FHC, o golpista, muda cabeça de Temer. PEC da morte seria a morte das elites golpistas em 2018

fhc-e-temer-002

 

FHC fez uma visita relâmpago

ao presidente golpista e

criou novo fato político.

 

pec-da-catastrofeMenos de vinte e quatro horas após o encontro de ambos, Temer deu entrevista à repórter Miriam Leitão, na Globonews.

Disse que a PEC 241, que congela por vinte anos os gastos públicos, corrigindo-os, apenas, pela inflação do ano anterior, pode ser alterada por emenda constitucional depois de cinco anos de vigência.

De 20 anos, a durabilidade do arrocho, contido na PEC da morte, cai para 5.

A vulnerabilidade não é da PEC, é do presidente.

Ele não aguenta pressão.

Mais um empurrãozinho dos movimentos sociais e a bicha pode virar pó, no segundo turno de votação na Câmara.

Evidenciou o óbvio: sem legitimidade popular, Temer está tremendo nas bases.

Sob pressão de FHC, de olho no poder, já em 2017, por eleição indireta, se Temer dançar no TSE, como se cogita, por ter contas eleitorais enroladas, a PEC vai dançando a olhos vistos.

É um veneno que se pretende remédio, como disse a senadora petista Gleisi Hoffman.

Dose para cavalo, que desarticula todo o Estado do bem estar social e lança a sociedade em polvorosa, cujas consequências são incógnita total.

 

FHC, que já sentou na

cadeira presidencial, sabe

que se não tiver um lenitivo

contra a recessão, a

vaca vai pru brejo.

 

pec-da-catastrofeEle inventou o real, que fez o milagre da inflação cair a zero, mas, junto, trouxe a desgraça da sobrevalorização cambial, que detonou a indústria nacional.

O maior problema de FHC, segundo o próprio, seria o estouro do câmbio.

A inflação caiu e, como dizem los hermanos argentinos, todo lo más: desemprego, renda, arrecadação, investimento, bancarrota social etc.

Resultado: o príncipe da privataria teve que ir de joelhos ao FMI, com a volta da inflação e necessidade de torrar, além do patrimônio nacional, as reservas cambiais.

A receita neoliberal temerista, sabe FHC, é suicídio político puro.

Jamais o PSDB chegaria ao poder com o receituário neoliberal de Temer, salvo se derrubá-lo e instaurar a ditadura.

Com o gasto público congelado, para tentar estabilizar a dívida em relação ao PIB, o juro pode até cair, mas quem vai investir em máquinas novas para colocar no lugar das que já estão paradas por falta de demanda?

 

Além disso, não se tem

certeza de que a dívida vai

cair para permitir recuo

dos juros, se, no bojo da

PEC 241, prevê-se repasses

ilimitados do orçamento

para empresas estatais não

dependentes, de modo a

permiti-las lançar debêntures

para vender, com desconto

de 60% e juro de 23% ao ano,

Dívida Ativa recebida como

cessão de crédito, para

engordar sistema financeiro?

 

pec-da-catastrofeA era glacial, que a PEC 241 impõe, coloca em risco qualquer investimento empresarial, simplesmente, porque faltarão consumidores.

Os bancos já anunciam suspensão de créditos consignados, que estavam sustentado demanda, especialmente, dos aposentados.

A destruição da demanda sinaliza colapso da eficiência marginal do capital(lucro), sem a qual, como disse Keynes, não é possível despertar, no empresário, o seu espírito animal investidor, no ambiente capitalista.

 

Como o capital vive de

expectativas e estas deixam

de existir no ambiente de

retração geral de demanda,

falar em investimento,

sem o qual não há

arrecadação tributária,

para sustentar programas

sociais, é achar que é

possível ao afogado

se salvar puxando os

próprios cabelos.

 

pec-da-catastrofeTalvez, apenas, comentaristas econômicos da Globo achem possível retomada do crescimento com o aprofundamento da catástrofe.

FHC passa, portanto, a ser o segundo tucano a entrar em cena para alertar o governo contra a radicalidade neoliberal.

O governador paulista Geraldo Alckmim, antes do primeiro turno da eleição municipal, já havia mandado recado para o presidente, dizendo serem exageradas as medidas neoliberais.

Pressionado pelos bancos e pelo FMI, mas apoiado por uma base eleitoral insegura, sanguessuga, que cobra preço alto pelo apoio, a vitória preliminar veio na segunda feira, com a aprovação da PEC da morte.

Porém, não passou dois dias, e o pânico tomou conta do Planalto, depois das reações do próprio PSDB, na voz de FHC.

A leitura possível é a de que depois desse alerta do ex-presidente tucano, que levou Temer à Globo anunciar flexibilização no arrocho fiscal, dificilmente, os senadores repetirão o comportamento dos deputados, na votação de primeiro turno.

No Senado, a postura insegura de Temer, expressa na total falta de certeza sobre o que pode acontecer, na medida em que a população sentir no bolso o efeito do arrocho, será lida como solicitação de ajuda para busca de alternativa política.

Afinal, na Câmara, o clima emocional é de pura irracionalidade.

2 respostas para “FHC, o golpista, muda cabeça de Temer. PEC da morte seria a morte das elites golpistas em 2018”

  1. SERÁ QUE O MEIRELLES FICA , AGUENTA ESSE VAI-VEM
    DE PREPÚCIO ?..
    ocg

  2. Não sou economista , mas o Decorativo está inseguro …

    OCG

Os comentários estão desativados.