Banco Global sob comando do G-20

Não há como fugir da interatividade global para organizar a anarquia financeira dada pela irresponsabilidade neoliberal que exige a coordenação da nova força internacional o G-20 por meio do Banco Global, fixando nova divisão internacional do trabalho

A crise mundial somente vai ser superada com a criação de um Banco Global com o aval da nova força internacional, o G-20.

O G-8, que tem por trás o FMI e o Banco Mundial, dispõe de poder de veto na condução dessas duas instituiçãos, criadas pela ordem internacional do pós-guerra sob domínio do dólar que faliu. Como o G-8 foi ultrapassado pelo G-20, na crise da velha ordem, os vetos dos seus financeiramente falidos integrantes – Estados Unidos, Franças, Alemanha, Inglaterra, Japão, Itália e Canadá – mais a Russia – não contribuiriam para a formação de um consenso multilateral que nasce nos escombros do desastroso dissenso unilateral.

Ou seja, o FMI e o Banco Mundial não conseguirão refluir, com credibilidade e confiança, para a praça global, os dólares e seus derivados tóxicos que estão empoçados, porque os demais integrantes do G-20 não assinariam embaixo tal proposta que não atenderia seus interesses como nova força que desponta no cenário internacional.

Os emergentes que demonstraram dispor de força suficiente para influir numa nova agenda financeira e econômica global, certamente, não concordarão com tentativa de desintoxicar os créditos intoxicados por intermédio de instituição à qual, como emergente nova força, se subordinarão ao poder de veto do G-8, a decaída velha força, dentro do FMI e do Banco Mundial.

Força multilareal de crédito abrangente

O G-20 é a nova força por meio da qual a circulação financeira internacional voltará ao normal por meio do banco global que ele criaria como alternativa de consenso plurilateralista

Se o G-20 emerge como nova força multilateral, para relativizar o poder do uniltarislismo do G-8 –  na verdade, G-7, porque a Russia tem um pé nos BRICs, Brasil, Rússia, Índia e China – , exigiria, como consequência de sua própria emergência, uma nova instituição financeira internacional da qual participariam seus novos integrantes com poder relativo a sua respectiva força em meio a um conjunto multilateral.

Somente tal conjunto multilateralista daria credibilidade à circulação monetária, para redinamizar as relações de trocas internacionais, interrompidas pela falência do sistema monetário sob o dólar e seus derivados tóxicos.

O Banco Global seria de mais donos. Os dólares e os títulos da dívida pública americana que estão nas mãos dos países emergentes e europeus seriam depositados no Banco Global que os reemprestaria a juros civilizados, compatíveis com o equilíbrio macroeconômico global sustentável no plano da produção e do consumo.

Seria necessária essa ordem, a partir da centralização do crédito e sua distribuição pela rede bancária mundial, sob coordenação do G-20, com o Banco Global, e não mais do G-8, com o FMI.

O Banco Global daria valor ao que perdeu valor porque haveria novo dono desse valor. Certamente, os Estados Unidos não teriam mais o direito de emitir sem prestar atenção às regras do G-20, comandante do Banco Global, que recepcionaria os dólares dos seus novos sócios, dando credibilidade à moeda americana, ao mesmo tempo em que reciclaria os papagaios dos créditos tóxicos.

China, Brasil, Rússia, Índia, Venezuela, México, Europa, Japão etc colocariam seus dólares no Banco Global e teriam como correspondência a força da sua própria moeda nacional, para criar, no âmbito do G-20, uma cesta de moeda , que daria nova cor monetária às relações de trocas globais.

Fracassso unilateral restrito

O G-20 foi ultrapassado pela crise e não dispõe mais de força suficiente para fazer girar o crédito mundial pelas instituições que criou no pós guerra, simplesmente, porque elas faliram e perderam utilidade, condenadas pelo utilitarismo capittalistaO Banco Global seria o irrigador e o enxugador da circulação monetária global em nome de uma nova orientação à qual os americanos teriam que subordinar, porque, simplesmente, o governo Barack Obama não teria condições de, sozinho, sem a cooperação internacional, enxugar os créditos tóxicos que o sistema financeiro americano falido jogou na praça global, afetando toda a circulação e interrompendo o fluxo de comércio.

Os deficits americanos, que se aproximam dos 4 trilhões de dólares – e que tendem a aumentar para suportar as pressões dos falidos gigantes, bancos, montadoras e multinacionais de âmbito mundial – não recomendariam ao governo americano exposição sem limites ao endividamento. O mercado recuaria em continuar comprando os títulos que tenderiam à podridão.

Se o governo americano não pode mais suportar o peso de deficits continuados, necessitará da cooperação internacional. Essa cooperação será dada pela orientação do G-20 ao Banco Global, em nome do consenso multilateral, a fim de restabelecer a circulação monetária.

Em síntese, o Banco Global conferiria credibilidade ao dólar, mas cobraria o preço da nova cooperação em forma de cesta de moedas. Naturalmente, a moeda sul-americana teria condições de nascer, não sob um real sul-americano, como anseiam mentes brasileiras imperialistas associadas ao fracasso do dissenso neoliberal e dissociadas da emergência do novo consenso multilateral.

Objetivamente, pouco importa se os bancos americanos serão nacionalizados, na pressa em que a crise impõe como dinamismo dado pela própria deterioração dela,  ou se manterão privados, ou, ainda, momentaneamente, nacionalizados para em seguida serem reprivatizados.

O fundamental é o G-20, no comando do controle monetário por intermédio do Banco Global, exerçer sua nova função história dada pela sua própria influência e força no sentido de estabelecer nova correlação de forças políticas, para fazer fluir, em sua generalidade mundial , a emergência econômico-financeira humana.

Evidentemente, a história, na crise atual, se acelera, impondo rítmo que avança sobre as relações sociais da produção, rompendo fatores históricos relativamente sedimentados mas que estão sendo ultrapassados pela movimentação da placa tectônica econômica mundial capitalista.


Crise da economia de guerra

À economia de guerra interessa que o FMI esteja no comando pois os estados unidos tem poder de veto nos emprestimos que oferece e dariam conta da continuidade do unilateralismo que faliuO multilateralismo, no novo contexto estabelecido pelo G-20, para tirar o capitalismo da asfixia financeira, seria ideologicamente útil para os Estados Unidos, como demonstra a política externa de Barack Obama, de sinalizar distensões, ampliar cooperações , para tentar encurralar as forças unidas do sistema financeiro internacional com a indústria da guerra bancada pela expansão dos gastos públicos. A contabilidade americana expressa em deficit de mais de 4 trilhões de dólares esgotou.

O Banco Global, orientado pelo G-20, não seria o canal adequado para a indústria da guerra ir buscar dinheiro em forma de gastos públicos expresso em emissão monetária cuja conta é cobrada do contribuinte. Essa tarefa, como deseja a pregação das forças conservadoras dos falcões da guerra americanos, teria que ser facilitada pela extensão das regras unilateralistas, que interessariam dispor do FMI, para reciclar os créditos tóxicos. Dessa forma, seria desafogado o tesouro americano, para continuar imprimindo dólares sem lastros, a fim de sustentar o capitalismo mediante economia de guerra.

O G-20 representaria obstáculo real a essa lógica imperialista que predominou até W. Bush. A Casa Branca, com a emergência da bancarrota financeira, perdeu fôlego para endividar, indefinidadamente, como algo adequado aos interesses da indústria da guerra. Se, por exemplo, Israel voltar a atacar os palestinos na escala em que atacou, de forma racista, até às vésperas da posse de Barack Obama, em 20 de janeiro, significará declaração de guerra a Obama. O presidente americano estaria diante de dois fogos: ou teria que fortalecer os laços militares com os judeus sionistas fanáticos ou partir com tudo para a formação do estado palestino sob consenso internacional.

Ou seja, o Banco Global, dominado pelo G-20 não sairia em socorro a Obama, para aliviar os deficits americanos, trabalhando para enxugar créditos tóxicos, a fim de satisfazer interesses que estão por trás das parcerias entre as forças armadas americanas e as forças armadas israelenses ao longo dos últimos cinquenta anos.

Dólar afunda sem cooperação

Isolado e com seus créditos podres empoçados, o governo americano precisa urgemente da cooperação por meio do G-20, para não ter que enfrentar grande bancarrota financeira que destruiria o dólarO estresse deficitario financeiro americano dificilmente suportaria pressões para priorizar a guerra quando a prioridade nacional, do ponto de vista da população, seria tirar a economia que, desde o pós segunda guerra mundial, depende da expansão dos gastos com guerra, para formação e solidificação do Estado Industrial Militar Americano, conforme caracterizado por Eisenhouwer, em 1962. A economia de guerra que dependeu fundamentalmente do poder americano de emitir moeda sem lastro ao longo de todo o século passado encontrou seus limites na grande crise financeira internacional.

Os instrumentos que a ordem mundial que estabeleceu a divisão internacional do trabalho sob dominio do dólar a partir de 1944, em Bretton Woods, criou foram por água abaixo. Essa ordem se assentou com a predominância dos Estados Unidos, no plano econômico, criando o FMI e o Banco Mundial; e no plano político, dando as cartas imperialmente no Conselho de Segurança da ONU.

Em ambos os assentos os americanos estabeleceram poder de veto para eles e seus aliados. Essa ordem criou o chamado G-8. A nova ordem, que nasce nos escombros do G-8, detonado pela crise mundial, tem o G-20 por representação política e o Banco Global, por expressão econômico-financeira.

Essencialmente, a função do Banco Global será a de redistribuir as bolas de gude que estão empoçadas em uma só mão. É a velha história do menino bom de jogo de bola de gude, as biloquinhas. O cara ganhava todas. Acabou ficando com elas sozinho sem ter com quem jogar. Precisou distribui-las, de novo, para reiniciar a partida.

Essa é a tarefa socratina do Banco Global sob comando do G-20. Sócrates, genial, disse que a metade é maior do que o todo. Quem tem o todo, explicou, tem todos contra sí. Quem distribui , tem todos a favor de si.

Fora disso é a guerra, é o unilateralismo, que esgotou, em favor do multilateralismo do G-20.

Caras e caros,
perdão por ter cometido erro histórico na matéria sobre o câncer da ministra Dilma quando destaquei que Petrônio Portella se preparava para suceder Figueiredo, quando na verdade, foi para suceder Geisel. Não foi possível porque ele morreu de infarto antes. Tive que aprender com o excelente coleguinha Rubinho Azevedo Lima, em sua coluna no Correio Braziliense, a lição da correção dele e do erro meu. Lamento ter irritado vocês por terem vomitado uma mercadoria sem valor. Perdão para o imperdoável, a distração. O bom da internet é que a gente pode corrigir, fugindo daquela danação eterna de que não existe o verbo desimprimir quando o erro sai na letra impressa. Mais uma vez, perdão,
césar