Obama: vitória do poder comunitário digital

A fantástica vitória de Barack Obama, primeiro presidente negro da América, conquistando 338 delegados, bem além dos 270 necessários, fazendo, ao mesmo tempo, maioria no Senado e na Câmara, e credenciando-se para enfrentar os desafios impostos pela violenta crise monetária, que ameaça a estabilidade do dólar, no mundo, tem sua base no poder das organizações sociais americanas e na mobilização política da comunidade, onde ele se formou.

Mas sua amplitude extraordinária, de forma organizada, concatenada, objetiva, ancorada no discurso da tentativa de união das contradições desatadas pelo capitalismo financeiro especulativo, que se encontra de joelhoes , em busca de uma nova síntese política, foi amplamente facilitada pela revolução tecnológica digital a serviço do poder comunitário.

Desde o primeiro momento, Obama soube, com competência, trabalhar com as novas tecnologias, You Tube, internet, celulares, por meio das quais criou a empatia necessária para fazer seu discurso renovador de mudanças, impondo, no coloquialismo comunicativo, a sua força capaz de atrair os adeptos, até, mesmo, no campo adversário, realizando reviravoltas espetaculaes, como ocorreu no eleitorado do sul, tradicionalmente, republicano.

Mobilizou recursos humanos e financeiros da comunidade, ancorado em uma mensagem expressa em linguagem dela, para conquistá-la com compromisso que soou quase familiar. Conversa de amigo para amigo, na nova comunicação global em que a instantaneidade, alavancada pela tecnologia da informação, proporciona. Obteve, dessa forma, praticamente, a totalidade dos estados americanos, construindo em cada cidade dos Estados Unidos centenas de centros comunitários. Emergiu, nesse compasso, força política irresistívelmente poderosa, interativa, dialética, impulsionadora de movimento sintonizado com ênfase mudancista-obanista. John MacCain, republicano, não conseguiu segurar a onda. Sucumbiu-se.

 

Interatividade tecnológica dialetica impõe nova ética

Barack Obama, produto genuínamente político-comunitário, expressa, dessa forma, de maneira emocionante, como a mobilização social, no compasso do desenvolvimento científico e tecnológico, colocado a serviço da política comunitária, abre novo espaço transformador. Lança exemplo inquestionável para os partidos políticos, em todo o mundo, a fim de agirem nesse sentido.

Sobretudo, demonstra a inconfundível característica americana, de apostar na inovação tecnológica, dando o tom das transformações econômicas, políticas e sociais que, certamente, estarão na base das providências que o governo, sob seu comando, imprimirá aos Estados Unidos, para tentarem continuar dando as cartas no plano global, em meio à maior crise econômica da história mundial dos tempos modernos.

A própria essência do fato político relevante embute nova lógica: a comunicação exige o diálogo interativo, uma nova percepção de que sem a busca de um consenso multilateral, a política americana não superará os seus impasses, bloqueados pelo pensamento unilateral politicamente falido.

A tecnologia digital demonstrou sua força transformadora no campo da mobilização político-social, conferindo, não apenas o compromisso novo no contexto partidário transformador, mas, principalmente, quanto ao carater revelador de transparência desse mesmo compromisso.

No campo das doações financeiras, por exemplo, o candidato deixou aberta na internet, para seus milhões de seguidores, a movimentação dinâmica das receitas e despesas de campanha. A conferência dos dados permaneceu aberta ao crivo, dispondo o contribuinte de acesso on line  a todos os dados da contabilidade partidária.

Nasceu, assim, nas águas da revolução científica e tecnológica, colocada a serviço da política, uma nova ética, pois, a contribuição individual e coletiva pode ser aferidade, dando caráter de honestidade ao movimento dos números associados ao discurso. Os engajados na campanha tiveram a consciência de estar movimentando o seu próprio dinheiro, seu próprio candidato e, consequentemente, suas próprias esperanças. Algo absolutamente inédito.

Mundo digital ganha status político

Claro, essa experiência será levada adiante na formulação dos orçamentos nas cidades, nos bairros, nas comunidades, nos centros comunitários, na formulação das políticas, na condensação das reivindicações populares, para que, assim que chegarem ao poder decisório, em sua mais alta instância, se transformará, objetivamente, em expressão genuína da vontade popular.

O mundo digital ganha status político com a chegada de Obama à Casa Branca. Os demais governos do resto do mundo, dado o efeito demonstração da experiência obamista de movimento de transparência ética total que traduz, em termos de evolução democrática, terão, obrigatoriamente, que seguir esse exemplo, sob pena de cairem em descrétido, caso atuem em sentido contrário.

Os gastos públicos, no governo Obama, precisarão seguir a lógica imprimida a sua campanha vitoriosa, com a qual nasce uma nova consciência sobre a necessidade da transparência em todos os sentidos, jogando para o espaço as armações dos ladrões que se disseminam por todos os cantos, pautando-se pela obscuridade quanto às informações fundamentais relativamente ao dinheiro do contribuinte.

No rastro da decadência do capitalismo financeiro americano, nasce um novo comportamento que exigiria, para ser coerente, uma nova mentalidade capitalista. Seria isso possível, sabendo que a lógica do capital é a lógica da acumulação, de um lado, e da exploração, de outro? Contradições a mil à vista, para conferir novo status à democracia representativa na terra de Tio Sam.

Ganha, portanto, novo impulso o poder político comunitário digital, nos Estados Unidos, cuja Constitição já prevê a democracia direta, capaz de corrigir erros dos políticos, até mesmo para ejetá-los do poder – exemplo esse existente em Constituições na América do Sul, como na Bolívia, na Venezuela e no Equador, enquanto, no Brasil, infelizmente, tal contexto continua tateante, com a classe política, relativamente à contabilidade do dinheiro de campanha política, representa uma vergonha, como demonstra o exemplo da excrescência praticada pelo governador Ivo Cassol, de Rondônia, felizmente, cassado pelo tse.

 

Núcleos comunitários digitais, nova força politica

A experiência histórica da campanha de Barack Obama lança raízes globais. No Brasil, onde o discurso anda à frente das ações efetivas, não passando, ainda disso, como demonstra os 20 anos de existência da Constituição de 1988, ainda sem regulamentação uma série de reformas transformadoras no campo econômico, social, político e ético, o desafio é redobrado, em meio ao desenvolvimento científico e tecnológico, na era da informação eletrônica instantânea.

Os planos dos governos são vários, mas os interesses obscursos ainda impedem avanços significativos, para firmar uma nova relação governo-comunidade, pautada pela ciência da informação, impulsionada pela tecnologia digital.

As cidades tecnológicas, as avenidas digitais, por meio das quais a comunidade vai trafegar, com suas propostas comunitárias renovadoras, requererão investimentos que ainda estão no plano das promessas, mas sob intensas pressões sociais e políticas, que não querem esperar mais, para efetivar a relação democrática mais intensa da sociedade com os seus representantes, ainda inconscientes do papel renovador da transparência total, dado que são impedidos pelos seus interesses pessoais, desligados do compromisso social.

Experiências exitosas em diversas cidades estão em curso. Na recente campanha eleitoral, a maior promessa, por exemplo, do candidato Fernando Gabeira, do PV, derrotado no Rio de Janeiro, teve como âncora a tecnologia da informação e seu engajamento numa plataforma política voltada para a impulsão das cidades digitais.

 

Brasilia Capital Digital, por enquanto, no papel

No Brasil, o governo Lula trabalha para intensificar a sociedade do conhecimento, mas a prioridade, ainda, não é essa, mas o pagamento da dívida pública interna, que exige desembolsos de quase R$ 200 bilhões aos bancos, enquanto o conhecimento fica em segundo plano, por enquanto, apesar de os projetos governamentais serem grandiosos, porém, devidamente, guardados nas gavetas da burocracia.

No DF, igualmente, o secretário de Ciência e Tecnologia, Izalci Lucas, realizou, nos últimos tempos, intensa mobilização com os empresários, para a construção do projeto Brasília Capital Digital, por enquanto, andando a passos de cágado, porque não se chegou, até o momento, ao consenso sobre a parceira governo-iniciativa privada, a fim de dar curso mais veloz ao empreendimento, embora a sociedade esteja ávida para participar dos avanços que tal progresso proporciona no campo do conhecimento.

Não é mais possível o ensino verdadeiro sem a instrumentação da tecnologia digital, que coloca o ser humano diante da informação que deseja e precisa, para resolver seus problemas relacionados ao conhecimento, antes acessível, apenas, a uma minoria de privilegiados.

No plano político, como demonstrou a campanha vitoriosa de Obama, os núcleos comunitários tendem a se transformar nas plataformas a partir das quais a organização política ganharia força, formulando questões a serem encaminhadas à administração pública, sinalizando intensa interatividade político-administrativa, para conferir à administração pública suficiente autenticidade na relação governo-comunidade. Esse é o novo tempo da democracia participativa, que ultrapassa a democracia meramente representativa, que, deixada à sorte dos políticos, sucumbe pela falta de suficiente autenticidade, bloqueda pela corrupção.