Entre a realidade e a fantasia

Acossado pelo implosão política que pode destruir seu governo, o presidente Temer se apega ao imaginário econômico ideal para tentar enganar a população de que tudo vai bem, obrigado. Enquanto isso, a reforma da previdência , em tramitação no Congresso, vai encontrando dificuldades crescentes. O grito de guerra FORA TEMER no carnaval disse tudo. Não há credibilidade popular capaz de permitir ao titular do Planalto enfrentar os imensos desafios detonado peloa luta de classe acirrada pela sensação de que o País está sendo leiloado a preço de ocasião. Marcelo Odebrech é a sombra mortífera que paria sobre o moribundo.
Acossado pela implosão política que pode destruir seu governo, o presidente Temer se apega ao imaginário econômico ideal para tentar enganar a população de que tudo vai bem, obrigado. Enquanto isso, a reforma da previdência , em tramitação no Congresso, vai encontrando dificuldades crescentes. O grito de guerra FORA TEMER no carnaval disse tudo. Não há credibilidade popular capaz de permitir ao titular do Planalto enfrentar os imensos desafios detonados por lutas de classes acirradas pela sensação de que o País está sendo leiloado a preço de ocasião. Marcelo Odebrech é a sombra mortífera que paira sobre o moribundo.

O presidente Temer, repudiado durante o carnaval pelas massas foliãs, preanunciando o que deverá ser a performance eleitoral governamental nas eleições de 2018 – desastre – em meio à recessão econômica, fez previsões ultra otimistas aos repórteres Raymundo Costa e Rosângela Bittar, do jornal Valor Econômico, nessa quinta-feira.

A economia, na avaliação fantasiosa dele, crescerá 2,7% em 2017, e, em 2018, chegará aos 3%.

Superestimou previsíveis resultados altamente positivos para a economia submetida ao congelamento de gastos públicos.

Contraditoriamente, no mesmo jornal, apareceu outra informação contrastante ao exagerado otimismo panglossiano presidencial.

O repórter econômico Ribamar Oliveira, especializado em contas públicas, diz que o crescimento do PIB projetado para esse ano, de 1,6%, pela equipe econômica, deverá sofrer golpe adicional com redução de subsídios à produção em torno de R$ 10 bilhões, de R$ 36 bilhões para R$ 23 bilhões.

Essa diminuição, diz ele, impactará, negativamente, nas projeções oficiais, especialmente, em quedas de arrecadação.

Governo que poupa, compulsoriamente, não arrecada, visto que arrecadação requer gastos, sem os quais não são produzidos os impostos.

Assim, em vez de a economia crescer o colosso que Temer superestima, deve acontecer o oposto, queda ainda maior do nível de atividade.

Quem está com a verdade: as projeções da equipe econômica, realmente, acanhadas, ou os chutes esfuziantes do presidente?

Corroboram essas expectativas negativas as informações sobre a indústria de automóveis, carro chefe da demanda global, apoiada na produção de bens duráveis.

A fantasia de Temer se mostra distante da realidade.

As vendas sofrem tombos recordes, cima de 15%.

Toda cadeia produtiva ligada às montadoras – partes, peças e componentes – encontra-se em banho maria, deprimida.

Os empresários reclamam energicamente de falta de crédito para girar a produção.

O crediário caro espanta o consumidor, já, excessivamente, endividado pelas mais altas taxas de juros vigentes no mundo sob administração do Banco Central, comandado pelo Itaú.

Raposa tomando conta do galinheiro.

O comércio, no Rio de Janeiro, conforme Federação do Comércio, registrou tombo de 7% no último trimestre.

A indústria espera corte mais ousado nos juros sem o qual não pintará investimento.

Mas, a desvalorização do dólar, produzida, em grande parte, pelo congelamento dos gastos públicos, amplia resistência do BC, que precisa enxugar gelo.

Entra muito dólar bombeado pelas políticas monetárias praticadas pelos países ricos – Estados Unidos, Europa e Japão –, diante da falta completa de controle de entrada de capital especulativo no País.

A deterioração nos termos de trocas cambiais se transformou no maior vazadouro de riquezas líquidas, para encher a pança dos banqueiros, os únicos que estão satisfeitos como governo Temer.

 

O Brasil virou casa da mãe Joana.

O juro Selic cai, mas cai, também, a inflação, sob impacto da recessão, de modo a manter taxa real elevada para o custo do dinheiro.

Juro alto mais valorização do real ampliam a depressão.

Nesse contexto, a dívida pública e o déficit, formado pelo custo do dinheiro caro, aumentam sistematicamente mesmo em meio ao congelamento de gasto não financeiro.

Temer, portanto, tenta construir a fantasia da recuperação econômica a partir retóricas, para diminuir, certamente, o outro lado da moeda que o apavora, a crise política, cujo peso sobre a economia é decisivo, no sentido de bloquear expectativas positivas.

As delações de Marcelo Odebrecht, envolvendo-o como receptor de propinas durante campanha eleitoral, mais denúncias cabeludas do amigo Yunes, a mula intermediária de recursos levados a Padilha, são bombásticas e sustentam interminavelmente o clima de instabilidade política que não contribui, em nada, para a recuperação das forças produtivas paralisadas desde o golpe político de 2016.