Nacionalismo para os seguros

Editorial

 

Adotar já uma legislação nacionalista para os seguros.

O presidente Lula precisa resgatar o projeto de lei (bolado pelo advogado, jornalista e político nacionalista pernambucano Barbosa Lima Sobrinho, ex-governador de Pernambuco, anti-candidato, com Ulisses Guimarães, à presidência da República contra a ditadura militar, e autor de “Japão, o capital se faz em casa”), que o presidente Getúlio Vargas utilizou, na integra, para recriar estatal de seguros, privatizada na Era FHC, como forma de dar segurança à população.

Olha o exemplo que chega dos Estados Unidos, nesse momento da aguda crise bancária mundial. A especulação financeira explodiu o sistema bancário e ficou claro, claríssimo, que o setor de seguros, na mão do setor privado, é como amarrar cachorro com linguiça.

O governo, sufocado pelas pressões, foi obrigado a correr para salvar os segurados, estatizando, na prática, a maior seguradora do mundo, a AIG. Ia ser um explosão mundial.

Tio Sam não brincou com fogo. Quem fez isso, no Brasil foram os tucanos. Colocou o problema nas mãos privadas, as mesas onde explode o capitalismo financeiro capitaneado pelo dólar derivativo, derivodólar, derivodoido.

É esse dinheiro que tende a chegar aos borbotões, no Brasil, nos próximos meses, fugindo dos juros baixos, da eutánasia do rentista em curso nos Estados Unidos, na Europa, Japão e Chinas. Vêm para reproduzir-se no juro-Meirelles.

A histórica capitalista tem mostrado: quando sobra capital especulativo nos grandes centros, onde ocorre a eutanásia rentista, o dinheiro corre para a periferia em forma de dívida externa, buscando render no juro.

No Brasil jurista, paraíso. Mas, quem vai segurar essa corrida, caso não haja freio, se as seguradoras estão livres competindo no mercado, sem o olho do estado por meio da sua própria seguradora e sua lei estatal, para dar guarida? 

Hora de Vargas

Aquestão do seguro emerge como ponto nevrálgio para a sobrevivência do capitalismo financeiro a partir de agora, com a fogueira ameaçando perto do circo.

Já se discute na Inglaterra a separação da economia real da economia fictícia e o estabelecimento de seguros de depósitos para a parte boa , enquanto a parte ruim ficaria a ver navios. Pegará?

Pelo sim, pelo não, onde está o seguro disso, se o mercado privado é dominado pela lei da competição onde o lucro é o foco e o interesse público o sub-sub-sub foco?

W. Bush, no fogo, não teve outra alternativa: estatizou o negócio, seguindo sugestão de Barbosa Lima Sobrinho, adotada por Getúlio. Botou, sem dó, 85 bilhões de dólares, podendo colocar mais, pois trata-se de buraco sem fundo.

Ou seja, mais 85 bilhões de moeda podre na praça.

O presidente americano tomou atitude oposta à de FHC, em nome do interesse público, configurando, para o sistema capitalista, que o estado, por ser o detentor da capacidade de colocar moeda em circulação, é o único, também, que pode atuar e gerenciar o sistema, para dar maior tranquilidade ao mercado.

Solto, o mercado só comete desastres, pois é, absolutamente, dominado pelo egoísmo. O estado é o freio ao egoísmo.

A concessão que o estado dá ao setor privado para gerenciar a oferta monetária, na atividade bancária, levou o setor privado à presunção tentadora de sobrepor ao estado. Quando viu que os seus pressupostos são falsos e a quebradeira tornou-se presente, ajoelhou-se às portas da Casa Branca.

Faltou o pensamento coletivo para coordenar o sistema, cujos comandantes, menos inteligentes que o próprio sistema, apostaram tudo no egoísmo. Bancarrota.

Por isso, a seguradora estatal, atuando diretamente e coordenando o mercado, representou solução que Getúlio Vargas encontrou pelas mãos de Barbosa Sobrinho.

Que visão histórica estreita a do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, grande sociólogo marxista, conhecedor profundo das lutas de classe!

Quis aposentar Getúlio, está sendo aposentado pela história!