Euro desbanca dólar

 

O governo inglês colocou o euro na vanguarda da nova estratégia monetária global para conquistar confiança dos mercados ao estatizar os bancos, botando dinheiro governamental na capitalização deles, tornando, ao mesmo tempo, seus sócios.

O velho capitalismo inglês se transformou num novo socialismo britânico. Socialismo fabiano?

O dólar perdeu a capacidade de exercer essa tarefa fundamental de forma absoluta. A moeda americana, em excesso na praça, graças à explosão especulativa com os dólares derivativos, deixou de ser referência, dada a desconfiança que levantou em sua saúde, perdendo preço, jogando o mercado na incerteza.

Com a falência dos bancos americanos, cheios de dólares derivativos podres empoçados, sem poder desovar, restou a necessidade de pintar nova representação monetária que subsituisse a moeda americana, desvalorizada, desacreditada, impulsionadora de desconfiança, cuja representação desgastou-se, no compasso dos deficits gêmeos americanos. Estes, ao longo dos anos, foram lançando dúvidas e temores na praça sobre a capacidade do tesouro dos Estados Unidos de continuar enxugando a liquidez monetária derivativa dolarizada apodrecida, para evitar explosão inflacionária.

O que os ingleses perceberam? Que se Tio Sam jogasse mais dinheiro na circulação, já excessivamente encharcada de dólar derivativo, derivodólar, poderia dar chabu. As três últimas semanas de terremoto financeiro apenas confirmaram a impossibilidade de ser mantido o poder absoluto da derivação monetária dolarizada. A moeda americana se tornou absolutamente relativa no papel de representar as mercadorias nas relaçoes de trocas globais, na escala capaz de sanear o mercado afetado por moedas podres.

O mercado vomitaria o excesso de dólar? Essa dúvida impediu o secretário de Estado Henry Paulson, dos Estados Unidos, de ser ousado. Ficou com pé atrás.

Teria credibilidade a máquina do tesouro de Tio Sam para fabricar 2,5 trilhões de dólares para subsituir 2,5 trilhões de dólares derivativos podres, se os papéis emitidos, na prática, não possuem lastro real, dado pela confiança?

 

Árabes começaram processo de fragilização

Tal possibilidade poderia, por outro lado, não acontecer com o euro, alvo do interesse , principalmente, dos árabes, donos do petróleo. Foram eles que iniciaram o movimento de saída do dólar para o euro, como forma de fugir da inflação em moeda americana.

Como o petróleo é cotado em dólar e como os árabes precisavam importar produtos cotados em euro, tiveram, consequentemente, de aumentar seus preços, como forma compensatória, a fim de manter constante sua margem de lucro. Caso contrário, dançaria nas trocas cambiais.

Fugiam da inflação em euro, mas, ao mesmo tempo, lançavam o germe da inflaçao em dólar, fragilizando esta e lançando, consequentemente, alternativas para criar, no espaço econômico global, possibilidades de emergência de novo equilavente monetário global.

Tal movimento detonou pressões inflacionárias globais, cujo resultado  produção desmoralização adicional do dólar. Ficou cada vez mais claro que a mercadoria petróleo, tão disputada no mercado global como o próprio dinheiro, passou a buscar referência no euro para fugir de perdas com a moeda americana. Detonaram, dessa forma, os árabes o movimento inflacionário especulativo global.

Se a grande mercadoria via sua nova representação no euro, moeda européia, por que as demais não se comportariam da mesma forma, estando por trás delas astúcias comerciais e financeiras de grandes investidores na praça internacional?

Nova correlação de forças do poder monetário global

A fuga do dólar para o euro gerou movimento especulativo com a moeda americana em todas as direções, sabendo o mercado que o excesso dela, proveniente das ações maquinadas pelos bancos de investimentos, por meio de engenharias financeiras reprodutivas-especulativas-monetárias, teria como resultado final o óbvio: o descrédito do dólar.

Agora, no auge da crise monetária, em que os europeus resistem em jogar dobradinha com o dólar, preferindo apostar na sua moeda, o jogo ficou bruto e cristalino.

O euro entrou em cena, de forma fulminante, com a jogada estratégica dos banqueiros ingleses, que decidiram , pela ação política do primeiro ministro Gordon Brown, impor nova correlação de forças no mercado monetário global.

A Europa, que havia perdido o poder monetário, depois da segunda guerra mundial, para os Estados Unidos, que, com o dólar, então forte, criou nova divisão internacional do trabalho e nova senhoriagem nas relações cambiais internacionais em favor dos americanos, volta a dar as cartas no mercado cambial internacional. Os americanos, depois de perderem o mercado de bens e serviços para outras praças, como a chinesa, perde, também, o mercado de dinheiro. Sua moeda, desacreditada, é ultrapassada pelo euro.

A relatividade do poder do dólar, em baixa, dá lugar à relatividade do euro, em ascensão.

Se o mercado poderia refugar uma jogada tão ousada como a inglesa, se fosse, primeiramente, tentada na praça america, com o dólar, sob descrédito, com o euro ocorreu o contrário. Um trilhão de euro deu aquele gás que o dinheiro americano perdeu, depois do processo doloroso das votações no Congresso sobre a proposta da Casa Branca de salvar a praça bombardeada pela enchente dos derivodólares apodrecidos.

Sabedoria financeira inglesa entrou em cena

Os ingleses, velhacos de guerra, entraram no vácuo deixado pelo dólar desacreditado e fizeram a grande experiência do século 21, no plano monetário, por enquanto. Isto é, colocam o euro como a nova representação monetária internacional, que tenderia a ser o novo equivalente geral das trocas internacionais, dando partida a uma nova concertação econômico-financeira global.

O dólar, sozinho, poderia não dar conta do recado, saindo de peito aberto na praça. O euro deu. Agora, o jogo, na mesma linha, realizado pelo tesouro americano, ou seja, destinando dinheiro para estatizar os bancos, estão não inovando, mas copiando a manobra inglesa.

Os europeus demonstram força para dar lastro ao euro com o seu grande mercado consumidor. Caso não pintasse a união da Europa, nesse momento crucial, não teria sido possível relançar o germe da confiança.

Com a estratégia européia, dada pela jogada política inglesa, de grande intensidade, com dinheiro especulativo, já que está por trás dele, apenas, a credibilidade e a crença dos 13 governos europeus, inicia-se novo cenário monetário internacional, no compasso da bancarrota financeira. O poder de representação da moeda americana ficou abalado e o do euro fortalecido.