Globo(quem diria!) estimula chavismo

Transversalmente, o jornal Globo, na linha neoliberal, está, curiosamente, apostando suas fichas políticas no movimento chavista nacionalista sul-americano. Se não aposta, estimula. A possibilidade de estar caminhando nesse sentido fica explícita com sua posição tendenciosa e alienada relativamente a providências econômicas do governo Lula que estabilizariam a economia e a sociedade, na hora de crise aguda, como é o caso da decisão governamental de incrementar os gastos sociais como prática econômica anticíclica, bombando o Programa Bolsa Família. Critica a providência que evitaria aprofundamento da deterioração econômica e social, dada pela crise mundial, levando ao avanço do desemprego e dos movimentos sociais em escala considerável com o discurso nacionalista chavista que tanto o sistema global esculacha, temendo avanço da promessa de democracia participativa bolivariana revolucionária na América do Sul.

O Globo combate ideologicamente o presidente da Venezuela, Hugo Chavez, mas condena decisões lulistas que arrefeciariam, no Brasil, caminhada chavista, expressas em melhor distribuição da renda como principal antídoto da crise, traduzido no investimento no Bolsa Família. Os herdeiros de Roberto Marinho atiram num rumo, mas podem acertar em outro, contrário aos seus próprios interesses. Qual seria o interesse dos Marinhos, fomentar Chavez ou opor-se a Chavez?

A manchete do Globo, quinta-feira, 29.01, “Lula amplia Bolsa Família um dia após cortar orçamento”, induz o leitor a concluir que o programa social é mero gasto público sem vinculação com a economia e a crise que amplia o desemprego, portanto, ônus para a sociedade, que, no ambiente de contenção de despesas, exigiria austeridade e corte de gastos e não ampliação deles. Os comentaristas globais carregaram a mão sobre o assunto, enfatizando, pelo tom da apresentação da (des)informação, ser a decisão inconveniente à luz dos acontecimentos, cujos desdobramentos não são possíveis, por enquanto, de serem contidos em sua arrancada deflacionária autodestrutiva do capitalismo mundial.

Correram os repórteres globais para escutarem a oposição. Seus oráculos pregaram prioridades – não falaram quais – e fim do desperdício. A manchete cumpria seu papel: caracterizar o programa Bolsa Família como um desperdício, criticado pela oposição, que já está em campanha para 2010, jogando contra o governo, incomodada por ele estar apertando os banqueiros, maiores anunciantes da grande mídia.

 

Alienação informativa

Na prática, a manchete global é pura alienação. Ora, se o pobre, que tem no seu cartão de crédito popular do programa Bolsa Família poder de compra para adquirir uma lata de óleo de soja, esta vai ser reposta na prateira do supermercado pela indústria que comprará da agricultura que irá ao comércio comprar máquinas, equipamentos e matéria prima. Ao mesmo tempo, o ato de consumir dos pobres, gerará circulação de dinheiro e, consequentemente, imediata arrecadação aos cofres do tesouro. 
No ato de gastar do consumidor, o governo já começa a arrecadar 40%, peso da carga tributária no lombo da população sem benefício social correspondente. Se a circulação abrange até cinco etapas – comércio, indústria, agricultura, serviços, transportes etc – , e sabendo que em cada etapa da circulação do dinheiro lançado pelo governo, entra no cofre do tesouro 40%, ocorre o milagre da multiplicação pela circulação. Se ele joga 100 reais no meio circulante, recebe de volta, no máximo, 500; no mínimo 350/400 reais. Grande negócio para o Estado, para dispor de investimentos públicos na hora da crise. Onde está o desperdício? Keynes diria: burrice global.
Na verdade, a grande mídia ainda não entendeu que o relativo desenvolvimento na Era Lula decorreu da opção lulista em matar a fome dos pobres com três refeições diárias, conforme prometeu em campanha eleitoral. Ampliando a oferta dos cartões de crédito do bolsa família terá cumprido a promessa que estabilizou relativamente a economia, por meio da distribuição da renda nacional via programas sociais. Entraria para a história.
A excessiva concentração da renda nacional, característica do modelo concentrador de renda e poupador de mão de obra, foi, sob Lula, melhor atacada socialmente. Ao colocar em circulação 50 milhões de quilos de comida-dia no mercado por meio do consumo dos miseráveis, keynesianamente, bancado pelo governo, o presidente Lula deu uma virada qualitativa na economia capitalista brasileira, relativamente, ao status quo colonial predominante de Cabral a FHC. Antes predominava capitalismo sem consumo, sustentado, apenas, pelos subsídios estatais à classe média consumista. Depois, com Lula, passou a predominar o consumismo popular, antes inexistente. De barriga cheia o miserável empreendedor vou ganhar um trocadinho a mais para consumir mais etc. Pragmatismo lulita distributivista é a contribuição histórica do operário que chegou à presidência da República, no panorama histórica da super-concentração da renda nacional.
Até então, ganhavam keynesianismo estatal apenas as empresas por meio do BNDES, o hospital-empresarial criado por Getúlio Vargas para tomar conta dos falidos empresários nacionais, eternamente dependurados na teta nacional.
Como disse Delfim: “Se não fizer chover nas cabeceiras….” Lula passou a chuviscar, também, para os excluídos. Evitou, garantindo comida aos miseráveis, a perigosa insuficiência crônica de consumo, subconsumismo, tema de tese de mestrado em economia nacional do governador tucano de São Paulo, José Serra.

Burguesia midiática burra

O programa Bolsa Família garantiu barriga cheia, que, segundo Fidel Castro, evita revolução. O consumo do pobre incrementou a indústria do rico. Evitou que os empresários caissem na armadilha da perversidade do modelo econômico capitalista tunipiniquim nos moldes neoliberais radicais.
A concentração da renda nacional tornara a economia dominada pelo subconsumismo, que levava sempre à formação de estoques, exigindo desvalorização cambial para exportar, cujo resultado final era hiperinflação, queda dos salários e aumento dos lucros, enfim, mais concentração.
O aumento do consumo interno, via barriga cheia da pobreza, expressa no poder de compra popular inserido no cartão de crédito do Bolsa Família, evitou a formação de estoques, valorizou a moeda e diminuiu a inflação importada, enquanto perdurou a farra da economia dos países ricos regada pelos derivativos que ficaram tóxicos na bancarrota imobiliária e bloquearam o crédito mundial, jogando o capitalismo no imponderável.  Mas, aí, é outra história. Não foi Lula que jogou o país no desemprego ascensional presente.
 
Ora, se a crise aumenta o desemprego, que reduz o consumo já afetado pela desaceleração global, forçada pela escassez de crédito, o Bolsa Família revigorado para bancar o consumo não mais dos pobres, mas, também, dos desempregados, que engordarão as filas da pobreza, mantido o rítmo violento das demissões, resultará em relativa estabilização da própria produção nacional. O Globo, ao não entender a lógica do fator anticíclico do Bolsa Família, deixa de prestar serviço ao seu consumidor, o leitor. Não o informa, aliena-o.
O governo, gastando em programa social, estará gerando consumo, garantindo a produção industrial e a estabilidade do trabalho no ABC, por exemplo, onde gesta a insatisfação social, no ritmo deflacionário que vai destruindo, primeiro, os salários, em seguida, o capital.  O Globo ainda não entendeu que a inflação, sim, aleija, mas a deflação, mata. Escolha de Sofia. Os globais vêem a inflação sem o seu conteúdo político, de evitar a emergência do socialismo, como diz Lauro Campos, em “Inflação, instrumento de controle social”.
 

Governista ou oposicionista?

A manchete do Globo é totalmente desfocada da realidade. É pura ideologia marginalista. Dá o discurso errado para a oposição, que, sem discurso, está pegando qualquer porcaria. 
É, o poder global, quem sabe, manipulando o PSDB e o DEM, pode estar sendo útil para o presidente lula, embora simule querer destruí-lo. O tiro poderia sair pela culatra, se o Bolsa Família, engordado para sustentar o consumo que está sendo destruido pelo avanço do desemprego,  começar a esvaziar os estoques acumulados do setor privado.
A grande mídia colonizadamente está aplaudindo, sem restrições, o keynesianismo explícito  do presidente eleito Barack Obama. A cobertura do Congresso americano está mais quente do que a cobertura do Congresso nacional, onde o PMDB poderá ter , de agora em diante, Sarney com cara de Ulisses Guimarães, aaargh.
Já, relativamente, a Lula, o poder midiático impõe seguidas restrições, como se as finanças do governo americano não estivessem mil vezes piores do que as do governo brasileiro, cercadas de desconfiança global. Os governos dos países ricos demonstraram à grande mídia que não seguem o discurso que ditaram para ela relativamente aos países pobres. Por que os pobres não poderiam então seguir o exemplo dos ricos visto que a pregação deles para o mundo entrou em colapso?

Lula repete Getúlio sob ataque burguês

Getúlio Vargas, se vivo fosse, leria a manchete do Globo, coisa que Lula disse não gostar de fazer, deixando a tarefa para Franklin Martins, e concluiria: “Estou querendo ajudar esses capitalistas burros brasileiros e eles não estão entendendo”. Se o Bolsa Família não for acionado , o desemprego avançará, incontrolavelmente, e as barricadas urbanas serão levantadas, imediatamente, sinalizando guerra civil e emergência socialista. 

A manchete do Globo demonstra que a inteligência global não percebeu que o Estado, como disse Malthus, é o complemento da demanda que não se realiza pelo setor privado, visto que sua lógica é a de promover, no capitalismo, crônica insuficiência de consumo, de um lado, e sobreacumulação de capital, de outro, como diz Marx em O Capital.

Roosevelt é endeusado pela grande mídia por ter mandado plantar cactus no deserto de Tennesses, como forma de gastar para gerar consumo e arrecadação para o governo investir, mas, se Lula faz a mesma coisa com o Bolsa Família, é sacaneado como promotor do desperdício. Medidas anticíclicas não podem ser adotadas pela periferia capitalista, apenas pelo capitalismo cêntrico. 

Estado é capital

O fato é que, como diz Lauro Campos em “A crise da ideologia keynesiana”(Campus, 1980), um clássico da economia política,  o Estado é capital. O dinheiro estatal na economia monetária, que substituiu o padrão ouro do século 19, para salvar o capitalismo da crise de 1929, movimenta a circulação e eleva a arrecadação. 
Como representa desperdício, se , na circulação, o capital estatal arrecada 40% de imposto, que vai proporcionar investimentos públicos e consumo para bancar o setor privado, que está afogado na falta de demanda, em meio à derrocada global?
A incompreensão da grande mídia relativamente ao papel dos programas sociais, na Era Lula, de estabilizador do poder da própria burguesia nacional, eternamente, falida nos cofres do BNDES, é dada pelo vício do pensamento mecanicista midiático que raciocina como se a realidade fosse a priori dada por modelos matemáticos, sem perceber que a matemática, como disse Hegel, se realiza no exterior da realidade, não podendo, pois, determiná-la.  
Na prática, os programas sociais, na fase do capitalismo em que o emprego acabou, como destaca Jeremy Rifikin, em “O fim dos empregos”, são os bombeadores do consumo dos que ficaram excluídos socialmente. Como ainda lhes restam uma função essencial, sob o capitalismo, ou seja, a de consumir, pois , os pobres consomem, na medida em que tal consumo for assegurado, a insuficiência de consumo, que tende a destruir o capitalismo, como reconheceu Malthus,  estaria arrefecida, salvando o próprio sistema. 
Mas, vai tentar colocar essa dialética na cabeça global…. Perdidos no vendaval das falidas ilusões econométricas dos modelos capitalistas de reprodução do capital em condições ótimas de temperatura e pressão equilibristas, sujeitas a chuvas e trovoadas, os globais tentam adicionar mais neoliberalismo no fracasso neoliberal tóxico explícito. Inteligência global é isso aí.