Banco assalta consumidor e gera desemprego

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os bancos estão sendo vítimas de assaltos de bandidos, mas, eles, também, estão assaltando os consumidores. O assaltado é, igualmente, assaltante. O dinheiro dos depósitos compulsórios que o governo, por meio dos bancos oficiais, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, está repassando a juro zero aos bancos e financeiras privadas, para financiar o crediário, na compra de bens duráveis e apartamentos, está espantando o consumidor. Quem tomá-lo, nas atuais circunstâncias, estará sendo, literalmente, garfado.

Os juros subiram, incontrolavelmente, nas lojas e corretoras pelo país afora. O crédito pessoal está na casa dos 100% ao ano e o cheque especial no cartão magnético passou dos 10% ao mês. Os empréstimos para as empresas passaram dos 45% ao ano para mais de 75%. O juro básico selic, de 13,75%, o mais alto do mundo, demonstra dispor de poder de alavancagem dez vezes maiores, quando a realidade se transporta para o mundo movido a crédito na indústria, no comércio e nos serviços. Alavanca do subprime creditício nacional, generalizando o assalto. E ninguém vai preso.

Só o BNDES está se transformando em tábua de salvação geral para a produção. Passou a emprestar a 1,18% ao mês para investimento industrial e comercial e a 0,5% no cartão BNDES. Créditos na casa de R$ 50 mil saem rapidamente, nesse instante, depois das pressões feitas pelos empresários, desesperados na escassêz de dinheiro.

Endividar-se com o dinheiro repassado pela Caixa às financeiras privadas é comprar a corda para ser enforcado, principalmente, porque os horizontes, para o consumidor, ficaram nublados.

O assalto financeiro a ele, com as prestações mais caras e os prazos de pagamento mais curtos, traz o perigo de desemprego e reforça, consequentemente, o espírito anti-consumista, quanto mais altos estiverem os juros.

O presidente Lula, na terra do Papa, essa semana, pregou aumento do consumo ao povo brasileiro. Porém, seu discurso, na terra do juro barato, Itália, Europa em geral,  ficou sem substância na sua terra do juro caro. Mantida tal situação, o desemprego, pior dos mundos para os trabalhadores, cresceria e a popularidade presidencial minguaria.

Se as eleições municipais, recentes, demonstraram a pequena força do presidente para transferir votos, debaixo da sua imensa popularidade, num contexto em que seu prestígio popular caísse, fortemente, em face de possível avanço do desemprego, desapaceriam as possibilidades de fazer a  ministra Dilma Roussef, da Casa Civl, sua sucessora, preferida confirmada em Roma, em meio às bençãos papais.

 

O governo perde controle sobre especuladores

As indústrias, sem mercado, diante da queda de rentabilidade, dada pelo aumento dos custos operacionais, não apenas suspenderão investimento, mas aumentarão as demissões. Em outubro, conforme divulgou a Federação das Indústrias de São Paulo(Fiesp), 10 mil postos de trabalho viraram fumaça – queda de 0,13% no índice de emprego da indústria paulista.

A atitude empresarial, por sua vez, é um tiro no pé da própria empresa, porque , sem apetite para os investimentos, num quadro de desaceleração do consumo, seus papéis, na Bolsa, despencam.

Os custos operacionais do negócio sobem relativamente à taxa de lucro, sinalizando bancarrota, que se expressa em juro mais alto para a produção, por conta do risco falimentar, determinado pelo colapso do consumo.

A semana demonstrou que a estratégia do presidente de repassar dinheiro público para as financeiras privadas dinamizarem o consumo foi completo fracasso. O rítmo veloz da crise exigirá, no inicio da semana, providências urgentes de correção de rumos.

O titular do Planalto voltará de cabeça cheia de Washington, onde, nesse final de semana, o Grupo do 20 reúne para debater a crise e a saída para ela sem que ninguém saiba quão o tamanho do problema que ela desatou, econômica e politicamente, no cenário global.

A sucessão do presidente Lula vai se dar, mantido o rítmo dos acontecimentos, nos próximos meses, em precipitações econômicas e políticas incontroláveis, especialmente, se o aumento do desemprego levar às greves, como fruto dos juros altos que espantam os consumidores e sinalizam desemprego. Pensamento de esquerda tenderia a ganhar força.

Os questionamentos estarão se avolumando no compasso da desaceleração global. As próximas eleições testarão os governos sociais democratas europeus, como ocorreu, nos Estados Unidos, com a vitória de Barack Obama. Foram favoráveis à ascensão do primeiro presidente negro à Casa Branca os estragos que a crise provocou no governo W. Bush, estendendo seus efeitos desestabilizadores para o candidato republicano, John MacCain.

 

Crise favorece inflação e esquerda

A esquerda democrata nos Estados Unidos ganhou maioria no Congresso, na Câmara e no Senado. Na crise, terá que escrever sua história, pautada no discurso obamista da mudança. A social-democracia europeia tenderia a caminhar no mesmo sentido, especialmente, em razão da elevada consciência política do povo, o mais bem formado e sofrido, pelas guerras? As passeatas que começam a ser esboçadas na Espanha e na Argentina demonstram o potencial político explosivo detonado pela grande crise.

Correntes esquerdistas terão diante de si novas oportunidades, no rítmo da queda dos investimentos e do avanço do desemprego. No Brasil, a esquerda estaria preparada para chegar lá?

A ex-senadora e vitoriosa vereadora alagona, Heloísa Helena, que não teve espaço em 2006, teria em 2010, bradando contra o colapso do mercado, que levou o consumidor à incapacidade de consumir, dada a dominação financeira na condução do processo produtivo?

Nesse  ambiente em que todas as certezas se evaporaram e todas as teses econômicas são amplamente questionadas, vai, curiosamente, se destacando que a inflação, como já disse Keynes, passa a ser a solução e não o problema. Ou seja, a “Unidade das soluções”.

A recomendação dos ministros de economia e presidentes dos bancos centrais, em São Paulo, na última semana, na reunião do G 20, que deverá ser reiterada na  reunião, em Washington, nesse final de semana, é a confirmação da tese inflacionária. Que os governos gastem mais.

Vale dizer, como o governo é, sob a economia monetária, dominada pela moeda estatal, o emissor e entesourador geral do sistema capitalista, caracterizado pelo economista inglês, John Maynards Keynes, como a única variável econômica verdadeiramente independente, sob o capitalismo, o aumento dos gastos governamentais passam a ser o instrumento de combate à crise.

O aumento da quantidade de oferta de moeda no meio circulante pelo agente estatal verdadeiramente independente, segundo Keynes,  gera, simultaneamente, 1 – aumento dos preços; 2 – redução dos salários(diminuição da unidade de salário relativamente à unidade de emprego, que se traduz, homogeneamente, em aumento da oferta global de mão de obra); 3 – diminuição dos juros e 4 – perdão da dívida empresarial contraída a prazo. 

Ou seja, emerge quadro inflacionário salvacionista – que reduz salário e eleva lucros – com solução de paz política diante da alternativa destruitiva de política de guerra que se expressaria na emergência do seu oposto, ou seja, quadro deflacionário, que destroi capital e trabalho. Escolha de Sofia.


Obama pede união; Lula seguiria? 

Em meio ao terremoto financeiro, que leva a uma corrida especulativa contra o real, estimulada, adicionalmente, pela resistência dos bancos em comprar títulos públicos pelo custo oferecido pelo governo, tentando impor seu preço caro, o presidente Lula não consegue efetivar suas medidas anti-cíclicas.

Tenta, inutilmente, repassar dinheiro do contribuinte a custo zero para os banqueiros que resistem a diminuir o custo do dinheiro para o consumidor puxar a demanda global empoçada na inexistência do crediário em condições satisfatórias.

Os bancos impõem seu jogo e subordinam a ação estatal. A prova dessa subordinação é a super-permanência do juro em ascensão, apesar das medidas e dos discursos. 

O panorama econômico, pelo que demonstra a realidade, altamente, volátil, deixou de ser conduzido por regra estabelecida. Os governos poderão precisar, rapidamente, formar gabinetes de crise, para coordenar programas e diagnósticos que poderão ser pura experimentação, sujeitas a chuvas e trovoadas.

A política reclamaria mais espaço, naturalmente. Barack Obama já joga essa alternativa. Abriu espaço para os republicanos governarem com os democratas. Sozinho poderá não dar conta do recado. 

O presidente Lula teria fôlego ou precisará agir na mesma direção?

Em Roma, abençoado pelo Papa, o titular do Planalto, questionado pelas ações anti-ciclicas tomadas por governos oposicinistas de José Serra e Aécio Neves, em ação politicamente sucessória, visando 2010, fez chamamento aos governadores.

O que eles fizerem nesse sentido serão bem vindos. Significaria tal gesto que o governo poderá flexibilizar endividamentos estaduais de agora em diante, para abrir espaços aos investimentos e alianças políticas sucessórias?

Os governadores estarão, totalmente, sufocados pela ascensão dos juros e das pressões dos bancos em exigirem maires vantagens para financiar a dívida pública interna.

O Banco Central, sob monetarismo radical, suportará as pressões conjuntas de governo federal, governos estaduais e Congresso nacional, para flexibilizar a taxa de juro ou insistirá em nadar contra a corrente?