As ruas estão sendo tomadas pelo movimento das DIRETAS JÁ, hoje, como estiveram ontem, para derrubar a ditadura militar. O que produz o fenômeno histórico é a recessão e o desemprego, as contrarreformas da previdência e trabalhista. Como o povo não foi consultado sobre elas pelos golpistas, ele vai às ruas para derrubá-los.

CORRENDO ATRÁS DO PREJUÍZO

A dinâmica política social ganha velocidade própria nas ruas em torno da mobilização popular pelas DIRETAS JÁ. As ruas não esperam. Se a classe política, envolvida nas acusações de corrupção, detonada pela legislação eleitoral, que criou representação cuja credibilidade virou pó, ficar de bobeira, já era. Por isso, hoje, no Congresso, deve nascer FRENTE AMPLA pelas DIRETAS JÁ. envolvendo a oposição e muito provavelmente dissidentes das forças governistas, pressionados pelas suas bases, em rebelião contra desemprego e recessão e contrarreformas da previdência e trabalhista. O somatório do desastre neoliberal decorrente do golpe político aponta para aprofundamento da crise econômica nos próximos meses, depois de passar, no primeiro trimestre, euforia relativa dos conservadores com bons resultados da agricultura, cujos efeitos positivos deverão ser suplantados pelos efeitos negativos nos setores industriais, de serviço e do comércio, nos próximos meses. Afinal, o congelamento de gastos públicos, repeteco do desastre do congelamento de emissão de moeda de Roberto Campos, na ditadura militar, em 1964, sob orientação de Washington, sinaliza instabilidade total. O reflexo do tacão neoliberal glacial já se faz sentir forte nos setores de saúde. Hospitais e Santas Casas, em diversos estados da Federação, entram em bancarrota, por falta de recursos públicos. As pressões sobre os políticos são intensas e as ruas enchem de protestos contra tal estado de coisas, que só é bom para os credores da dívida pública, os banqueiros especuladores. Os desajustes gerais dos setores sociais, afetados por carências financeiras generalizadas, decorrem da necessidade de o governo juntar dinheiro para pagar juros e amortizações da dívida, que crescem, descontroladamente, no compasso da política macroeconômica neoliberal. Cortes de gastos, sobrevalorização do real e juros altos bombeiam desarticulações destrutivas do setor produtivo, sinalizando PIB negativo para 2017 e 2018. O racha na direita golpista, que não encontra discurso capaz de unificá-la, para enfrentar eleições indiretas, caso Temer seja defenestrado no TSE, tem sua razão de ser no desastre neoliberal. Por essa razão, as articulações dos golpistas são confusas e desordenadas, nesse momento, gerando controvérsias segundo as quais talvez, para eles, o melhor seria, mesmo, suportar Temer até final de 2018. Mas aí é que a porca torce o rabo, porque a permanência de Temer, por sua vez, virou estímulo para as movimentações pelas DIRETAS JÁ.

Lacerda, JK e Jango, UDN e PSD, uniram-se, em 1967, para formar Frente Ampla contra a ditadura e a recessão que o congelamento de emissão de moeda produziu, como produz, agora, o congelamento de gastos públicos de Temer.

Voz conservadora, como a do ex-ministro Delfim Netto, no Valor/Globo, nessa terça feira, expressa o desespero dos neoliberais. Diz ele que qualquer tentativa favorável às DIRETAS JÁ seria exercício de auto-engano. A direita, aturdida, colhe, agora, o resultado desastrado de sua ação golpista, porque em seus cálculos, para permanecer no poder, não fez parte possibilidade do movimento popular de repúdio ao golpe. As ruas cheias de protestos desesperam Delfim e Cia Ltda. Como Temer disse que não sai de jeito nenhum do Planalto – porque se saísse iria direto para a Papuda – e conta, para tanto, com o jogo jurídico procrastinador do qual as elites conservadoras são craques para manipular, desde sempre, os defensores da renúncia ou cassação, para apressar indiretas não têm plano B, em forma de um nome capaz de uni-los. O ambiente efervescente antecipa que qualquer nome que sair de colégio eleitoral, sem cheiro de povo, será um novo Temer, candidato a ser, também, fritado, porque, afinal, todos estão com rabo de palha. O único remédio para limpar as feridas produzidas pela corrupção, de modo a redimir o descredito político emanado do Congresso, vai se destacando como algo natural nas ruas no movimento DIRETAS JÁ. Quem passar pelo veredito popular teria o condão de criar nova realidade mediante correlação de forças políticas irresistíveis etc. Por isso, com toda a pressa possível, está nascendo a Frente Ampla pelas DIRETAS JÁ. Uma forma de os políticos correrem atrás do que já vai na frente deles, arrastando-os.

FRENTE AMPLA 1967 NASCEU CONTRA CONGELAMENTO NEOLIBERAL DITATORIAL ECONOMICAMENTE RECESSIVO