O trono por um prato de lentilhas

Agusto Carvalho
Agusto Carvalho

O deputado Augusto Carvalho(PPS-DF), convidado pelo governador Arruda para ser Secretário de Saúde do Distrito Federal, vive um drama bíblico-político nesse momento. Aceitará ou não?

Por que o drama? Simples. A saída de Augusto abriria vaga para tornar deputado o notório ex-deputado distrital José Edmar, preso e indiciado por corrupção eleitoral de diversas naturezas, vivendo no limbo.
Um ficha suja amplamente conhecido da população. O fato político, dessa forma, não seria a chegada de Augusto na Secretaria de Saúde, mas a entrada de Edmar à Câmara, impactando a imoralidade política pelas mãos do próprio Augusto.
Augusto trocaria seu capital político, pautado na ética, como demonstra sua participação na história política recente do Distrito Federal, por uma indignidade, ou seja, contribuiria para que chegasse à Câmara Federal a anti-ética como representação popular do Distrito Federal?
Seria uma incongruência política do próprio deputado Augusto Carvalho, que tem se alinhado em defesa da proibição da participação dos fichas sujas na disputa eleitoral.
Ao contribuir para chegar um ficha suja no Parlamento como representante do povo brasiliense, o parlamentar poderia sujar sua própria ficha. Desastre político.
Trocaria seu trono, o patrimônio moral, por um prato de lentilhas, a conquista de uma secretaria de Estado, independente de ser ou não, politicamente, problemática?
Poderia cair numa cama de gato.
Tornar-se secretário de Saúde à custa do capital ético que acumulou, trocando seu conceito de ficha limpa para viabilizar um ficha suja, que se transformaria em capital negativo na sua folha política corrida historicamente pautada pelo discurso ético, representaria desafio e temeridade.
Os que antevêem desgastes políticos para o parlamentar pregam que ele, em vez de virar Secretário, seja o responsável por indicar um nome de prestígio para o cargo, como representante de sua corrente política, à qual recorre o governador Arruda, reconhecendo sua força político-partidária, como aliado governista.
A possibilidade de ele assumir o cargo, no entanto, segundo observadores do movimento de tomada de decisão do parlamentar, é considerável. Estaria considerando possibilidades futuras, ou seja, possível candidatura ao Senado, apoiada pelo governador, que tentaria reeleição.
Nesse caso, o destino poderia poderia proporcionar, quem sabe, disputa pelo Senado por dois políticos brasilienses oriundos de Patos de Minas.
De um lado, deputado Augusto Carvalho, apoiado por Arruda; de outro, deputado Geraldo Magela, do PT, que busca acordos secretos com o PMDB, cujo chefe maior, no DF, é o ex-governador Joaquim Roriz. Seria sensacional.
Mas, e se Augusto Carvalho desgastar-se politicamente por ter viabilizado o seu próprio contrário, o seja, a anti-ética expressa na possibilidade de José Edmar entrar no Congresso.
A ética viabilizaria a anti-ética.