Bancarrota põe juros na campanha eleitoral

A economia brasileira, ameaçada pelo juro alto, entra de cabeça na política e na campanha eleitoral. A crise bancária internacional, que paralisará a economia mundial, pelo menos, nos próximos doze meses, ou mais, coloca em pauta, urgente, para a classe política e econômica, no Brasil, a questão da taxa de juro, a mais alta do planeta terra.

Ficou incompatível a situação brasileira. Aqui, vigoram os juros mais altos do mundo. Lá fora, coordenadamente, os governos cortam os juros para evitar a recessão. Por que? Manter os juros altos seria mais inteligente, ou o pessoal, nos países ricos, está errado?

Lula não deu um pio até agora sobre o problema candente da economia nacional. O governador de São Paulo, José Serra, percebeu o vácuo político dos juros e entrou de corpo inteiro na oportunidade eleitoral aberta por eles. Criticou a políica monetária praticada pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e ressaltou que ela é a responsável pelo desajuste da taxa de câmbio que bloqueia as exportações e aumenta, perigosamente, o deficit em contas correntes do balanço de pagamento, que fragiliza, adicionalmente, a moeda.

Não apenas a Fiesp, mas, também, os trabalhadores tenderiam a fechar com Serra nessa estratégia que lançou, depois de se encontrar, no Planalto, na quarta, 08, com o presidente Lula e sua possível candidata a sucessão presidencial, Dilma Roussef, da Casa Civil. Botou os juros na dança da campanha eleitoral. 

O titular dos Bandeirantes joga nesse rumo, não apenas para tentar levar à vitória seu candidato, prefeito Gilberto Kassab, poste serrista, bombado 17 pontos à frente da concorrente do PT, Marta Suplcy, segundo pesquisa DataFolha, mas, também, porque já se coloca como eventual candidato oposicionista à presidência da República em 2010.

Sua bandeira emergiu: tiro ao juro alto.

Que dirá Marta Suplicy, para responder ao ataque de Serra aos juros altos que faz avançar a candidatura de Kassab em cima da dela, tentativa petista de voltar ao poder na cidade mais poderosa da América do Sul?

Defenderá os juros altos, que, na crise desatada pela bancarrota financeira americana e européia,  ameaçam empresas e trabalhadores?

Dobradinha surpreendente: José Serra-José Alencar

Na prática, José Serra adota o discurso do vice-presidente da República, José Alencar Gomes da Silva, no momento, em que as tensões máximas nos agentes econômicos se voltam para os desastres financeiros que se agravam ainda mais diante de juros excessivamente altos, como o brasileiro.

Ou Lula, agora, adota o discurso do seu vice-presidente, sintonizado com as reivindicações urgentes dos setores produtivos, afetados pela conjugação de demanda cadente com juro ascendente, ou poderá trabalhar contra a candidatura de Marta Suplicy e de sua preferida, ministra Dilma Roussef, para 2010.

Sofreria revezes se a situação das empresas se deteriorarem, algo que a crise bancária abriu para importantes grupos econômicos nacionais, afetados pelo terremoto.

Pragamenticamente, José Serra abriu discussão relativamente à condução da política monetária pelo Banco Central, de complacência com os especuladores e de elevado perigo para a saúde da economia, exposta ao excessivo endividamento em clima de desaceleração da produção.

O monetarismo do Banco Central entra em choque com o discurso político de José Serra, que bombardeia a contradição petista: joga no social, mas privilegia a especulação.

Os tucanos adotam o discurso oposicionista econômico, invertendo sua posição. De privatistas, na Era FHC, poderão, com Serra, jogar como intervencionistas. O discurso de Serra é de intervenção. Tucanos, quem diria.

O Banco Central está, politicamente, na berlinda, quanto mais a crise leva Lula a abdicar-se do poder real, para ficar, apenas, com a figuração. Enquanto, na Europa, os governantes mandam os bancos centrais desarmarem os juros, no Brasil, o governo manda o BC continuar super-armado com os juros altos.

 

Ataque ao paraíso dos especuladores

 

Se por um lado melhoraram os controles e fiscalizações sobre regras bancárias, por outro lado, adotou-se política monetária que colocou a economia sob intensa especulação financeira em cima da dívida pública. Crítico dessa estratégia neoliberal desde quando participava do governo neoliberal de FHC, José Serra, na crise bancária, renova o seu ataque, com as condições históricas, agora, jogando a favor do seu discurso. Coloca Dilma Roussef na defensiva e toda a coligação governamental. O PMDB, que sai forte das eleições, jogaria contra a proposta de Serra?

Serra sintoniza seu discurso com a tendência mundial. Os bancos centrais, sob orientação dos governos, estão fazendo intervenções maciças na economia, para coordenar política monetária propício ao fortalecimento da produção.

Serra ataca, com seu discurso de campanha, o paraíso dos especuladores. A crise bancária coloca em xeque a continuidade desse processo, pois ela tenderia, ao rítmo atual, enforcar geral o setor produtivo, tanto as empresas, como os consumidores. Lula pode estar sendo obrigado a jogar contra o tempo, o mais rápido possível, porque a campanha eleitoral para 2010 entrou na rua com o discurso anti-juro alto de José Serra, com o bumbo tucano tocando atrás a música que em tempos passados era do PT.

A estratégia de Serra, no novo contexto, tenderia a ser bem absorvida pelo sentimento popular de pânico que a crise detonou nos países cêntricos enquanto nos países periféricos, como Brasil, o sentido de gravidade já se encontra em processo de expansão, invertendo expectativas. Os empresários já informam disposição para desacelerar investimentos, cujos efeitos são desemprego e redução da renda disponível para o consumo. Atrás disso, vem redução da arrecadação, crise na Previdência Social, agitação no Congresso etc e tal. 

O pavor dos juros altos joga a favor de Serra

Na desaceleração global, que afeta o Brasil, os consumidores, endividados, são candidatos a serem sacrificados no altar dos juros compostos. Alberto Einstein, indagado sobre o que seria mais veloz no movimento da natureza, não teve dúvida. Os juros compostos, respondeu. José Serra entra na lógica política-crítica einsteiniana, aberta pela primeira grande crise monetária do século 21. 

Os eleitores estão de cabelo em pé diante do que pode vir por ai. O medo, claro, não é da redução do consumo ou do aumento do endividamento com o juro alto, mas do desemprego. Serra absorve essa expectativa pessimista do eleitor e trabalha ela políticamente em forma de crítica aos juros compostos no rítmo frenético comandado pelo Banco Central.

O titular dos Bandeirantes politiza, dessa forma, o debate sobre os juros, seguindo a lógica desatacada pela crise bancária neoliberal que colocou em xeque a estratégia econômica que impõe juro alto, contra o qual todos buscam fugir, menos o governo brasileiro, escravo dos juros altos.

Com o discurso de José Alencar a tiracolo, que fortalece, no plano do poder federal, o vice e cria rachaduras dentro do poder da aliança governista, Serra entra em campanha contra a política monetarista, sintonizando-se com tendência nova no cenário econômico global, que impõe maior presença do Estado para organizar a economia, cuja condução, pelo mercado, levou à bancarrota financeira, que ameaça a todos.

 

O jogo da ambiguidade entrou em crise

Lula, como FHC, fez o jogo dos bancos o tempo inteiro, enquanto promoveu política social para alavancar mercado interno. Este, agora, diante da crise bancária, somente, terá fôlego, se o custo do dinheiro cair.

Perdeu utilidade política a ação governamental de patrocinar dobradinha financeira-social na economia. De um lado, privilégio excessivo para os bancos; de outro, politica social para dinamizar o mercado interno, enquanto sobra, para o setor produtivo juros altos e carga tributária extorsiva.

O contrapé desse processo não teve a fiscalização necessária do governo expressa em ação capaz de evitar a especulação jurista desenfreada. Serra bombardeia essa estratégia.

Dilma teria que sair a campo para fazer o contraponto. Seria a favor dos juros altos, com Lula e Meirelles, ou dos juros baixos, com Alencar e Serra?

Nos próximos meses, com redução da demanda interna, ampliação das dificuldades dos devedores em quitarem suas dívidas mediante o juro escravocrata, bancando crediário, agora, detonado, o discurso de José Serra ganharia espaço? Se Kassab continuar bombando significa que seu discurso estará batendo bem na mente popular.

José Serra pega o presidente Lula no contrapé da crise. O apelo popular que o discurso serrista alcançaria pode representar uma onda favorável a sua candidatura e a necessidade de o governo em precipitar medidas econômicas nacionalistas na linha proposta por Serra. Ou seja, Serra seria o protagonista de nova política econômica nacionalista, a partir da pregação do juro baixo.

Subprime no Brasil é especulação no mercado futuro

O discurso de José Serra pode detonar os mecanismos da especulação desenfreada que caracteriza a espécime de subprime brasileiro cujos efeitos, agora, na crise, são falências e expressivos prejuízos para grandes empresas.

Os empresários corriam – e ainda correm – para especular com o dólar futuro. Estavam trocando dólar barato por juro alto. Com a corrida bancária, o dólar encareceu e as empresas dançaram feio.

A Sadia, a Perdigão, a Votorantim, Vale do Rio Doce, os que mandam no mercado especulativo, incluindo Petrobrás, peixes grandões, estão amargando prejuízos imensos. Só eles? Pode ser um carrilhão de gente. Os balanços dirão, ou serão manipulados?

A aparência de normalidade da economia, do seu vigor, tenderia a esconder o seu oposto, a anormalidade perigosa, em forma de fragilidades, dadas as jogadas especulativas que explodiram em prejuízos para os empresários e especuladores, nacionais e internacionais, que transformaram o mercado futuro em fonte de renda para o presente, especulativamente. O subprime brasileiro baixou seu santo no mercado futuro, todo bichado, nesse momento.

José Serra, depois de visitar o presidente Lula e a ministra Dilma Roussef, criou o novo fato político no cenário econõmico nacional.

O discurso de Serra coloca o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, na zona de tiro dos oposicionistas. O governador paulista já começou a puxar o gatilho.

Os empresários e os devedores das prestações no crediário serão os avalistas do discurso serrista. As expectativas do alto endividamento das empresas e dos consumidores diante dos juros altos criam ambiente de tensão contra a política monetária que se transforma em objeto de ataque do tucanato.

Meirelles na mira do PT

O PT vai segurar Meirelles? Ou vai pedir ao presidente Lula providências, diante do perigo de os juros altos levar à falência significativa parte do sistema econômico?

Os grandes especuladores estão tombando. Quem são eles? Parte importante representa o próprio segmento empresarial. As empresas, diante dos juros altos, aplicavam uma parte na produção, outra nos juros. Como estes são extorsivos, maior parte do lucro empreserial advinha das jogadas financeiras. Só que estas se transformaram em desastres iminentes na emergência da crise bancária global.

A direção da Sadia trouxe de volta, aceleradamente, Luís Fernando Furlan, ex-ministro da Indústria e do Comércio Exterior, durante primeiro mandato do presidente Lula. Ao assumir, disse que a empresa está saudável, economicamente, mas financeiramente, baleada.

Ou seja, vítima da bancarrota financeira global. Se não houver um socorro, pode ir para o sal. Qual seria o papel de Furlan como ex-ministro, convocado às pressas pelo grupo empresarial, cuja influência levou o próprio Furlan a ser ministro? Muito, provavelmente, o de salvar a empresa da bancarrota.

O presidente Lula deixaria a grande empresa ir para o abismo ou vai salvá-la, se necessário for, diante de pedido de socorro de Furlan, repetindo esforço que os governos nos países ricos realizam, para salvar o sistema bancário e empresas  e empregos, todos ameaçados pelo terremoto financeiro global?

O jogo dos bancos centrais, sob orientações dos governos do capitalismo cêntrico, de optar pela inflação como solução para a grande crise deixa o governo Lula numa saia justa.

A ação coordenada dos governos centrais do capitalismo  para reduzir os juros representa relaxamento na política fiscal, a fim aumentar os gastos governamentais na infra-estrutura e retomar o crédito direto ao consumidor, de modo a permitir reativação econômica nos Estados Unidos, na Europa, na Ásia e, consequentemente, no resto do mundo.

Relaxar e gozar é a jogada dos governos .

Relaxar e gozar(com a inflação), máxima de Marta Suplicy, candidata do PT à prefeitura de São Paulo, pode estar ser o jogo determinante para evitar a recessão e a quebradeira.

Os governos centrais estão preocupados não apenas em restaurar confiança nos bancos, injetando recursos neles, mas, sobretudo, em criar espaço para ampliação do consumo, pois sem consumo não há produção, sem produção não há emprego, sem emprego, o sistema democrático desaba, para abrir espaço ao imponderável.

O governo eleva seus gastos e reduz, com o aumento da oferta de dinheiro, a taxa de juro, para dinamizar, à moda keynesiana, mesmo que o remédio de Keynes, ou seja, a estratégia econõmica de guerra americana, esteja batendo biela.

As empresas precisam, desesperadamente, não apenas de dinheiro mais barato para produzir, mas, igualmente, de consumidores, cujos financiamentos nos bancos foram suspensos. O governo estatiza os bancos para reduzir os juros, pois , na crise, os bancos, sob orientação privada, sobem, em vez de diminuir o custo do dinheiro.

A salvação do sistema depende da sobrevivência não apenas das empresas, mas dos consumidores. Por isso, os governos, coordenadamente, por meio dos bancos centrais cortaram os juros. Lula demorou, Serra emplacou.

Mais inflação à vista, que vai testar a capacidade de endividamento dos governos, abalados financeiramente. Até quando aguentarão bancar os créditos podres que a moeda estatal sem lastro produz, especulativamente?