Show de incompetência sul-americana

 

Os líderes sul-americanos estão perdendo tempo precioso.

Em vez de se unirem em torno da União das Nações Sul-Americanas, Unasul, para debater a grande crise monetária, urgentemente, perdem-se em suas idiossincrasis pessoais, dando espaço às intrigas internas, esquecendo o essencial.

As ações dos líderes europeus, americanos, japoneses e asiáticos demonstram que a política sobrepujou a economia. Não há mais política econômica, mas, sim, economia política. A realidade capitalista está sendo rasgada, com tintas de sangue espalhando-se por todo o lado, com o sistema pedindo socorro, depois dos desastres decorrentes das especulações exageradas.

A Europa, que, em torno da União Européia, com seu euro, relativamente, forte, se mostra apavorada, concluiu que, isoladamente, nenhum país conseguirá superar suas dificuldades. Coordenam os líderes europeus fundos de investimentos comuns, para atacar os problemas gigantescos que emergem incontrolavelmente. Os asiáticos, igualmente, buscam formar seus fundos financeiros, com o mesmo objetivo.

O banco central americano e o banco central europeu, depois de hesitações maiores, pois não sabiam o tamanho real do incêndio monetário, buscavam ações isoladas. Os europeus, num primeiro momento, pensaram poder, cada um por si, dar conta do recado. Debalde. O governo americano, idem. W. Bush, nas cordas, jogou a toalha. A crise é maior que os Estados Unidos. Estes não conseguirão sair do buraco sem a ajuda dos demais aliados.

Tremendo contraste com a posição americana arrogante até há pouco tempo, que pensava ser onipotente. A invasão do Iraque em 2002 foi feita por Tio Sam à revelia da ONU, que condenou a ação. Agora, quando a guerra interna, econômica, assola a economia americana, deixando as famílias desesperadas, o líder americano, fracassado, pede água.

 

O povo nas ruas, tensão ideológica à vista

 

O desespero deixou os asiaticos com os nervos à flor da pele, todos indo para as ruas, algo que apavora o sistema democrático, diante da turba revoltadaO grande perigo é o povão ir para a rua, pedir seu dinheiro de volta. Os asiáticos de Hong Kong já fazem isso com grande alarde. Dançaram os correntistas com sua grana depositada em bancos que estão indo para o espaço, incapazes de serem salvos por si mesmo.

A mobiliação popular, caso se globalize, na Europa, Estados Unidos, América do Sul, fará emergir processo político que tenderia a levar de roldão as social-democracias estabelecidas. Abriria espaço para outras alternativas, cujas consequências poderiam rebentar com a democracia.

Nesse ambiente, em que os líderes na Europa, nos Estados Unidos e na Ásia se descabelam, correm para um lado e outro, onde ficam os líderes sul-americanos?

Eles, há pouco, criaram a União das Nações Sul-Americanas, a Unasul. O objetivo da instituição, como destacam, é o de unir o continente em torno de um parlamento, de uma moeda, de um banco central, de uma segurança, de um tribunal sul-americanos. 

A eficácia dessa proposta mostrou ser possível, recentemente, quando a presidente pro-tempore da Unasul, a líder do Chile, presidente Michele Bachelet, diante da crise boliviana, ameaçadora em rachar o país ideologicamente, convocou os líderes e amainou as tensões. Mostrou eficiência. Por que, até agora, ela e seus pares não se reuniram, em caráter emergencial, para discutir a grande crise monetária, que pode ser ameaça a todos eles.

 

Desentendimento Brasil e Equador divide America do Sul

 

Ao contrário, os presidentes sul-americanos, arrogantes, acham que podem tocar, cada qual seu país, sem ver o todo da crise. O presidente Lula, numa demonstração de falsa força, cuja materialidade tende a ser negada, demonstrando ser mera impulsividade, fala em sustentar o surto consumista, enquanto o momento sugere cautela. 

Na Argentina, da mesma forma, passadas duas semanas do tumulto monetário, somente, na terça, a presidente Cristina Kirchner resolveu criar um conselho de emergência. O país está caindo pelas tabelas, endividado e pressionado pela inflação. Não dá para sair do buraco sozinho. Na Venezuela, idem, o presidente Hugo Chavez, arroga-se, com sua presunção, em ação isolada.

No Equador, o presidente Rafael Correia, vitorioso em recente eleição, que elegeu nova constituição altamente democrática para o país, consolidando mentalidade socialista sobre o pensamento neoliberal falido pela grande crise, como Lula e Chavez, não falou em uma ação coordenada. Igualmente, o presidente Evo Morales, diante de um país dividido, à beira da revolução separatista, não apelou para a união continental.

Os três, Lula, Chavez, Correia e Morales, reuniram-se em Manaus, há poucos dias, e cada um saiu para o seu lado. Não tiraram uma nota conjunta, sequer convocaram a Unasul, para debater os problemas emergenciais, que superam as questões nacionais. Se os europeus, muito mais ricos que os sul-americanos, concluiram que, isoladamente, não são ninguém, sendo necessária ação conjunta indispensável e rápida, para salvar o continente do incêndio monetário, por que a América do Sul, empobrecida e sucateada pelo neoliberalismo, ao longo dos últimos vinte anos, não requereria ação política semelhante?

Encontro continental está previsto para dezembro! A OEA, que faliu, porque não cuidou da essência fundamental da união e integração latino-americana, tem programada reunião naquele mês, que está anos luz da crise atual, tamanha a velocidade dos acontecimentos. Tremenda incompetência sul-americana.

Está pintando, portanto, trementa incompetência política entre os líderes. Essa seria a hora de lançar o Banco do Sul, para formar um grande fundo sul-americano, ancorado em riquezas reais sul-americanas, que fortaleceriam a moeda sul-americana, capaz de credenciá-la na nova arquitetura monetária global, que nascerá do caos em que mergulhou o dólar.

Até quando ficarão parados, com a boca aberta, cheia de dentes, esperando a morte chegar, como destacou o poeta Raul Seixas?