Popularidade de Lula afunda reforma Temer. Golpista tenta fazer da derrota vitória com ajuda mentirosa da Globo

FOGUETE ATÔMICO ELEITORAL

CUT-Vox Populi informa: Lula alcança 45%, ganharia no primeiro turno, se a eleição fosse hoje, e arranca firme para os 50%. Imbatível. Enquanto isso, Temer empreende marcha à ré na reforma da Previdência. Será por que? Claro, porque Lula está subindo feito foguete atômico. O golpista, que reconheceu que o golpe não teve nada a ver com crime de responsabilidade de Dilma, mas porque o PT recusou votar em Cunha no Conselho de Ética, viu e sentiu tremendo atoleiro pela frente. Todo o governo está com medo da reação popular. As pesquisas de opinião alarmam galera oficial. Por isso… A estratégia do presidente vai ficando cada vez mais clara: quanto mais pressão popular sofre mais rejubila-se em dizer que o recuo que ela provoca representa vitória governamental. Há, há, há. Temer escreve o filme da reforma: “Quando a derrota é vitória.” ou “Avanço do recuo.” Os políticos da base aliada colocaram a lógica de suas bases na cabeça da razão tornando-a real. O real é racional e o racional é real, diz Hegel. A realidade evidencia o óbvio: os trabalhadores vomitam a reforma da previdência proposta pelos golpistas, que, antes de ser reforma, é desmonte de direitos. Racionais, os políticos governistas fazem da reação dos seus leitores sua própria realidade. Sem ter pra onde correr, o governo volta atrás em suas pretensões, e encara a realidade que lhe é desfavorável. Mudar de postura, volver! Não vale à pena enfrentar a opinião pública, dando murro em ponta de faca. Diante do veredito das pesquisas, melhor conectar-se com o populacho, enquanto ele ainda não reage, energicamente, contra a sacanagem que armaram para pegá-lo, destruindo-lhes os direitos constitucionais, para atender o mercado financeiro, ávido de lucros. Aliás, o mercado financeiro está começando a tremer as pernas. Parece que Palocci pretende delatar os bancos, o mercado, seus personagens. É de se perguntar: toda essa dinheirama da corrupção que foi para as contas dos corruptos no exterior passou ou não pelos bancos? Eles não sabiam de nada? Dá-lhe Palocci! Incrível, as grandes empresas de tecnologia, de engenharia e de vanguarda nas conquistas do mercado externo, graças aos impulsos dados pelo governo nacionalista de Lula e Dilma, algo praticado com grande extroversão pelo governo americano, em nome do interesse nacional, estão indo para o sal. Porém, os bancos, através dos quais elas movimentam seus capitais, ficam livres de qualquer cogitação quanto a serem investigados. Por que? Não seria normal, lógico e racional que a Rede Globo, tão ávida em expor os empresários da produção,  que fazem o nome e gloria do país, junto com a classe trabalhadora, buscasse investigar, também, os agiotas, que enriquecem, dia a dia, hora a hora, minuto a minuto, segundo a segundo, no giro dos juros mais altos do mundo, com esse dinheiro da corrupção que circula pelos seus caixas? Ganham sem trabalhar. Perguntinha inocente: não viria do rentismo o dinheiro que a Globo, em plena recessão, toma no BNDES, jogando-o nos títulos do governo, para obter renda capaz de sustentar seus elevados custos de produção?

Malhação implacável do judas da previdência na semana santa

Por que não discutir esse lado da corrupção, da multiplicação do dinheiro corrupto na circulação bancária aos juros extorsivos, cujas consequências são aumento exponencial da dívida pública, do déficit público, da inflação, da recessão? Na economia dominada pela especulação, inflação vem de onde, da produção ou da especulação? Agora que está se esgotando a fonte do lucro especulativo, diante do Estado falido, o pessoal do mercado quer amealhar as riquezas, tomando a previdência para eles, na exploração privatista e na exclusão dos direitos sociais inscritos na Constituição e na legislação trabalhista, em nome da produtividade. Como os países ricos estão aumentando a produtividade da economia? Reduzindo jornada de trabalho! Por aqui, os capitalistas não fazem isso para explorar mão de obra barata, a partir da terceirização na contratação, para elevar sua taxa de lucro. Evitam modernizar as relações trabalhistas por meio do incremento tecnológico das empresas. Preferem o velho arrocho salarial. Optam por destruir a previdência social que garante renda para consumo deles. Burrice anticapitalista. Temer está sob pressão do mercado financeiro que não é fiscalizado, para se saber se, também, está ou não mergulhado na corrupção. Sob perigo de perder votos e acumular derrota no Congresso, o titular do Planalto revê sua postura de confronto com a realidade ditada pela população, em oposição a ele, via pesquisas de opinião, e conecta-se, disfarçadamente, com a opinião pública, reconhecendo não ser possível marchar para a irracionalidade. Perdido, como cego em tiroteio, o governo Temer, sem um pingo de vergonha na cara, arma uma farsa: tenta fazer da derrota uma vitória triunfante. Volta atrás nos parâmetros dela, como tempo mínimo de contribuição, teto para a aposentadoria etc. Meirelles, cuja política econômica afunda a olhos vistos, tenta jogar o fracasso nas costas do Congresso, se ele recuar na Previdência. Mas, vai sentido que essa manobra escrota e fascista, embalada pela propaganda midiática, não dá resultado. Já se mostra, como Temer, conformado. Busca, agora, faturar politicamente, com o recuo estratégico. A fuga do fracasso é a palavra de ordem temerista.