Marx acertou. Delfim está apavorado

Marx está deixando Delfim Netto completamente doido.

O ex-ministro, ex-deputado, economista nacionalista, tem se mostrado, indisfarçavelmente, preocupado com os rumos do capitalismo, demonstrando temores, depois de ter sido ácido com os condutores do sistema nos últimos dez anos, quando se tornaram excessivamente laxistas no processo de controle de reprodução ampliada do capital, levando-o às bolhas especulativas autodestrutivas e,finalmente, à deflação, que destroi capital e salários.

Particularmente, ergueu-se como um dos maiores batedor nas taxas de juros que sobrevalorizaram a moeda e aumentaram as dívidas, fragilizando, estruturalmente, o sistema economico nacional.

Mas, a crise emergente veio com tanta força, agora,  que seus efeitos destrutivos pegaram-no de surpresa, levando-o, consequente e assustadoramente, da posição crítica a uma mais conservadora. Ao mesmo tempo, passou a sentar a pua nos teóricos do socialismo, que previram o desastre do capitalismo, como Marx e Lenin.

Em vez dele avançar nas críticas, buscando , pela dialética, abrir novas fronteiras sobre uma realidade que está se desmoronando, para dela tirar algo ainda não teorizado, suficientemente, à luz dos fatores em jogo, volta-se, apavorado,  para o passado como fuga.

Demonstra temor e tremor de que dos escombros do estresse decorrente do aumento das forças produtivas em confronto com a estrutura produtiva concentradora de renda e socialmente excludente, característica fundamental do sistema em decomposição, emerja o que o apavora, o que está denominando de estado autárquico.

O pavor delfiniano não é outro senão a possibilidade da viabilidade do estado socialista, ao qual o capitalismo, agora, em crise de realização, se recolhe, pedindo socorro, depois que as livres forças do mercado privado deixaram de funcionar.

Banqueiros e empresários falidos – olha os gigantes da indústria automobilística passando o chapéu no Congresso americano! – , todos buscam proteção estatal contra o risco de empreender-se competitivamente via propriedade privada.

A autarquia estatal – isto é, a destruição da propriedade privada, do espírito empreendedor egoísta, – seria emergência socialista, avançando, radicalmente, em relação à social democracia, que bate biela? O socialista fabiano inglês, Delfim, apavora-se, brandindo teses cuja credibilidade, na crise, é nenhuma.

Seria , verdadeiramente, autárquica solução alternativa ao que está se decompondo a olhos vistos, ou algo ainda não experimentado pela humanidade, com características, historicamente, peculiares, fruto das correlações de forças políticas novas que estão se formando na afirmação do Grupo dos 20 no plano global?

Negando-se a avançar nessa especulação futurista, o ex-ministro faz incursão passadista. O gordo Delfim, aparentemente, é pesado, mas acomoda-se como uma lebre ligeira em situações difíceis, como um rei do disfarce.

De início, criticou que a excessiva flexibilidade quanto às regras levou ao desastre, mas, em seguida, passou a alertar aos quatro ventos – cuida, preferencialmente, disso, agora – que o excesso de regras, colocadas como alternativa ao desastre, trás de volta o estado autárquico socialista.

Vendo a autarquia como fantasma, ele procura desancar pretensas soluções socialistas e desacretidar os seus pregoeiros históricos, Marx, Lênin e Trotski.

No Valor Econõmico, terça, 18, demonizou Marx e Lenin, colocando em ambos a pecha de promotores do autarquismo econômico, historicamente, fracassados. Sobretudo, destaca que o marxismo não foi solução, portanto, retornar a ele , seria retornar à autarquia.

Mas, não são, exatamente, as teses de Marx que estão apontando para o desastre do capitalismo nos Estados Unidos e Europa , onde as forças produtivas e as relações sociais de produção, plenamente desenvolvidas, estão em confronto encarniçado, com quebradeiras generalizadas e desemprego em massa?

 

Condições marxistas estão dadas nos EUA e Europa

Pelo que consta dos escritos de Marx, ele nunca teorizou o estado autarquico como resultado do estágio final do desenvolvimento capitalista contraditório das forças produtivas, de um lado, e o das relações sociais da produção, de outro, abrindo espaço para revoluções sociais e transformação do capitalismo em socialismo.

Nos países em que as tentativas socialistas foram buscadas sem que fossem obedecidas as determinações marxistas do pleno desenvolvimento das forças produtivas, as experiências se relevaram fracasso histórico.

Allende caiu na do socialismo chinelo em 1973. Dançou na mão da CIA e dos golpes imperialistas de Kissinger e Nixon. Não tinham sido ainda no país desenvolvidas totalmente os pressupostos básicos marxistas para a virada histórica do sistema capitalitas para o socialista. Emergiu o terrorista Pinochet, armado pela Casa Branca.

Em 1964, no Brasil, idem. A CIA armou a direita empresarial, que financiou governadores e militares, como demonstra , minuciosamente, o historiador uruguaio René Armand Dreifuss, em “1964: A conquista do Estado – Ação política, poder e golpe de classe”, editora Vozes, 1981.

Em diversos países latino-americanos, o samba de uma nota só ditatorial tocou interminavelmente, até a emergência atual de neonacionalismo com tendências socialistas. A guerra civil espanhola, igualmente, foi ilusão socialista sem que existissem as condições que Marx relacionou, cientificamente, ao avaliar, em O Capital, o sistema capialista.

Especialista em história americana e soviética, o historiador Luis Alberto Moniz Bandeira, destaca em “Presença dos Estados Unidos No Brasil” como o não desenvolvimento pleno das forças produtivas representa o fracasso das revoluções de esquerda mundo afora, ao longo do século 20, com destaque para a América Latina.

A própria União Soviética, na qual Lenin, Trotski e Stalin lutaram para instalar o socialismo, depois de 1917, culminando com a derrocada em 1989, na queda espetacular do Muro de Berlim, não conseguiu alcançar o paraíso socialista, porque lá, também, não estava completada a etapa final do pressuposto básico a partir do qual o socialismo se viabiliza, de acordo com o marxismo. Este não teria, ainda, encontrado, historicamente, o seu elemento essencial.

Onde tal elemento, historicamente, está dado, na fase atual do desenvolvimento do capitalismo?

Indiscutivelmente, nos Estados Unidos, onde a ciência e a tecnologia, colocadas a serviço da produção e da produtividade, desembocam na terrível deflação.

Por isso, o temor conservador delfiniano, depois do colapso do crédito, aguçou seu pensamento marxista para tentar espantar Marx e Lenin.

A verdade, no entanto, é que em vez de espantar, está sendo espantado. Ninguém chuta cachorro morto. Se está chutando, é porque ainda não morreu.

 

Deflação e desemprego, morte do capital

Se o não desenvolvimento pleno das forças produtivas representa o não socialismo, o seu oposto, isto é, o desenvolvimento pleno de tais forças, expresso, atualmente, na realidade econômica do capitalismo americano em colapso, comprovaria a materialização da tese marxista.

Nos Estados Unidos, onde as forças produtivas e, também, as destrutivas, guerreiras, desenvolveram ao máximo as suas potencialidades, surgem os fatores marxistas que apavoram os conservadores: derrocada financeira e industrial e desemprego em massa.

Se existe lugar onde a palavra de ordem de derrubada do poder capitalista está madura para ser dia por num neo-revolucionário leninista ou trotskista, esse lugar, indubitavelmente, é os Estados Unidos.

A deterioração do capitalismo americano seria, historicamente, o ponto de inflexão, para a aferição da  tese de Marx, porque nos demais lugares, falar que houve marxismo, sem que tenha desenvolvido o ambiente descrito por ele como necessário ao início da experiência socialista, representaria heresia, fraude.

Plenamente desenvolvida, a contradição busca superação na pátria de Barack Obama, abrindo tempo que pode ser de revolução. Está sob teste verdadeiro o pressuposto marxista da revolução socialista , pela primeira vez na história.

Se explodir social e politicamente o status quo americano em desaceleração total, a energia política magnética que seria desatada poderia corresponder a uma onda global bem mais potente em termos de contágio rebelde do que o maio de 1968, na França.

Eis o medo de Delfim Netto, que, inteligente, percebeu o viés de baixa histórico do sistema capitalista. Tal evidência, em vez de levá-lo a avançar, impulsiona-o a retrocedoer.

Marx acertou na mosca. Delfim está apavorado.

 

Ignorância delfiniana sobre leninismo

O ex-ministro e ex-deputado deitou falação despropositada sobre Lênin. Demonstrou que não leu Lênin, especialmente, os aspectos econômicos desenvolvidos pelo líder soviético, o que seria sua obrigação, como expert em economia.

Soltou tremendo besteirol ao arrolar Lênin como pensador autárquico, tão cruel como Stalin. Mais moderno do que ele, ressaltou, seria Bukharin, autor do clássico “A economia mundial e o imperialistmo”, pensador marxista sofisticado,  a quem Lênin teria marginalizado, para favorecer aquele que seria o seu sucessor-ditador, Stalin, que mandou matar Bukharin.

Aqui, Delfim demonstra sua falta de conhecimento histórico.

Ficando, apenas, no terreno da economia – porque no da politica as versões sobre Lenin, Stalin, Trotski, são altamente controversas, ainda mais sendo comentadas por quem, como Delfim, serviu ao regime militar terrorista de 1964, que detonou a democracia brasileira -, o que se evidencia, relativamente ao leninismo econômico, é o oposto da acusação, sem provas, de Delfim.

Pelos documentos e falas de Lênin, no auge da crise de escassez de consumo, na União Soviética, em 1921/1922, a pregação leninista é a acabada representação de pensamento não-autarquico, mas, essencialmente, dinãmico, renovador, dialético, capitalista, inverso da teorização cerebrina furada delfiniana.

No brilhante relatório que preparou para o XI Congresso do PCR, realizado entre 27 de março e 2 de abril de 1922, Lenin destacou, claramente, que a Nova Política Econômica(NEP), em implementação pelo seu governo, somente teria chances de sobreviver se fossem multiplicadas por toda a União Soviética a experiência capitalista que buscou disseminar, expressa no que denominou de “empresas mistas”. Seriam , hoje, as PPPs, Parcerias Público Privadas.

Lênin pagou alto preço por tal proposição. Bukarin, por exemplo, não foi ao encontro, porque considerou a posição do chefe do poder soviético traição à revolução comunista de 1917. Com excessivo senso de realismo, para espanto dos integrantes do Congresso, Lênin destacou que o de que a União Soviética mais necessitava, com urgência, era não de teóricos comunistas brilhantes, mas de caixeiros viajantes. Pânico entre comunistas.

 

China adotou Lênin; Tio Sam, também

Exaltou Lenin o empreendedorismo individual dos camponentes e destacou que o fundamental não era fazer a distinção entre coletivo e individual, como propulsores do processo econômico, mas perceber que, qualitativamente, a integração de ambos seria fundamental como sobrevivência econômica do país.

A vantagem que os comunistas dispunham nesse contexto, frisou Lenin,  era o fato de que tinham o poder político para manejar interesses dos trabalhadores e dos capitalistas com suficiente flexibilidade, para dinamizar a economia.

A ausência do caixeiro viajante, do empresário, era o gargalo. Lenin considera fundamental sua participação no processo de desenvolvimento das forças produtivas sob a experiência socialista. A burguesia, com sua vivência histórica, não poderia ser descartada.

Ou seja, havia espaço para experimentos sob comando da política, mediante novos paradigmas, capazes de quebrar velhas crenças comunistas, ancoradas na teorização excessivamente abstrata dos brilantes intelectuais comunistas, porém, totalmente incompetentes em matéria de negócios. E dos negócios, em desenvolvimento pleno, dependia a União Soviética.

Essa proposição leninista foi, plena e amplamente, adotada pela China, anos mais tarde, como destaca o historicador Luiz Alberto Moniz Bandeira , em “Formação do império americano”(Civilização Brasileira, 2005, 851 pags).

O Estado chinês seria um estado lenista, conforme pregação de Lenin no último congresso do partido em que esteve presente, para dar seu recado final, cuja continuidade foi interrompida pelas tromboses cerebrais que eliminaram a sua capacidade de continuar no comando do poder soviético, matando-o.

Lembrou que poderia estar sendo alvo de risinhos da platéia em burburinho, mas lembrou, com extrema vivacidade,  que sem o espírito do caixeiro viajante, sob estímulos dados pelo Estado indutor da criação das “empresas mistas”, das PPPs, seria impossível resolver o maior problema interno, a oferta de alimentos.

 

NEP: socialismo-fordismo

Naquela altura, 1922, a NEP já completara três anos e os fracassos eram evidentes. Baixa produção e produtividade e alta de preços especulativos.

Lênin, ousadamente, como verdadeiro herege, lança tudo isso na cara dos companheiros comunistas, apelando para envio dos comunas aos Estados Unidos, Canadá, Itália, Espanha, para ganhar espírito e experiência empreendedora suficientes, de modo a alavancar a mistura entre o capital e o social, com relativo sucesso.

Robert Service, em “Lenin – a biografia definitiva”, Difel, 629 pags, destaca que o líder soviético era fã número um do espírito fordista americano que criava na classe trabalhadora espírito de disciplina invencível, tão carente nos operários soviéticos, na sua época, dado o pouco desenvolvimento, na União Soviética, das forças produtivas capitalistas.

Ou seja, Lenin tinha consciência de que o socialismo soviético carecia largamente dos pressupostos de Marx. A materialização do marxismo somente ocorreria em seu país depois do desenvolvimento que estava experimentando o capitalismo nos Estados Unidos.

Lênin, falando, em “Obras Escolhidas 3”, editora Alfa-ômega, pg 582, põe fim às especulações sobre seu propósito verdadeiro, naquele momento histórico:

“É indispensável organizar as coisas de modo a que seja possível o curso normal da economia capitalista e da circulação capitalista de mercadorias, porque isso é necessário ao povo. Sem isso não se pode viver. Para eles{os camponeses] tudo o resto não é absolutamente indispensável, com tudo o resto podem conformar-se

 

Complexo de édipo delfiniano

Onde está o pensamento autárquico leninista, que Delfim, levianamente, caracterizou, porque não percebeu o que Moniz Bandeira sacou, que Lenin, hoje , está na China?

Os chineses adotaram o leninismo econômico, objeto do desejo inconsciente de Delfim, que pregou, no Brasil, a solução chinesa, quando era o czar da economia nacional sob Médici, na ditadura.

Delfim, inconscientemente, estaria incorporado por Lenin, sem saber que o lider soviético, agora, chicoteado por ele, temeroso da implosão capitalista nos Estados Unidos, fez sua cabeça.

Maconha leninista deixa Delfim muito doido.

Lenin faz a cabeça não apenas de Delfim, mas do governo W. Bush e dos governos europeus, que, diante da bancarrota, estatiza o crédito e busca regulamentar o sistema, afastando-o do excesso de liberdade irresponsável, como Lenin propôs, no seu último congresso comunista.

Por que a ojeriza delfiniana contra Lenin? Rejeição paterna. Só Freud explica.

 

Distribuir a renda contra deflação-inflação

Alavacar, ainda mais , as forças produtivas, no ambiente de desaceleração dada pela limitação dessas proprias forças, sob predomínio do espírito absolutamente privado?

Deflação nos países ricos, inflação, nos pobres. Fenômeno dialético global, como resultado da bancarrota capitalista americana-européia. O desemprego crescente na Europa e nos Estados Unidos, apesar das decisões governamentais de aumento de gastos, demonstra que o remédio inflacionário deixou de ser plenamente satisfatório porque, como a deflação, também, deixou de ser solução, para se transformar em problema.

A inflação, sob deficits elevados, como alertou o presidente do BC americano, Ben Bernamke, em São Paulo, durante a reunião do Grupo dos 20, alcançou seus limites.

Qual seria a síntese, depois de superação da tese, o livre mercado,  e da antítese, o estado deficitariamente baleado?

Ressuscitaria o velho estado gerador de renda, como vaca leiteira, para o setor privado, ou outras bocas chegaram para mamar, também?

A questão estaria não mais no incremento da produção, mas da justa distribuição da renda nacional, que, excessivamente, acumulada, sob a exclusividade do emprendedorismo privado, se impõe como nova necessidade histórica a ser superada.

Esse é o recado fundamental de Lauro Campos, teórico socialista-marxista, autor de “A crise completa – a economia política do não”(Boitempo, 2002) e “A crise da ideologia keynesiana”(Campus, 1980). Ele previu que a inflação, que veio para dar sobrevida ao capitalismo sob deflação, em 1929,  entraria em crise com o estresse keynesiano, agora, consumado, diante da impossibilidade de os gastos públicos dinamizarem o consumo em colpaso, nos Estados Unidos.

Sobretudo, anunciou, amplamente, o que está em evidência: a bancarrota da indústria automobilístico como o apito derradeiro do trem capitalista antes do desastre de realização da produção no consumo, afetado pela falta de crédito, no contexto de desconfianças generalizadas no seio do sistema financeiro.

Delfim, atacado pelo complexo de Édipo, ciúme da mãe – o capitalismo – e raiva do pai – o socialismo – , recorre-se , reprimidamente, à castração sexual-ideológica.  Apela-se aos velhos paradigmas economicamente conservadores, que o impedem de ver que, ao pregar o modelo chinês, mostra que é filho do pai ao qual lança chamas, ou seja, Lenin.

 O líder da revolução russa, incorporado como dragão chinês, consciente de que, no seu tempo, seria impossível, na União Soviética, materializar o socialismo puro, adaptou, pragmaticametne, discurso compondo articulação regida pela combinação de Marx e Henry Ford.

Onde está a autarquização leninista que desperta tanto medo em Delfim?