Câncer combina razão e emoção na sucessão

O câncer em Dilma se transpõe para a realidade brasileira demonstrando que o estado cancerígeno pode dispor de várias facetas que tendem a despertar a sociedade para combatê-lo em suas manifestações físicas e simbolícas, afetando o organismo social da nação em sua totalidade dialética

O câncer linfoma em gânglio linfático na axila esquerda da ministra Dilma Rousseff, que a obrigará submeter-se, durante quatro meses, a tratamento quimioterápico via catéter de longa permanência, poderá mexer com as emoções e sentimentos do país e produzir fatos políticos em que razão e emoção tenderiam a evoluir-se conjugadamente em meio a um processo eleitoral antecipado pelo próprio presidente Lula, pego, em outubro do ano passado, no contrapé, pela crise financeira internacional, que jogou a economia mundial e brasileira no chão, e, agora, pela preocupante notícia sobre a saúde da sua candidata preferida.

Os partidos políticos se alvoroçam, naturalmente, porque o poder não permite o vácuo, cujo preenchimento é buscado pelas oportunidades abertas pelos imprevistos ou pela imprevidência, como, também, pelas estratégias erradas, cujos efeitos precipitam-se em fatos novos, desmanchando acertos e acordos, para abrir novos e inusitadas armações antes não pensadas, mas que avançam independente de vontades fortemente estabelecidas. A grande crise mundial, entre outras coisas, pode revelar caixas de inúmeras surpresas econômicas, sociais e , sobretudo, políticas.

Por exemplo, haverá nos próximos meses eleições em diversos países europeus, que vivem bancarrota financeira, gerando distorções econômicas e políticas superestruturais. Marx voltou a ser sensação política européia. Até Datena, no seu programa de sangue, diz que Karl Marx poderia colocar ordem na bagunça em que se transformou o capitalismo. Virou O CARA. Se houver bruscas mudanças de mesa, no campo europeu, o vácuo produzido por eventual saída de Dilma de cena ou a sua rápida recuperação, certamente, desejada por todos, gerará, no curso de novo clima político mundial que as eleições européias sinalizariam, intensa motivação para reproduzir discursos novos que ganham a cena mundial no rastro da decadência do capitalismo financeiro especulativo. Emergiria a defesa de nova libertação dos escravos, agora, pedindo supressão dos juros, a nova escravidão.Poderia pintar novo movimento tipo Diretas Já, versão 2009.

Caso resista bravamente ao câncer e os rumos políticos se adequem ao perfil dilmista de avançar com o Estado para construir a infra-estrutura nacional e a integração sul-americana, Dilma, no novo cenário de crise global em que o Brasil se destaca como liderança mundial, teria atrás de si a força simbólica de poder vir a ser a primeira mulher a vencer o câncer e ainda assim ganhar nas urnas o comando do gigante sul-americano que emerge com outra personalidade, dada por discurso feminino de independencia econômica nacionalista-sulamericana.

O processo cancerígeno, no entanto, está com a palavra, por enquanto, ao mesmo tempo em que o câncer moral entra em campo devastando a reputação geral da classe política na farra das passagens e dos juros altos sob judiciário em crise.


Hora da força sobre-humana

O cancer disseminou-se como segunda maior molestia que ataca os brsileiros e brasileiras, sendo seu tratamento algo que se incorpora no cotidiano de famílias pelo país afora, sem condições de assustar nem menosprezar avanços da ciência e da tecnolgoia que controlam sua incidência até sua supressão As informações dos médicos dão conta do caráter inicial do câncer e das grandes chances de ser superado. No caso do da ministra Dilma, elas alcançam até 90%, como destacaram os doutores. Tal situação impele a titular da Casa Civil a uma dança tocada pela sua própria melodia, que se traduz, essencialmente, na sua força de vontade, que, não raro, nessas ocasiões especiais do sentimento humano, transforma-se em guindastes que suportam pesos e pressões inauditas, constituindo-se em fator heróico, cujos efeitos são atrações emocionais de solidariedade intensa.

Dizem, a respeito dos desconfiados mineiros, herdeiros dos jogos de esconde-esconde das descobertas do ouro nas Gerais, no tempo das conquistas territoriais em solo nacional, pelas entradas e bandeiras, que são seres humanos solidários somente no câncer. Seria o momento de provação da tese, diante de uma personalidade que se encontra exposta à luz permanente dos meios de comunicação, depois que o titular do Planalto a lançou candidata a sua sucessão, sem maiores discussões dentro do seu próprio partido. Deu uma de Perón lançando sua Evita.

Evidentemente, se houver necessidade de que haja limitações físicas à ação administrativa da ministra na tarefa hercúlea de implementar o PAC em meio à crise financeira internacional, fonte inesgotável de estresse, não será possível heroísmo continuado, quando o bom senso reclama comportamento oposto. Ele continuaria trabalhando normalmente, destacaram os médicos, mas o rítmo, subordinado à necessidade dela de reservar quatro horas diárias para a quimioterapia, diminuirá, necessariamente. Caso contrário, representaria temeridade, com efeitos capazes de gerar controvérsias traduzidas em especulações políticas sobre o estado de espírito da própria ministra no sentido de sobrecarregar-se em suas tarefas, algo inquietante.

Novos tempos,hábitos e discussões

O enfarte de Petrônio Portela se transformou em tabu e produziu a morte do ministro que era cotado para ser candidato dos militares à sucessão de Figueiredo. O temor da enfermidade e a possibilidade de tirar ele do pareo produziu o desastreAo contrário de Portela, Tancredo escondeu a doença depois que havia alcançado o poder, escondendo-a, apenas, para garantir a posse, mas foi pego pelo destino, que não consentiu abusosO ex-ministro Petrônio Portella, no Governo Geisel, cotado para ser candidato da ala moderada distencionista dos militares à sucessão presidencial, em 1980, escondeu grave enfermidade – ataque cardíaco – para não despertar motivações que o eliminariam da corrida sucessória. Pagou com a vida a precipitação doida cavada pelo desejo despertado pelo poder. O mesmo aconteceu com o experiente Tancredo Neves, que, antes de ter sua diverticulite aguda manifestada, para tirar-lhe a vida, nos momentos em que antecediam sua posse, adotou a falta de transparência relativa à enfermidade e, igualmente, acabou morrendo, traumatizando a nação. Os tempos são outros e não há mais como esconder nada em contexto dominado pela tecnologia da informação on line. E, da mesma forma, a visão sobre a doença não é mais um apavoramento total, dadas as conquistas da ciência no tratamento dela, como inúmeros casos comportam e como as reportagens sobre o assunto demonstrarão, de agora em diante, face à motivação irresistível. Ana Maria Braga vai deitar e rolar com os médicos especialistas.

Além do mais, o assunto câncer, que entra na hora do dia no Brasil, não apavora mais os lares brasileiros como outrora, visto tratar-se da segunda maior moléstia causadora de 13% dos óbitos, no país, segundo o Instituto Nacional do Câncer(INCA). Perde apenas para os casos de hipertensão, enfartes e diabetes.

Se a oposição(PSDB-DEM-PPS) forçar a barra ou se dentro da coalizão governamental(PT-PMDB-PSB-PDT-PC do B-PTB-PR-PP-PSC) houver excessiva excitação para que haja desestabilização precoce do nome de Dilma Rousseff, os dilmistas poderão politizar o assunto com a pregação do agouro oposicionista ou coalizacionista precipitado. A emenda poderia ficar pior do que o soneto. Muita calma nessa hora.

O trauma do câncer na ministra, principalmente, poderia representar motivação para ampla discussão quanto a eficácia , para a saúde humana, da alimentação atual do povo, produzida mediante ação de produtos químicos cujos efeitos sobre o organismos são os de detonarem diversos tipos de doenças, entre as quais, com destaque, o câncer.

As bonitas embalagens dos alimentos nas prateleiras luminosas dos supermercados, procurados pelo estímulo decorrente de bilhões e bilhões de reais gastos em propaganda consumista enganosa, escondem, como destaca o professor Tomio Kikuchi, presidente do Centro Internacional de Auto-Educação Vitalícia, verdadeiros venenos cancerígenos, como demonstram investigações dos órgãos públicos especializados.

A agroindústria nacional é toda ela bombada por produtos químicos cujas investigações de laboratórios guardam alertas de perigos para a saúde humana. Os consumidores europeus e americanos, por exemplo, resistem, legalmente, à importação de produtos alimentícios plantados com agrotóxicos, a base da agroindústria nacional cancerígena. Os brasileiros e brasileiras estão na linha de tiro do câncer, permanentemente, sem grandes discussões nos meios de comunicação.

Dois pesos, duas medidas

A partir dessa semana os bastidores do Congresso terão que debater, além das suas vergonhas expostas pela farra das passagens, o destino da ministra Dilma e sua candidatura, assediada pelos temores e esperanças de adversários e aliados, com vista à sucessão de 2010O fato é que o câncer em Dilma cria não apenas fato político novo que dependerá do seu próprio desenvolvimento. Abre possibilidade, também, para que as diferentes correntes do pensamento que norteiam os assuntos relativos à saúde do povo se evidenciem, mobilizando consciências que se traduziriam, igualmente, em outros fatos políticos que exigiriam novas posturas do governo no trato da saúde pública. A motivação, claro, seria, simplesmente, porque , agora, está em jogo a saúde não dos pobres e desconhecidos que lotam as filas dos hospitais sem verbas públicas, contingenciadas, orçamentariamente, para sobrar mais dinheiro ao pagamento dos juros. Ao contrário, está em cena a saúde de uma famosa cancerígena, a ministra Dilma, que reclamaria tratamento especial. O poderoso e o sem poder algum estão no mesmo barco.

Tal tratamento especial, acompanhado de presteza e celeridade, contrasta com o tratamento dado ao povo pela política de saúde pública brasileira. O brasileiro ou a brasileira comuns que chegam aos hospitais públicos desaparelhados, com o problema que a ministra Dilma se apresenta, precisa de horas e horas de paciência para ser atendido-da, sofrendo humilhações sem fim. Aos setores de saúde faltam recursos que são contingenciados sistematicamente em nome de prioridades conferidas aos credores do governo. Estes, ao contrário, estão protegidos constitucionalmente de terem os recursos destinados ao pagamento dos serviços da dívida contingenciados. O artigo 166, parágrafo terceiro, ítem II, letra b, da Constituição cidadã de 1988, reserva tratamento diferenciado nesse aspecto.

Os banqueiros, que, também, morrem de câncer, não podem ter suas verbas contingenciadas. Já os cidadãos, que necessitam dos serviços oferecidos pelo Estado, mediante arrecadação tributária formada com dinheiro do contribuinte, são sucateados. São cada vez mais intermitentes os contingenciamentos dos recursos orçamentários à saúde, como pregam as regras do Consenso de Wasinhgton, que, embora tenha sido enterrado na reunião do G-20, no Brasil segue, com seus conceitos ultrapassados, escravizando o povo. Dois pesos, duas medidas.

Pagam os doentes e necessitados, sob o governo lulista,  o preço cobrado pelos credores de imporem redução dos recursos do orçamento não-financeiro, para que sobre mais dinheiro a ser canalizado ao vampirismo do orçamento financeiro, no âmbito do orçamento geral da União, dividido em dois pelo Consenso de Washington, cadáver insepulto que sobrevive nas regras orçamentárias da União.

Injustiça total. Racismo econômico. Para o orçamento financeiro, que interessa aos bancos, prioridade um; para o povo, que se espreme no orçamento não-financeiro, sucateado e contingenciado, prioridade zero. Resultado: de um lado, lucros fantásticos para os bancos; de outro, carências gerais de saúde, educação, segurança e de infra-estrutura em um pais em que quase tudo ainda está por fazer, ao contrário dos países ricos em que tudo já se encontra pronto e ameçado pela grande crise.

Precisaria haver pressa para tratamento de emergência em pessoa da elite política, do porte de Dilma Rousseff, para que as coisas e os tratamentos das pessoas normais sejam enxergados como totalmente vergonhosos na rede de saúde pública na Nova República neoliberal moldada pelo Consenso de Washington.

Dilma mereceu celeridade na apreciação da sua enfermidade. Já as mulheres em geral, pobres, que apresentam problema semelhantes, são colocadas em segundo, terceiro ou quatro plano, como demonstram as reiteradas reportagens sobre a escassez de recursos para a saúde no Brasil.

Não seria nada mal se a moléstia que ataca a ministra Dilma a fizesse porta-voz de uma nova política de saúde para o Brasil, livre os contigenciamentos para engordar banqueiros. Certamente, ampliaria a solidariedade popular à sua causa pessoal que passou a intranquilizar a sociedade em geral e o mundo político em particular.

Crescer ou crescer na adversidade

Aécio Neves e José Serra possíveis adversários dentro do PSDB ou possíveis aliados contra Dilma passam a viver as expectativas do desdobramento da enfermidade da ministra da Casa Civil , que pode evoluiur ou involuir, abrindo novas expectativas, seja num aspecto ou noutro, dada a evolução dos acontecimentosSe a doença for plenamente superada pela conjunção da dose dupla de técnica e emoção dada pela força interior movida para vencer o desafio, a possibilidade de a ministra crescer na campanha tornar-se-ia cada vez mais completa e irresistível. Como disse o reporter Gerson Camaroti, da Globonews, fatores políticos seriam comandados por reações emocionais determinadas pela disposição férrea de Dilma de vencer os obstáculos, tendo como cúmplice a população, solidária com sua luta, especialmente, por parte das mulheres, que correspondem a 51% do eleitorado nacional.

No entanto, se houver necessidade de tempo para o tratamento em função de fatores que recomendariam essa providência, o vácuo se imporia e outros candidatos dentro da coalizão governamental poderiam emergir. Nesse caso, como a política é, permanentemente, uma caixa de surpresa, de escândalos e horrores, como demonstram os congressistas, sob comando de lideranças fracas e desacreditadas,  outros personagens extra-coalizão governamental, cogitados para entrar nela a fim de candidatar-se em seu nome, poderiam entrar em cena, dando novo colorido ao processo eleitoral.

Esse poderia ser o caso, como tem sido, reiteradamente, especulado, do governador de Minas Gerais, Aécio Neves. Ele tenta ser candidato pelo PSDB, mas poderia, também, se transferir para o PMDB, a fim de ficar dentro da coalizão governamental e tornar-se candidato, algo que não está conseguindo emplacar dentro do tucanato. Está tendendo a perder a parada pela indicação com José Serra, governador de São Paulo, considerado, maquiavelicamente, pelo presidente Lula ideal para disputar com Dilma Rousseff.

O titular do Planalto, talvez, ao declarar que seria um luxo para o país haver disputa Dilma-Serra, dadas as capacidades de ambos para exercerem o papel de chefe político da nação, tenha, inconscientemente, exposto a verdade de Freud, de que as palavras servem para esconder o pensamento. Seu temor não seria a disputa Dilma-Serra, mas o embate Dilma-Aécio, cuja capacidade de articulação e aglutinação, dadas as características históricas de Minas Gerais, para exercitar o papel de conciliação entre as classes sociais, poderia ser mais ameaçadora para o propósito lulista.

A ministra cancerígena ergue-se, portanto, diante de uma realidade emocional que tende a evoluir-se , porque, evidentemente, a pauta, agora, será a de acompanhar a evolução dos casos de câncer em gânglios linfáticos, cuja ocorrência as estatísticas levantadas cuidarão de dramatizar os problemas, tanto aqueles que foram suficientemente superados, como os que se sucumbiram, sem conseguirem ser tratados com eficácia.

Saúde, paz e amor, ministra!