Lenin no comando do capitalismo em crise

O que está despecando na crise capitalista global é o neoliberalismo ou o keynesianismo americano? Discute-se sobre se os Estados Unidos são liberais, que o liberalismo é a lição deles para o mundo. Será?

Olha o que acaba de acontecer. A propriedade privada está sendo garantida não pela iniciativa privada , mas pela iniciativa estatal, não mais capitalista, mas, essencialmente, socialista, com dinheiro do contribuinte, que pode pagar o pato, embora a sua salvação seja a justificativa da ação estatal americana socializante.

Lênin está no comando do neocapitalismo pós-neoliberal, como destaca o historiador Luiz Alberto Moniz Bandeira, em entrevista revista Brasília Em Dia. A solução chinesa, de combinação entre socialismo e capitalismo não é maoista, diz, mas leninista, ditada aos agricultores, em 1922, no auge da crise russa: “Agricultores, ide e enriquecei-vos”.

O líder sovíetico, que sabia bem a lição de Marx de que o socialismo somente emplacaria depois de plenamente desenvolvidas as forças produtivas sob capitalismo, sendo, portanto, necessário o Estado, com sua moeda, conduzir o processo capitalista, deu a díca a W. Bush, no auge da crise financeira , na semana passada, quando o governo americano estatizou a maior seguradora privada americana, a AIG.

Evitou catástrofe política, social e econômica nos Estados Unidos.

As crises monetárias, que destroem o valor das moedas, eliminam, segundo Lênin,  as seguranças psicológicas, diante de perdas bruscas de patrimônio, emocionalmente, desequilibrantes, e predispõem os indivíduos às mudanças politicamente bruscas. Keynes considerou sutil a mente do líder soviético, e apavorou-se.

Esse, na sua avaliação, é o momento ideal para o movimento socialista internacional. Diante das crises monetárias, a solução, frisou Lênin, é a estatização do crédito como contrapartida ao oligopólio financeiro privado, recomendação idêntica feita por Jack London, em Tacão de Ferro, prefaciado por Trotski, em 1910.

A AIG, por acaso, não era oligopólio privado, que não deu conta do recado, sendo estatizado em nome do interesse público?

Caso contrário, emergiria explosão monetária, explosão política, fim do capitalismo, reemergência do socialismo, que mostra não estar morto, mas submerso, expresso em oligopólio estatal triunfante sob W. Bush, mediante orientação leninista.

O presidente americano se transformou em leninista para evitar que o socialismo domine o capitalismo, mas lançou expectativas de que somente o capitalismo não é mais solução, na forma, agudamente, financeiro-especutiva que historicamente atingiu, configurando-se em loucura desatada.

Lênin antecipou Keynes que considerou o governo, com sua moeda estatal, depois do fracasso do padrão-ouro, vigente no século 19,  a única variável econômica verdadeiramente independente sob o capitalismo, expressa na oferta estatal da quantidade de moeda em circulação, para irrigar a economia capitalista afetada pelas incertezas do mercado livre e pela falência neoliberal neoclássica dezenovecentista.

 

O livre mercado é uma ficção

 

Ao utilizar amplamente essa variável independente, diante da qual as demais são dependentes – emprego, salários, juros, dívida, câmbio, inflação etc – o governo, conforme Keynes, cria, artificialmente, o que denominou de eficiência marginal do capital, ou seja, lucro.

O lucro, por sua vez, desperta o espírito animal dos empresários diante de três efeitos decorrentes da ação monetária estatal expansionista: 1 – aumenta os preços, 2 – diminui os salários, 3 – reduz os juros e 4 – perdoa a dívida contraída a prazo, desvalorizando-a, até sumir , graças ao seu poder de, relativamente, regular o meio circulante.

Vale dizer, o empresário vira um animal empreendedor somente quando não precisa enfiar a mão no bolso.

A solução keynesiana, dessa forma, levando os empresários a investir, sem meter a mão no bolso, tirou o capitalismo da crise de 1929, a partir de 1936, quando o presidente Roosevelt decidiu seguir os conselhos de Keynes.

De lá para cá, os gastos governamentais incrementaram novo departamento na economia capitalista, o D3, gasto público, para puxar a demanda global, empoçada na falência dos dois departamentos que entraram na crise de 1929, o D1, produtor de bens de consumo , e o D2, produtor de bens de capital.

D3, gasto estatal, nascia para gerar demanda para D1 + D2, gastos privados, já que nem D2 nem D1, isoladamente ou juntos, conseguiram, sob o neoliberalismo clássico, manter-se de pé.

D3 surge para cumprir a profecia de Keynes para Roosevelt, de que o capitalismo precisava repetir a experiência da primeira guerra mundial, sob o argumento de que embora as guerras produzissem destruição, aumentavam o crescimento do PIB. Equilibrava as as relações capitalistas, impossíves de serem equilibradas sob o regime de livre mercado, lassair faire, implodido no crash de 29.

Armadilha da dívida pega os ricos

 

D3, estado em forma de capital, que dinamiza D1+D2, incapazes de se autodinamizarem, é opção inflacionária, que subsituiria a opção suicida deflacionária. A inflação fortalece o capital e aleija os salários. Mas, a deflação, presente na relação exclusiva de D1+D2, sem a presença de D3, destroi, tanto o capital como os salários. Escolha de Sofia.

A opção pela inflação foi compensada pela expansão da dívida pública, que passa a crescer no lugar da inflação, dialeticamente, como ensina Lauro Campos, em “A crise da ideologia keynesiana”(1980, Ed. Campus).

Com uma mão o governo joga moeda na circulação e com a outra lança título da dívida pública para enxugar parte da liquidez monetária, a fim de evitar explosão inflacionária.

Esse modelo econômico keynesiano fez o  poder absoluto dos Estados Unidos mediante economia de guerra: guerra fria, guerra do Vietnan, expansão do saldo comercial, via câmbio dolarizado relativamente valorizado para se transformar os Estados Unidos em consumidor mundial.

Colocava, dessa forma, gás para recuperar a economia dos aliados – Europa e Japão – no pós-guerra, livrando-os, via aumento da dívida pública americana, das garras do comunismo soviético.

Tal estratégia durou dos anos de 1940 até 1970, com relativa solidez até que emergiu excesso de moeda na economia mundial. O que nasceu para negar o padrão monetário apoiado em reservas de ouro é, agora, negado por lançar dúvidas sobre a capacidade de a dívida pública continuar sendo a dinamizadora do capitalismo bancado pela ficção monetária. Negação da negação.

O excesso monetário, expresso em eurodólares, petrodólares, nipodólares etc, transformou-se em perigo de estouros monetários e lançou sombrias previsões sobre o capitalismo financeiro impulsionado pela liquidez monetária estatal sem lastro.

Os governos americano(Ronald Reagan) e inglês(Margareth Thatcher), ao final dos anos de 1970, deram arrocho geral, especialmente, na periferia capitalista. Em 1979, os Estados Unidos quebraram essa periferia, quando subiu de 5% para 17% a taxa de juro, para enxugar o excesso de liquidez global, que afetava a saúde do dólar.

De 1980 em diante, diz Lauro, os países ricos cairam na armadilha da dívida na qual antes jogavam os países pobres.

Invariavelmente, os países capitalistas desenvolvidos, sempre que emergiam crises de sobreacumulação de capital, função fundamental do próprio capital, que ameaça, no limite, o capitalismo, davam um jeito de desovar os estoques de dinheiro em excesso, emprestando para a periferia em forma de dívida externa.

 

Instrumento de dominação internacional

 

Marx, no século 19, percebeu a jogada que os ingleses armavam contra os países capitalisas periféricos, e considerou a dívida externa instrumento de dominação internacional.

Num primeiro momento, disse, a dívida dinamiza a economia; no segundo, por criar crônica insuficiência de demanda, no processo de acumulação, via juros, joga a economia periférica em crise de realização. Advém, então, ajustes monetários que empobrecem a população.

A tendência de transportar as crises de sobreacumulação do centro para a periferia se inverteu a partir da crise monetária dos anos de 1980, destaca Lauro em “Moeda e mercadoria: metamorfe e crise”. Como a subida brutal dos juros nos Estados Unidos, em 1979, quebrou a periferia, a prioridade do governo americano, na ocasião, foi a de evitar a quebradeira dos bancos americanos que possuiam negócios no Brasil e nos demais países capitalistas endividados da periferia.

O Consenso de Washington e o FMI passaram a agir coordenadamente para impor a nova ordem do unilateralismo econômico americano: liberar, desregulamentar, afrouxar geral para os rentistas, privatizar e arrochar a sociedade, para que, gastando menos, pague mais juros, via pesados superavits primários.

Em vez de entrar dinheiro, na periferia, o jogo armado foi o de tirar grana dela, quanto mais, melhor, para salvar os credores, que haviam emprestado demais, do sufoco.

Enquanto isso, na Constituição, os credores, com a ajuda intelectual do deputado Nelson Jobim, constituinte, hoje, ministro da Defesa Nacional, impunham sua vontade na nova ordem, expressa no art. 166, parágrafo terceiro, letra b, da Constituição de 1988. Aí está fixada a cláusula pétrea defensora do não contingenciamento de recursos orçamentários para liquidação dos serviços da dívida pública interna. 

Constitucionalmente, sob pressão dos Estados Unidos, a dívida pública brasileira se transformou no melhor negócio especulativo do planeta capitalista. Nesse ambiente, o crédito para os países da periferia escassearam. Só vinha para a jogatina na dívida pública, regada pelos juros mais altos do mundo.

Apesar dessa mamata, que criou, no Brasil, a chamada república bancocrática(Lauro Campos), ainda sobrava muito dinheiro nos países capitalistas ricos, para especulação desenfreada.

Onde iria se reproduzir? Não foi. Ficou no capitalismo cêntrico, mesmo. Surgiram as destruições financeiras, não mais na periferia, mas no centro do sistema.

 

A era da irracionalidade econômica

 

Como reproduzir a montanha de moeda que passou a acumular no capitalismo cêntrico, depois da crise monetária de 1980, enquanto no capitalismo periférico os capitais se escassearam diante do enxugamento neolibeal brutal?

Os ecomistas americanos e europeus, com a ajuda dos colegas no terceiro mundo e de uma imprensa que renunciou à crítica capitalista neoliberal, tiveram então que criar situações para ampliar a reprodução do capital a partir do próprio dinheiro acumulado. 

Depois dos eurodólares, dos petrodólares, dos nipodólares, nascidos no pós-guerra, sob o reinado do dólar,surgia, agora, os dólares derivativos, os derivodólares.

A totalidade dos derivodólares não poderia ir mais para a produção. Geraria deflação, jogando os preços para baixo, sob capitalismo, que precisa de relativa escassez para gerar tensão entre produção e consumo, de modo a elevar os preços e os lucros, na economia real.

Entretanto, como a economia real, desde a crise de 1929, tornara-se insuficiente para a reprodução ampliada do capital, tornou-se necessária a economia fictícia. O derivodólar caia bem.

Os dólares derivativos começaram, nesse período, pós crise monetária dos anos de 1980, a apartecer, para exercitar a função especulativa de esquentar negócios, gerando capitalismo de desastre, como destacam os economistas canadenses. Cassino global.

Nos anos de 1990, ressalta o ex-presidente do Banco Central dos Estados Unidos, Alan Greenspan, em “A era da turbulência”, a economia americana viveu aureo período de exuberancia irracional. Foi além da propria responsabilidade. Abusou do dinheiro. Mas, como este não aceita abuso, agora, deu o troco violento.

A crise imobiliária é apenas o último elo de uma cadeia que vem rebentando há mais de dez anos, sinalizando ciclos cada vez mais curtos de desastres.

O excesso de capital no centro, que não se deslocou para a periferia, é a volta do chicote no lombo de quem mandou dar.

O modelo keynesiano suportará dose maciça de sangria monetária estatal, para enxugar o excesso de liquidez que os dólares derivativos espalharam pelo planeta em montantes incalculáveis, ou sua capacidade, assim como a do neoliberalismo, para dinamizar a demanda global, exauriu-se?

Serão suficientes os 700 bilhões de dólares que o tesouro americano jogará no mercado para dar liquidez à atividade econômica, paralisada pelo empoçamento do crédito, que escasseou geral, dada a desconfiança no mercado bancário dos próprios bancos entre si, sabendo-se que estão todos quebrados?

A primeira grande crise monetária do século 21 demonstra claramente que o capitalismo não está mais nas mãos das forças produtivas, deixadas a si mesma, mas de posse da política estatal leninista, que influencia, nesse momento, decisões de W. Bush.