Moratória americana à vista

A situação da economia mundial ficou tão crítica diante da evidência de que o sistema bancário americano está, totalmente, falido, que pode caminhar para um beco sem saída, levando o novo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama,  a decretar moratória, como última alternativa capaz de remover os títulos podres que bloqueiam o crédito internacional e a sobrevivência do capitalismo, perdido no vendaval da especulação desenfreada, sem regras, estimulada pelo próprio governo. Os tombos seguidos da bolsa, depois da posse de Obama, sinalizaram o contexto explosivo.

 

A moratória, que já aconteceu outras vezes, na história americana, no século 19 – em 1971 a desvinculação do dólar do ouro foi um beiço fenomenal no mercado – , seria a troca de títulos públicos emitidos pelo tesouro por títulos hipotecários-derivativos, gerados pela bancarrota imobiliária, alongando prazos de resgates, quem sabe para além dos trinta anos. O negócio ficou tão feio no mercado financeiro que somente o Estado tem moral e poder capaz de desobstruir as artérias entupidas do crédito, sem o qual o sistema capitalista implodiria geral. Seria fundamental apoio político, o que não aconteceu, por exemplo, no Brasil, em 1986, com o ex-presidente José Sarney, primeiro presidente da Nova República.

Configura-se o que vários economistas, ao longo dos últimos anos, têm alertado: que o deficit americano, chegando perto dos 7% do PIB de 14 trilhões de dólares, alavancou dívidas, por meio do sistema bancário, desregulamentado, mais de 50 vezes superiores ao próprio deficit. Especialistas, como o economista Adriano Benayon, professor da Universidade de Hamburgo, autor de “Globalização versus Desenvolvimento”, dão conta de que o estoque de títulos de crédito, inclusive derivativos, ultrapassa 500 trilhões de dólares, incluídos os chamados “junk bonds”, títulos podres. 

Os ativos financeiros cresceram de 150% do PIB, em 1980, para 400% em 2005, nos países ricos do chamado G7, segundo David Roche, presidente da Corretora Independent Strategy, de Londres. Os ativos financeiros, no mundo, superavam 118 trilhões de dólares, em 2004, 10 vezes mais que o total registrado em 1980, representando 3 vezes o PIB mundial, segundo relatório do McKinsey Global Institute. 

A proliferação é muito maior, incluindo os derivativos, títulos podres imobiliários, estimados em 278 trilhões, calculados pelo BIS, o banco central dos bancos centrais. Ao lado disso, no mesmo contexto, o endividamento das famílias americanas é superior a 25 vezes a sua base salarial. A podridão creditícia fictícia implodiu geral  no mercado imobiliário.

 

Falência explícita

Os bancos americanos, detentores dos papeis, por eles mesmos emitidos, sem controle do Banco Central americano, repassaram-nos para frente, especialmente, aos banqueiros europeus e japoneses. Estão todos micados. Em tal situação, perderam a capacidade de fazer fluir a circulação capitalista, simplesmente, porque ninguém acredita em ninguém, sabendo que todos estão falidos e mentindo uns para os outros, batendo às portas do governo por socorro.

Somente o governo, como poder institucional que se sobrepõe, subjetivamente, sobre as categorias sociais em conflito pela renda que se perdeu na crise, seria capaz de reiniciar o jogo, distribuindo bolas para os agentes econômicos, enquanto, por pressão social, política e econômica, vai entrando, mediante emissão monetária, no capital dos bancos privados, a fim de reanimá-los.

Emerge situação qualitativamente diferente na gestão do Banco Central dos Estados Unidos, em face do avanço financeiro estatal no campo econômico, para reanimar o crédito. Antes, o tesouro americano emitia os títulos da dívida pública que os bancos privados compravam com o dólar emitido por eles. A emissão de dinheiro não é atributo do tesouro, mas dos banqueiros privados. Kennedy tentou reverter essa situação. Acabou assassinado. Lindon Johnson, ao assumir, reverter a medida Entretanto, com a crise atual, os banqueiros , perdidos na alavancagem exagerada da sua base de crédito, passam a depender do tesouro, que entra na circulação dos bancos privados, cobrando o pedágio expresso em maior participação acionária do Estado no capital privado.

Tal mecanismo, forjado pela crise, torna-se única forma capaz de permitir ao governo americano encaminhar solução para os créditos podres que impedem abertura de novos horizontes para o capitalismo americano e mundial. Como a absorção da montanha de dinheiro especulativo não poderá ser feita de uma vez só, pois implicaria em implosão inflacionária global do tesouro tanto americano como dos demais países capitalistas, a jogada seria flexibilizar no tempo a renegociação do papagaio financeiro. 

Renegociar – moratoriamente – é preciso. Adam Smtih, em “A riqueza das nações”, é claro: dívida pública não se paga, renegocia. A capacidade de o tesouro americano endividar-se, seguindo o remédio keynesiano, expresso no avanço dos gastos governamentasis, dependeria, fundamentalmente, da moratória. O que era problema, alardeado como calote, pelos analistas em geral, pode representar solução.

 

MacCaim emplaca proposta

A moratória tende a avançar, nas próximas semanas, como forma de impedir a expansão do desemprego. São 11 milhões de demitidos, nos Estados Unidos. No Brasil, somente, em dezembro, foram 650 mil para o olho da rua. Na Europa, a Alemanha prevê 2009 como pior do que 1949, no pós-guerra. No Chile, que depende da exportação de cobre, a miséria emergiu violentamente, com quebradeira impressionante no comércio. A China está em rítmo cada vez mais lento, sinalizando explosões sociais que implodiriam o sistema misto de socialismo-capitalismo-ditatorial etc. As negociações entre empresas e sindicatos tendem à explosão política ideológica.

A solução de renegociação geral, que se expressaria em ação governamental via moratória, foi, aliás, proposta, em campanha eleitoral, pelo adversário de Barack Obama, o republicano John MacCain. Ele perdeu a batalha eleitoral, mas pode ganhar a guerra. Disse que não haveria outra saída, senão o perdão da dívida dos mutuários que não poderão pagar. Sem condições para tal, os bancos que os financiaram ficaram na mesma situação, ou seja, com dinheiro no caixa que não tem nenhum valor porque a garantia, as casas, foi perdida com a violenta queda dos preços especulativos.

A tarefa do governo Obama seria, fundamentalmente, restituir a interrompida confiança na relação creditícia entre vendedor e comprador, não porque as duas partes tenham entrado em conflito intransponível. Pelo contrário. A culpa não é deles, mas do sistema financeiro, que extrapolou às regras para fazer negócios fictícios, cuja durabilidade se extinguiu na derrocada do mercado imobiliário.

O presidente americano ficou numa sinuca de bico. Ou programa rapidamente a moratória, com a autoridade do Estado, tornando-se oligopólio financeiro, para tirar do atoleiro o oligopólio financeiro privado, limpando seus passivos entupidos pelos “junks bonds”, títulos podres, ou poderá enfrentar corrida bancária. A necessidade urgente de socorrer, há uma semana, o maior banco americano, o Citibank, de falência irremediável teria que ser repetida, sucessivamente, pois a banca privada, como destaca o economista americano Nouriel Roubini, está, literalmente, falida. Sobrevive como mera representação aparente sob amparo indispensável do governo.

Como o governo precisará, não apenas de desbloquear o crédito interrompido, mas, também, de elevar os gastos governamentais para puxar a demanda global, visto que o setor privado perdeu força para executar tal tarefa, se não remover os títulos podres, jogando seu resgate para as calendas, não teria a menor condições de cumprir o papel que a sociedade dele espera no momento de estresse total da crise mundial. 

A necessidade de continuar se endividando, como prega o economista Paul Krugman, prêmio nobel de economia 2008, significa , igualmente, a necessidade de ir esticando, não apenas o novo endividamento, mas, também, o antigo, expresso nos créditos podres, algo somente possível mediante moratória, expressa no avanço do poder financeiro estatal no capital dos bancos privados falidos.

A estatização bancária em marcha – o estado como sócio da banca privada, como emergência de uma grande parceria público privada financeira(PPP) – vai se transformando no maior acontecimento econômico do século 21.

 

Lula-Sarney, dobradinha na crise

O presidente Lula, que já percebeu que não haverá outra saída, senão essa, pois os grandes bancos privados, que ele convocou para ajudá-lo, na salvação dos bancos privados pequenos, fugiram da raia, agiu, durante a semana, ainda mais agressivamente. Injetou, ou seja, emitiu dinheiro, R$ 100 bilhões para engordar o caixa do BNDES, a alavanca da industrialização nacional. 

Ao mesmo tempo, passou a pressionar os bancos públicos a baixarem os juros, a fim de forçar os bancos privados a fazerem o mesmo,depois que levou o Banco Central a reduzir a selic de 13,75% para 12,75%. Oligopolização financeira estatal, igualmente, forçando a ação da oligopolização financeira privada no mesmo sentido.

Nesse rítmo, estariam em cogitações outras estatizações, como produto natural de um novo processo em marcha, no campo dos seguros, podendo, inclusive, reverter privatizações, casos as empresas privatizadas vêem bater à porta do governo para pedir socorro, como chegam as do setor privado. 

É o caso, ocorrido durante a semana, da fusão entre a Votorantim e a Aracruz Celulose, com dinheiro do BNDES, o hospital estatal-empresarial. 

O titular do Planalto não vive mais a bonança internacional que permitiu à economia brasileira, incrementada no mercado interno, graças aos investimentos sociais lulistas, registrar taxa de desemprego recorde de 6,8%, segundo o IBGE. Sem o Estado botando para quebrar nos gastos, o desemprego poderia subir para 20%, rapidamente. 

Ficaria impossível manter o PAC e a candidatura da ministra Dilma Rousseff. 

Lula poderia ficar, isso sim, prisioneiro do novo jogo político que vai se formando, com a emergência do PMDB, dominando totalmente, o Congresso, colocando, possivelmente, o ex-presidente José Sarney, na prática, como primeiro ministro, para compartilhar o poder com Lula, caso vença eleições no Senado. 

 

Ressurreição de Adam Smith

Vai ficando evidente que o jogo econômico global dependerá das soluções dadas por dois grandes economistas ingleses dos séculos 19 e 20. 

No século 19, Adam Smith, autor de “A riqueza das nações”, profetizou que dívida pública não se paga, renegocia. No século 20, John Maynards Keynes destacou que o livre mercado sendo incapaz de puxar a demanda global capitalista, necessitaria do endividamento público, como fator propulsionador do consumo, incapaz de ser mantido, apenas, pela ganância privada. 

A solução keynesiana foi adotada no século passado à larga, em maior escala pela maior economia – de guerra – do mundo, os Estados Unidos. O limite foi alcançado pelos déficits acumulados que geraram excessiva alavancagem financeira privada de forma totalmente desregulamentada. 

A contiuidade do remédio keynesiano, que virou veneno, somente seria possível com a ressurreição de Adam Smith. Sua recomendação seria a renegociação da dívida, para reiniciar o jogo capitalista, visto que a dívida pública, keynesiana, acumulada e transformada, atualmente, em créditos podres, em várias escalas, obstaculiza a continuidade da reprodução capitalista. 

Afinal, segundo ele, não se paga, renegocia, sempre, o débito público, esticando os prazos e flexibilizando as proporções entre dívida e PIB, para manter a moeda relativamente estável. 

Sem a solução smithiana, não poderia ocorrer a recomendação keynesiana de Paul Krugman. Sem o remédio de Adam Smith, a capacidade de sobrevivência dos governos capitalistas ocidentais ficaria seriamente comprometida. Obama perderia, rapidamente, seu capital político, se fosse atacado por uma corrida bancária, em meio à explosão do desemprego e da falta de expectativa dos agentes econômicos.