Cadê extratos bancários da propina?

Por que o ministro Cardoso, da Justiça, e o procurador geral da República, Janot, não determinam a polícia federal e os procuradores divulguem os extratos bancários que foram trazidos em duas malas cheias da Suíça contendo informações sobre transferências de dinheiro sujo capaz de dar ampla explicação sobre as propinas pagas pelos corruptores aos corruptos da Operação Lava Jato que está minando a credibilidade da Petrobras? Por que os bancos que intermediaram as propinas rumos aos bancos e paraísos internacionais não podem aparecer enquanto as empresas têm seus nomes enxovalhados, sob perigo de se tornarem inidôneas para continuar atuando como empreiteiras da estatal do petróleo. Não seria, também, o caso de serem considerados inidôneos os bancos que fizeram a intermediação, conforme comprovariam os extratos levantados pelos procuradores, que, ainda, resistem em divulgá-los? Por que a grande mídia não faz essa investigação sobre os poderosos bancos, enquanto cuidam de fazer o mesmo relativamente às empresas? Será porque são devedoras desses bancos, enquanto, por outro lado, atuam para desmoralizar as empresas nacionais, abrindo espaço para as multis do petróleo, interessadas em tomar mercado das concorrentes brasileiras? Como explicar o comportamento do juiz Moro que vazou informações das empresas, mandando prender seus executivos, mas não faz o mesmo em relação aos bancos, providenciando prisão dos que os comandam, dando o mesmo tratamento? Para que servem autoridades como Janot e Cardoso?
Por que o ministro Cardoso, da Justiça, e o procurador geral da República, Janot, não determinam a polícia federal e os procuradores divulguem os extratos bancários que foram trazidos em duas malas cheias da Suíça contendo informações sobre transferências de dinheiro sujo capaz de dar ampla explicação sobre as propinas pagas pelos corruptores aos corruptos da Operação Lava Jato que está minando a credibilidade da Petrobras? Por que os bancos que intermediaram as propinas rumos aos bancos e paraísos internacionais não podem aparecer enquanto as empresas têm seus nomes enxovalhados, sob perigo de se tornarem inidôneas para continuar atuando como empreiteiras da estatal do petróleo? Não seria, também, o caso de serem considerados inidôneos os bancos que fizeram a intermediação, conforme comprovariam os extratos levantados pelos procuradores, que, ainda, resistem em divulgá-los? Por que a grande mídia não faz essa investigação sobre os poderosos bancos, enquanto cuida de fazer o mesmo relativamente às empresas? Será porque é devedora desses bancos, enquanto, por outro lado, atuam para desmoralizar as empresas nacionais, abrindo espaço para as multis do petróleo, interessadas em tomar mercado das concorrentes brasileiras? Como explicar o comportamento do juiz Moro que vazou informações das empresas, mandando prender seus executivos, mas não faz o mesmo em relação aos bancos, providenciando prisão dos que os comandam, dando o mesmo tratamento? Para que servem autoridades como Janot e Cardoso? Os documentos visíveis à disposição das autoridades ligam empreiteiras a novas empresas de fachada. Não estariam os extratos não divulgados por Janot e Moro em nome dessas empresas de fachada, com indicações dos respectivos bancos, conforme recibos disponíveis, mas, até agora, escondidos? Cadê esse material, gente?

O dinheiro transferido

para as contas dos

corruptos por parte

dos doleiros tinham

Os procuradores foram à Suíça viraram e reviraram os papeis, encheram duas malas de extratos bancários, mas, até agora, mantêm-se em silêncio. Por que?
Os procuradores foram à Suíça viraram e reviraram os papeis, encheram duas malas de extratos bancários, mas, até agora, mantêm-se em silêncio. Por que?

Pôxa, R$ 88 bilhões de contratos propinados à base de 3% de comissão!

Quem vai assinar embaixo de balanço contábil no qual se relaciona propina cuja origem precisa ser comprovada para dar transparência à apresentação e veracidade do mesmo?

Como se chegou a esse número tão preciso?

Não tinha ai bancos intermediando essa dinheirama?

Saiu tudo na mala, escondido?

Se ocorreu a intermediação, quem intermediou?

Quanto foi pago aos intermediários, os banqueiros?

Por que o ataque está sendo maciço em cima das empresas, apenas, sabendo que elas registram transferências de recursos por via bancária?

asas, sairam em

malas atravessando

estradas e mares,

ou foram

Trabuco, presidente do Bradesco, não saberia, com bastante detalhes, informações sobre propinas, no caso Lava Jato, sabendo que o banco que presidente, o Bradesco, está envolvido, conforme extratos bancários, assim como tem explicações mais minuciosas a dar sobre a esquisita transferência de dados de retirada de dinheiro de Cerveró repassados à receita federal?
Trabuco, presidente do Bradesco, não saberia, com bastante detalhes, informações sobre propinas, no caso Lava Jato, sabendo que o banco que preside, o Bradesco, está envolvido, conforme extratos bancários, assim como tem explicações mais minuciosas a dar sobre a esquisita transferência de dados de retirada de dinheiro de Cerveró repassados à receita federal?

Onde estão os recibos da intermediação?

Os procuradores do MP estiveram na Suíça, disseram que vieram de lá com duas malas de recibos, transferências, extratos, mas, até agora, não se viu nada, nenhum vazamento.

Por que?

Engraçado, o juiz Moro tem acesso a todos esses recibos apurados pelos procuradores, que chegaram a anunciar nome dos bancos envolvidos, em matéria que saiu no Valor Econômico, mas, de repente, o assunto sumiu!

Por que?

Seria possível aos procuradores, ao juiz Moro e a toda a sua equipe calcular o tamanho da propina, sem os recibos comprobatórios guardados nas duas malas que os procuradores disseram que trouxeram da Suíça?

E quem tem os registros dessa propina, o fornecedor ou o comprador, senão que ambos movimentam os seus recursos?

intermediados por

bancos? Os extratos

que encheram duas

malas dos

procuradores estão

Juiz Moro foi muito, está sendo muito, prestativo em informar à mídia dados envolvendo ações das empresas, mas, por enquanto, nada diz sobre os bancos que intermediaram os dinheiros transferidos aos bancos estrangeiros, embora os procuradores tenham vindo da Suíça com malas cheias de extratos bancários. Por que age seletivamente?
Juiz Moro foi muito, está sendo muito, prestativo em informar à mídia dados envolvendo ações das empresas, mas, por enquanto, nada diz sobre os bancos que intermediaram os dinheiros transferidos aos bancos estrangeiros, embora os procuradores tenham vindo da Suíça com malas cheias de extratos bancários. Por que age seletivamente?

Por enquanto, vem ao ar nome das empresas, como se elas tivessem o dom da ubiquidade, podem tudo, produzir, vender, pagar propina, fazer circular a dinheirama, mas não se informa os canais por meios dos quais esta circulou, embora os procuradores tenham informado do conteúdo dos extratos que trouxeram em duas malas cheias recolhidos nos contatos com as autoridades bancárias suíças.

Os depósitos feitos nas contas dos delatores, como Paulo Costa, teriam sido realizados pela empresa acusa ou pelos fornecedores, e, no caso, sendo um ou outro, onde estão os extratos?

Por que os procuradores não divulgam, urgente?

O nome das empresas podem ser enxovalhados, mas os dos bancos que produziram os extratos são preservados?

pedindo para

serem divulgados

pelo juiz Moro.

Por que

Por que?

Cerverá teve informações suas relativas a movimentações bancárias no Bradesco consideradas erro humano pelo banco. Muito esquisito. Por que logo ele um envolvido na Operação Lava Jato? Outras movimentações não teriam o mesmo destino, embora os procuradores tenham informado que entre extratos bancários de recursos transferidos constem os emitidos pelo grande banco. Esquisito, muito esquisito.
Cerverá teve manipuladas informações suas relativas a movimentações bancárias no Bradesco, que considerou erro humano do banco. Muito esquisito. Por que logo ele um envolvido na Operação Lava Jato? Outras movimentações não teriam o mesmo destino, embora os procuradores tenham informado que entre extratos bancários de recursos transferidos constem os emitidos pelo grande banco? Esquisito, muito esquisito.

O Bradesco, um dos bancos arrolados, emitiu nota informando que foi registrado erro humano em transferência de dados sobre movimentação financeira do Cerveró para as autoridades da receita federal, confundida que foi tal transferência relativa a uma empresa de Paracutu, cidade do interior de Minas Gerais!

Outros erros humanos não poderiam ter sido cometidos e, logo, em cima de um dos alvos da Operação Lava Jato?

Não é estranho?

Por que a grande mídia, de maneira uníssona, empenha-se tanto em colher informações que aumentam as suspeitas das empresas que empreitam obras da Petrobras, mas não faz o mesmo em relação aos bancos que intermediaram os dinheiros da corrupção, da propina etc?

 não o faz,

enquanto

demoniza empresas

e empresários?

Por que a Petrobras iria contabilizar roubo? A propina é roubo praticado pela empresa por funcionários que receberam grana por fora transferida ao exterior por bancos cujos extratos bancários foram colhidos por procuradores na Suíça e que reclamam divulgação para se saber o exato montante que conferiria veracidade às denúncias relativas ao roubo. A palavra está com o juiz Moro e não com o balanço da Petrobras. Se contabilizar o roubo tem que confirmar por documentos o dito cujo. Mas, não são os extratos do dinheiro à disposição dos procuradores em suas malas trazidas da Europa os capazes de confirmar o montante roubado?
Por que a Petrobras iria contabilizar roubo? A propina é roubo praticado na empresa por funcionários que receberam grana por fora transferida ao exterior por bancos cujos extratos bancários foram colhidos por procuradores na Suíça e que reclamam divulgação para se saber o exato montante que conferiria veracidade às denúncias relativas ao roubo. A palavra está com o juiz Moro e não com o balanço da Petrobras. Se contabilizar o roubo tem que confirmá-lo por documentos o dito cujo. Mas, não são os extratos relativos à movimentação do dinheiro à disposição dos procuradores em suas malas trazidas da Europa as provas capazes de confirmar o montante roubado? Por que Graça tem que assumir a responsabilidade em assinar esse balanço se tem que comprovar tim tim por tim tim o que divulgar sem que tenha condições para tal, dando mais carne para leões esfomeados empenhados em destruir a estatal do petróleo?

Ora, se os Procuradores mencionam nome dos bancos, não seria o caso de aprofundar investigações e levantar também a hipótese de que confirmadas participações deles terão, como as empresas, o carimbo de inidôneos para atuarem no mercado, sabendo que a atividade bancária é uma concessão pública conferida pelo Estado?

Os extratos bancários confirmariam ou não o tamanho da propina aos bancos para intermediar dinheiro sujo?

E esse suposto valor, tinha ou não de ser contabilizado pela Petrobras para se chegar ao fantástico número divulgado pelos procuradores de R$ 88 bilhões?

Quem vai se responsabilizar, contabilmente, por ele?

Quem vai provar por meio de recibos, de modo a permitir conferências seguras de tal valor, sem a existência de extratos comprobatórios das transferências dos mesmos por parte da fonte corruptora rumo à conta do corrompido nas diversas instâncias financeiras, nacionais e internacionais?

Tem, por enquanto, apenas, as informações dadas pelos procuradores de que vieram da Suíça com duas malas cheias de extratos, ainda, não divulgados por razões não explicadas por eles, embora tenham afirmado que fariam isso.

Já lá se vão mais de dois meses da ida deles àquele pais, para realização das investigações, mas nada foi divulgado.

Que força poderosa é essa que impede tal divulgação?

Essa informação preciosa seria ou não fundamental para puxar o novelo da corrupção que envolve a totalidade do processo corruptor do qual não poderia faltar ninguém?