Moeda sul-americana já

EDITORIAL – A pauta principal da União Sul Americana, UNASUL, hoje, em Santiago, sob presidência de Michelle Bachelet, certamente, é a crise boliviana, que ameaça emergência de separatismo na América do Sul.

Trata-se, claro, de algo que interessa às forças desintegradoras internacionais, dominantes no cenário global. Estas, que enfrentam, nesse instante, a derrocada geral do dólar, no contexto da crise bancária, com efeito dominó sobre as grandes instituições financeiras internacionais, não gostariam que ocorresse a união da América do Sul, que, com suas riquezas reais sobrevalorizadas em face do dólar sobredesvalorizado,  virando papel de parede no compasso do século 21, aponta para influente poder futuro no cenário global.

Assim, a UNASUL, além da pauta boliviana, precisa, urgentemente, debater a grande crise, o tsunami financeiro que está varrendo os Estados Unidos e a Europa. Os ricos estão ficando pobres, por conta da desvalorização da moeda de referência internacional, bancada pelo sopro do Estado nacional americano, abalado pelos deficits insuportáveis, incapazes de dar tranquilidade ao mercado, para enxugar a liquidez e evitar inflação exponencial.

Por isso, faz necessário e urgente, a moeda sul-americana, já.

Tal realidade, se fixada, faria emergir nova potência global. Por isso, a clássica lição imperialista, de dividir para governar, continua sendo o objetivo principal das grandes potências, que agem, coordenadamente, no G7.

Ocorre que essa força internacional poderosa está atordoada pela bancarrota financeira neoliberal, cuja responsabilidade cabe exclusivamente, a ela. A sobreacumulação de capital nos países ricos, por conta da desatada especulação financeira com o dólar derivativo, que passou a ser a forma adequada de reprodução ampliada do capital – já que não consegue fazê-lo mais na produção, prejudicada pelas contradições do próprio capital – , deixa os poderosos sem o que fazer, de forma efetiva, senão torcer para que o maremoto não leve tudo de roldão.

Chegou, portanto, a hora da UNASUL aproveitar o embalo para criar não apenas a moeda sul-americana, mas, também, o banco central sul-americano, o parlamento sul-americano, a segurança sul-americana. O lastro que a America do Sul possui é poderoso.

Qual? A riqueza do petróleo, das matérias primas, dos alimentos, do sol, da terra, da água – que garantem até três safras anuais – , ativos reais abundantes em solo sul-americano. Não é ficção, como a moeda referência, que vai sendo corroída pela bancarrota.

Trata-se de superar, rapidamente, as divisões internas sul-americanas e partir para essa unidade, tendo como ponto de encontro a moeda, ancorada em riqueza real, não fictícia.

Chegou a hora da política sobrepor-se à economia.

Esse é o momento da afirmação continental sul-americana, na linha proposta pelos libertadores do continente, como, por exemplo, Vargas, Tiradentes, Tancredo Neves, Marti, Bolivar, Peron, Fidel, Guevara etc.

Mãos à obra UNASUL.